The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

Sequestro - Missão para Kyros A. Máximos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sequestro - Missão para Kyros A. Máximos

Mensagem por Belona em Ter Jan 27, 2015 11:15 pm


Sequestro



Antes mesmo da carruagem de Apolo atravessar o céu, Kyros já se encontrava na arena. Permaneceu treinando por algumas horas, até ser interrompido. Quíron entrou trotando na arena e parou bem em frente ao garoto, o olhando com uma expressão preocupada.

- Kyros, pare agora mesmo. Me acompanhe, por favor. - Quíron, virou-se antes que o semideus pudesse protestar.
Curioso, o seguiu até a casa grande. Depois de acomodados, o centauro continuou.

- Grace foi sequestrada. Você precisa resgatá-la imediatamente, ela pode estar correndo risco de vida.

- Eu?! Mas, o que tenho haver com ela? - Kyros fitava o homem sem entender nada.

- Garoto, foi a sua irmã.

Instruções:
- Quíron deve lhe contar sobre uma mensagem de Íris que recebeu, com um pedido de socorro de sua irmã, informando que precisava de ajuda e que estava em Montreal, Canadá. Você deve dizer quem a sequestrou e seus motivos. Deve lutar no mínimo com três monstros, distribua-os bem.
Notas finais:
- Abuse de sua criatividade.
- Tente descrever o máximo possível; Detalhes fazem a diferença.
- Sua missão deve ter obrigatoriamente um mínimo de 2500 palavras.
- Tem até dia 27/02 para postar.
Boa sorte, cria de Hades.






Belona
Somente os mortos conhecem o fim da guerra-
avatar
Belona
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 236
Data de inscrição : 23/01/2015
Localização : Em toda, e qualquer guerra.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sequestro - Missão para Kyros A. Máximos

Mensagem por Kyros A. Máximos em Qua Jan 28, 2015 12:24 pm

If people wants to die, let them die.
O RESGATE
Son of Hades
Família Máximos



Não conseguia adormecer naquela madrugada, um pesadelo em particular perseguiu o filho de Hades. Ele podia ver uma garota a ser arrastada, enquanto ele tentava lutar contra aquilo, mas no fim não conseguia alcançar a menina.

Não se recordava de tê-la visto em algum momento da sua vida, mas ela lhe parecia familiar. Aquele tipo de sonho fez com que o filho de Hades ficasse acordado. Ninguém estava acordado naquele momento, o que permitiu com que ele treinasse sem ser perturbado pelas perguntas mais idiotas da face da terra. O céu ainda estava púrpura quando saiu do chalé, e a brisa ainda estava fria o suficiente para que o ar que ele exalava pela boca fosse visível.

O garoto treinou até o sol sair de trás das montanhas, e logo após isso ouviu o som de trotes, era Quíron, o centauro responsável pelas atividades do acampamento. O garoto arqueou a sobrancelha ao ver o homem se aproximar. Não havia se acostumado a dialogar com aquela criatura, só o fazia em tempos de necessidade, não sabia porém aquilo era mais que necessário.

- Kyros, pare agora mesmo. – disse em um tom mais que sério, fazendo Hades se perguntar se havia feito algo de errado. - Me acompanhe por favor.

Sem dizer nada um para o outro andaram em direção a casa grande, Kyros se sentia bastante desconfortável com aquilo tudo, esperava que o centauro começasse a gritar com ele a qualquer instante, mas o outro se mantinha calado em total silêncio.

O centauro parou e se virou para ele, respirando fundo, como quem desse uma péssima notícia. O filho de Hades arqueou a sobrancelha, esperando qualquer notícia pesada, mas o que veio a seguir nem mesmo o perturbou.

- Grace foi sequestrada. – Nunca havia ouvido aquele nome antes, e não sabia porque deveria se importar com ele. – Você precisa resgatá-la imediatamente, ela pode estar correndo risco de vida.

- Eu? Mas o que eu tenho haver com ela? – Não sabia porque era tão ríspido as vezes, era um dom natural, ele não queria ser assim. O olhar do centauro ficou mais obscuro, e o mesmo o fitou no fundo dos olhos.

- Garoto, foi sua irmã. – agora o garoto arregalava os olhos, fitando o homem, que apenas respirou fundo mais uma vez – Agora a salvará?

O menino ficou sem palavras, nunca teve laços com ninguém do acampamento, era indiferente a tudo e a todos, mas por algum motivo aquilo se tornou pessoal demais muito rápido.

- Te encontro daqui a poucos minutos. – falou e sem dizer mais nada se virou, andando até o chalé.

Precisava pegar tudo que pudesse levar, e isso incluía todas as suas armas. Colocou sua espada na bainha e seu bracelete que se transformava em escudo no braço, pegou uma mochila e colocou algum dinheiro dentro, e também suprimentos que encontrou no refeitório.

Foi até os estábulos lentamente e acariciou atrás de uma das orelhas de Hell, seu cérbero, que acordou, fitando-o confuso. O filho de Hades sorriu e assoviou, fazendo com que o animal abanasse seu rabo e o seguisse. Andou até a arvore de Thalia e encontrou com Quírion lá.

Estava completamente vestido para a batalha, e pronto para o combate. O centauro riu baixinho com aquilo, algumas semanas atrás e aquele garoto não saberia nem mesmo movimentar uma espada.

- Muito bem, Kyros. – disse ele voltando a ter uma postura mais séria. – Recebi uma mensagem de Íris da garota. Aparentemente algumas pessoas a perseguiam, ela não conseguiu dizer muita coisa, somente sua localização Montreal , isso não seria um problema, se esse lugar não se localizasse no Canadá.

- Entendo... um lugar bem perigoso. – respirou fundo, aquilo não seria fácil. – a distância também não será minha aliada... Eu devo retornar em alguns dias, talvez em duas semanas.

- Boa sorte, Filho de Hades.

Kyros começou a descer a colina, indo em direção a cidade de nova York. O cérbero pulou em seu ombro assumindo a forma de um filhote adorável, mas o garoto não tinha tempo para aquilo, precisava chegar lá com a maior velocidade possível, ignorava os olhares que atraia contra si, e com um pouco de sorte não havia sido perseguido por nada.

Desde que era pequeno havia se acostumado com o sentimento de solidão, aquilo era tão natural para ele que o assustava as vezes. Ele queria ter alguém com quem contar, mas sabia que não encontraria algo assim, uma família, tão cedo. Fez força para engolir seco e conter as lágrimas ao ter aquele tipo de pensamento, e passou a manga da camisa no rosto.

Deu a volta pela cidade, o que julgava ser muito mais seguro, e no fim da tarde já estava longe o suficiente. Respirou fundo, desenrolando o saco de dormir, não havia tempo para fogueiras. Cobriu-se e fechou os olhos, a única coisa que o protegeria seria seu cão, que deitava-se próximo aos pés do garoto.

Naquela noite sonhou com uma mulher e duas crianças, tentou se aproximar deles mas não foi capaz de reconhecer nenhum dos três. Era uma família bastante feliz, um garotinho mais velho um tanto metido e uma menina mais tímida. A mulher apenas observava os dois brincarem com um sorriso.

Ele acordou suando, aquilo de certa forma foi tão familiar para ele...de qualquer jeito não estava cansado, levantou-se e enrolou o saco de dormir, sorrindo para o cachorro, então voltou a colocar um pé na frente do outro, continuando a seguir o caminho enorme.

Já era meio dia quando encontrou um tipo de lanchonete, e estava com fome. Respirou fundo e adentrou o lugar, já preparado para confusão. Se sentou no ali e esperou ser atendido, pedindo um sanduiche e suco.

Enquanto o sanduiche não chegava, pegou em um mapa, precisava saber quanto tempo faltava. Talvez uns cinco dias, se fosse rápido. Seguiria a rodovia 91 e então subiria para a 89 até chegar na fronteira, onde rumaria ao norte até chegar na cidade. Bufou enquanto o sanduiche chegava, foi servido normalmente e então começou a comer.

Nuvens de chuva se acumularam do lado de fora, e parecia que aquele dia só piorava, ele terminou de comer, e levou o prato até o balcão, ledo engano. Olhou para dentro da cozinha e avistou o cozinheiro, e quando o mesmo se virou só tinha um olho. A mulher que o atendera riu e tirou sua roupa, se mostrando uma harpia.

- Droga. – xingou baixinho e avançou contra a Harpia, tinha que acabar com ela rapidamente, o quanto antes fosse possível.

- Não vai escapar garoto, eu coloquei veneno na comida. – ela estava confiante demais. O menino deu um sorriso de canto e limpou os lábios com a mão.

- Eu sou cria do submundo, acha mesmo que um veneno barato vai me ferir? - Deu um passo para frente, golpeando as pernas do monstro, que foi forçado a ir para o chão, mas aproveitou a brecha para fincar suas garras na perna do semideus, o menino rosnou de dor e como vingança fincou a espada no coração da Harpia.

O ciclope começou a crescer, alcançando uma altura de cinco metros e destruindo o teto da lanchonete. O filho de Hades se viu forçado a se retirar e correu para fora da construção, onde seu cãozinho o esperava.

- COMIDA! – o cozinheiro gritou avançando contra o garoto, que por pouco não havia sido atingido pelas mãos enormes da criatura. O Cérbero rosnou e mordeu o calcanhar do ciclope, que uivou de dor.

-“Alguns clichês nunca mudam.” – o garoto pensou enquanto fincava a espada no joelho do monstro, forçando-o a ficar ajoelhado, então com um único movimento arrancou sua cabeça. O monstro se dissolveu em poeira e o menino se sentou, exausto.

O pequeno cachorro foi até ele arfando alegremente, e foi acariciado atrás da orelha. Não havia muito tempo para descansar, precisava dar um jeito no corte. Adentrou mais uma vez a lanchonete e pegou um lenço para cobrir o ferimento, por hora aquilo bastaria, pegou então alguns sanduiches e colocou na mochila, havia conseguido alguns suprimentos a mais.

- Vamos. – e o filhote voltou a montar no ombro do garoto, que continuou a andar seguindo a rodovia, já tinha um objetivo claro, atravessaria o estado de Nova York até chegar na fronteira, e então iria até Montreal sem maiores problemas.

Isso tudo ignorando claro todos os monstros que poderia encontrar no caminho, e a luta final contra os semideuses. Caminhava em meio a floresta com a cabeça erguida e um sorriso, se sentia bastante confiante com aquilo tudo.

O sol começava a se por, e pouco a pouco os pássaros pararam de cantar. O menino suspirou e saiu da trilha da floresta, se afastando um pouco dali. A última coisa que queria era ser achado por vários monstros.

Desenrolou os sacos de dormir e comeu um dos sanduiches, entregando outro para o cão, que pareceu bastante feliz com tudo aquilo. Acobertou-se e por fim adormeceu, sendo vigiado somente por Hell, sua mascote.

O sonho naquela noite foi bem mais intenso e detalhado. Ele não via mais uma mulher e duas crianças, mas sim dois adolescentes. Ambos eram mais velhos do que ele, e ambos corriam até a colina meio sangue. A garota atravessou primeiro, e foi seguida pelo garoto, eram as mesmas crianças de antes.

O menino não soube dizer sobre como tudo se interligava, e ficava mais e mais complexo a cada segundo que se passava. O cenário mudou, estava de frente para o chalé de Érebo. E viu os dois lá dentro, conversando e rindo entre si, aquilo fez com que ele sorrisse também, não sabia o motivo de ter ficado tão feliz, mas por algum motivo se sentiu em casa pela primeira vez.

O sentimento completamente desconhecido tomou conta do semideus, e ele se sentiu feliz pela primeira vez em muito tempo. Ele precisava saber quem aqueles garotos eram, e porquê se sentia daquela forma.

Acordou na manhã seguinte, e algumas gotículas de água caiam dos céus, não o suficiente para molharem o garoto, mas o suficiente para serem sentidas. O menino enrolou o saco de dormir, prendendo-o na mochila, comeu um sanduiche roubado e prosseguiu, sendo seguido pelo filhote.

Sabia estar sendo observado, colocou a mão na espada e preparou seu bracelete, algo estava atrás dos arbustos se preparando para abater o garoto. O cãozinho ainda não havia sentido o cheiro do monstro, e nem possuía o “sexto sentido” de Kyros, mas parou, observando o dono confuso.

Kyros sabia que aquilo não seria um oponente comum, fácil de se abater, na verdade sentia que aquele seria um combate complicado para ele. O monstro resolveu sair de trás dos arbustos vagarosamente.

Kyros arregalou os olhos quando avistou o enorme animal, reconhecia aquela figura, o leão de Neméia. Ele já havia enfrentado o animal antes, nas suas primeiras semanas no acampamento. Aquela havia sido uma luta bastante brutal, ele quase havia morrido.

O monstro o encarou, como estivesse aos poucos se recordando dele, isso deixou Kyros nervoso. Porque estava encontrando aquele animal justo ali? O monstro parecia se recordar do evento passado agora. Ele rosnou irritado para Kyros, que apenas deu um suspiro cansado.

Desviou da primeira investida do leão, enquanto seu filhote fugiu para um arbusto. O filho de Hades começava a tentar juntar as informações que tinha sobre o oponente. Ataques contra a pele do monstro não eram efetivos. Uma vez que o mesmo tinha uma pele tão dura como ferro, indestrutível, mas lugares como os olhos, o focinho, e a boca, eram vulneráveis, uma vez que eram feitos de material diferente.

Não ia ser moleza assim, o leão conhecia o modo de Kyros de lutar também, e provavelmente fazia o mesmo que o menino, juntava todas as informações passadas e se preparava. O menino ativou seu bracelete, que logo se transformou em seu adorado escudo.

As espirais no centro pareciam se mover para quem quer que as olhasse. Isso fazia com que o oponente ficasse confuso na maioria das vezes. Aproveitou-se da situação e avançou contra a fera, fazendo um pequeno corte em seu focinho.

Aquilo irritou o monstro mais do que o menino pensava, e o escudo foi atingido com força pela pata do animal, a força foi o suficiente para arremessar o filho de Hades para trás, não muito longe, já que o mesmo bateu as costas numa arvore.

- Merda. – xingou baixinho e respirou fundo, havia dado sorte da mochila ter amortecido a queda. Agora ele precisava encontrar uma forma de escapar, ou de enfrentar o monstro. Não haviam planos para enfrentar a criatura, nem qualquer apoio. O menino estava em desvantagem.

Se levantou o mais rápido que podia, afinal era esse seu forte, era assim que ele funcionava, pouco a pouco, um passo de cada vez. Ergueu o escudo e preparou a espada, o monstro era muito grande pra se mover com agilidade pela floresta, então ele se aproveitou disso. Fez o escudo voltar ao estado de bracelete, não queria muito peso, e então começou a correr pela floresta.

O leão rugiu para o ar e começou a correr atrás dele, esbarrando em cada arvore que encontrava no caminho, era muito difícil de lutar ali, seu tamanho avantajado estava atrapalhando-o. Kyros ria baixinho e parou de correr, esperando seu oponente, que já estava bastante cansado de tanto bater em arvores

Os dois se encontraram e Kyros sorriu de canto, estava um pouco mais confiante, porém arfava, aquela corrida havia custado algo. O leão rugiu mais uma vez, tão alto que quase fez com que o menino tivesse que tampar as orelhas, e avançou contra ele, encontrando somente o aço frio do escudo batendo contra seu rosto, mas movimentou as garras de forma que acertassem a lateral do tronco de Kyros, fazendo com que o menino se desorientasse por um segundo e desse alguns passos para trás, tropeçando em uma raiz e caindo.

O felino abriu a enorme boca e avançou contra o pescoço do menino, porém não havia previsto a espada, que foi fincada bem no céu de sua boca. O corpo ficou mole e o garoto conseguiu jogá-lo para o lado antes que se transformasse em poeira.

- E mais uma vez você morreu pela boca. – disse sorrindo de canto enquanto sentia o sangue escorrer pelo machucado. – você não podia ir sem me ferrar não é? – perguntou olhando para o montinho de poeira.

Hell saiu de trás dos arbustos abanando seu rabinho como se nada tivesse acontecido. Kyros retirou néctar da mochila e bebeu um pouco, sentindo o gosto de chocolate quente, pegou algumas faixas e enfaixou o ferimento, respirando fundo, era a segunda vez que havia sido ferido a ponto de sangrar, sem mencionar a patada poderosa do leão, que o jogou contra a arvore.

Ele estava dolorido, mas quando comeu um pouco de ambriosa a dor aliviou. O menino respirou aliviado e se levantou, olhando para frente. Ele só precisava seguir a rodovia 91 e então entrar na rodovia 89 e se não tivesse maiores problemas chegaria lá em dois dias.

Ele passou a seguir a rodovia mais de perto, ouvindo até mesmo os sons de carros. O sol começava a se por, e o menino resolveu descansar um pouco. Não havia desenrolado o saco de dormir, somente sentou-se em uma pedra e limpou as gotículas de suor da testa.

Aquela missão de resgate estava exigindo muito da energia dele, o que até poderia ser um problema, se ele não fosse tão enérgico. Sua mente viajou de volta para o acampamento, quem eram aqueles dois? Precisava se encontrar com eles o quanto antes, descobrir quem eram, e qual era sua ligação com eles.

Se levantou com os olhos fechados, ele estava um bocado cansado, mas não era nada que não pudesse lidar. O cachorro começou a arfar alegre e o menino sorriu, andando em direção a rodovia.

Avistou então uma placa, a rodovia 89 estava ali, do outro lado. Ele só precisava atravessar aquilo sem ser atropelado, fácil o suficiente. Começou a correr seguido do cãozinho e então atravessou com sucesso

Seguiu a rodovia rumo ao norte um pouco mais e então afastou-se dela, entrando entre arbustos e colocando o saco de dormir ali. A noite já reinava ali, e as estrelas podiam ser vistas de onde ele estava.

Fechou os olhos e permitiu que o sonho o dominasse mais uma ultima vez naquela noite. Viu uma mulher, a mesma de antes, grávida. Ela sorria enquanto acariciava sua barriga, e então sentiu uma pontada. As contrações começaram e ela foi levada ao médico, o trabalho de parto parecia estar sendo muito árduo, a mulher estava a ponto de morrer, mas enfim havia sido bem sucedida. Um bebê saudável nasceu, e foi levado por um homem de terno estranho.

Kyros arqueou a sobrancelha, se perguntando aonde tudo aquilo levaria, e então outro homem se aproximou da mulher, um médico. Falou algo que fez o rosto da mulher ir do medo a tristeza.

O tempo passou mais depressa e logo Kyros viu as duas crianças de antes serem separadas. Não entendia o que estava acontecendo, e mais uma vez o cenário mudou. Dessa vez viu um garotinho de cabelos negros lisos e olhos azuis gélidos. Ele arregalou os olhos, era ele, a criança era ele! Isso só podia significar uma coisa...

E então o garoto acordou. Sua respiração estava acelerada e pesada, estava completamente suado. Bufou irritado e se levantou, precisava continuar. Acabou por enrolar mais uma vez o objeto na mochila e prosseguiu.

Ele podia sentir que faltavam algumas horas, ele estava chegando perto. O Canadá era mais frio, porém o menino era capaz de aguentar, não era tão problemático assim. Ele sabia que acabaria por encontrar mais monstros, mas esse não era o problema agora.

Depois de algumas horas de caminhada pode ver Mountreal de longe, respirou aliviado, ele estava perto. A tarde estava terminando quando ele finalmente alcançou a cidade, o menino respirou fundo, agora a parte mais difícil começava, ele tinha que procurar informações, qualquer coisa suspeita.

Começou por checar na parte pobre da cidade, mas não obteve muito sucesso. Sentou-se num banco para descansar e avistou duas figuras encapuzadas. Tinha que ser aquilo.

Começou a seguir as figuras cuidadosamente, se ocultava deles e tomava cuidado para não ser avistado, tudo corria da forma como ele havia planejado. A noite fez com que seus sentidos se apurassem e seus olhos tornassem-se roxos.

O menino os seguiu até um beco, onde eles entraram em uma porta de ferro. O garoto respirou fundo, era ali. Se aproximou com cautela e bateu na porta duas vezes. A mesma se abriu, e um ciclope apareceu.

- O que você... – e o menino fincou a espada no olho do monstro, que tombou. Entrou ali e tratou de fechar a porta, então se abaixou e seguiu silenciosamente até achar um grande salão iluminado por velas. Havia um altar atrás, e uma jaula, onde a garota que deduziu ser Grace estava.

Começou a se esgueirar por ali, esperando não ser visto. Tudo o que fazia era melhor na escuridão, ele estava com sorte afinal. Chegou até a jaula e chamou a atenção da garota :

- Grace! – sussurrou e ela olhou para trás, avistando o garoto, se aproximou. Embora estivesse suja e esfarrapada não demonstrava medo, na verdade seus olhos brilhavam em coragem. – O que diabos querem com você?

- Ah, graças aos deuses. – ela se aliviou, mas então olhou para Kyros mais séria – aparentemente eles são de uma seita, ou ordem secreta, ou algo assim. Toda noite de lua cheia matam um semideus em sacrifício para deuses pagãos ou coisa do tipo, e eu sou a próxima.

- Certo, vamos trabalhar em te tirar dai... hoje não é lua cheia, então temos algum tempo. – a garota assentiu e o filho de Hades se ocultou nas sombras. Um dos homens se aproximou, abriu a gaiola, e jogou comida para a menina.

O garoto saltou sobre o outro e fincou a espada de ferro estigio ali, depois arrastou o corpo para as sombras e pegou a chave. A menina se aproximou da abertura enquanto Kyros tirava as correntes que a prendiam.

Ambos começaram a andar pelo escuro calmamente, a saída estava ficando cada vez mais próxima até que alguém gritou, disparando o alarme. Todos os membros da seita se aproximaram de onde eles estavam, eles já haviam sido localizados.

Os inimigos brandiram espadas contra eles, alguns monstros, outros eram semideuses. O menino não entendia o que estava acontecendo, mas mesmo assim sacou sua espada, olhando para cada um deles.

- Fique atrás de mim. – e ativou seu escudo. A irmã bufou, provavelmente se sentindo uma “donzela indefesa” sendo salva pelo herói, mas não era bem assim. As espirais do escudo pareciam se mover na mente dos oponentes, e Kyros avançou contra um, dando-lhe uma escudada no rosto e fincando a espada em seu peito. Dois deles avançaram contra ele, o menino defendeu o primeiro golpe com o escudo mas foi acertado de leve no ombro.

Grace se aproximou do cadáver e pegou sua espada, agora os dois irmãos estavam prontos para lutar. Cinco marcavam Kyros e três preparavam-se para atacar Grace. Kyros desviou do primeiro golpe desferido contra si com um passo largo para o lado, e então fincou a espada no ombro do inimigo mais a sua frente, para então acerta-lo na cabeça.

O homem caiu e o filho de Hades tratou de enfiar a espada em sua cabeça. Grace desviava dos golpes inimigos com certa agilidade, fincou a espada no coração de um dos três oponentes e continuou a desviar de golpes com sua extrema agilidade.

O garoto sabia que sua irmã podia se virar, então nem mesmo pensou em ajuda-la, ele ainda tinha quatro problemas para resolver. Correu até eles e então jogou o escudo na cabeça de um, saltando sobre seu peito e fincando a espada logo ali. Desviou de outros golpes e pegou seu escudo de volta.

Um outro garoto avançava contra ele, mas foi mordido no pescoço pelo filhote de cérbero, que entrou na luta. Isso não impediu o movimento, que fez um corte profundo no ombro de Kyros, mas suas três cabeças mordiam calcanhares enquanto suas garras desequilibraram os inimigos, dois deles caíram, possibilitando que o filho de Hades fizesse um corte profundo no pescoço do primeiro, e fincasse a espada na cabeça do segundo. Grace se esquivou de um golpe desferido contra ela dando um salto para o lado, e então fincou a espada na lateral do tórax do oponente, só sobraram dois oponentes.

Os dois irmãos sorriram um para o outro e avançaram contra seus inimigos, Kyros trocou alguns golpes contra o oponente e fincou a espada em seu coração. Já Grace havia sido muito mais fria, e simplesmente correu contra o oponente e saltou, fincando a espada no seu pescoço.

Ambos arfaram exaustos, mas não havia tempo para parar. O garoto correu até a saída seguido pela garota, e ambos fugiram até chegarem na floresta. O filho de Hades se sentou no chão de qualquer jeito, e a garota fez o mesmo. Um sorriu para o outro.

- Obrigado, irmãozinho. – ela riu balançando os cabelos do garoto que apenas sorriu de canto – qual é o plano agora?

- Tudo que temos que fazer... – ele fez uma pausa, respirando fundo – é voltar ao acampamento, uns dois ou três dias de viagem, e depois disso você vai tentar não ser mais sequestrada novamente.

- Certo, certo. – ela disse levemente irritada com o ultimo comentário, e um sorriu pro outro uma ultima vez.

Os dias que se seguiram de viagem de volta foram mais tranquilos, os garotos souberam como se esquivar de possíveis monstros pelo caminho, e por fim, chegaram ao acampamento sem maiores problemas. Se despediram e Kyros foi relatar o ocorrido para Quírion, sendo parabenizado por acabar com aquele tipo de ameaça.

Porém ainda estava a ser perturbado pelos sonhos, mas isso era algo que poderia resolver outra hora, por enquanto apenas se alegrava por ter tido sucesso.

Itens levados:
* Espada de Ferro Estígio:Nas mãos de um filho de Hades é perfeita em precisão e dano. A cada golpe feito em monstros a espada converte o dano do monstro em energia e vida para quem a usa

* Escudo Negro: um escudo abençoado por Hécate, sendo assim, indestrutível. Transforma-se em um bracelete quando não está em uso. Entalhado nele desenhos em espiral, que confundem o inimigo em batalha.

Mascote:
Hell - O mascote tem o poder de se transformar em um filhote fofo,e pegar o inimigo desprevenido. De acordo com seus níveis ele passa a ter poderes adicionais


Poderes:
✝ Penumbra: Quando na escuridão, o filho de Hades tem todos os seus sentidos aguçados, principalmente a visão. Seu ataque aumenta e seu nível de percepção também.

✝ Resistência a Venenos. O submundo é repleto de gases venenosos e isso cria uma imunidade aos filhos de Hades a venenos, os mais fracos são anulados e os mais fortes tem o efeito menor sobre o filho do deus.

✝ Aura Sombria. Os filhos de Hades deixam a impressão de que são perigosos e sombrios e raramente se entende o que eles estão sentindo só de olhá-los. Muitos se afastam de seu caminho por ter essa sombra que parece pairar ao redor deles.

✝ Aparência Cadavérica:A pele do filho de Hades é pálida e fria como a de um cadáver. Seus olhos, na escuridão, se tornam roxos e brilhantes. Essa aparência, diante de alguns monstros mais fracos, causa medo e os obriga à hesitar.

✝ Maestria com armas de ferro estígio: O filho de Hades é capaz de manusear armas feitas de ferro estígio como se estivesse treinado séculos com ela.
By Max

Kyros A. Máximos
Sem grupo
Sem grupo

Mensagens : 32
Data de inscrição : 09/01/2015

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sequestro - Missão para Kyros A. Máximos

Mensagem por Belona em Qui Jan 29, 2015 2:59 pm

Pontos positivos:
Kyros, sua ortografia estava ótima, não notei erro algum. Fez uma narração excelente, de modo que a história não se tornou cansativa, e foi bastante criativo.
Pontos negativos:
Faltou total coerência quando comeu a comida envenenada. Você não é nenhum deus, ainda é mortal, ou seja, pode ser morto tanta pela parte deus tanto quanto pela parte humana. E esse é um dos motivos de te descontar grande parte de sua recompensa. E, Kyros, houve carência de detalhes na primeira luta.
Resultado:
Na missão One-Post é possível receber ao todo 500 XP, contudo, você cometeu erros grotescos. Portanto, sua recompensa é:
+ 90 XP.
- 115 HP.

Aguarde atualização.



Belona
Somente os mortos conhecem o fim da guerra-
avatar
Belona
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 236
Data de inscrição : 23/01/2015
Localização : Em toda, e qualquer guerra.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sequestro - Missão para Kyros A. Máximos

Mensagem por Zeus em Qui Jan 29, 2015 5:11 pm

Atualizado


Lorde Zeus
avatar
Zeus
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Mensagens : 1112
Data de inscrição : 01/09/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sequestro - Missão para Kyros A. Máximos

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum