The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

Passeio noturno - Missão para James Winchester Harper

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Passeio noturno - Missão para James Winchester Harper

Mensagem por Hécate em Sex Jan 30, 2015 9:20 am

Recém chegado no acampamento, o mais novo filho de Athena ainda não se acostumara com aquele local. Felizmente, ele tinha seus livros companhia. Sendo assim, James decidiu fazer um passeio noturno pela colina, indo em busca de um local sossegado para ler, esquecendo-se de que as harpias faziam a guarda.

Instruções:

*Conte o que fazia até decidir fazer o tal passeio;
* Ao chegar a colina, verás, de relance, um vulto, que se revelará uma harpia;  
*O monstro, fazia a guarda, mas por achar você rebelde já que não estava no chalé, preferirá te repreender com agressão;
*Enfrente-a para sobreviver, e, de algum modo, a derrote. Então, volte para seu chalé;
Regras:

- Use e abuse da criatividade; Evite o máximo possível de erros ortográficos.
- Sua missão deve ter obrigatoriamente ao menos 45 linhas.
- Prazo de uma semana para postar (06/02).
Boa sorte, prole de Athena.


Hécate


Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de formar grandes sofrimentos e também de remedia-los.
[...]
A grande magia das coisas está em não entender a importância do que é simplesmente essencial. É não questionar os motivos de sonhar. É não cansar de amar.
avatar
Hécate
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 185

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeio noturno - Missão para James Winchester Harper

Mensagem por Nathan D. Ravencross em Qui Fev 05, 2015 6:57 pm




Um encontro nada romântico.



Minha vida está ainda muito conectada com o mundo real, ao ponto de ter que estar migrando entre ambas as realidades para ficar bem. Provavelmente é culpa da doença terminal de meu pai, quem morreu faz dois dias e morando em Londres fica complicado comparecer ao enterro, ainda sim minha cabeça fica transitando nessa falta de adaptação a uma rotina de tantos treinos e tanta responsabilidade. Normalmente minha válvula de escape, não só aqui em Long Islando, como em quase toda minha juventude, é a leitura. Talvez ler nas páginas escritas por grandes pensadores sobre personagens tão diferentes e mágicos deixe minha situação ou pouco melhor, é como se fosse um remédio para os meus problemas, provavelmente eu sou louco em pensar nisso.

Imagine agora um semideus com a mente cheia de problemas após ficar dia e tarde inteira treinando com espadas, combate desarmado ou com arcos, correndo por ai, colhendo frutos ou escalando paredes, não é de se assustar que tal pessoa, hipotética por enquanto, queira um tempo, mesmo que mínimo, para ficar sozinho e relaxar. Se você levou numa boa o motivo de eu ter saído no meio da noite para um lugar mais calmo, parabéns, esta sendo um grande amigo, porém se não aceitar bem essa novidade por eu estar transgredindo uma lei, vai achar interessante o castigo que virá.

O jantar fora perfeito e o clima interessante, como a Caça á Bandeira estava cada vez mais próxima, os chalés conversavam e tentavam alianças ou já até discutiam estratégias para o evento, claro que os filhos da guerra estratégica eram uma ajuda muito requisitada, contudo não sou o conselheiro do chalé para pensar na melhor saída para o combate. Ainda sim curti bastante algumas filhas de Afrodite lançarem seu charme avassalador nos meus irmãos, em mim não funciona, pois alguém já me jogou essa isca de beleza e cai sem defesas para Cherry, todavia não me arrependo. Depois da refeição, é costumeiro que sentemos ao redor da grande fogueira e cantemos ou contemos histórias, normalmente os mais novos apenas escutam e se acostumam, alguns esperam ser reclamados, porém eu não queria estar ali agora, minha mente também não, por isso ninguém me encontrou ao redor das chamas.

Preferi subir a colina com um livro de capa dura enegrecida e até com rasgos em alguns pontos, pertencia a uma coleção escrita por Bernard Cornwell e sabendo que os livros foram herdados por mim graças a fatalidade de meu pai, além disso tendo conhecimento que ele é um grande militar, tal escritor é notoriamente consagrado em relatar guerras ou tal gênero com grande astúcia. Tal objeto desejado ficara abaixo de meu braço esquerdo enquanto eu alcançava um ponto escondido entre as árvores da colina, mesmo que a noite estivesse inundando o mundo com sua sombra, minha visão conseguia distinguir bem os detalhes e a Lua brilhava como nunca, hoje era um dia especial para Selene, com certeza.

Trajava um jeans azul escuro, casaco negro sobre uma camiseta cinza predileta, tênis all star e apenas um boné dos Cavaliers no bolso do meu agasalho. Fora isso eu tinha o meu adereço preferido, um bracelete mágico que recebi ao chegar ao acampamento e ser reclamado pela deusa da sabedoria, literalmente um artigo de proteção, já que vira um escudo. Sentei abaixo de um tronco espesso e aparentemente tranquilo, por que da última vez que tive essa grande ideia de me isolar do mundo para ler, havia um enxame de abelhas bem raivosas que me ferroaram algumas vezes.

Sinceramente o tempo parecia ser uma brisa ao redor do mar, passava sem ser notada, ao menos por quem está concentrado em outras coisas, cada frase ou aventura vivida pelo protagonista no romance tão ativo me prendia ainda mais no livro, perdi totalmente a noção da hora e do lugar, não me importava na verdade nenhum problema vivido por mim até hoje, nenhum combate ou briga que seja, só queria terminar a história. Para falar a verdade eu só percebi quanto tempo tinha passado quando a claridade do acampamento diminuíra quase que por completo, provavelmente todos foram dormir e eu mesmo tinha que voltar ao meu chalé, mas alguém se aproximava vagarosamente pela colina.

Enquanto eu mesmo soava pelo problema ao qual me metera, tentava identificar o que era o ser que se aproximava, aos poucos pude notar asas ao invés de braços, garras nas patas ao invés de pés humanos e um bico afiado e curvo para baixo no lugar de lábios comuns, era uma maldita harpia. Naquele instante me arrependi de não ser atento ou ao menos recordar os avisos que tanto me deram, quem fica depois da hora pode dar de cara com harpias que podem matar qualquer um. Nesse caso, qualquer um é igual a James.
- O que está fazendo aqui semideus? Já se passou muito da hora correta.
-Perdi a hora lendo, senhora... – Falei sem saber qual nome dar, talvez moça de bico curvo fique pejorativo. – Eu estava mesmo indo para meu chalé.
- Na verdade, não irá mais, afinal eu tenho permissão para uma boquinha com os semideuses que passam da hora, Quíron aceitou essa regra para trabalharmos aqui, ainda bem que alguns de vocês não dormem cedo.

No momento que minha mente ainda projetava uma resposta que me salvasse de ser jantar de alguém, o monstro bateu suas asas com força e cobriu a distância de dez metros entre nós num piscar de olhos, lançando suas patas contra meu corpo. O resultado do movimento foi que bati de costas no tronco que antes fora meu encosto, a harpa já vinha para cima novamente e meu corpo doía com o encontrão, tudo fora tão instantâneo que não tive reação, só agora meu corpo conseguia responder aos instintos. Antes que minha adversária me acertasse novamente eu expandi meu bracelete mágico num escudo com a imagem mais terrível que a criatura alada já vira, o rosto da Medusa gravado em metal com olhos de safira que a fizeram petrificar por alguns momentos.
Eu não sei ao certo quando tempo dura o efeito de temor de minha arma, varia muito entre semideuses que treino ou monstros que já encontrei por ai, julguei que a guarda do acampamento ficaria pelo menos alguns minutos sem se mover, dando tempo de sobra para que eu sumisse dali correndo o mais rápido possível, contudo rápido mesmo foi o modo que ela reagiu ao efeito de dormência corporal. O ser se libertou do medo com facilidade, eu mal havia começado a descer a colina e escutei o barulho estridente que ela fazia, antes mesmo de virar a cabeça de onde via eu senti as garras do monstro me agarrando pelo ombro, ela pretendia dar uma voltinha comigo.

Dessa vez agi por reflexo, brandi a borda de meu escudo nas juntas daquela mulher horrorosa a fazendo me soltar antes de ganhar altitude, cai no chão rolando e ficando de frente para o meu desafio pela vida, mas eu não queria ao mesmo tempo matar a harpia que só fazia seu trabalho ali e cumpria regra, norma bem mortal por sinal. O ser do Submundo reclamou numa língua estranha, quer dizer, era grego, porém ao mesmo tempo não era, talvez seja uma variação amis antiga e usada apenas por essas coisas que nasceram com os deuses, desculpe minha comparação história tão errada. Minha companheira de luta veio para cima com suas garras novamente, elas eram bem afiadas e meus ombros ainda ardiam nos pontos onde elas se cravaram em meu corpo, com certeza ela não me agarraria de novo.

Girei meu corpo pelo chão enquanto desviva do ataque, saltei e num movimento único do corpo, rodando minha cintura para dar mais força ao golpe, lancei meu escudo girando pela ar, item que colidiu com bastante força nas costas da mulher. A harpia bateu no chão reclamando agora muito mais compreensível, soltou tantas interjeições e xingamentos que até eu mesmo duvidava que uma mulher ave de milênios atrás soubesse, é como lutar com um ciclope que use gírias. Corri para cima do monstro sem hesitar, tinha que terminar o confronto ali mesmo, sem deixar que ela revide ou me mate. Cai de joelhos no corpo penoso dela, que tento ainda fechar suas asas contra mim e usar os dedos nas pontas dos membros alados para me arranhar, todavia dei uma forte cotovelada em sua têmpora a desacordando.

Levantei cansado pela atividade, recuperei meu escudo e aproveitei que a adrenalina ainda corria pelo meu corpo para sai dali o quanto antes, quem sabe quantas amigas de fofoca da mulher ave escutaram nossa briguinha. Ainda bem que aprendi certinho como usar meu escudo.

habilidades:

Level 1
• Escudo Grego: Como bom filho de Athena, você sabe que a defesa é o melhor ataque. Por isso sua habilidade com o escudo é perfeita.
Level 2
• Visão Noturna - Você enxergar relativamente bem no escuro, graças à ligação de Atena e as corujas.
• Estratégia- O campista é bom em elaborar planos e estratégias de batalha.
Level 3
• Escudo voador - O campista consegue lançar seu escudo em alta velocidade em direção ao oponente lhe causando danos razoáveis.
Código:

*Bracelete Escudo da Medusa - Um bracelete de bronze , que quando tocado pelo filho de Atena, se transformará em um escudo com as bordas de ouro branco e o resto de puro bronze celestial, letal a monstros. O escudo possui entalhado em sua frente a cabeça da Medusa, a criatura mitológica mais temida de todos os tempos. Fragmentos foram depositados no escudo, podendo paralisar o inimigo - Em carne, não pedra - por Dois posts. Monstros ao verem o rosto da criatura ali sentem mais medo de batalhar, abrindo vantagens logo de início ao semideus.Os olhos de Medusa são feitos de safiras o que assusta ainda mais a pessoa que o vir.
* Boné de invisibilidade - Um boné tecido com fios sagrados e abençoados pela deusa da sabedoria, sendo uma réplica exata a uma de suas maiores filhas. O boné é capaz de absorver as partículas de luz do local, desviando-as e tornando o usuário invisível a olho nu por três turnos.

OBS: Desculpe os erros que você achar, eu tive que escrever hoje rapidinho, porque vou viajar amanhã cedo e seria o dia que eu tiraria para dar mais ênfase a missão, mas minha amada mãe reivincidou seus poderes feminino de não planejar nada e mandar a gente arrumar as malas hoje de tarde, mas a senhora sendo uma deusa sabe como funciona esse lado tão mandão feminino. Desculpe de novo



Son of Athena

Thanks T. G. I. Red <> Cupcake Graphics
avatar
Nathan D. Ravencross
III Coorte
III Coorte

Mensagens : 110
Idade : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeio noturno - Missão para James Winchester Harper

Mensagem por Hécate em Dom Fev 08, 2015 8:03 pm

Ganhos:

-Cimitarra negra: Espada, feita de bronze celestial, indestrutível. Esta espada pode cortar qualquer coisa com muita facilidade. Desativada, vira um anel.
-200 xp's
Perdas:
 
HP: - 90
MP: - 50


Hécate


Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de formar grandes sofrimentos e também de remedia-los.
[...]
A grande magia das coisas está em não entender a importância do que é simplesmente essencial. É não questionar os motivos de sonhar. É não cansar de amar.
avatar
Hécate
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 185

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeio noturno - Missão para James Winchester Harper

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum