The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Ir em baixo

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson Empty [MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Mensagem por Leona Sigmond em Sab Nov 02, 2019 9:00 pm


I'M BATTLE BORN


Once upon a time I swore I had a heart

Long before the world I know tore it all apart

Once upon a time there was a part of me I shared

Years before they took away the part of me that cared


O monstro do lago
Você estava passeando pela borda do lago quando percebeu um pequeno barco flutuando por ali, intrigado, notou que havia itens, mas não pessoas e decidiu que precisava de ajuda para saber o que estava acontecendo. Acontece que ao longe, pôde perceber que alguém parecia se debater e pedir por ajuda. Agora você tinha duas opções: ir para dentro e chamar por reforço ou tentar resolver sozinho e arriscar-se a virar alimento para a criatura misteriosa junto do semideus clamando por ajuda.
Requisito – Mínimo nível 20.
Recompensa até: 5.000 XP – 3.000 dracmas – 4 ossos


Detalhes do enredo: Daniel, Leona e Michelle acabaram de sair do Labirinto de Dédalo, onde caíram após destruição do laboratório da seita onde eram objetos de estudo. A busca por uma saída levou 2 anos no mundo real, enquanto que para os 3 levou alguns dias.

Em um momento você está correndo de alguma coisa que não dorme, não se cansa e está sempre faminta, sempre sedenta por sangue – Pelo que os manuscritos diziam era implacável e não podia ser enganada, pois ela não possui olhos, apenas ouvidos e um nariz de olfato apurado – No outro você está dobrando uma esquina, com Daniel e Michelle, e sendo surpreendida pelo frio súbito do inverno rigoroso do subúrbio de alguma grande cidade do hemisfério norte.


— Ugh. — Deixei o ar escapar pela boca quando meu corpo caiu na fina camada de neve que encobria o chão.

Podia sentir em meus ouvidos o palpitar do meu coração acelerado no peito, que agora ardia com a baixa temperatura do ar.

Sem muita força de vontade restante, girei o corpo, ficando agora de barriga para cima. Os olhos vidrados no que parecia ser a parte debaixo de uma base elevada para trilhos de trem. Aos poucos as vozes de pessoas chegavam aos meus ouvidos e, junto com elas, o crepitar de chamas. Eu conseguia entender... era inglês a língua falada por eles.

Estavam reclamando sobre novos arruaceiros e aquelas palavras ferinas pareciam ter afetado Daniel, ou pelo menos foi o que ele quis fazer parecer. Não demorou nada para ele se pôr de pé e sair caminhando sem rumo, até esbarrar em alguns lixos por trás de uma das pilastras de sustentação dos trilhos do trem. Pude ouvir apenas o som dos lixos sendo revirados e, então, nada mais de Daniel.

Michelle também parecia ter sumido, tomado seu próprio rumo para longe daqueles possíveis delinquentes. Ou então foi buscar algum abrigo para se aquecer do frio. Não a culparia, mas o frio nunca me incomodou.


Me pus de pé e caminhei lentamente até um dos muitos tonéis usados de lareira pelos sem-teto e me encontrei parada a poucos metros do que possuía menos pessoas. Havia uma garota com uma barriga imensa, possivelmente grávida; Um homem alto e encorpado de pele negra e feições duras, sisudas. Ele me encarou, dos pés à cabeça e disse de forma debochada com sua voz rouca, estragada pelo cigarro e pela bebida.

— Uh?! A princesa foi posta para fora de casa? — O encarei de volta, fungando para fingir um possível resfriado com coriza.

— N-não... só... tentando um recomeço. — Abracei meus próprios braços enquanto observava por cima dos ombros, atrás de Daniel e Michelle. Não havia sinal deles.

— Que péssimo recomeço, loirinha. — O homem empregou um tom de voz de lamento, mas eu podia sentir que não era verdadeiro.

— Para com isso, Hank. — A grávida se pronunciou, se aproximando de mim para me dar um pedaço de seu cobertor. Aceitei de bom grado para poder me enturmar com eles. — Ela precisa se esquentar ou vai morrer de frio. Nós não somos iguais aos assalariados. Nós abraçamos aqueles que necessitam.

— Ótimo, mais uma boca pra alimentar. — O homem chamado de Hank reclamou, esfregando as palmas e aproximando-as do fogo. — Você é muito ingênua, Jane.

— Não precisam... se preocupar. — Dissimulei uma tremedeira para me parecer com eles. — Amanhã eu irei procurar um lugar para me abrigar.

— Tem o albergue! — Jane disse com os olhos fixos no fogo enquanto passava a mão em meu braço para me ajudar a me esquentar. — Mas lá pode ser perigoso... Têm outros como nós, lá, que extorquem seus colegas cobrando moradia e, para nós, mulheres, é ainda mais perigoso...

Dirigi a ela um olhar analítico, entendo que a garota falava sobre estupros. Enquanto analisava suas feições e entendia, talvez, de onde aquela gravidez havia surgido.

— É um lugar muito perigoso. — Hank concordou. — Talvez nem valha a pena as camas e os chuveiros.

Sim, era daquilo que eu precisava! Um lugar para passar a noite e me limpar, não necessariamente nesta ordem. Aquilo poderia ser perigoso para eles, meros humanos sem muito treinamento ou chances contra outros seres humanos. Mas eu sim poderia me defender de quantos mendigos fosse preciso.

— Podem me mostrar onde fica este albergue?

******************************************************************


Andamos por alguns minutos pelas ruas daquela cidade, a qual eu não sabia o nome, até chegar na fachada do tão temido albergue. Uma parte dentro de mim queria que alguém viesse extorquir qualquer coisa de mim, mas outra só queria passar a noite e descobrir o que fazer desta nova vida que estava começando. Novos objetivos precisariam ser traçados, meu antigo método de vida me impedia de apenas ficar por aí, sobrevivendo.

— Este é o lugar... — Questionei meus guias e Hank apenas maneou a cabeça em positivo.

— De manhã a gente pode passar aqui pra ver se você está viva. — Apenas o encarei por alguns segundos, mas Jenny cortou o foco.

— Pensando melhor, acho que você não deveria ficar aqui. A gente pode achar um lugar quentinho pra você lá, com a gente. — Negativei com a cabeça.

— Relaxem. Eu posso me cuidar.

— A princesinha sabe se cuidar. — Hank debochou, se virou e começou a voltar pelo mesmo caminho que fizemos para chegar ali. — Não se preocupe com ela, Jenny. Você precisa se preocupar com o fedelho que está carregando aí.

Eles foram embora e eu me pus a subir os poucos degraus até a porta de entrada do albergue. Às vezes eu gostaria de ser como o Daniel, tão egoísta que não se importa de mandar alguém embora ou apenas sair e deixar as pessoas falando sozinhas.

O salão principal era bem iluminado, com algumas pessoas a se amontoar aqui e ali. A televisão ligada noticiava algum acidente de trânsito ou algo assim. Não me interessei por isso, seguindo diretamente para o balcão de informações. A garota que me atendeu foi gentil e me guiou para um dos quartos, onde não havia ninguém, ainda. Quando me deixou fui até o sofá e me sentei ali, por alguns minutos. A luz parca da rua que entrava pelos vãos da janela deixava uma penumbra agradável.

— Pra onde será que o Daniel foi…? — Divaguei e me levantei. Busquei as coisas para poder tomar banho e fui para o vestiário.


Aquele lugar estava muito silencioso. Havia um forte cheiro de esgoto e urina. Uma das lâmpadas do fundo do vestiário estava com defeito, de modo que ficava piscando sem parar. Algumas mariposas voavam em torno da lâmpada defeituosa e, quando cheguei próxima a ela, foi como se uma tontura me atingisse com força e, quando me escorei na parede para não cair, me assustei, pois onde deveria haver uma parede havia uma árvore.

A lâmpada que antes piscava sem parar, agora, não piscava mais. Deu lugar a um céu cinzento, tomado por uma espessa névoa. A umidade foi a níveis altos e um vento frio batia do leste. Ou seria Oeste? Não sabia dizer, pois sequer o sol eu podia ver.

— Olá?! — Será que haviam me drogado? Aquilo não parecia um pesadelo.

Caminhei a passos inseguros por entre algumas árvores altas, retas e de galhos finos e secos. A neblina densa dava a impressão de que, ao longe, se podia distinguir sombras de outras pessoas ou animais… ou até mesmo monstros. Eu só teria minhas próprias mãos pra me defender, então, seria muito mais esperto não ser notada.


Ao longe captei o som de água e rumei para lá, não demorou para chegar à beira de um lago de águas cinzentas, escuras. Não se podia ver nada ao fundo, o que me deixava inquieta. Busquei algo mais ao longe e, então, fui surpreendida por um pequeno bote, flutuando bem perto do centro.

Como se tivesse me percebido somente agora um garoto começou a bater os braços e gritar por socorro. Sua voz demandava urgência e eu conseguia apenas ver sua silhueta, lutando para se manter na superfície.

— Socorro! Alguém me ajuda!

— O barco está próximo! Tente ir até ele! — Gritei em resposta, mas o garoto parecia desesperado demais para pensar com clareza..

— Por favor, eu não quero morrer! — Franzi o cenho, caminhando até a borda do lago até meus tornozelos afundarem no lodo.

— Eu já estou indo!

Respirei fundo e comecei a adentrar a água escura daquele lago, até que não pude mais sentir o chão sob meus pés. Passei a nadar rapidamente até o barco para que pudesse remar até onde o afogado estava e, quando cheguei ao pequeno bote me empoleirei na lateral, um pouco em dúvida de como subir nele.

Usando do máximo de força em minhas pernas me impulsionei para cima da canoa e caí em seu interior, respirando um pouco ofegante. Ali dentro havia uma mochila, a qual prontamente peguei e coloquei nos ombros. Se a canoa virasse ela não se perderia.

— Olá?! Onde você está?! — Gritei de onde estava, mas não havia sinal do garoto.

Até que a sua voz veio de um outro lado, um local que seria improvável ele ter ido.

— Socorro! Alguém me ajuda! — Agora eu podia ouvi-lo mais de perto e a sua voz estava estranhamente duplicada.

— Segue a minha voz! Posso ouvir você bem perto!

— Por favor, eu não quero morrer!

Eu havia sido muito idiota e só havia percebido naquele momento. Aquele garoto não era real. Era claramente alguma coisa mimetizando o som de alguém se afogando. Provavelmente o último dono daquele barco.

Forçando um pouco mais minha visão, pude ver a sobra estática do “garoto”. Sua silhueta estava parada, apenas com ombros e cabeça pra fora da água. E o que veio à seguir apenas me deu mais certeza de que eu havia sido atraída para uma cilada.

— Segue a minha voz! Posso ouvir você bem perto!

Meu coração falhou uma batida quando ouvi minha voz ser replicada de forma tão medonha e duplicada, como se eu estivesse falando com uma versão minha possuída por um clássico demônio católico.

— Olá?! Onde você está?!

Então aquela silhueta do afogado se desmembrou em pedaços irregulares, subindo por um tentáculo cerca de 5 metros acima do nível da água. Era como um braço comprido, fino, com 7 dedos desprovidos de ossos cujas pontas vestiam uma carcaça huamana.

Aquela coisa deu uma sacolejada no ar e se desfez dos pedaços de sua última vítima. Uma das partes da carcaça caiu no barco e, infelizmente, foi a cabeça e metade da clavícula direita. Os olhos fitavam o nada enquanto a boca estava aberta de uma forma impossível. Era uma expressão de puro medo e insanidade estampada no rosto daquele cadáver. Arriscaria em dizer que morreu de susto.

— Ah! Porcaria...!

— Eu já estou indo!

Aquele monstro estava mimetizando minha voz de forma extremamente bizarra enquanto abaixava aquele tentáculo velozmente em direção ao barco. A pancada foi impiedosa e partiu a pequena embarcação no meio. Meu corpo foi projetado alguns metros acima da água até me senti atingir com força o lago e submergir.

Não costumava sentir medo de monstros, mas aquela criatura do lago fez medos primordiais virem à tona. Eu estava com medo do que ele poderia fazer comigo antes de morrer. A imagem do corpo despedaçado apareceu em minha mente novamente e, então, gritei, debaixo da água mesmo. Cada membro de meu corpo estava inundado com adrenalina, o que fez com que eu, rapidamente, emergisse de volta à superfície.

Nadei o mais rápido que conseguia, embora soubesse que não seria o bastante. Levou um pouco mais de cinco minutos para ir da margem do lago até o barco, e a volta, mesmo que devesse demorar um pouco menos por causa da pressa impulsionada pelo pavor, não seria o suficiente para que eu deixasse uma criatura aquática para trás.

Senti alguma coisa segurar meu tornozelo. A dor seria o  bastante para fazer uma pessoa comum desmaiar, eu sabia, podia sentir. Minha tolerância à dor era muito grande e, ainda assim, aquela ardência súbita me fez sentir vontade de gritar.

Fui puxada para baixo da água novamente, a sorte foi que consegui puxar uma grande quantidade de ar antes de submergir novamente nas águas escuras daquele frio lago em “Não é um bom lugar para tirar férias”.

As bolhas deslizavam pelo meu corpo até que o movimento diminuiu e a pressão era forte. Fazia minha cabeça doer e meus tímpanos latejarem. Podia sentir até mesmo minha barriga ser pressionada, fazendo o trabalho de segurar a respiração muito mais difícil do que parecia.

Eu não conseguia enxergar direito por causa da pouca luminosidade e, também, do lodo remexido do fundo. Estava tudo extremamente turvo e, então, uma parca luz vermelha fez um corpo aparecer diante dos meus olhos. Não conseguia focar no que quer que aquilo fosse, mas apenas a sua silhueta luminescente de vermelho me fazia sentir vontade de arrancar meus olhos. De acabar com a minha vida ali mesmo.

Sua forma me fazia lembrar muito uma água-viva, só que gigantesca. Pude ouvir dentro da minha cabeça vozes gritando coisas terríveis, como:

“Que coisa é essa?!” - Uma voz estupefata, amedrontada.
“Isso é o próprio demônio!” - Outra voz ecoou entre meus ouvidos, apavorada.
“Me mata! Por favor me mata!” - O desespero tomava a terceira voz.
“Deus, O que foi que eu fiz para merecer isso?!” - Clamava pelo deus cristão, mas ao fundo consegui ouvir uma risada de escárnio do monstro.
“sim, agora eu entendo… Vamos ser uno…” - E por fim uma voz que parecia encantada, mas repleta de um tom insano.

Eu não ficaria ali para entender de onde aquelas vozes ressoando em minha cabeça vinham. Precisava tomar alguma providência ou morreria afogada, ou pior, morta por aquela coisa que eu sequer sabia o que era. Minha vontade se fez em menos de um segundo e uma fina camada de energia circundou meu corpo rente à minha pele, emanando, em seguida, uma luz tão forte que eu sabia poder ser visível até mesmo do lado de fora daquele lago lodoso.

Senti a pegada afrouxar em minha pele que, agora, estava transformada em bronze. O peso extra pelos meus ossos fez meu corpo descer ainda mais, até que meus pés tocaram o fundo daquele lago nojento. A força que minhas pernas acumularam era tamanha que meus músculos queimaram. Era a hora de dissipar toda essa energia.

Me desfiz da pele de bronze e dos ossos de aço, me impulsionando para cima em seguida. Emergi rapidamente, tal qual um torpedo, para fora da água. Em pleno ar girei o corpo em uma espécie de estrelinha desajeitada e aterrissei próximo à margem, de modo que consegui sair da água.

Meu peito ardia como nunca ardera antes e, foi então, que pude ouvir muitas vozes falando em uníssono às minhas costas.

“Vamos ser uno!”
“Vamos ser uno!”
“Vamos ser uno!”
“Vamos ser uno!”

Dentro da mochila consegui sentir a presença de diversas armas e aquilo foi um alívio tão grande que me peguei sorrindo.

Tirei o braço de uma das alças enquanto me ajoelhava, colocando a mochila no chão e, rapidamente, abrindo seu zíper. A água escorria por meu queixo e nariz, deixando meus olhos igualmente marejados e irritados por causa da lama presente na água, mas eu sabia o que queria pegar ali. Podia sentir todo aquele poder emanando de uma única lâmina.

Ao sacar a espada de dentro da mochila o metal tiniu. Girei a katana em meu punho para adquirir velocidade e, então, em um golpe destro após um rápido giro de 180ºm, senti o ferro decepar uma massa orgânica e fétida, cheirando a peixe. Não houve recuo, o que me incentivou a atacar novamente, e atacar, atacar, atacar. Um, dois, três, cinco, sete golpes foram necessários para que houvesse um recuo, mas para minha infelicidade aquele retrocesso se transformou em um impulso para um ataque.

Fui facilmente jogada contra uma árvore fina e ressecada. Estava morta, como tudo em volta daquele pedaço de floresta. No chão, ofegante, passei a mão em meus olhos, limpando a visão e foi então que vi aquela coisa horrível. Era a coisa mais terrível e nojenta que eu havia visto. Era como se a personificação da corrupção, vinda de fora do planeta, estivesse ali para foder com tudo o que tocasse. Eu queria gritar, queria correr e fugir dali, não ver mais aquele monstro terrível, mas quando estava prestes a desistir meus ouvidos captaram sons de passos apressados vindo em minha direção.

Eram cães. Cães infernais, após uma visão mais apurada.

Vinham correndo em velocidade anormal e começaram a atacar os tentáculos pegajosos daquela atrocidade. Então mais passos vieram ao meu encontro e pude ver Michelle, Mica, como ela mesma já havia pedido para ser chamada. Seu rosto tentava me passar confiança, mas eu sabia que também estava com medo. Duvidava que ela já havia visto aquele monstro horrendo

— Eu vou distraí-lo, ok? — Com os olhos arregalados, maneei a cabeça em positivo.

— T-tá... — Foi o que saiu no momento. Enquanto corria para longe, Mica virou uma vez mais para mim e me cumprimentou de forma divertida, o que aliviou um pouco a tensão.

Ela era rápida, tão rápida que alguns movimentos me escapavam à visão. Pena que os cães infernais, aliados aparentes da filha de Nice, não eram tão rápidos quanto Mica e um deles pereceu, sendo deixado esmagado contra o lodo. O segundo ainda mordia, esquivava e arranhava em conjunto com a morena, o que me deu tempo de ir até a mochila que eu havia perdido e ver o que havia nela de bom, além daquela espada.

— Podia ter uma bazuca aqui... — Comentei enquanto revirava a bolsa com a mão, enfiando meu braço até o ombro.

Encontrei alguns anéis, um machado, uma besta e um arco, mas nada de flechas ou dardos. Precisaria providenciar algo para poder usar aquelas armas. Um pouco desapontada, vesti a alça da mochila e observei a batalha, bem a tempo de ver Mica ser jogada contra o chão e um tentáculo ficar a poucos centímetros de tocá-la.

Corri com toda a força disponível em minhas pernas e saltei por cima do corpo da filha de Nike, dando um giro em meio ao salto e desferindo um golpe cortante com a Katana no tentáculo gelatinoso. As vozes, com a proximidade, se tornaram mais sonoras e altas em minha cabeça. Gritaram de dor.

Aterrissei no lodo e continuei em um giro para dissipar a energia que cinética da acrobacia anterior, parando com a Katana empunhada com ambas as mãos. Eu sabia que, se eu quisesse causar mais dano, precisaria adotar aquela postura.

— Sempre acreditei em você, Leo! — A voz de Mica soou atrás de mim, e eu apenas sorri de canto.

— Conta outra, Johanson… você não confia nem na própria sombra. — Após esta frase, observei a criatura recuar alguns metros e um dos tentáculos abraçar a o corpo esmagado do cão infernal, ainda moribundo, e ele começar a ser derretido e se tornar um com o monstro.

— Não vamos vencer, Leo, nós temos de fugir! — Maneei a cabeça em positivo, concordando com as palavras da filha de Nike.

— É… vamos embora. — A respondi, desfazendo a postura e estendendo a mão para Michelle. — De preferência, embora desse lugar maluco.

Quando me voltei para trás, Michelle jogava uma moeda para cima com o indicador, fazendo o metal tilintar em sua unha. A moeda girou até quase atingir o ápice da subida, desacelerando tudo em volta. Era uma habilidade bastante útil, precisava admitir.

— Holly shitt! — Michelle exclamou alto e começou a recuar. — É a nossa chance!

Juntas fugimos daquele lugar terrível, deixando para trás o cão infernal remanescente. Precisava ver o que havia de interessante dentro daquela mochila. A julgar pelas armas nela guardadas, nem tudo ali era apenas bijuteria.

Poderes passivos:

Apolo:
Nível 3
Nome do poder: Beleza Divina
Descrição: Filhos de Apolo/Febo são naturalmente belos podendo inclusive deixar os oponentes confusos e atordoado com sua beleza, os reflexos do adversário ficam mais lentos por alguns poucos segundos dando chance ao filho de Apolo/Febo de atacar. Serve apenas como distração, e semideuses imunes a charme, ou beleza, não serão afetados por esse poder.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: O adversário pode hesitar por quase 20 segundos, e te dar chance de atacar.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Quente como o sol I
Descrição: Filhos do deus solar, esses semideuses possuem naturalmente uma temperatura corporal mais elevada. Sentem dificuldade em sentir a mudança de temperatura, sentindo frio apenas quando a temperatura se aproxima do zero. Em ambientes quentes, sentem-se confortáveis e mais agitados do que o comum.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +40% de resistência ao frio; +10% de resistência física em locais quentes.
Dano: Nenhum

Nível 4
Nome do poder: Cura Solar I
Descrição: Quando exposto ao Sol, o filho de Apolo/Febo tem as feridas curadas mais rapidamente, nesse nível apenas ferimentos mais leves são fechados, e isso dura alguns poucos minutos. (Só pode ser usado uma vez a cada 3 turnos).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera 30 HP e 30 MP do semideus.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Corpo Atlético I
Descrição: Apolo sempre foi descrito como um Deus jovem e no auge do seu vigor físico. Filhos de Apolo herdaram essa característica de seu pai, sempre são vistos praticando esportes e atividades físicas para se manterem atléticos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de agilidade e esquiva
Dano: Nenhum
Ares:

Nível 5
Nome do poder: Mãos trocadas
Descrição: Graças à natural facilidade no manuseio de armas, as proles do deus da guerra conseguem manusear com extrema perícia duas armas ao mesmo tempo, sendo ambidestros por natureza. Seus golpes são potentes independente de com qual mão esteja segurando a arma, além de conseguir utilizar armamentos pesados de duas mãos utilizando apenas uma, como espadas montantes, machados de guerra, lanças e etc.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguirá manusear duas armas com naturalidade, desde que essas não precisem das duas mãos para ser empunhadas (ex: podem usar uma espada curta em cada mão, dois machados mais leves, duas adagas), lutando com a mesma destreza que lutaria apenas com uma arma.
Dano: Nenhum.


Nível 8
Nome do poder: Velocidade Atlética
Descrição: Um bom combatente sempre está preparado fisicamente para os futuros combates, sendo que as proles do deus da guerra levam a sério seus treinamentos rígidos, buscando sempre serem melhores. Devido a condição física e biológica natural do semideus, e de seu empenho nos treinamentos, são quase tão rápidos e ágeis quanto filhos de Hermes, conseguindo correr longas metragens sem se cansarem. Movimentos de finta, esquiva e outros que requeiram velocidade/agilidade, sempre possuem mais chances de funcionar contra inimigos mais lentos, além de perderem em uma corrida apenas para seres tão velozes quanto filhos do deus mensageiro.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 15% de chance de conseguir se esquivar, pular, e saltar em uma luta com inimigos mais fracos, ou mais lentos.
Dano: Nenhum


Nível 32
Nome do poder: Ignorando a dor II
Descrição: Já fortificados e com o corpo repleto de cicatrizes e demais sinais de combate, os filhos de Ares/Marte melhoram a capacidade de ignorarem a dor de ferimentos, podendo lutar normalmente mesmo se estiverem com luxação, dedos quebrado ou ferimento profundo e não mortal. Nesse nível, caso o golpe incapacite um membro do semideus, a dor poderá ser ignorada apenas durante três turnos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Podem ignorar a dor de queimaduras de grau médio, desde que não sejam em grande escala de estrago, luxações, câimbras, fraturas em dedos e etc. Apesar de serem afetados, e sentirem dor, conseguem continuar lutando. Fraturas em braços, pernas, costelas e outros membros não entram nesse poder.
Dano: Nenhum

Nível 33
Nome do poder: Resistência
Descrição: Após tantas batalhas, tantos treinamentos e por levarem sempre seus corpos ao limite, os filhos de Ares/Marte possuem um corpo calejado, acostumado a apanhar e sofrer desgastes físicos. Ao sofrerem ataques físicos, os semideuses sofrerão danos menores, sendo capazes de suportar por um tempo maior os combates contra seus oponentes.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 15% de resistência a mais no corpo em ataques físicos (socos, chutes, bater a cabeça dele em algum lugar, acerta-lo com bastões e etc).
Dano: Nenhum

Nível 36
Nome do poder: Sensibilidade a Armas II
Descrição: O filho de Ares/Marte tem uma certa sensibilidade quando se trata de armas, sendo inclusive capaz de senti-las. Agora o semideus consegue sentir armas menores, e maiores, e até mesmo armas lendárias e antigas, forjadas pelos deuses, por Hefesto, ou coisas que foram deixados por legionários e exércitos em batalhas, esquecidas no tempo. Ao combinar esse poder com a atração de armas, será capaz de atrair essas armas perdidas, e enterradas até você, como um imã. Essas armas não desaparecem ao fim da luta, e inclusive podem ser recuperadas pelo semideus.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Permite ao semideus solicitar ao narrador se existem armas perdidas em campo, enterradas, ou submersas. Ocultas.
Dano: Nenhum

Nível 50
Nome do poder: Pericia com lâminas IV
Descrição:  Você se tornou um mestre na arte de lidar com laminas, é um excelente esgrimista, sabe empunhar e lançar lanças, lidar com arremesso de facas e combater com adagas sem qualquer problema, além disso ainda consegue se defender com elas, você é mesmo um herói incrível.  
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +100% de chance de acerto no manuseio de lâminas.
Dano:  +40% de dano se o adversário for atingido pelo semideus.

Nível 52
Nome do poder: Marcha forçada
Descrição: Durante o período de guerra, os exércitos muitas vezes combatem a grandes distâncias do local aonde residem, sendo obrigados a enfrentarem dificuldades para marcharem, como falta de alimento, temperaturas climáticas inconstantes, terreno acidentado e etc. Para que não sofram tanto em suas jornadas, os filhos de Ares/Marte possuem um corpo fisiologicamente preparado. As proles do deus da guerra são capazes de ficarem até cinco dias sem comerem, três dias sem beber água, podem passar por montanhas e pântanos sem dificuldades e efeitos climáticos serão 50% menores sobre si.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderes relacionados a clima (vento, chuva, lama, ou etc), terão metade do efeito reduzido contra o filho de Ares/Marte.
Dano: Nenhum

Nível 60
Nome do poder: Força V
Descrição: Se antes você era forte, agora sem dúvida superou em números qualquer outro campista, sua força vai muito além dos demais semideuses, e com toda certeza isso é uma vantagem tremenda para alguém que precise lutar desarmado. Você se saiu bem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +50% de força
Dano: +25% de Dano se o ataque do semideus atingir.

Poderes ativos:

Apolo:

Nível 2
Nome do poder: Confusão Momentânea
Descrição: O semideus consegue fazer um brilho rápido, atraindo a atenção do oponente por breves segundos, porém o suficiente para atrapalhar o oponente. Só funciona para a próxima ação do oponente.
Gasto de Mp: 10 de MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Diminui a efetividade das próximas ações do oponente em 15%
Dano: Nenhum
Extra: Só pude ser usado uma vez a cada 2 turnos.

Nível 4
Nome do poder: Brilho Solar
Descrição: O filho de Apolo/Febo será capaz de criar um brilho, capaz de prejudicar a visão do oponente – não a ponto de deixa-lo cego, mas com os olhos ardendo, o que os impede de ver por um tempo – por uma rodada inteira, lhe dando chance de atacar, ou se defender. Seu uso é limitado a uma vez por missão, evento ou luta.
Gasto de Mp: 10 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: - 5 HP
Ares:
Nível 5
Nome do poder: Ossos de Aço
Descrição: A herança biológica dos filhos de Ares/Marte é perfeita, naturalmente preparada para suportar as árduas batalhas de uma prole do deus da guerra.  O semideus consegue revestir os ossos com uma pequena camada de metal reforçado e indestrutível, impedindo que sua estrutura óssea seja rompida, ou quebrada, podendo suportar ataques diretos com mais facilidade, sem romper seus ossos.
Gasto de Mp: 15 MP por turno ativo.
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 6
Nome do poder: Pele de Bronze
Descrição: A pele do filho de Ares/Marte ganha um brilho dourado, ficando tão resistente quanto bronze, o que o permite ficar protegidos contra ataques perfurantes, e de efeitos como sangramento;
Gasto de Mp: 20 HP por turno ativo
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 35
Nome do poder: Carga de Poder
Descrição: O filho de Ares/Marte poderá dar um poderoso golpe, armado ou desarmado, cuja intensidade será muito maior que um golpe normal. Este golpe parecerá uma simples mancha no ar para todos que o verem, sendo um tanto quanto difícil se defender. Esse poder também pode ser utilizado de maneira diferente, a força extra dada ao semideus ao utilizar esse golpe permite que ele pule mais alto, ou seja capaz de levantar 100 kg a mais do que normalmente consegue. Contudo essa carga de adrenalina extra dura apenas um turno.
Gasto de Mp: 60 MP
Gasto de Hp: 10 HP
Bônus: +30% de força durante um turno.
Dano: +70 de dano.

Armas usadas:
• Bloodthirsty [Katana de lâmina vermelha, de 80cm de comprimento, com nuances levemente escurecidas dá a sensação de que sangue corre dentro da espada. A guarda é decorada com a imagem de um dragão chinês, e o punho, de 30cm, trabalhado em vermelho com tiras de seda negra. Ao todo a katana possui 110cm de comprimento. | Efeito 1: Roubo de vida: O dano causado pela arma do semideus poderá ser convertido em HP para seu portador. 25% do dano retirado é convertido em HP para quem empunhar o armamento. Efeito 2: Sangramento: O corte da lamina pode provocar hemorragia continua, de forma que, durante três turnos o inimigo do semideus continuará perdendo +20 HP.   Efeito de retorno: A arma sempre retorna ao dono, caindo ao seu lado.| Material semidivino indetectável |  Acoplamento de três (3) gemas Rubis Imperiais, adicionando 120 de dano à arma (40 referente a cada gema). | Alfa Prime | Status% Sem danos | Necessário possuir nível 22 para domínio completo desse armamento | Lendária | Dano base de 40 (para humanos, monstros e semideuses) | Evento de Natal 2017]

Tatuagens e Habilidades:

Nome: Perícia em Parkour
Descrição: Parkour é a capacidade de usar movimentos naturais do corpo humano como correr, saltar e escalar combinadas com técnicas específicas que melhoram o desempenho do praticante perante obstáculos do ambiente. Com essa habilidade, o semideus potencializa sua habilidade corporal podendo realizar movimentos complicados e acrobáticos por causa do treino. Pode realizar saltos complexos, pular de um ponto a outro (dentro dos limites lógicos), escalar paredes, andar em locais inclinados, passar por obstáculos do cenário, escalar mais rápido.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em equilíbrio, velocidade e flexibilidade.
Dano: Nenhum

Nome: Perícia Corporal I
Descrição: Treinar o corpo e a mente para tornar-se um melhor guerreiro é quase que uma obrigação de cada meio-sangue, caso ele deseje sobreviver nesse mundo louco. Assim sendo, depois de uma aula de perícias, o corpo do semideus foi condicionado e treinado para melhorar a agilidade, a esquiva e o reflexo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em agilidade, esquiva e reflexo.
Dano: Nenhum

Nome: Perícia Corporal II
Descrição: Treinar o corpo e a mente para tornar-se um melhor guerreiro é quase que uma obrigação de cada meio-sangue, caso ele deseje sobreviver nesse mundo louco. Assim sendo, depois de uma aula de perícias, o corpo do semideus foi condicionado e treinado para melhorar a resistência corporal. Irá se cansar mais dificilmente, estando preparado para realizar exercícios físicos mais complexos. Assim, possui um melhor desempenho em combate, podendo permanecer lutando mais tempo que outros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em resistência física.
Dano: Nenhum



Última edição por Leona Sigmond em Sab Nov 02, 2019 10:11 pm, editado 1 vez(es)


This is War

A really strong woman accepts the war she went through and is ennobled by her scars.
FPA
Leona Sigmond
Leona Sigmond
Filhos de Ares
Filhos de Ares

Idade : 27

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson Empty Re: [MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Mensagem por Michelle Johansson em Sab Nov 02, 2019 9:55 pm

I once was good
NOW I'M FUCKING BETTER

O monstro do lago
Você estava passeando pela borda do lago quando percebeu um pequeno barco flutuando por ali, intrigado, notou que havia itens, mas não pessoas e decidiu que precisava de ajuda para saber o que estava acontecendo. Acontece que ao longe, pôde perceber que alguém parecia se debater e pedir por ajuda. Agora você tinha duas opções: ir para dentro e chamar por reforço ou tentar resolver sozinho e arriscar-se a virar alimento para a criatura misteriosa junto do semideus clamando por ajuda.
Requisito – Mínimo nível 20.
Recompensa até: 5.000 XP – 3.000 dracmas – 4 ossos


detalhes do enredo: Michelle, Leona e Daniel acabaram de sair do Labirinto de Dédalo, onde caíram após fuga do laboratório da seita e passaram um looongo tempo lá.


Liberdade era um conceito abstrato e, para Michelle, cada vez mais utópico. Eles tinham escapado do laboratório secreto, deixando para trás sons de explosão e tiros que, pela primeira vez, não eram direcionados a eles e sim para os intrusos. A sensação de ser livre durou pouco, pois logo os três companheiros de situações adversas -- ler-se situações fodidas -- caíram em outra armadilha do destino: um labirinto vivo e repleto de perigos. Monstros, confusão e sentimentos conturbados foram os inimigos do pequeno grupo de desajustados. A noção de tempo tornou-se deturpada, fazendo com que Michelle não soubesse quantos dias tinham passado soterrados entre paredes que mudavam de acordo com o humor.

No entanto, eles persistiram, até achar o ar noturno e limpo. Até estarem escutando sons urbanos e o cheiro de escapamento, fritura e cigarro. Eles estavam livres novamente e, pela primeira vez, Johansson encontrava um espaço aberto e largo. A filha da vitória não pensou de fato, quando seus pés começaram a mover-se com mais velocidade do que nunca. Talvez ainda não em sua glória total, devido as condições precárias de seu corpo, mas com a sensação de liberdade ilusoriamente correndo por suas veias. Ela correu por minutos, até ter o fôlego arrancado de seus peitos e os músculos arderem levemente. A sensação de euforia sendo tão gostosa que começou a rir sozinha, virando o rosto para poder comentar algo para Leona e Daniel....

O riso tinha morrido. Ao encontrar a famigerada liberdade, a primeira coisa que tinha feito instintivamente foi correr. O que em sua mente era lógico, prático e seguro. Precisava adaptar-se a nova realidade, aprender sobre onde estava e… A mente de Michelle deu um estalo, a alertando que ela sabia exatamente que cidade era aquela. Como se um mapa estivesse embutido no fundo de seu cérebro, funcionando como um GPS mental. Mesmo sabendo que provavelmente deveria começar a sobreviver nesse mundo uma vez mais, a neta de Hermes começou a fazer o caminho de volta, em um ritmo mais lento e ponderado.

Ao alcançar o ponto em que saiu do labirinto, não encontrou mais seus antigos companheiros.

— Fuck. Não importa, eu consigo sozinha.

Isso era um fato. Ela conseguia, estando mais poderosa do que nunca, tendo controlado finalmente toda aquela energia nova em seu corpo. Poderia facilmente retornar a Las Vegas, iniciar uma nova mafia ou até mesmo usurpar a de seu pai e viver confortavelmente pelo resto da vida. Ou ela poderia encontrar aliados perfeitos, que não iriam exigir nada dela, iriam tirá-la do sério, mas que tinham conquistado o mínimo de confiança. O suficiente para fazê-la retroceder, afinal o mundo poderia ser conquistado, mas se tornava mais fácil e divertido com pessoas ao seu lado. Caso ela enjoasse só precisaria matar, incapacitar ou sumir. Simples, divertido, sem apegos demasiados.

Seguiu pela rua, conseguindo pensar melhor no que Leona faria do que projetar a estratégia de Daniel. O homem era imprevisível e malicioso demais para ser decifrado em apenas alguns minutos. Leona era intensa e densa, mas de um comportamento mais fácil de se imaginar. Encontrou com pessoas na rua que a viram, assim como uma mulher grávida que retornava de algum lugar.

Tendo uma direção a seguir, uma descendente de Hermes não se perderia jamais. Michelle encontrou o albergue, fazendo uma careta enorme ao ver as condições que a infraestrutura apresentava. De todos os locais luxuosos ou minimamente confortáveis, Leona tinha de adentrar o mais suspeito! Um tanto indignada com as escolhas da loira, Michelle ainda assim procurou por ela, mantendo os sentidos atentos para ataques surpresas ou encontros inesperados com pessoas necessitadas. De necessitada já bastava a própria.

Não precisou de muito para que a filha da sorte… bem, tivesse sorte. Ela estava passando por uma porta, até escutar ruídos estranhos e que certamente não pertenceriam a um lugar como aquele. Para completar a noção de estranho, ao entrar no quarto, a origem dos sons e do cheiro de campina vinha de um armário.

— Eu não acredito que ela foi para Nárnia. Leona, as pessoas tentam sair do armário, não entrar neles!

A sorte abandonou Johansson assim que ela passou pelo móvel. Bastou alguns metros para que ela encontrasse o lago, Leona e uma criatura que a fez morder a língua ao quase gritar “holly mother of gods”. Toda a definição de bizarro, estranho, nojento, asqueroso, medonho, sinistro e aterrorizador foram atualizadas na mente de Michelle. A criatura era enorme, com tentáculos e tinha acabado de afundar Leona no lago enquanto a neta de Hermes apoiava-se em uma árvore a uma distância que ela não sabia se era realmente segura.

— Yep, foi bom conhecer você Leo.

Ter um mínimo de afeição não seria sinônimo de se importar o suficiente para Michelle. Em sua mente, sabia que não poderia fazer nada se a garota tinha de alguma maneira adentrado aquela situação preocupante e difícil; ainda mais que ela tinha sido empurrada para o fundo do lago. A neta de Hermes prezava muito por sua constituição inteira, ainda mais depois de tudo o que tinha acontecido. Mas então, provavelmente por algum milagre divino, Leona escapou do lago e parecia mexer em alguma mochila às margens do aglomerado aquático.

Ainda era perigoso, as probabilidades de sucesso eram infimas. Porém a mente de Michelle nem sempre concordava com seu instinto de sobrevivência, algo raro, mas que poderia acontecer. Leona a tinha salvado uma vez da morte, quando tinha tentado escapar dos cientistas e seus experimentos. Michelle odiava a sensação de que estava devendo algo a alguém, o que era diferente de roubar dos outros, dever a eles era quase uma agonia para a descendente de Hermes.

Ela sabia que iria se arrepender, mas deixou no fundo de sua mente todas as possibilidades de fugir - com ou sem Leona - caso sua vida começasse a ficar realmente em risco. Ela iria ao menos tentar. Ao sobrepor uma palma na outra, Michelle invocou entre elas um baralho. No topo, estava a carta que tinha em mente com o naipe de paus. A semideusa jogou o item para o alto, o fazendo desintegrar-se e das sombras mais próximas dois cães infernais apareceram.

— A loira não é comida, repetindo: não devorem a loira!

Depois disso os cães infernais saírem correndo em direção ao monstro, às vezes usando as sombras um do outro para teleportar e atacar a criatura bizonha. Porém, claro que Leona não veria aquela interferência com bons olhos, era bom demais monstros a estarem ajudando repentinamente. Michelle resmungou, sabendo que suas iscas poderiam ser atacadas e não servirem mais para o propósito de sacrifício. Juntou toda a coragem que não tinha, explorando mais uma vez as capacidades de seu corpo. Em resumo, ela correu para o perigo, mesmo sendo este o trabalho de Leona.

— Eu vou distraí-lo, ok? — Michelle falou assim que parou ao lado de Leona, sorrindo breve e forçadamente. — Hiya Leo.

Um dos cães foi esmagado, o som de ossos partindo reverberando por todo o ambiente. Michelle já queria desistir, mas ao ver a loira voltando a mexer na mochila, ela sabia que Leona não partiria sem ao menos tentar bancar a matadora. Recentemente ela tinha descoberto como aumentar a velocidade de seu próprio corpo e, ao mesmo tempo, tornar-se ainda mais silenciosa, como um fantasma. Estando seu inimigo em terra, a criatura grande, horrenda tentava atingir Michelle e o cão infernal restante com seus tentáculos gosmentos. Michelle não conseguia nem mesmo olhar para ele direito, de tão enojada que ficava pelo aspecto tão escroto. As vozes vinham de todos os lados, parecendo querer atraí-la para uma armadilha, mas a filha da vitória praticamente berrava uma playlist inteira de Lady Gaga em sua mente. Ela se manteve basicamente correndo de um lado para o outro, abusando de sua velocidade, esquiva e agilidade.

Sem poder focar demais na criatura, em um terreno molhado e batalhando internamente para não fugir naquele exato momento, Johansson não conseguiu esquivar de um tentáculo que vinha por trás. Caiu de costas no chão, tendo alguns segundos para apreciar o céu estrelado antes de algo gosmento entrar em seu campo de visão, escorrendo algo nojento próximo de sua barriga. Michelle negaria para todo o sempre, mas já estava quase chorando quando pensou na simples possibilidade de ser envolvida por algo como aquilo. Leona finalmente apareceu ao seu socorro, com uma espada em mãos e uma fúria ariana, despedaçando aquele tentáculo enquanto ajudava Michelle a se reerguer.

— Sempre acreditei em você, Leo!

Era um comentário avulso, feito no calor do momento. Michelle duvidava até de si mesma, no fim das contas. Porém, assim que elas estavam prontas para atacar a criatura Johansson assistiu com o queixo caído alguns centímetros o quanto a região arrancada do monstro se regenerava. Era estupidamente rápido e eficaz, a fazendo concluir e comprovar o óbvio:

— Não vamos vencer, Leo, nós temos de fugir!

O corpo da neta de Hermes tremeu, mas dessa vez em puro alívio quando Leona concordou. Sua mente trabalhou em um modo de escapar daquele monstro, seus olhos abrindo demasiadamente quando o cão infernal sobrevivente foi abraçado pelos tentáculos. A semideusa colocou a mão nos lábios, sentindo algo metálico contra a língua e ao cuspir, descobriu ser uma moeda de dracma. Ela não saberia explicar como, mas seus instintos gritavam o caminho, uma intuição dominante que a fez jogar a moeda para o alto sem ter nenhuma lógica fundamentada para tal ação. Antes de atingir o ápice da altura, a moeda começou a desacelerar. Ao abaixar os olhos escuros, viu que o monstro estava mais lento. O que não significava menos perigoso.

— Holly shitt! — Michelle exclamou alto e começou a recuar. — É a nossa chance!

Michelle nem ao menos olhou para trás, ou esperou por Leona. Ela finalmente poderia correr dali plena e ainda viva, o que naquela altura do campeonato se provava ser um verdadeiro milagre.


Resumo de Atributos Físicos:
Atributo de velocidade

Velocidade III (Hermes) - 50%
Silencioso como fantasma - 40%
Vigor Atlético II - 50%
Velocidade III (Nike) - 30%
Influência vitoriosa - 20%

Atributo de esquiva

Escorregadio III - 60%
Vigor Atlético II - 50%
Influência vitoriosa - 20%

Atributo de agilidade

Escorregadio III - 60%
Vigor Atlético II - 50%
Tatuagem - 30%
Influência vitoriosa - 20%
Ativos usados:
Nome do poder: Carta Marcada (Naipe de Paus)
Descrição: O semideus invoca um baralho, onde há uma carta de paus marcada. A carta permite que o semideus invoque dois cães infernais para lhe ajudar em campo por dois turnos.
Gasto de Mp: 60 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Equivalente aos poderes de um cão infernal (checar Sistema de mascots).
Extra: Ficam em campo por apenas dois turnos.


Nome do poder: Duas faces de Hermes
Descrição: O semideus tirará de sua boca um dracma onde a face de seu pai estará entalhada dos dois lados. Ao lançar a dracma para cima o tempo se torna mais lento para quem estiver ao redor dos semideus durante um turno.
Gasto de Mp: 70 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Durante um turno o tempo do inimigo do semideus será reduzido em 50%.
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum

Nome do poder: Silencioso como fantasma
Descrição: O filho de Hermes agora se move com tamanha velocidade que os olhos do oponente demoram a acompanhá-lo, de forma que verão a imagem do filho de Hermes parado enquanto este já está em movimento.
Gasto de Mp: 40 Mp
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Podem aumentar sua velocidade em +40%
Dano: Nenhum
Extra: Efeito dura dois turnos.
Passivos de Nike:
Nome do poder: Influência Vitoriosa
Descrição: Ao alcançar esse nível os filhos de Nice/Victória começam a exalar uma aura que atrai a vitória para eles e seus aliados. Dessa forma, todos que lutarem ao seu lado terão chances maiores de saírem como vencedores em batalhas ou disputas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 20% em todos os atributos do semideus e de seus aliados;
Dano: Nenhum;

Nome do poder: Satisfação Vitoriosa IV
Descrição: Para cada vitória alcançada, seja sobre um inimigo, ou um obstáculo a julgar pelo narrador, o filho de Nice/Victória se satisfaz com o júbilo do êxito e a sua aura aumenta de intensidade recuperando um pouco de seu vigor.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: + 100 HP e +100 MP para o filho de Nice.
Dano: Nenhum;

Nome do poder: Resistência Física Elevada III
Descrição: Os filhos de Nice/Victória possuem uma resistência física superior à da grande maioria, ajudando-lhes em questão de dano quando são atingidos por golpes físicos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 30% resistência física (não acumula com armaduras e itens, apenas se atingir o corpo do semideus direto)
Dano: Nenhum

Nome do poder: Equilíbrio III
Descrição: Como bons atletas, os filhos de Nice/Victória possuem um equilíbrio nato que os ajuda em qualquer tipo de situação (não só em questão de esportes mas também em batalha ou situações simples).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 35% em Equilíbrio
Dano: Nenhum

Nome do poder: Destreza Natural III
Descrição: Sendo bons lutadores, os filhos da deusa da vitória possuem uma destreza melhorada naturalmente pelos treinos e genes. Dessa forma, qualquer golpe com arma em suas mãos, ou até mesmo combate desarmado, são mais efetivos e fortes.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 20% em força e chance de acerto de golpes físicos
Dano: Nenhum

Nome do poder: Força III
Descrição: O semideus treinou e evoluiu ainda mais e agora consegue carregar ainda mais peso, levantar coisas mais pesadas e efetuar lançamentos com uma facilidade tremenda. Conforme se desenvolveu, ficou ainda mais forte.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de força
Dano: +20% de Dano se o ataque do semideus atingir.

Nome do poder: Vigor Atlético III
Descrição: Filhos de Nice/Victória são competidores implacáveis, tendo suas habilidades comparadas, até mesmo, com as habilidades inimagináveis para os mortais comuns, mas a questão é que, por serem filhos da deusa patrona das Olimpíadas, elevaram seus corpos à perfeição física, podendo ser vencidos em suas modalidades apenas por especialistas, sendo estes especialistas aqueles possuidores de técnicas herdadas pelo divino, como exemplo a velocidade dos filhos de Hermes, a força dos filhos de Ares ou a perícia dos filhos de Athena.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: + 50% de eficácia em qualquer movimento físico ao nível humano, com exceção de ataques. + 20% de bônus de dano em ataque corporal (Com armas ou sem armas).
Dano: Nenhum

Nome do poder: Velocidade III
Descrição: Você aprendeu que a velocidade pode ser uma grande aliada em campo de batalha, e com isso treinou ainda mais arduamente, agora ficou mais rápido, esquiva-se com facilidade, e domina a luta ao seu favor. É difícil combater seu herói desse jeito.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de velocidade
Dano: Nenhum

Nome do poder: Mente Disciplinada
Descrição: Determinados a saírem como vitoriosos das situações, os filhos de Nice/Victória possuem uma mente mais atenta e resistente (pela força de vontade). Dessa forma, golpes mentais que atrapalhariam seus movimentos não funcionam deles por determinado tempo
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode deixá-los imunes a um ataque mental que vise atrapalhar seus movimentos, mas somente um, mais que isso eles acabam sendo atingidos; Ou seja, para fazer um funcionar tem que usar dois e assim segue;
Dano: Nenhum

Nome do poder: Fôlego Melhorado
Descrição: Como bons maratonistas e corredores, filhos de Nice/Victória não se cansam rapidamente em batalhas além de conseguirem lutar normalmente em lugares com ar rarefeito.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Não são afetados por poderes que atrapalham a respiração nem se cansam rapidamente em batalhas
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Astúcia Guerreira
Descrição: Às vezes a vitória não é dada aos mais talentosos, mas aos mais espertos. Devido a isso, o semideus de Nice/Victória é dotado de astúcia para observar detalhes que lhe dão vantagens em uma situação ou batalha.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode solicitar ao narrador algum detalhe sobre o cenário ou inimigo que seja útil para ele em um combate ou situação
Dano: Nenhum

Nome do poder: Vontade Irrefreável I
Descrição: Filhos de Nice/Victória não se deixam abalar por adversidades da vida, tampouco por palavras desmotivadoras de terceiros. Suas mentes são convictas de seus desejos e não se permitem ser julgados por nenhum orador mortal, por mais experiente que seja. Qualquer tentativa de desencorajar estes semideuses, através de carisma, terá falha instantaneamente, ou seja, filhos de Hermes/Mercúrio e Afrodite/Vênus e outros não são capazes de convencer um filho de Nice/Victória do contrário de sua vontade.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Filhos de Nice/Victória são imunes a artimanhas de convencimento através de Carisma.
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Sorte de Principiante
Descrição: Em determinado momento de um MvP, Missão ou Interação o filho de Nice/Victória poderá encontrar ou receber exatamente o que precisa ou ainda precisará. Uma carta perfeita para fechar a melhor mão do jogo, uma senha para desbloquear uma porta, escrita em um post it e jogada no lixo ou uma informação que fará alguém gostar dele. A sorte acompanha os vitoriosos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Uma vez por MvP, Missão ou interação o filho de Nice receberá algo valioso para o seu propósito, momentâneo ou futuro.
Dano: Nenhum.
Extra: Esse bônus é definido pelo narrador quando solicitado pelo filho da deusa.

Passivos de Hermes:
Nome do poder: Furtividade III
Descrição: É quase impossível seu personagem ser pego roubando ou aprontando algo, ele é um ladino perfeito, se move com facilidade, consegue esconder e pegar coisas sem ser notado. É você é foda.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +60% de furtividade
Dano: Nenhum

Nome do poder: Mestre Ladino
Descrição: Roubar qualquer objeto, invadir qualquer aposento, se mover como uma sombra, armar qualquer trapaça ou armadilha. Os filhos de Hermes/Mercúrio atingem, nesse nível, a capacidade e o títulos de mestres nas artes ladinas
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +50% de chance de passar despercebido. Consegue ser mais silencioso do que qualquer outro semideus.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Escorregadio III
Descrição: Você é o mestre das fugas e camuflagens e consegue ser tão silencioso e discreto quanto o mais esperto dos ladrões, agora você é praticamente um ninja e apenas deslizes de sua parte podem lhe entregar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +60% de esquiva e agilidade.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Metabolismo Acelerado III
Descrição: Por serem tão rápidos, os filhos de Hermes têm um metabolismo extremamente acelerado que necessita de muita energia, no caso alimento, para se manter funcionando. Sendo assim, a recuperação do herói é muito mais rápida que a dos outros semideuses. Nesse nível, funciona para todos tipos de ferimentos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +60 de HP e +60 de MP.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Velocidade III
Descrição: Hermes/Mercúrio é o deus mensageiro, portanto, precisa ser rápido. Por isso a ele é atribuído o dom da velocidade. Com o tempo e o treinamento adequado conseguem ficar ainda mais rápidos, e nesse nível, sua velocidade causa inveja nos demais campistas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +50% de velocidade.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Flexibilidade
Descrição: Você é capaz de realizar movimentos extremamente flexíveis com os membros de seu corpo, podendo passar por lugares pequenos ou muito apertados, sem que seus ossos se quebrem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30 de flexibilidade.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Gatuno
Descrição: Sendo filho do deus dos ladrões, você é capaz de roubar itens e dracmas de ouro de um inimigo e... quem sabe até mesmo de um companheiro? Sempre que você estiver na jogada, alguém sairá no prejuízo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de furtividade.
Dano: Nenhum

Nome do poder: GPS Nato.
Descrição: Nesse nível os filhos de Hermes conseguem facilmente se localizar no globo terrestre. Eles também sempre sabem como chegar a qualquer lugar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Sempre saberá onde está, ou como chegar em determinado local, ou seja, nunca fica perdido.
Dano: Nenhum
Outros:

• Tatuagem da Clave- Uma pequena marca na pele feita com fogo sagrado que permite ao usuário ter os sentidos aguçados uma vez em luta, missão ou evento, não sai da pele no momento que é marcado.

• Marca do tempo: Uma tatuagem em forma de ampulheta, que ficara marcada na nuca do semideus, um pouco abaixo da orelha, é pequena, porém perceptível. Tal marca proporciona ao semideus um bônus de força e precisão em seus poderes ativos durante dois turnos, nesses dois turnos, todos os poderes ativos usados pelo semideus, terão um dano de 20% a mais ao atingirem o inimigo. Além disso, durante um turno inteiro – de sua escolha – a ampulheta se expande como um campo de força, e envolve o semideus, durante esse turno, ele ficara protegido contra-ataques mentais e físicos, nada pode entrar nessa barreira, mas isso não impede nada de sair, ou seja, o semideus ainda poderá atacar. (Essa marca não tem gasto de MP, ou HP, pois se trata de uma liberação de reserva de poder, como se o semideus estivesse acumulando energia, e libertasse ela em um momento de risco). Essa tatuagem só poderá ser usada uma vez por evento, luta, missão, ou etc. Essa tatuagem não é permanente, ela desbota conforme o uso, por isso, só será permitido utiliza-la cinco vezes, depois disso, ela sumira por completo. (Reservatório cheio, 5 chances de uso).

• Tatuagem: Feita na altura do pulso da semideusa. Trata-se de uma marca de corda enrolada feito um laço criada pelo ritual Antístasi, que promove 70% de resistência no corpo do semideus, reduzindo também 70% de doenças, venenos, impactos e outros.

• Tatuagem Especial, melhoria de atributo – É uma tatuagem, uma marca especial colocada no ombro direito do seu personagem, uma pequena pintinha discreta que pode ser confundida com uma marca de nascença. Melhorara um único atributo físico do seu personagem (agilidade) em +30%.

Nome: Perícia Corporal I
Descrição: Treinar o corpo e a mente para tornar-se um melhor guerreiro é quase que uma obrigação de cada meio-sangue, caso ele deseje sobreviver nesse mundo louco. Assim sendo, depois de uma aula de perícias, o corpo do semideus foi condicionado e treinado para melhorar a agilidade, a esquiva e o reflexo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em agilidade, esquiva e reflexo.
Dano: Nenhum
Itens Levados:
• Ghostly Blade [Uma adaga de dois gumes, feita de prata e ouro branco. Seu cabo é feito de cristal, com um reservatório para almas recolhidas. | Efeito 1: Quando esse reservatório estiver cheio - máximo de sete almas -, a lâmina da adaga exalará um cheiro de carne putrefata, que matará o alvo com a ausência de oxigênio aos poucos; enquanto ainda não há almas suficientes para isso, a adaga se fortalece com cada alma recolhida. (Contem a alma de Shiryu de Dragão). Efeito 2: A arma foi abençoada por Allyria, de forma que se ganha resistência contra o elemento trevas. Qualquer poder desse elemento – trevas – lançado contra a semideusa, terá o efeito reduzido em 50% durante dois turnos. Consequentemente, a arma também se torna mais rápido contra o elemento trevas, gerando +20% de danos contra criaturas do submundo que forem atingidos por ela. | Material abençoado| Espaço para duas Gemas | Alfa | Status: 100% sem danos |Epica | Necessário nível 20 para domínio completo da arma | Presente de reclamação, abençoada por Allyria]

+ War [Um bracelete com pingentes distintos, representativos aos olimpianos, e Hades. Cada pingente possui uma propriedade diferente, pois esse bracelete foi forjado por Hefesto, para ser uma arma especial criada para aqueles que serviram de jurados na casa dos 12. Cada pingente possui uma propriedade, que proporciona ao semideus algo especial, e diferente em suas batalhas. Só é permitido ativar um único pingente por vez em missão ou batalha, então escolha-os com sabedoria. | Dois pingentes foram acoplados nesse bracelete, sendo eles: Efeito 1: Coruja (Athena) – Permite o bloqueio da mente do semideus, assim sendo poderes ilusórios ou que afetem a mente diretamente – como derreter o cérebro – não surtirão efeito, pois o pingente cria uma barreira natural para proteger o semideus. (Gasta 5 MP por turno ativo).  Efeito 2: E Sol e Lua (Apolo e Ártemis) – Quando lutar de dia, se tiver sol, ganhara um bônus de +10% de dano em seus poderes ativos, agora se estiver sobre a lua, o efeito dobra para +15%. | Não possui espaços para gemas | Mágico | Resistência: Beta | Status: 100%, sem danos | Comum | Evento Casa dos 12.]

• Arsenal [Anel brilhante com uma pedra preciosa, esbranquiçada e minúscula em seu centro | Aço | . Possui o efeito de alterar uma arma, mudando assim sua forma, detalhes, e qualquer outra coisa que o portador desejar, desde que as alterações sejam apenas físicas. Ou seja, utilizando o efeito do anel, é possível transformar uma lança em uma espada ou faca, ou qualquer outro item de ataque. Um escudo circular pode ser transformado em um broquel, ou um escudo de corpo. Os materiais dos itens podem ser alterados, mas seus efeitos sempre serão os mesmos (exemplo: uma espada elétrica ainda causaria dano por eletricidade se transformada em uma lança) | Não possui espaços para gemas | Comum | Resistência: Sigma | Status: 100%, sem danos | Comum | Comprado na loja ]

• Mascara de festa [Uma máscara de festa comum, com aparência e cor definida pelo usuário. Quando utilizada, a fisionomia do semideus é distorcida e ele não pode ser reconhecido até que retire a máscara ou até que o narrador defina que o objeto perdeu o efeito. | Sigma | Status: 100% sem nenhum dano |Mágica|   Lembrança da Blackout "Masquerade" Party]

wearing /// nowhere /// with fulano



MichelleJohansson .

Michelle Johansson
Michelle Johansson
Filhos de Nice
Filhos de Nice

Idade : 27

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson Empty Re: [MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Mensagem por Héstia em Seg Nov 04, 2019 7:45 am


Avaliação

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 5.000 XP – 3.000 dracmas – 4 ossos
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Leona
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 5.000 XP – 3.000 dracmas – 4 ossos


Michelle
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 5.000 XP – 3.000 dracmas – 4 ossos


Héstia...
Some peoples with brave, some peoples something good!
Héstia
Héstia
Deuses Menores
Deuses Menores

Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson Empty Re: [MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Mensagem por Charlotte A. Blackwell em Seg Nov 04, 2019 8:31 pm

Enfermaria
Uma pequena tarefa

— Encontramos mais duas nas proximidades do lago! — Uma das novatas me informou, me fazendo assentir antes de prender o curativo no braço do semideus que acabara de tratar.

— Vamos seguir para lá então — Fechei a maleta rapidamente e me ergui a seguindo para o lado de fora a passos rápidos.

Os feridos eram inúmeros e a noite de Halloween prometia conseguir novos enfermos dentro do labirinto. Eu já tinha perdido a conta de quantos pacientes tratara naquela noite, mesmo que sem permissão. Alguns reclamavam, outros agradeciam e muitos se faziam de durões, mas no fim todos se sentiam aliviados por não estarem sangrando em algum ponto da conversa, o que para mim bastava no momento.

— Estão ali — Doth apontou duas garotas sentadas na margem do lago, então me deixou sozinha e partiu em busca de outros feridos enquanto eu me aproximava da dupla.

Não expliquei muito, apenas pedi permissão para ver o ferimento da garota morena sentada a esquerda, já que a jovem ao seu lado parecia estar muito bem. Por um momento achei que ela recusaria, mas o ferimento em seu braço deveria estar dolorido o suficiente para ela assentir com um breve acenar de cabeça.

Ajeitei o kit de primeiros socorros ao lado do meu corpo e analisei a ferida em seu braço. O corte ia do ombro a um ponto abaixo do braço e o sangue já estava seco, mas a ferida ainda tinha risco de infeccionar devido a sujeira e o sangue que grudara ao redor.

— Vou limpar primeiro — Avisei Michelle antes de molhar um dos panos descartáveis com álcool e néctar para poder trabalhar no ferimento. Limpei as bordas, removi todo o pus e o sangue para poder ver a ferida mais de perto. O corte não era muito fundo, devia apenas estar irritando e ardendo o suficiente para causar incomodo, o que em uma batalha poderia ser prejudicial.

Ao terminar de limpar a ferida descartei o pano e passei néctar no buraco antes de fechá-lo com minha própria energia, enviando uma onda após a outra de cura para dentro da pele até restaurar o tecido e deixar o braço da garota em sua forma original. Ao terminar entreguei a ela um frasco de poção de energia para restaurar suas forças, então me despedi da dupla para poder partir para outro lugar.

Poder usado:

Nível 42
Nome do poder: Manipulação energética IV
Descrição: Além de perceber a energia vital, os curandeiros podem manipula-la e restaura-la. Conforme evoluiu em seu treinamento, também aprendeu a manipular a energia do corpo de forma a poder restaurar completamente ossos quebrados, infecções, parar hemorragias feias e curar doenças mais sérias, que outrora não conseguia.
Gasto de Mp: 20 de MP.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 50% de HP e MP por uso.
Dano: Nenhum.
Extra: Nenhum.
Item usado:

• Lenitivo [Uma maleta mais que completa de primeiros socorros, com compartimentos secretos e comandos simples que auxiliam o curandeiro, o tornando rápido e eficaz. Basta pensar no que precisa e a maleta ajuda a encontrar magicamente, além disso, os itens dentro da maleta são infinitos, ou seja, nunca acabam. Apresenta-se com uma leveza e capacidade de transporte formidável, pois, sempre se amplia magicamente. Contém comprimidos para febre, gaze, curativos, xaropes para tosse, analgésicos gerais, bisturis pequenos para incisões, seringas e agulhas (descartáveis ou não), linha, pomada (cura 10% do HP e pode conter inflamações referentes a machucados). E mais! O kit também possui cremes para cicatrização (que impedem que cicatrizes de se formarem na pele, restaurando o corpo a sua forma original depois de dois turnos), algumas poções regeneradoras (para feridas diversas, recuperam 20% do HP) e por último, mas não menos importante: Também poções que que podem cortar efeitos de veneno e impedir morte instantânea (salvamento de última hora!), ataduras e talas e muito mais. Sendo que no caso de tais poções ou itens que impedem a morte instantânea de indivíduos, apenas poderá ser utilizado uma vez por evento, missão, mpv etc. | Efeito 1: Os itens ali dentro se repõem automaticamente, o que impede que o conteúdo dentro da maleta tenha fim. | Efeito 2: Transforma-se em bracelete com inscrições em grego antigo, que representam juramentos a respeito do que os curandeiros acreditam. | Material único | Espaço para uma gema | Alfa | Status: 100% sem danos | Mágico | Arsenal do Acampamento]



Charlotte Aimée Blackwell
One of the happiest moments is when you find the courage to let go of what you can’t change.
Charlotte A. Blackwell
Charlotte A. Blackwell
Curandeiros de Asclépio
Curandeiros de Asclépio


Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson Empty Re: [MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Mensagem por Hades em Qua Nov 06, 2019 2:08 am


Avaliação

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 4.000 XP – 4.000 dracmas – 1 osso
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 4.000 XP – 4.000 dracmas – 1 osso

A personagem é considerada como curada.

Spoiler:
Você escreve muito bem e desempenhou com excelência ao curar a Michelle. Apenas gostaria de chamar a sua atenção em relação a pequenas confusões de palavras no terceiro paragrafo, que podem gerar descontos caso apareçam em excesso.

Hades
Hades
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Localização : Importa? A morte ainda será capaz de te achar.

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson Empty Re: [MF] Leona Sigmond & Michelle Johanson

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum