The Blood of Olympus

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Madison Blanc-Faure em Qua Out 23, 2019 7:45 pm

Missões Fixas de Halloween
Tópido destinado às missões de Madison e Daniel.




What's your color?
「R」
Madison Blanc-Faure
Madison Blanc-Faure
Filhos de Perséfone
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Madison Blanc-Faure em Qua Out 23, 2019 7:56 pm



Gods and monsters
Because if the mood is good, I’m Okay If I’m criticized until I crumble to dust I’m Okay What? No matter what you’re doing You know I’m okay You know I’m naughty But I’m not LALALAY If They don’t care You don’t care Are You ready? Get ready I’ll take u high high higher Don’t need to buckle up
A jaqueta de couro por cima da regata preta e justa combinando com a jeans de mesmo tom e igualmente colada ao corpo de Madison parecia transformá-la numa espécie de problema ambulante. Já havia bebido mais do que o indicado, seu corpo cambaleava e os saltos em suas mãos indicavam que ela não tinha ideia de para onde ir enquanto tropeçava pelo caminho de um beco escuro no distrito inglês.

Madison se apoiou em umas das paredes do local estreito e mal cheiroso, seu corpo passou direto pelo lugar que deveria ser sólido e aquilo foi quase o suficiente para despertá-la. O local onde ela caiu, no entanto, parecia quase antigo demais. Seus pés doíam e, sem se importar muito, ela deixou os saltos no chão frio de pedra. Havia algo de interessante em estar num castelo já que a filha de Perséfone achava tudo aquilo muito irreal.

Seus olhos se estreitaram enquanto ela dobrou algumas esquinas até parar em uma das janelas e debruçar-se para vomitar. Parecia ter andado em círculos, nunca chegando à lugar algum. — Ah, inferno. Como vou embora? — resmungou consigo mesma. Continuou a passear pelos corredores, abrindo uma porta ou outra para olhar o que elas escondiam. Escondido pela primeira porta, havia um quarto com uma enorme e confortável cama, uma penteadeira e várias teias de aranha.

Quando abriu a segunda porta daquele corredor, o cenário não era muito diferente. Embora a janela estivesse faltando uma das partes e havia um dossel sobre a cama. Era um quarto bonito. Embora estivesse repleto de pó e teias como o anterior. De todo modo, ela seguiu pelo corredor seguinte e, então, abriu a porta.

Aquela era um pouco mais pesada e parecia enferrujada, emperrada. Forçou-a outra vez e ouviu o estalo quando ela cedeu. Para sua surpresa, havia um cara ali dentro. As palavras dele a deixaram inicialmente confusa. Seu raciocínio lento demorou para compreender que ele estava procurando o mesmo que ela. — Eu não sei… não sei sair daqui também. — maneou a espada, apontando a direção de onde viera. — Vim dali. Mas... — precisou piscar algumas vezes, franzindo a testa. — Quem é você? E… o que você faz aqui?

O garoto fez alguns movimentos os quais ela facilmente pôde perceber apenas pela penumbra que havia. Não enxergava tão bem no escuro quanto gostaria. Mas esperava que a espada em sua mão fosse o suficiente para intimidá-lo. — Acho que podemos dizer que sim. Eu encostei em uma parede e passei direto. — resmungou, coçando a cabeça. — Você estava onde antes de vir pra cá?

Isso é o inferno? — resmungou a última parte, mais para si mesma do que para o garoto. Olhando ao redor com a luz fraca que a espada emanava. Madison não costumava estar acompanhada por muito tempo. Mas unir-se ao homem para sair dali parecia ser uma das melhores opções que ela tinha. A pergunta, no entanto, a fez olhá-lo com as sobrancelhas arqueadas.

Ele parecia bonito sob a luz do fogo. Mas Madison não poderia ter certeza até vê-lo fora dali. Riu baixo e balançou a cabeça quando ele complementou a pergunta. — Você não iria querer um encontro comigo. — disse com a mesma calma costumeira que a acompanhava em todos os dias de sua vida. — E eu não sei o que você espera encontrar aí… mas a saída deve ser fora desse quarto.

Ela virou-se para a saída e caminhou até o corredor, olhando para o lado oposto ao lado de onde tinha vindo. Seus olhos buscaram por qualquer indicação de saída, mas só havia portas e mais portas. Aproximou-se de uma das janelas e olhou para baixo. — Ah… estranho? Acho que temos de descer.

O outro não parava de tagarelar, de modo que Madison não conseguia se decidir entre revirar os olhos ou rir dele. Passou a descer a escada com o outro, uma mão sempre na parede para evitar que perdesse o compasso e rolasse pelos degraus abaixo. O estranho continuava a falar e tudo que a francesa desejava era que ele ao menos lhe desse um tempo para responder o que perguntava. No entanto, aquilo parecia… impossível.

Achei que você não ia se calar nunca. — respondeu com um meio sorriso, olhando o modo estranho como ele andava. — Não acho que não seja boa o bastante, seu idiota. E nem sou travesti ou trans ou qualquer coisa do tipo. E eu tenho vinte e três, apesar de você perguntar minha idade sem ao menos ter me dito seu nome. — deu de ombros, suspirando pesadamente. — Eu saio… com caras casados. Limpo a carteira deles depois que… — balançou a mão como quem dispensava detalhes. —  E vou embora. A menos que queira perder a carteira, o que eu acho que você não tem… não vai querer sair comigo.

A risada de deboche que seguiu-se à fala dele sobre aranhas, no entanto, foi indisfarçável. — Um homem adulto com medo de aranhas. Bom, isso é novidade. Mas o que se pode esperar de homens, não é mesmo? — virou-se com a espada apontada para ele assim que chegou ao fim da escadaria. Inclinou a cabeça minimamente. — Qual o seu nome? — repetiu a pergunta de forma mais incisiva.

Madison ergueu uma das sobrancelhas, abaixando a espada e apertou seu cabo para impedir que a raiva voltasse. — Tudo bem, “Trinta”. — deu de ombros, e passou a seguir pelo corredor, abrindo uma das portas novamente. — A propósito, você é velho. — disse alto o suficiente para que ele ouvisse. — Outro quarto. Puta merda. Talvez seja uma indicação do destino... — disse com alguma ironia antes de dar meia volta, ouvindo um barulho alto e bastante abafado. Como se estivesse longe. Do lado oposto do corredor. — Ok. Eu acho que bebi um pouco além da conta, mas consegue ouvir isso?

Você já encontrou o seu, “Trinta”? — rebateu a pergunta do mais velho com o mesmo tom que ele havia usado. Havia uma certa indiferença em sua voz, mas sabia que, de certo modo. — Eu não transo só para roubar as pessoas. — abaixou o tom de voz um pouco mais. — Não sempre.

Olhou por cima do ombro quando ele “passou a bola” para si e viu que ele parecia ter… sumido. Ótimo. Típico de homens. A irritação voltou a queimar suas veias e ela estava quase febril ao toque. Sua noite legal tinha acabado de virar uma merda completa. Ela caminhou pelo corredor até encontrar um salão lotado de… adolescentes. E uma música brega com alguma decoração estranha e bastante realista de Halloween. Guardou a espada e bufou baixo ao se aproximar de uma moça que ria com sua companhia. — Ah… onde fica a saída? — a garota apontou para um lugar mais adiante e saiu como se nada tivesse acontecido. — Bom, “Trinta”, se ainda estiver aí… a saída é pra lá.

Adolescentes bêbados costumam render boas risadas. Não seja rabugento. — disse com a maior quantidade de paciência que conseguiu reunir para aquele momento. Tentou não demonstrar surpresa pelo fato de ele ter se trocado, mas não se deu ao trabalho de fazer a mesma coisa. — Bom, eu posso acabar me arrependendo disso depois, mas…  por que não? — desencostou-se da parede e virou em direção à porta de entrada.

Missão relizada:
Explorando o castelo
Você é bem curioso e decidiu que queria saber mais sobre o lugar que estava e, por isso, decidiu dar uma voltinha por aí. Tome cuidado com o que vai encontrar porque, se eu fosse você, estaria de olhos bem abertos.
Requisito – Mínimo nível 1.
Recompensa até: 950 XP – 1.500 dracmas – 1 osso

Itens levados:
• Espada de Luz [Uma espada de luz com um fio reluzente de lâmina mediana que contém um diamante encustrado em sua empunhadura. Sua lâmina possui 70cm de comprimento e, ao todo, a espada possui 90cm. É uma espada em estilo medieval e possui dois fios de corte. | Efeito: Quando não está em uso, transforma-se em um fino bracelete de ouro branco. | Efeito 1: A espada é feita do elemento luz. | Mágica. | Status 100%, sem danos. | Sebo de itens.]
Poderes e habilidades:

Poderes (Afrodite):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza Natural
Descrição: Os filhos da deusa do amor são campistas naturalmente bonitos e charmosos. A beleza supera a de qualquer outro semideus no acampamento, sendo algo beirando ao sobrenatural. É simplesmente indescritível. Isso faz com que inimigos e aliados acabem se distraindo por sua beleza perturbadora, ou encantados pela mesma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode deixar o inimigo atordoado durante o primeiro turno, evitando atacar logo de cara, ou se atacar (poderes que exijam miras, ou armas com a mesma característica), irão errar o alvo. Não acertarão o filho de Afrodite/Vênus, pois, de primeira, o inimigo não saberá porque não nutre o desejo de ataca-lo.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Fluência em Frances
Descrição: Não importa se você nunca teve contato com o idioma, mas por ser a língua do amor, você pode fala-lo fluentemente, lê-lo e escrevê-lo com perfeição, como se esta fosse sua língua materna.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano:Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Comunicação com Pombas e Cisnes
Descrição: Ambos são animais regentes da deusa do amor, logo, seus filhos podem se comunicar com as mesmas, podendo pedir pequenos favores e principalmente informações. Os pássaros não te obedecem, mas têm respeito e admiração por você.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode conseguir informações através deles, e com seu charme natural, até consegue que eles te ajudem.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com Chicotes I
Descrição: O filho de Afrodite/Vênus possui um manejo elevado com chicote e, além disso, é totalmente hábil em fazer manobras incríveis e incomuns com o mesmo, podendo envolver um membro específico do corpo de seus adversários com o chicote para comprometer sua respectiva movimentação. O semideus será bom com o manejo da arma, mesmo sem nunca a ter utilizado.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no Manejo de Chicotes.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nível 4
Nome do poder: Resistência
Descrição: O filho de Afrodite/Vênus, é um sedutor nato, que conhece a magia por trás do charme, e da sedução. Isso faz com que se tornem invulneráveis a poderes envolvendo a beleza do oponente e magias com amor, essas não atingem o seu personagem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderes relacionados a enganação do coração, charme, sedução e beleza não surtem efeito na prole da deusa do amor.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Detecção.
Descrição: Como filho de Afrodite/Vênus o semideus consegue detectar os sinais de charme/poções do amor em outros indivíduos, assim como ilusões relacionadas ao amor. Lembrando que ele não terá acesso as memorias do semideus/criatura/monstro atingido, apenas saberá se o mesmo foi atingido por algum poder de tal natureza.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Pericia com Adagas I
Descrição: O semideus possui certa afinidade com as adagas, uma arma delicada, simples, que em suas mãos se torna mortal. O filho de Afrodite/Vênus costuma repelir armamentos mais pesados, por isso a adaga o atrai com mais facilidade. E mesmo que ele nunca tenha se utilizado de uma, conseguira maneja-la com certa facilidade. Nesse nível, ainda apresenta alguns poucos erros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +15% de assertividade no manejo de Adagas.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nome do poder: Símbolos
Descrição: Como prole de Afrodite/Vênus o semideus consegue identificar qualquer símbolo ligado ao amor e seus derivados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.
Ativos:

-
Poderes (Perséfone):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza incomum
Descrição: Os filhos de Perséfone possuem uma beleza bastante incomum. Belos como uma rosa, os mesmos possuem uma aura sombria que os torna bastante obscuros. Isso faz com que monstros e/ou semideuses sintam certa hesitação em avançar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Irão evitar atacar o filho da deusa das flores no primeiro turno.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Botânico
Descrição: Por sua mãe ser a deusa das flores, e da estação primaveril, o semideus consegue distinguir as diferenças entre uma flor e outra, seja pelo perfume, o formato, ou qualquer coisa. Ele sempre saber que flor é, e caso ela tenha algum efeito, veneno, gás, ou apresente perigo, também saberá identifica-los.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 100% de conhecimento sobre flores.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com Foices I
Descrição: Os filhos de Perséfone/Proserpina se sentem familiarizados com as foices e portanto ao lutarem com elas mostram-se mais habilidosos do que os demais. São capazes de executar movimentos precisos e rápidos ao lutarem com essa arma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +15% de assertividade ao lutarem com a arma.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus atingir.

Nível 4
Nome do poder: Pericia com Espadas I
Descrição: O semideus tem certa facilidade em lidar com espadas, tanto curtas quanto longas, e mesmo sem nunca ter usado uma espada em batalha, saberá o que fazer, mesmo que cometa alguns erros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no manuseio de espadas.
Dano: +5% de dano se o oponente for atingido pela arma do semideus.

Nível 5
Nome do poder: Empatia Animal
Descrição: Conseguem se comunicar com animais de pequeno e médio porte como pássaros, esquilos, raposas e etc. Eles se entendem perfeitamente e podem ajudar o semideus com informações, além de nutrirem certo respeito por ele.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguem entender e se comunicar com animais.
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Cura Noturna I
Descrição: O semideus fica mais forte durante a noite, mesmo que de dia seja tão habilidoso quanto. Sendo sua mãe a rainha do submundo, no entanto, é durante a escuridão que você consegue se curar. No mais tardar da noite, suas feridas começam a se fechar lentamente, mas nesse nível, apenas pequenos cortes conseguem se regenerar. (Só pode ser usado uma vez a cada 3 turnos).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera 20 HP e 20 MP
Dano: Nenhum

Nível 8
Nome do poder: Respiração
Descrição: Os filhos da deusa do submundo não tem dificuldade de respirar em locais com pressão baixa, e herdam essa característica de sua mãe. Assim sendo, lugares fechados, ou abaixo da terra, não o incomodam, seria o mesmo que respirar ao ar livre.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Sua respiração não se afeta em locais fechados, cavernas baixas, ou locais como o mundo inferior, muito abaixo da superfície.
Dano: Nenhum

Nível 9
Nome do poder: Olhar Facultativo
Descrição: Persefone/Proserpina é uma deusa com personalidades multiplicas, e considerada bipolar, seus filhos herdam a mesma característica da mãe, mas, expõem seus sentimentos através dos olhos. Quando com raiva, por exemplo, os olhos podem adquirir um tom avermelhado, sendo que para cada sentimento seus olhos mudarão de cor automaticamente. No restante do tempo, permanecem normais.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Essa mudança de cores pode causar confusão ou fascínio em seus inimigos.
Dano: Nenhum
Ativos:

-
e


What's your color?
「R」
Madison Blanc-Faure
Madison Blanc-Faure
Filhos de Perséfone
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Daniel J. Smith em Qua Out 23, 2019 8:12 pm

Tínhamos acabado de escapar daquele inferno, eu estava aliviado, mas a Leona parecia um pouco sem chão.

Quase me compadeci da desmiolada, mas nah! Eu estava ocupado aproveitando a minha liberdade.

Infelizmente, naquele momento, o mais seguro era estar escondido em meio à parca relva de um parque municipal.

Mendigos da região esquentavam-se em pequenos grupos, pobres e infelizes almas que se recusavam a tomar banho nos albergues disponíveis ou não encontraram vaga. Ou qualquer porcaria de infortúnio que esses pobres coitados fedorentos e drogados tivessem.

O interessante era que o fedor sufocante - mesmo ao ar livre - me dava náusea e ainda assim segui naquela direção enquanto deixava as garotas para trás.

Eu queria me certificar que nenhum monstro estranho estava escondido entre os infelizes ao redor do fogo.

Rodeei a população, recebendo uns olhares meio tortos e o burburinho de alguns cochichos. De certo modo, estávamos invadindo território de sem teto, entenda quem puder essa relação de espaço.

Para evitar um confronto, escapei pela lateral para uma zona mais escura, infelizmente, também tropecei em um vaso de lixo. Enquanto eu me ajeitava, dando uns passos para trás na - inútil - tentativa de escapar da queda.

Cambaleei, cambaleei e caí de qualquer jeito. Eu esperava encontrar logo o chão com uma bundada dolorida, mas a queda demorou muito além do esperado.

O frio na barriga e a sensação que meu estômago tava rolando sobre si eram tão fortes que faziam meu coração bater descompassado.

Onde estava esse barranco? Eu me perguntava em meio ao que eu imaginei ser minha última queda.

Nada de filme sobre a vida ou arrependimento, apenas uma decepção de ter uma morte estúpida.

Aí!

Em fim a bundada dolorida. Mas diferente do que eu imaginava, foi a bundada de uma queda usual e não de 5 minutos caindo.

Okey, o que está acontecendo? – Perguntei em voz alta, esperando que pudesse ter sido alguma brincadeira bizarra das garotas.

Minha voz ecoou de volta, certo… assustadoramente eu estava em um castelo.

Melhor que uma praça de mendigos! – Falei instintivamente, surrupiando um dos candelabros de ouro do lugar.

A vela providenciaria iluminação e o candelabro me compraria comida e roupas novas, só vi vantagens.

O problema era: o lugar imenso e desconhecido possuía muitas portas e longos corredores e nenhuma alma viva parecia passar pelos cômodos que eu havia escolhido entrar.

Andei cerca de 10 minutos antes de ouvir passos pela primeira vez, o som oco parecia salto contra o chão, começaram apressados, mas diminuíam o ritmo a medida que a intensidade sonora ampliava-se.

Amigo? Inimigo?

Que tipo de criatura viveria sozinha num lugar daqueles? Procurei uma coisa para me proteger, eu tinha uma faca, roubada da sala de evidências… Não matava humanos, mas fazia algum estrago em monstros. Bem… era o que eu tinha.

Me recostei atrás da porta, esperando para atacar o que quer que entrasse por ali.

Crr…

A pesada porta se abriu lentamente e Tam! Putz, era uma garota que parecia normal…
Aliás, nem tão normal assim já que parecia uma musa asiática.

Sorte a minha que meu medo de morrer era maior que o decote dela, não que eu tenha dado uma espiada antes de focar no rosto da estranha….

Fique calma, me diz onde diabos eu estou e como eu saio daqui!

Fiquei constrangido alguns segundos enquanto ela usava a espada com muito mais centímetros de lâmina que a pobre faça que eu portava.

Como ela se comportou naturalmente, explicando que também estava perdida e apontando a direção da qual viera – sorte a minha – fingi que nunca nem vi a faca… já coloquei de volta na cintura e catei o candelabro para iluminar melhor o quarto.

Okey… sem ideias estranhas só porque tem um dossel e uma garota num castelo com pouca iluminação…

Chacoalhei um pouco a cabeça para me livrar de um ou dois pensamentos que me guiariam diretamente para Caronte, por intermédio de uma lâmina bem afiada.

Certo, você caiu aqui assim como eu? – Perguntei enquanto dividia minha atenção entre a espada dela e a posição que a garota apontava.

Acreditar nela era arriscado, não acreditar igualmente… o mais sensato era manter uma posição neutra e buscar uma saída.

Gostaria de ir a um encontro? – Sugeri com um sorriso descontraído, uma piscadela e uma pausa curta para deixar a brincadeira no ar antes de cortar a conversa. – Um encontro com a saída! Porque eu sou jovem demais para morrer na idade média e sem empregados!
Completei a frase passando o dedo sobre uma penteadeira tapada de pó, aliás… naquele quarto o que não era pó, era teia de aranha.

A reação foi cruel! Ugh… era para descontrair e quebrar o gelo, mas provavelmente ela ouvia aquele tipo de piada todo dia.

Infelizmente eu tenho um pacto com a verdade e ela escapa da minha boca antes que eu pense direito sobre o que não dizer para alguém muito bem armado.

Ok, ou você é uma espécie de travesti e está me julgando terrivelmente mal, ou é daquelas pessoas: "Ai eu não sou boa o bastante!" Ou "ele vai me machucar." Quantos anos você tem? Não é meio jovem para esse discurso de frieza ou meio velha para esse lance de não ser boa?

E como todos aqueles pensamentos vieram naturalmente, o meu tom teve a mesma naturalidade e despreocupação como se eu falasse com a Leona que ela era desmiolada.

Enquanto eu vomitava meu discurso, andei mais descansado, olhei pela janela e fiz uma careta para a escada.

O andar inferior parece sombrio como o seu coração, acho que você vai gostar de lá… ei! Você não é uma aranha me levando para uma armadilha mortal, certo?

Caramba, esse pensamento me causou arrepios… mais assustador que ver uma mulher com quem você já dormiu, é ver uma aranha gigante.

Por garantia, passei a andar meio de lado, olhando mais para ela do que para a escada que passei a percorrer com bastante cautela.

A garota sentia zero intimidação por mim, justo. E foi assim displicente e autoritária quando apontou a coisa afiada para mim, perguntando meu nome.

Qual o problema das pessoas com nomes? Fiquei paralisado, olhando fixamente para ela.

Sim, você está certa… eu não tenho uma carteira. – fiz um silêncio dramático e enfim respondi calmo e claro. – tenho 30 anos. – Sorri, sustentando o desafio. – A final, não te perguntei seu nome.

Certo, eu ainda tinha um pescoço, isso era bom. Mas a mocinha parecia brava com a minha resposta mostrando-se um pouco desconfortável com a minha existência.

Relaxante, o desconforto e a desconfiança alheia parecem deixar meu mundo no lugar certo. E lá se foi andando com suas passadas levemente irritadas, me chamando de velho, e nos guiando para mais um quarto no qual comentaria sobre o nosso destino nós levar a quartos sujos...

Aparentemente tudo era quarto naquele mausoléu, qualquer coisa que parasse ali estava destinada a um quarto.

Está em busca do seu Sugar Daddy? Eu não tenho carteira, lembra?

Mas meu comentário foi atravessado por um som do lado oposto do corredor.

Ok. Eu acho que bebi um pouco além da conta, mas consegue ouvir isso? - Bem, ela também se deu conta.

Você é a pessoa com espada. - Respondi dando de ombros e tentando me ofuscar nas sombras.

A segui bem de perto, a final, se ela corresse para o fundo do corredor e sei lá o que a seguisse, eu teria um brilhante e seguro caminho pela frente. Todavia, a ameaça era muito, muito maior do que eu imaginaria.

Certo, eu preferia a aranha gigante do que uma sala de adolescentes. - Comentei, voltando ao lado da garota, já usando uma roupa mais apropriada para a ocasião. (Legado Afrodite: Sempre na Moda) - Gostaria de dançar?
Daniel's informations
FPA

Poderes:
Poderes Ativos
Nível 1
Nome do poder: Sempre na Moda
Descrição: Você tem um pequeno controle sobre a moda. Onde o lugar é frio, consegue em um estalar de dedos se vestir apropriadamente ao clima, e se for quente também. Esse efeito de roupas para uso próprio dura quanto tempo você quiser.
Gasto de Mp: 5 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Isso permite que você mude de roupas sempre que desejar.




A.Million.dreams.are
keeping.me.awake






Daniel J. Smith
Daniel J. Smith
Filhos de Éris

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Romeo Bernocchi em Qui Out 24, 2019 12:23 pm


Madison

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 950 XP – 1.500 dracmas – 1 osso
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 10%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 15%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 20%

Recompensa obtida: 950 XP – 1.500 dracmas – 1 osso




Daniel

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 950 XP – 1.500 dracmas – 1 osso
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 950 XP – 1.500 dracmas – 1 osso

Comentários:
Apesar da simplicidade das missões, acho que vocês a desenvolveram de uma forma super legal! Ficou claro, ao menos que rasamente, como as personagens são, e gostei de ver isso. Ansioso para ver como essa história continuará. rsrsrs

Atualizado por Hefesto
Romeo recebe 400XP e Dracmas + 4 ossos (duas avaliações)

Romeo Bernocchi
Romeo Bernocchi
V Coorte
Idade : 22
Localização : Acampamento Júpiter

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Madison Blanc-Faure em Sab Out 26, 2019 9:23 pm



Gods and monsters
Because if the mood is good, I’m Okay If I’m criticized until I crumble to dust I’m Okay What? No matter what you’re doing You know I’m okay You know I’m naughty But I’m not LALALAY If They don’t care You don’t care Are You ready? Get ready I’ll take u high high higher Don’t need to buckle up
A garota suspirou baixinho enquanto zanzava pelo castelo para procurar doces. Queria deitar numa das camas e dormir porque, sinceramente, algumas doses a mais do que aquilo que havia bebido antes de cair no maldito castelo era muita coisa para seus míseros quilos. Dor de cabeça era, definitivamente, uma das coisas que ela mais detestava.

Não havia encontrado mais nenhum doce àquela altura do campeonato e havia descido tão fundo no castelo, que não saberia dizer onde estava. Sua cabeça começava a latejar e ela estendeu a mão à frente de seu corpo, fazendo surgir ali um morango. Comeu-o devagar, sentindo-se minimamente melhor, embora soubesse que, ainda, precisava mesmo era dormir. Estava distraída pensando nisso, olhando o chão de pedra um tanto… sonolenta.

O lado bom de ter bebido até seu corpo estar saturado era que ela não precisava ficar pensando em Daniel. O lado ruim é que ela pensava assim mesmo. Havia aquela pontinha de frustração no fato de que ela o havia deixado ir embora como se não estivesse tentada a ver o que o homem particularmente medroso faria a seguir. E havia uma frustração bem maior no fato de que ela não o havia beijado uma segunda vez. Mas de que adiantaria fazer algo mais e pensar nele com igual frustração depois de ficar sozinha?

Ele acabaria sendo só mais um. Algo que ela, possivelmente, já era para ele. Havia certa… "magia" em conservar um pouco de afeto por um desconhecido que tinha sido minimamente gentil. Quase uma pontinha de esperança que nem todos os homens eram tão desprezíveis assim.

Ou não.

Ela só precisou erguer os olhos, mesmo no escuro, para perceber que ele estava lhe apontando uma faca. Então, percebeu que a camisa dele tinha sangue. Estreitou um pouco os olhos e balançou a cabeça. Talvez não fosse para ela que ele apontava a faca. E lá vamos nós com Daniel se tremendo de medo outra vez. — Ah… olha, eu posso te ajudar com o braço. Mas não vai rolar se você tentar me esfaquear. — franziu a testa, sentindo a maçã surgir em sua mão. Pequena de modo que seu sua mão fechava-se perfeitamente ao seu redor.

Você comeu algum doce? Eu comi um que me deixou… parecendo uma participante da parada LGBT. — riu baixinho, não querendo confessar o que um doce cor de rosa a tinha feito imaginar. Embora, agora que ele estava em sua frente fosse difícil manter as "lembranças" das mãos dele por dentro de sua blusa sob controle. De todo modo, ela segurou a pequena fruta pelo talo, para que ele pudesse ver.

Mas… guarda a faca antes, tá? Puta merda, se eu quisesse te matar, já tinha feito isso. — olhou-o se recostar na parede e balançou a cabeça, rindo da situação. — Bom  talvez você devesse se certificar de que as unhas não estão demais para você.

O comentário a fez arquear as sobrancelhas e ela encolheu os ombros despreocupadamente. — Então nós podemos dormir em algum lugar esperar amanhecer. Talvez assim a gente ache… alguma forma de embora. — bufou, prendendo o cabelo com o elástico que fez surgir em seu punho. — Vamos?

Ela o ouviu, rindo baixo assim que segurou na mão do rapaz. Deixou-se ser levada até o quarto, encontrando-o completamente… vazio. — Daniel, você usa drogas? — perguntou em um tom soturno, caminhando em direção ao guarda-roupas. Pegou a espada e abriu a porta do closet, vendo um ambiente claro e estéril.

Ah… Daniel. Vem dar uma olhada nisso aqui. — resmungou para o homem, guardando a espada. Sua respiração pareceu se tornar mais tensa, havia alguma coisa familiar no ambiente que olhava.

Ela o viu saltar para dentro do móvel e precisou reprimir o impulso de gritar "não". Apenas o seguiu, sentindo a própria respiração cada vez mais pesada enquanto caminhava. A diferença de textura sob seus pés a fez arfar. Ainda era um piso frio. Mas estava liso apesar do pó. Tirou a jaqueta, olhando ao redor apertou o couro com força.

Eu não gosto… não gosto daqui. — deu meia volta, vendo que a porta havia se fechado e, então, a empurrou de volta. Não havia castelo. Não havia nada de familiar do ambiente empoeirado, só outro cômodo igualmente limpo e estéril. Apertou a maçaneta, sentindo o pânico inundar seu corpo aos poucos. — O castelo… ele… eu… — seu cérebro enevoado estava em estado de alerta e ela sentiu o próprio corpo travar no lugar.

Fechou os olhos ao ser abraçada, tentando recuperar a racionalidade. Havia aquela sensação estranha de impotência. Sua pele formigando com o medo de acabar presa e entorpecida de novo. Os meses no hospício foram os piores meses de sua vida, mesmo de longe.

Havia uma sensação minimamente reconfortante em ter os lábios do mais velho sobre os seus. Mas ainda podia sentir os estranhos arrepios percorrendo sua coluna enquanto caminhavam para o fim do corredor.

Tinha aquele barulho abafado de algo caindo. Fechou os olhos e respirou fundo, contando até dez enquanto se deixava ser guiada. Fosse o que fosse que estivesse ali, ela não estava contente.

Sabia que havia algo errado mesmo antes da sirene.

Madison sentiu o choque atingindo seu peito. Eles pareciam mortos. Pareciam impressões. Quando sentiu o mais velho soltar sua mão, trocou as roupas que usava pelo uniforme das pessoas ali dentro e soltou os fios compridos enquanto andava em passadas largas para o mais longe possível da multidão. Ela olhava por cima do ombro vez ou outra, parecendo estar sendo seguida de perto por um homem grisalho. Sua mente estalou, acionando os velhos instintos de sobrevivência enquanto ela passava a correr em busca da cozinha. Costumavam ser no térreo e suas janelas não tinham grades.

Com sorte, poderia fugir por ali.

Ouvia o caos atrás de si, mas não seria burra de se virar para olhar. Abriu as portas duplas da cozinha e pegou uma das facas que estava sobre o balcão. Correu até a caixa de força e deixou que uma descarga de energia escura gerasse um curto no sistema do local.

Ela não sabia se havia desabilitado todo o hospício ou apenas aquela parte. Mas pôde ouvir o homem tropeçando no balcão e xingando. Arrastou-se devagar, com as costas coladas na parede, tentando sair dali.

Ainda podia enxergar bem e viu quando o homem tateou a pia em busca de uma arma. Foi de caso pensado que Madison se aproximou na ponta dos pés e o esfaqueou entre as costelas. Ele grunhiu em surpresa, mas a filha de Perséfone apenas removeu a faca e cravou-a uma segunda vez na altura dos rins. Saiu correndo para onde se perdera de Daniel, ainda com a arma em mãos porque, no fim das contas, já estava no sistema e não podia se dar ao luxo de ser caçada novamente.

Havia um certo caos e pandemônio por todo o caminho enquanto ela continuava a correr. Suas mãos manchadas de sangue não passavam despercebidas e por causa disso alguns internos começavam a gritar enquanto ela passava por eles, tentando alcançar o aglomerado de enfermeiros que pareciam até mesmo uma cena de desenho animado.

Um dos homens a interceptou e Madison só não foi atingida porque teve a genial ideia de tornar sua cabeça intangível, assustando pra caralho o homem quando seu punho passou direto. Ele quis gritar, mas Maddie cortou sua garganta, recebendo algum sangue nas partes de seu corpo que estavam tangíveis.

Alguém lhe deu um chute a parte detrás de seu joelho antes que ela pudesse correr e pisou em sua mão, arrancando a faca. Foi engraçado, portanto, quando ela agarrou sua panturrilha com a mão livre e lhe deu um choque. Estava cansada e ferida. Queria só sumir dali o mais rápido possível. Pensou em gritar pelo homem, mas sabia que isso poderia revelar mais sobre ele do que queria. — “Trinta”! — optou por dizer assim que agarrou a arma branca e voltou a correr. Sua respiração ainda ofegante.

Odiava manicômios com todas as suas forças e o fato de estar em um com toda certeza lhe causava repulsa e medo mais do que o fato de precisar matar para não ser trancafiada em uma cela com o errôneo diagnóstico de esquizofrenia. Quando mortais diziam “conte-me tudo” e “confie em mim”, a certeza de acabar num hospício era real e palpável.

Madison continuou a lutar contra aqueles que avançavam contra ela, sendo muito mais guiada pelo instinto de sobrevivência que adquirira nas ruas do que por qualquer outra coisa. As facadas desferidas visavam sempre pontos vitais, o que não a impedia de levar puxões de cabelo, socos ou chute. Entretanto, o desejo de dar o fora dali era maior do que qualquer dor. Então, achou uma porta e a empurrou, percebendo que ali havia uma forma de voltar para o castelo. Bem, melhor que o hospício. Pensou em apenas sair e largar Daniel para trás. Ele que se virasse.

Puxou um banco de madeira e deixou-o mantendo a porta entreaberta antes de se dirigir ao caos que parecia envolver o homem que era o culpado de estarem ali. — Ah, vá pro inferno. Eu devia ir embora. — rosnou consigo mesma, antes de eletrocutar um dos enfermeiros que estavam naquela de tentar agarrar “Trinta”.

Por garantia, esfaqueou o pescoço do eletrocutado antes de correr em direção à porta, nem mesmo olhando para trás assim que passou por ela, logo atrás de Daniel, e chutou o banquinho, vendo-a fechar com uma pancada alta. Soltou a faca, finalmente e olhou ao redor, sentindo-se mais calma.

Virou-se para o homem uma expressão zangada e lhe deu um soco no estômago antes de segurar seu rosto com as duas mãos, beijando-o de forma demorada.

Missão relizada:
Cômodos malucos
O castelo é um tanto mais complexo do que aparenta. Algumas portas podem te levar para lugares aleatórios como manicômios abandonados, igrejas caindo aos pedaços, outros castelos ainda mais tenebrosos e vários lugares que já foram esquecidos pelos homens. Sem querer, você foi para um destes lugares e ao tentar retornar descobriu que a porta não te levava de volta. Agora precisa enfrentar os perigos do lugar desconhecido e encontrar um meio de retornar para o lugar de onde veio.
Requisito – Mínimo nível 8.
Recompensas até: 6.000 XP – 6.000 Dracmas – 6 ossos.

Itens levados:
• Espada de Luz [Uma espada de luz com um fio reluzente de lâmina mediana que contém um diamante encustrado em sua empunhadura. Sua lâmina possui 70cm de comprimento e, ao todo, a espada possui 90cm. É uma espada em estilo medieval e possui dois fios de corte. | Efeito: Quando não está em uso, transforma-se em um fino bracelete de ouro branco. | Efeito 1: A espada é feita do elemento luz. | Mágica. | Status 100%, sem danos. | Sebo de itens.]
Poderes e habilidades:

Poderes (Afrodite):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza Natural
Descrição: Os filhos da deusa do amor são campistas naturalmente bonitos e charmosos. A beleza supera a de qualquer outro semideus no acampamento, sendo algo beirando ao sobrenatural. É simplesmente indescritível. Isso faz com que inimigos e aliados acabem se distraindo por sua beleza perturbadora, ou encantados pela mesma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode deixar o inimigo atordoado durante o primeiro turno, evitando atacar logo de cara, ou se atacar (poderes que exijam miras, ou armas com a mesma característica), irão errar o alvo. Não acertarão o filho de Afrodite/Vênus, pois, de primeira, o inimigo não saberá porque não nutre o desejo de ataca-lo.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Fluência em Frances
Descrição: Não importa se você nunca teve contato com o idioma, mas por ser a língua do amor, você pode fala-lo fluentemente, lê-lo e escrevê-lo com perfeição, como se esta fosse sua língua materna.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano:Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Comunicação com Pombas e Cisnes
Descrição: Ambos são animais regentes da deusa do amor, logo, seus filhos podem se comunicar com as mesmas, podendo pedir pequenos favores e principalmente informações. Os pássaros não te obedecem, mas têm respeito e admiração por você.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode conseguir informações através deles, e com seu charme natural, até consegue que eles te ajudem.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com Chicotes I
Descrição: O filho de Afrodite/Vênus possui um manejo elevado com chicote e, além disso, é totalmente hábil em fazer manobras incríveis e incomuns com o mesmo, podendo envolver um membro específico do corpo de seus adversários com o chicote para comprometer sua respectiva movimentação. O semideus será bom com o manejo da arma, mesmo sem nunca a ter utilizado.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no Manejo de Chicotes.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nível 4
Nome do poder: Resistência
Descrição: O filho de Afrodite/Vênus, é um sedutor nato, que conhece a magia por trás do charme, e da sedução. Isso faz com que se tornem invulneráveis a poderes envolvendo a beleza do oponente e magias com amor, essas não atingem o seu personagem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderes relacionados a enganação do coração, charme, sedução e beleza não surtem efeito na prole da deusa do amor.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Detecção.
Descrição: Como filho de Afrodite/Vênus o semideus consegue detectar os sinais de charme/poções do amor em outros indivíduos, assim como ilusões relacionadas ao amor. Lembrando que ele não terá acesso as memorias do semideus/criatura/monstro atingido, apenas saberá se o mesmo foi atingido por algum poder de tal natureza.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Pericia com Adagas I
Descrição: O semideus possui certa afinidade com as adagas, uma arma delicada, simples, que em suas mãos se torna mortal. O filho de Afrodite/Vênus costuma repelir armamentos mais pesados, por isso a adaga o atrai com mais facilidade. E mesmo que ele nunca tenha se utilizado de uma, conseguira maneja-la com certa facilidade. Nesse nível, ainda apresenta alguns poucos erros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +15% de assertividade no manejo de Adagas.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nome do poder: Símbolos
Descrição: Como prole de Afrodite/Vênus o semideus consegue identificar qualquer símbolo ligado ao amor e seus derivados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.
Ativos:

Nível 1
Nome do poder: Sempre na Moda
Descrição:  Você tem um pequeno controle sobre a moda. Onde o lugar é frio, consegue em um estalar de dedos se vestir apropriadamente ao clima, e se for quente também. Esse efeito de roupas para uso próprio dura quanto tempo você quiser.
Gasto de Mp: 5 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Isso permite que você mude de roupas sempre que desejar.
Poderes (Perséfone):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza incomum
Descrição: Os filhos de Perséfone possuem uma beleza bastante incomum. Belos como uma rosa, os mesmos possuem uma aura sombria que os torna bastante obscuros. Isso faz com que monstros e/ou semideuses sintam certa hesitação em avançar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Irão evitar atacar o filho da deusa das flores no primeiro turno.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Botânico
Descrição: Por sua mãe ser a deusa das flores, e da estação primaveril, o semideus consegue distinguir as diferenças entre uma flor e outra, seja pelo perfume, o formato, ou qualquer coisa. Ele sempre saber que flor é, e caso ela tenha algum efeito, veneno, gás, ou apresente perigo, também saberá identifica-los.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 100% de conhecimento sobre flores.
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Empatia Animal
Descrição: Conseguem se comunicar com animais de pequeno e médio porte como pássaros, esquilos, raposas e etc. Eles se entendem perfeitamente e podem ajudar o semideus com informações, além de nutrirem certo respeito por ele.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguem entender e se comunicar com animais.
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Cura Noturna I
Descrição: O semideus fica mais forte durante a noite, mesmo que de dia seja tão habilidoso quanto. Sendo sua mãe a rainha do submundo, no entanto, é durante a escuridão que você consegue se curar. No mais tardar da noite, suas feridas começam a se fechar lentamente, mas nesse nível, apenas pequenos cortes conseguem se regenerar. (Só pode ser usado uma vez a cada 3 turnos).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera 20 HP e 20 MP
Dano: Nenhum

Nível 8
Nome do poder: Respiração
Descrição: Os filhos da deusa do submundo não tem dificuldade de respirar em locais com pressão baixa, e herdam essa característica de sua mãe. Assim sendo, lugares fechados, ou abaixo da terra, não o incomodam, seria o mesmo que respirar ao ar livre.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Sua respiração não se afeta em locais fechados, cavernas baixas, ou locais como o mundo inferior, muito abaixo da superfície.
Dano: Nenhum

Nível 9
Nome do poder: Olhar Facultativo
Descrição: Persefone/Proserpina é uma deusa com personalidades multiplicas, e considerada bipolar, seus filhos herdam a mesma característica da mãe, mas, expõem seus sentimentos através dos olhos. Quando com raiva, por exemplo, os olhos podem adquirir um tom avermelhado, sendo que para cada sentimento seus olhos mudarão de cor automaticamente. No restante do tempo, permanecem normais.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Essa mudança de cores pode causar confusão ou fascínio em seus inimigos.
Dano: Nenhum.

Nível 10
Nome do poder: Comunicação com Mortos
Descrição: Consegue se comunicar com espíritos e entende-los perfeitamente, assim como conseguem identifica-los em campo, mas esses, não lhe obedecem, só podem lhe dar informações se forem persuadidos a tal.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguem extrair informações dos mortos desde que sejam capazes de persuadi-los.
Dano: Nenhum

Nível 12
Nome do poder: Olhar Infernal
Descrição: Os filhos da deusa do submundo não tem os olhos afetados pela noite e podem enxergar no escuro perfeitamente bem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderão enxergar perfeitamente no escuro, desde que a escuridão não esteja envolvida pela magica de alguém.
Dano: Nenhum

Nível 13
Nome do poder: Pericia com Espadas II
Descrição: O semideus se desenvolveu conforme o esperado, ele sempre teve facilidade em lidar com espadas, mas agora, já consegue executar movimentos mais precisos, e os erros se tornaram menores.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +35% de assertividade no manuseio de espadas.
Dano: +15% de dano se o oponente for atingido pela arma do semideus.

Nível 14
Nome do poder: Pericia com Foices II
Descrição: Os filhos de Perséfone/Proserpina se sentem familiarizados com as foices e portanto ao lutarem com elas mostram-se mais habilidosos do que os demais. São capazes de executar movimentos precisos e rápidos ao lutarem com essa arma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de assertividade ao lutarem com a arma.
Dano: +15% de dano se a arma do semideus atingir.

Nível 15
Nome do poder: Teimosia no sangue
Descrição: Perséfone/Proserpina é uma deusa bastante geniosa e como tal seus filhos também o são. A teimosia dos filhos da deusa da primavera é tão grande que eles tendem a se tornarem mais determinados, lutando por aquilo que acreditam até o final.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de determinação.
Dano: Nenhum
Ativos:

Nível 5
Nome do poder: Fruto da Vida I
Descrição: Pode fazer surgir um fruto que faz com que o corpo se recupere rapidamente, restaurando uma parcela de HP/MP, nesse nível, apenas frutos e frutas pequenas como morangos, amoras e framboesas, por exemplo, podem ser invocados.
Gasto de Mp: 35 MP
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: +5% de HP/MP para quem ingerir.
Dano: Nenhum.
Extra:Nenhum.

Nível 7
Nome do poder: Eletricidade Escura I
Descrição: Como filha de Zeus/Júpiter, a deusa possui habilidade com eletricidade - e seus filhos herdam uma parte dessa habilidade -. Porém é um tipo de energia/eletricidade diferente, é uma eletricidade negra. A prole da deusa da primavera consegue gerar pequenas descargas de raio negro que podem causar desconforto no oponente.
Gasto de Mp: 10 MP por raio invocado.
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 15 HP por raio atingido.
Extra: Só consegue criar no máximo 4 raios.

Nível 10
Nome do poder: Intangibilidade I
Descrição: Os filhos de Perséfone/Proserpina, conseguem fazer mudar sua forma molecular de forma a ultrapassar paredes, e objetos sólidos. Entretanto, como ainda está em fase inicial, consegue manipular essa energia apenas em uma parte do corpo por vez, como um braço, uma perna, ou algo semelhante.
Gasto de Mp: 15 MP (por turno ativo).
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Estando nessa forma as coisas não se tornam palpável, passam através dele.
e


What's your color?
「R」
Madison Blanc-Faure
Madison Blanc-Faure
Filhos de Perséfone
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Dasha Nikolaevna em Sab Out 26, 2019 11:23 pm

Let me heal you

Quando Dasha passou a zanzar pelo castelo, não esperava encontrar um casal bem... estranho. Havia mesmo ouvido falar sobre semideuses perdidos e drogados por diversos efeitos que não eram esperados dos doces disponibilizados na caça aos doces comandada pelos diretores do Acampamento. A moça tinha uma aparência cansada e doentia enquanto o garoto tinha sangue brotando sob uma camisa perfeitamente intacta. Suspeito. Mas eles não pareciam ter tentado matar um ao outro. — Olá! Sou curandeira e vim ajudar! Posso? — perguntou com um tom gentil, vendo a menina parecer prestes a desmaiar. Não foi surpresa quando ela concordou e, mais que depressa, a filha da Noite se aproximou dela.

A semideusa colocou as mãos nela, sentindo seu Chi baixo. Cada vez mais baixo. Então, com os lábios comprimidos em uma linha fina, a filha da Noite usou manipulação energética uma vez. Curou as pequenas escoriações que havia em seu físico e, então, tratou de revitalizar sua energia mágica. O odor de flor da semideusa se tornou um pouco mais intenso à medida em que suas bochechas ficavam mais coradas. O cheiro de álcool que vinha de seu suor também parecia ter desaparecido um pouco. Mas a semideusa legado de Éolo não sentia que podia liberá-la sem peso na consciência. Seu Chi ainda parecia instável.

Então, buscou novamente a energia mágica da criança que parecia ter ligação com a natureza, vendo sua cor melhorar pouco a pouco. Sentindo que sua energia estava se estabilizando em 100% à medida em que o trabalho da curandeira era realizado. Quando acabou, olhou seus olhos e reflexos, percebendo que ela estava boa, de fato.

Por fim, a virou-se para o homem alto e loiro. — Posso curar você também? — perguntou por fim, sorrindo minimamente.

Dados:
Madison: nível 15 (140 HP/MP): 40% de 140 = 56 HP/MP
HP: 105 + 56 = 161 + 56 = 217
MP: 145 + 56 = 201 + 56 = 257

Pelas minhas contas, a semideusa recupera totalmente o HP/MP. Também considerei que a semideusa pode upar até o nível 18 (170 HP/MP) e portanto, a cura seria efetiva assim mesmo.

Missão realizada:
Curando
Com tantas pessoas aparecendo feridas os estudantes de medicina, filhos de Apolo e curandeiros passaram a trabalhar para melhorar as feridas de seus colegas e amigos.
Requisito – Ser filho de Apolo, curandeiro de Asclépio ou estudante/graduado de medicina.
Recompensa até: 4.000 XP – 5.000 dracmas – 4 ossos

Itens levados:

• Foice Lunar [Uma foice com cabo longo feito de mogno vermelho, trabalho em entalhes runas, tendo cerca de um metro e meio, sua lâmina tem pouco mais de 70 cm e é feita de uma mistura de prata estelar e ferro estígio, possuindo um brilho diferenciado.| Efeito 1: Transforma-se em um anel de madeira com um fio de prata, sendo discreto e fácil de portar. | Ferro estígio e prata estelar. | Sem espaço para gemas. | Beta. | Status 100%, sem danos. | Mágico. | Arsenal do Acampamento.]

Лили (Lily) [ Um arco prateado, com pouco mais de um metro de altura e corda bastante flexível de tom esbranquiçado. As flechas são materializadas, feitas de uma energia que emana do arco e, por isso, não são sólidas, se desintegrando ao perfurar o alvo.| Efeito 1: O dano causado pela arma do semideus poderá ser convertido em HP para seu portador. 25% do dano retirado é convertido em HP para quem empunhar o armamento. | Efeito 2: O armamento do semideus será capaz de sugar – através de um corte – parte do MP do adversário de seu portador, e converte-lo para si. Dessa forma, 30% do MP do adversário do semideus ao ser cortado com essa arma, será roubado e convertido ao portador do armamento. Essa habilidade poderá ser usada uma única vez por luta, evento ou missão, se a pessoa que for atingida por essa arma tiver um MP superior à do usuário que empunha a arma, o MP deste fica cheio, mas não aumenta. | Efeito 3: Transforma-se em uma pulseira com pingente de um lírio. | Material semidivino indetectável | Espaço para três gemas | Alfa Prime | Status 100%, sem danos | Necessário possuir nível 22 para domínio completo desse armamento | Lendária | Dano base de 40 (para humanos, monstros e semideuses) | Evento de natal 2017]

• Escudo Auxiliador [Um escudo de aparência comum que, a princípio, parece ser mais velho e desgastado, porém não se engane. O seu formato e redondo, se encaixando no pulso do semideus que o porta, deixando a mão do mesmo livre, já que o encaixe é no pulso e antebraço. | Ao ativar o efeito o escudo torna-se transparente e seu peso torna-se nulo, permitindo que o semideus porte armas ou quaisquer objetos no mesmo braço onde encontra-se o escudo, como se não estivesse com nada preso ao braço. O escudo também se expande, podendo englobar o semideus e mais outra pessoa, sendo indispensável em curas em batalha, por exemplo. Ambos os efeitos podem ser ativados simultaneamente, entretanto só podem ser ativos uma vez por missão/evento etc, durando dois turnos. | Ouro Imperial. | Não possui espaço para gemas. | Resistência beta | 100%, sem danos. | Nível 3. | Lendária. | 10 de HP (caso seja utilizado para atingir outros semideuses). | Presente de Reclamação do grupo Curandeiros de Asclépio/Esculápio.]

Consumíveis:

Bolinhas de Natal Mordentes [Quando lançadas contra o oponente mordem a primeira parte do corpo que encontrarem (a mordida se assemelha a mordida de uma piranha (sim o peixe), o que pode causar perfuração e sangramentos). A caixa de plástico contém 4 bolinhas, e somem após o uso | Podem causar hemorragia, dependendo do local que atingirem causando +20 de dano durante dois turnos. | Algum metal leve. | Sem espaço para gemas. | Sigma | Status 100%, sem danos. | Mágica. | Dano base 30 | Natal 2017] (4/4) Não usado.

• Bebida divina [ Uma garrafa de bebida alcoólica com sabor de frutas, que ao ser ingerida recupera 200 HP e MP do semideus, o deixando feliz da vida e novinho em folha, pronto para comemorar um pouco mais. | Evento de ano novo]

• Poção revitalizadora [Uma poção da cor de ferro derretido - um laranja metálico e um tanto incandescente - que está abrigada dentro de um pequeno frasco de vidro. | A poção recupera até 60% do HP e MP total de quem a ingerir, sendo que apenas uma utilização por batalha, mvp, pvp, missão e evento é permitido. | Poção e vidro. | Mágico. | Usos: 0/1 | Fabricado por Hela.] (x3)

• Prisão perfeita [Um cubo colorido com mini quadrados que em muito se parecem com o brinquedo cubo puzzle. Sua aparência inofensiva pode enganar o alvo, o fazendo pensar que o brinquedo não passa de objeto decorativo. | Ao ser atirada em direção ao alvo cria uma barreira invisível ao seu redor que o prende em um cubo transparente impenetrável. A prisão perfeita dura dois turnos e impede o alvo de usar poderes ativos ou fugir. Nada pode quebrar a barreira, ela some ao fim do segundo turno. | Desconhecido | Sem espaço para Gemas | Uso único, some após ser usado | Gama |Status: 100% sem danos | Mágico | Evento de Verão] (x2)
Poderes e Habilidades (Éolo):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Comando I
Descrição: Os filhos de Éolo são capazes de se comunicar com criaturas do vento, ou voadoras, como pássaros e espíritos, mas não são capazes de controla-los ainda, nesse nível, apenas conseguem entender o que eles falam, e responde-los.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguem entender e responder criaturas aéreas.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Bipolaridade
Descrição: Os filhos de Éolo assim como o vento são imprevisíveis, podendo demonstrar várias personalidades ao longo do dia sem muito problema. Por conta disso é natural que quando muito emotivos (com raiva ou apaixonados por exemplo) comecem a flutuar sem perceber.  
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com bastões I
Descrição: O filho de Éolo consegue manipular essa arma com uma facilidade maior do que a maioria dos semideuses, e ao lutar com ela se sente mais confortável.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no manuseio do bastão.
Dano: + 5% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.

Nível 4
Nome do poder: Velocidade I
Descrição: O campista assim como o vento consegue ser veloz, e passar despercebido, conforme treina e se desenvolve o filho de Éolo também se torna mais rápido.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de Velocidade
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Cura aérea I
Descrição: Os filhos de Éolo podem curar feridas pequenas e recuperar de sua energia ao ser atingido pelo vento, ou por uma brisa. Nesse nível apenas cortes pequenos. (Só pode ser usado uma vez a cada 3 turnos).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera +20 HP e +20 MP ao entrar em contato com vento.
Dano: Nenhum
Poderes Ativos:

Nenhum.
Poderes e Habilidades (Nyx):

Poderes Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Visão Noturna
Descrição: Têm sua íris dilatada, aumentando o foco, e consequentemente a distância a que se pode enxergar. O personagem toma posse da concentração para que consiga perceber se há pessoas no local através de pontos cegos, sendo capazes de detectar inimigos através de suas sombras. A sombra durante a noite, torna o corpo ainda mais vulnerável, e para os filhos de Nyx/Nox ela se tinge de negro no corpo dos inimigos. Assim sendo, quando essa visão está ativa, eles conseguem detectar essa sombra, e rastrear seus inimigos, mesmo que eles estejam invisíveis.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguirão detectar até mesmo inimigos invisíveis, desde que não estejam protegidos por uma magia, ou poder de nível superior ao seu.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Escritos antigos
Descrição: O semideus é diretamente ligado a línguas demoníacas antigas, bem como ensinamentos bruxos, o latim – de onde provem boa parte dos feitiços – e simbologia. Podendo traduzi-las e entende-las de forma perfeita, também conseguindo falar com perfeição.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Isso permite ao semideus descobrir novos feitiços e poderes, e inclusive executa-los, se for preciso.
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Proteção
Descrição: Nyx/Nox é uma mãe zelosa quando se trata dos filhos, e concede a eles uma proteção invejável. Seus corpos tem um escudo e resistência natural, que impede criaturas, e espíritos malignos, bem como demônios, de tomarem seu corpo e sua mente.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Qualquer criatura que tentar violar o corpo do filho de Nyx/Nox de maneira baixa, será expulso, e terá uma parte da alma machucada.
Dano: 10% de dano na barra de HP (retirado do total), da criatura que tentar violar o corpo do filho de Nyx/Nox.

Nível 6
Nome do poder: Aliado da Noite
Descrição: Quando lutam durante a noite os filhos de Nyx/Nox ganham uma força extra de campo, que permite que suas habilidades sejam aprimoradas de uma maneira surpreendente. Os atributos de força, agilidade, esquiva, e velocidade, são melhorados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +25% de força, velocidade, agilidade, e esquiva.
Dano: Nenhum

Nível 10
Nome do poder: Cura Noturna II
Descrição: Ao estar imerso na escuridão, os filhos da deusa podem recuperar energia de forma involuntária. O processo de cura acelerou, e agora as feridas pequenas fecham em questão de segundas, enquanto as maiores ainda têm um processo de regeneração lenta, e uma parte maior de sua energia retorna ao corpo. (Pode ser usado uma vez a cada 3 turnos)
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera +50 MP e 50 HP
Dano: Nenhum

Nível 14
Nome do poder: Imunidade Noturna
Descrição: À noite o corpo do filho de Nyx/Nox fica mais resistente a ataques que envolvam venenos, magias e ataques mentais que envolvam sua fisiologia e psicologia (habilidade que deixam tonto, paralisados, com medo, que obedeça a outros e etc.). Esse poder não funciona durante o dia.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Ataques relacionados a veneno, magia, ataques mentais, ou etc, terão o dano reduzido em 50% durante a noite. Não funciona durante o dia.
Dano: Nenhum

Nível 15
Nome do poder: Pericia com Laminas II
Descrição: Conforme o treinamento do semideus evoluiu, sua precisão com laminas se tornou ainda mais evidente. Agora, outros tipos de laminas também se tornam perfeitas em suas mãos, e mesmo sem nunca ter manejado essa arma, terá certa facilidade em lutar com elas. Espadas longas e lanças, podem virar armas tão mortais em suas mãos, que é melhor seus inimigos se afastarem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +70% de assertividade no manuseio de laminas (adagas, espadas, lanças, e etc).
Dano: +35% de dano se o oponente for acertado pela arma do semideus.

Nível 18
Nome do poder: Pericia com Cajados III
Descrição: Os filhos da deusa da noite se tornaram feiticeiros invejados, suas magicas se tornaram fortes, e ao usar o cajado consegue canalizar a energia com uma impressionante resistência, podendo reduzir o gasto da energia corporal, e canaliza-la na natureza.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus:  +100% de assertividade ao lutar com essa arma. O semideus que usar o cajado para executar o feitiço pode reduzir o gasto da MP pela metade. Exemplo, se executar um feitiço que gasta 10 MP, e usar o cajado para fazê-lo, então o gasto será apenas de 5 MP.
Dano: +20% de dano se forem atingidos por feitiços do cajado do semideus, ou pela arma (se usada dessa maneira).

Nível 21
Nome do poder: Premonição
Descrição:  Quando o filho de Nyx/Nox está correndo algum risco de serem atacados ou mortos de surpresa, eles têm uma premonição, um sentimento de perigo sobre o que irá acontecer. Este sentimento o alerta e pode mantê-lo vivo, pois, permite ao personagem antecipar durante um único turno – de sua escolha – o movimento do inimigo, e bloqueá-lo. (Só pode ser usado uma vez por missão, luta ou evento).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode afirmar os movimentos do adversário durante um único turno, podendo bloqueá-los nesse mesmo turno.
Dano: Nenhum.

Nível 24
Nome do poder: Criadora de Poções II
Descrição: O semideus aprende a criar e desenvolver poções próprias, estudando com afinco e aprendendo a divisão de ingredientes, suas propriedades e magnitudes, podendo criar coisas mais fortes, únicas e realmente poderosas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poções feitas por filhos de Nyx/Nox são 20% mais potentes.
Dano: Em caso de venenos, ou poções que causam dano, as poções realizadas por filhos de Nyx/Nox ganham um bônus de +15% de dano.

Nível 30
Nome do poder: Bom Magico IV
Descrição: Nyx/Nox sempre foi temida, seus filhos não são diferentes. Como mágicos experientes, conforme se desenvolvem, também adquirem a capacidade de sua mãe, podendo conseguir realizar feitiços mais fortes do que qualquer outro semideus, superando-os de uma maneira impressionante. Seus feitiços são precisos e certeiros, e o semideus com toda certeza se tornou um feiticeiro experiente em magia.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Ganha 40% de força em seus feitiços (em poderes ativos).
Dano: +20% de dano se os feitiços acertarem

Nível 32
Nome do poder: Imunidade abaixo de 0º
Descrição: Por mais que os semideuses estejam em algum lugar em que o clima esteja abaixo de zero, eles não são afetados, sentem frio, mas não chegam a ser afetados como os filhos de outros deuses, acostumando-se com facilidade as mudanças bruscas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: A mudança brusca de temperatura não o afeta tanto
Dano: Nenhum
Poderes Ativos:

Nenhum.
Poderes e Habilidades (Curandeiros):

Poderes Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Imortalidade
Descrição: No momento em que um semideus se une a Asclépio/Esculápio, seu corpo jamais irá envelhecer, tornando-se resisten a doenças - como gripes, febres etc. -, não mais podendo falecer por causas naturais (doenças) ou velhice. No entanto, caso o curandeiro sofra um golpe fatal durante uma batalha, ele morrerá. Esta é a única forma de interromper a vida de um curandeiro de Asclépio/Esculápio.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nome do poder: Mãos gentis
Descrição: Suas mãos são leves e delicadas para tratar de feridos. A dor que você causa é mínima, e você saberá muito bem como colocar ataduras, talas, bandagens, torniquetes e etc. no lugar correto, do jeito correto, e com o mínimo de tempo e dor possível.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nome do poder: Aura apaziguadora
Descrição: Um bom curandeiro tem que apaziguar o coração dos feridos e familiares, portanto você possui uma aura pacifista que acalenta os corações dos enfermos e familiares.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: O poder irá apenas funcionar caso o indivíduo esteja possuído.
Dano: Nenhum.

Nível 2
Nome do poder: Percepção energética
Descrição: Todos os corpos são constituídos de energia, os curandeiros tem a capacidade de perceber essa energia, onde ela está mais forte ou mais fraca, assim como se essa energia está danificada ou não segue seu fluxo normal. Dessa maneira, um curandeiro pode perceber que há algo de errado com a energia vital de alguém
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Permite perceber e localizar onde a energia vital está sendo perdida ou danificada, mas sem muita precisão. Pode notar que existe uma energia negativa ou interrupção da fluidez da energia em um braço ou no tórax.
Dano: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Resistência a venenos
Descrição: Como um semideus saudável, com o corpo purificado por asclépio, nenhum veneno terá efeito sobre seu corpo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Imunidade a venenos.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Conhecimento de anatomia
Descrição: O corpo humano não é um segredo para você, o nome de cada veia e por onde ela passa, levando o que pra onde, cada ínfimo detalhe dos músculos, ossos e demais tecidos são conhecidos por você.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Consegue tratar o paciente com maior precisão.
Dano: Nenhum.
Extra: – 10% de chance de causar danos colaterais na hora de tratar ferimentos.

Nível 6
Nome do poder: Botânica Medicinal  
Descrição: Plantas de aspecto medicinal serão automaticamente reconhecidas. Você é capaz ainda de saber como usá-las e em quais regiões são mais comumente encontradas e qual a melhor forma de coletá-las.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Consegue reconhecer e manusear plantas medicinais.
Dano: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Saúde de ferro
Descrição: Os curandeiros não são suscetíveis à doenças contagiosas ou inflamações.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum.
Dano:  Nenhum

Nível 8
Nome do poder: Conhecimento Mágico  
Descrição: As feridas de semideuses não estão associadas apenas aos danos comuns, mas a danos mágicos. Um curandeiro é conhecedor da magia e sabe identificar ferimentos mágicos.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 11
Nome do poder: Conhecimento microbiológico.
Descrição: Você conhece os principais micro-organismos patogênicos e parasitas, como se comportam e como tratar.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.
Extra: Nenhum.

Nível 12
Nome do poder: Doador universal
Descrição: Os curandeiros podem doar sangue para qualquer semideus sem causar nenhum tipo de reação adversa, além disso, o sangue dos curandeiros possuem propriedades curativas.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 5% de HP e MP para quem for transfundido com sangue do curandeiro.
Dano: Nenhum.
Extra: Os curandeiros não ficam casados ou sofrem qualquer efeito colateral por doar sangue.

Nível 13
Nome do poder: Perícia com materiais hospitalares II
Descrição: Seu conhecimento médico aumentou. Agora, além das ferramentas de atendimento básico, é capaz de manusear instrumentos cirúrgico com precisão.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: + 20% de eficácia em tratamentos que envolvam esses materiais.
Dano: Nenhum

Nível 14
Nome do poder: Adaptabilidade Medicinal.
Descrição: Usar um cipó como torniquete, uma serpente como uma potencial fonte de antídoto, ou qualquer outro tipo de coisa mais ou menos avançada que isso. Agora Curandeiros poderão fazer isso..
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: +15% de de eficácia com tratamentos improvisados.
Dano:Nenhum.
Extra: Nenhum.

Nível 16
Nome do poder: Comunicação dos Curandeiros
Descrição: Não, não quer dizer que sua caligrafia é ruim, mas os curandeiros conseguem comunicarem-se telepaticamente com serpentes e cachorros, símbolos de Asclépio, bem como com outros curandeiros.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 20
Nome do poder: Criador de poções
Descrição: Com os itens certos, o semideus é capaz de criar poções mágicas de cura.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano:  Nenhum.

Nível 23
Nome do poder: Agilidade II
Descrição: Os procedimentos médicos exigem certa agilidade, portanto, curandeiros são um pouco mais ágeis que os humanos normais.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: 15% agilidade
Dano:  Nenhum.

Nível 24
Nome do poder: Força aprimorada
Descrição: Carregar pacientes e imobilizar pacientes em estado de eclampsia e epilepsia exige força, por isso, os abençoados do deus Asclépio são mais fortes que o comum.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: 15% Força
Dano:  Nenhum.

Nível 25
Nome do poder: Convicção Inabalável
Descrição: Médicos não podem deixar-se abalar por nada: eles dificilmente ficarão assustados ou abalados com algo, assim como serão surpreendidos com menos eficácia e nenhuma mentira lhes escapa, embora às vezes os mentirosos mais hábeis, como os filhos de Éris, consigam ocultar em parte sua mentira. Omissão não é afetada, pois não é uma mentira.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Capazes de detectar facilmente mentiras de semideuses com nível igual ou inferior, exceto os semideuses com habilidades para tal.
Dano: Nenhum

Nível 27
Nome do poder: Luz Solar II
Descrição: Quando o curandeiro estiver em contato com a luz será ainda mais poderoso e eficiente de forma geral.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: + 30% de efetividade em ações terapêuticas.
Dano: Nenhum

Nível 31
Nome do poder: Diagnosticar II.
Descrição: Com auxílio das técnicas certas, é capaz de diagnosticar qualquer doença.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 39
Nome do poder: Perícia com cajados III
Descrição: Cajados são armas eficientes nas mãos certas. Curandeiros utilizam-nos com certa maestria e graciosidade, podendo ferir gravemente seus oponentes se o usarem corretamente, tendo certa intuição básica..
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: + 30% de assertividade.
Dano: + 20 de dano ao ser acertado pela arma do semideus, pois a precisão será mais certeira.
Poderes Ativos:

Nível 15
Nome do poder: Higiene II
Descrição: Como Asclépio é pai da Deusa da Higiene, Higéia, os curandeiros poderão descontaminar itens maiores e até locais pequenos, descontaminando de venenos, poluentes e micro-organismos.  
Gasto de Mp: 10 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Nenum

Nível 34
Nome do poder: Manipulação energética III
Descrição: Além de perceber a energia vital, os curandeiros podem manipula-la e restaura-la. Suas habilidades evoluíram conforme o esperado, cortes profundos já podem ser fechados completamente, além disso, agora o curandeiro também será capaz de parar hemorragias com mais facilidade.
Gasto de Mp: 20 de MP.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 40% de HP e MP por uso.
Dano: Nenhum.
Extra: Nenhum.
madison & daniel # the healer # doin' ma best


Pretty like a fallen angel
all that grace, all that body, all that face makes me wanna party. it's like heaven taking the place of something evil and lettin' it burn off from the rush.
Dasha Nikolaevna
Dasha Nikolaevna
Curandeiros de Asclépio
Idade : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Daniel J. Smith em Dom Out 27, 2019 9:26 am

Eu estava sozinho outra vez, bem… pelo menos a sensação de que ela iria me cortar numa emboscada tinha sido deixada para trás.

Certo, eu não estava entendendo porque eu não a tinha convidado para um daqueles quartos empoeirados para sexo casual.
Talvez não tivesse graça, porque esse era o trabalho dela, não?

Err… EU me sentia uma mistura de babaca com trouxa, mas tudo bem, a vida tem disso. Foco em sair dali.

Andei de cômodo em cômodo e estranhamente não conseguia a escada que subia, ao invés, achei outra escada para um andar mais baixo.

Desci e continuei andando de cômodo em cômodo, encontrei quartos e mais quartos com diversos modelos de lençóis puídos e sujos, alguns perfeitamente esticados sobre o colchão, outros desalinhados ou rasgados… todavia, nenhuma saída.

Olhei pela janela, queria saber qual para baixo era possível ir ainda e bem… eu parecia estar na mesma altura que antes. Desci mais um lance de escadas e olhei de novo pela janela.

Sem condições! Eu estava fazendo voltas… mas como? Precisava testar! Coloquei meu casaco amarrado na janela e desci o próximo lance… olhei pela primeira janela do corredor e não havia sinal do casaco em cima ou em baixo de mim ou do lado…

"Certo, esse lugar está testando minha capacidade espacial."
Entrei em um dos quartos, novamente, decidido a descansar e pensar por alguns minutos.

O design era o mesmo, cama de casal, poeira, penteadeira de madeira, um guarda-roupa colossal, uma poltrona ao canto com alguns arranhões, cortinas pomposas.

Nojento, mas tudo bem, cama empoeirada é até melhor que papelão no chão, minha última cama registrada.

Estava em um certo transe, durmo ou não durmo?  Quando uns estranhos barulhos no guarda-roupa chamaram minha atenção.

Eram como arranhões na porta, mas arranhões bem grandes.

Certo, agora seria um bom uso para uma garota bonita com espada, mas o que você fez? Foi embora sem espadas nem iscas para atrasar a criatura não identificada.

Os arranhões começaram a se alternar com bordoadas nas portas do móvel que tremia por inteiro com as investidas.

Meus olhos varreram a penumbra e tudo que eu poderia usar de arma era uma faquinha ou um candelabro. Nada favorável.

Saquei a faca e andei apressado para a porta, mantendo o corpo de frente ao guarda-roupa. Faltava muito pouco para eu chegar na porta quando a imensa criatura saltou para o meio do quarto.

Era grande, peludo, tinha focinho… seria uma coisa bem similar aos filmes de lobisomem… eu tava muito, muito encrencado com a minha faquinha do tamanho de uma das garras daquilo.

Eu tinha certeza que não tinha como conversar com aquilo…

"Te achei, Daniel…" - uma voz ecoou na minha cabeça e eu jurava que era da Leona, mas após uma pausa, a voz que continuara parecia da Michelle. - "Acha que pode correr?"

Não posso? - questionei para ganhar tempo, bolando uma estratégia.

"Que bobo, como devo matá-lo?" - Parecia a… Madison.

Pisquei meio aturdido e foi o tempo de distração que a coisa precisava para se pôr em cima de mim. Tentei rolar por baixo daquelas imensas patas com garras, mas estava próximo demais, apenas me livrei de um golpe fatal, mas duas das unhas afiadas cortaram a carne do meu braço esquerdo, me fazendo agradecer ser destro.

Meu coração acelerou e o meu cérebro bolou um plano com as sombras da criatura. Usei minha dominação sobre sombras para segurar a besta, impedindo-a de mover-se enquanto eu tivesse domínio sobre tal.

E heroicamente, fugi pela porta! Caindo no… guarda-roupa? Parecia que eu tinha dado a volta da porta para dentro do móvel de onde eu observava a criatura de outro ângulo.

Eu precisava de uma saída e a única coisa que eu via…

Saltei pela janela, chutando a madeira para abrir. A coisa era tão velha que mal ofereceu resistência e que surpresa não tive ak ver um corredor ao invés da morte final.

Certo, eu ainda tinha que correr e assim o fiz, apoiando o braço ensanguentado enquanto tentava pensar em como fugir. Rodei em círculos de novo e de novo até ver uma diminuta silhueta… Madison.

Não tinha certeza se era ela, empunhei a faca e dei uns passos para trás, fitando-a enquanto tentava discernir o que estava acontecendo.

Mas logo o cheiro forte de Gin, suor e perfume floral invadiram minhas narinas por cima do cheiro de ferrugem do sangue.

Estreitei meus olhos ainda desconfiado, identificando com certeza as linhas de seu rosto. Meu corpo ainda não tinha saído do estado de alerta.

Ela se propôs a ajudar, e a sinceridade ébria fez meu corpo relaxar, definitivamente nenhum monstro conseguiria ser daquele jeito, muito menos minha imaginação.

Fiquei me perguntando como ela sabia que maçãs eram revigorantes para mim ou como ela tinha no bolso uma tão pequena…

Aceitei a ajuda.

As garotas depois de você foram muito violentas. - Brinquei enquanto recostava-me na parede de pedra, guardando a arma. - Ou isso, ou os cachorros daqui são muito desenvolvidos.

Respirei fundo.

Não tem como sair daqui. - Reclamei frustrado.

Ela estava paciente e me auxiliando, pensava em dormir num dos quartos e esperar amanhecer, o mesmo que eu…

Fui assim que eu encontrei o cachorro louco, mas com sorte… bem… com sorte não vai ter um desses no próximo quarto.

Me pus de pé e estendi a mão para ela, liderando o caminho para o quarto mais próximo.

Quer fazer as honras de checar? - perguntei ao apontar o guarda-roupa. Ela era pequena e magrinha, mas um monstro levaria um ou dois minutos roendo o osso, era o bastante para fugir.

Bem, ela me chamou para checar… se estava viva e queria que eu visse, não seria nada que poderia nos comer vivos.

Fui até lá, sentindo um incômodo nos olhos até que minhas pupilas se acostumassem com o excesso de luz. Bem, parecia corredor de hospital ou das instalações da Seita.

Isso é o mais próximo de não castelo que eu cheguei essa noite.

Escapuli para dentro do móvel, virando apenas para apressar a garota a entrar logo.

Vamos, Madison, não temos a vida inteira.

Assim que atravessamos, Mad  começou a ficar nervosa, fechou a porta e a reabriu, provavelmente insegura de ficar ali, mas o castelo tinha sumido, em seu lugar estava um novo cômodo branco. A menina se apavorou, congelando no lugar. Como alguém preferiria poeira medieval à luz? Bem, talvez algum trauma de hospital…

Abracei-a, escondendo seu rosto no meu peito, cortando um pouco da visão que a apavorava.

Shhh… está tudo ok. Precisamos sair daqui do mesmo jeito que precisávamos sair do castelo, não adianta pirar agora, tá?

Afaguei seus cabelos, passando algum conforto enquanto, na verdade, eu analisava o ambiente. Era um corredor com muitas portas e uma saída lateral ao fundo que provavelmente era nossa melhor chance de fuga. Afastei o rosto da menor e dei um beijinho em seus lábios, porque eu queria ter feito isso mesmo, para lembrar a sensação.

Agora precisamos ir antes que algo venha.

Comecei a me mover, caminhando abraçado à semideusa.

O local era asseado, porém não parecia ter alguém por ali… andamos até o fim do corredor, mas a garota ao meu lado não parecia nada bem, o que para mim era reconfortante. O clima de tensão era um banquete para um filho da discórdia, ainda assim, fiquei levemente apiedado.

A abertura lateral nós guiava para um corredor mais largo e uma porta dupla de empurrar com frestas acrílicas no meio, mostrando uma paisagem verde. Eu pude ouvir pássaros cantando. Fiquei muito feliz, era a saída! Embora eu não achasse que havia tempo hábil de ter amanhecido.

Como a alegria de pobre dura pouco e a de semideus é só uma lenda, logo uma sirene ensurdecedora tocou e poucos segundos após, várias pessoas começaram a entrar pela porta à nossa frente.

Pessoas …

Uns dois primeiros pareciam perfeitamente normais apesar das roupas brancas de hospital. Logo o circo de horrores estava feito… alguns entravam conversando com coisas invisíveis, outros se deveriam tentando fugir enquanto eram laçados com um objeto muito semelhante a uma coleira enforcadora com haste de ferro para segurar. Alguns eram empurrados de cadeira de rodas, claramente fora de si pelos medicamentos.

Eu pensei em dar meia volta como se nada tivesse acontecido, mas nossas roupas nós denunciavam a quilômetros dentro daquele lugar branco e logo fomos vistos.

Oh fuck… vamos!

Soltei a mão de Madison e dei uma leve propulsão em seus quadros, para que ela reagisse e corresse comigo.

Certo, mulheres são realmente muito mais inteligentes, percebi isso ai vê-la mudar de roupa, por isso eu tentei mudar minha roupa também, mas já era meio tarde…

Senti um enfermeiro me agarrar pelo braço saudável e me deixei puxar para longe de Madison. Sinalizei para a menina que não interrompesse e seguisse, a final, não adianta fugir sem saber a saída… com sorte, ele faria um escarcéu e esqueceriam dela, assim haveria uma remota chance de resgate.

Era o melhor plano que eu tinha até então… por isso soquei o enfermeiro, com o braço ruim mesmo e gritei de dor. A dor também lhe causou certa raiva, isso deu impulso ao chute que soltei nas costelas do homem caído.

O alvoroço estava armado! Outros enfermeiros pularam para o centro da confusão e alguns pacientes também enquanto outros - aqueles que não se encontravam em estado vegetativo - tentavam escapar. Um pandemônio revigorante, ainda assim desnorteador.

Vieram dois ou três para cima de mim, e aquelas pessoas enlouquecidas começaram a gritar, chorar e praguejar coisas sem o menor sentido.

A cacofonia era perturbadora, como se um enxame de abelhas rondasse o local. Me esgueirei entre um e outro, fugindo dos enfermeiros aqui e ali.

Mas eles eram espertos e pareciam estar em todo lugar, de repente parecia haver mais enfermeiro que paciente naquele lugar… o que diabos era aquilo?

Senti um puxão no colarinho da minha camisa e me desequilibrei, o homem que me agarrava era estupidamente alto e feio como um troll.

Tentei me desvencilhar, mas logo veio um segundo com uma agulha assustadora.

Oh fuck!!

Não adiantava tentar conversar, não se ouvia nada além de gritos e lamúrios. Eu estava numa situação complicada…

O troll, digo… o agente de saúde com rosto pitoresco e altura acima da média veio ao meu encontro, seus olhos fixos no meu braço, selecionando o local ideal para me espetar com aquele troço!

Não me restavam muitas opções, então observei os padrões de sombras no chão - acredite, eram muitos - e tentei definir qual delas pertencia ao neandertal que estava perigosamente perto.

Assim que identifiquei, já sentindo a respiração fedida dele em meu cangote, consegui prender sua sombra à minha e parar o infeliz.

Suspirei, foi um quase, comecei a afastar o corpanzil de cima de mim e então… tudo escuro! Eu havia perdido o controle da sombras, já que elas deixaram de existir. Ao invés de controle... senti a leve picada no braço. Por sorte, o homem aturdido, por não ter encontrado desequilíbrado na posição em que eu o havia deixado -  caiu de mal jeito e a agulhada no meu braço, foi um mero acidente na trajetória.

Como não foi planejado, a agulha entrou na pele e foi arrastada para baixo, o metal roliço do instrumento médico não era capaz de cortar, oferecendo assim uma dolorida resistência antes de rasgar parte da derme.

O que quer que ele estivesse tentando aplicar em mim foi parar em parte na minha corrente sanguínea, mas o maior volume - pelo som que fazia ao chacoalhar - parecia estar na seringa ainda quando a removi de mim.

Me senti sonolento, mas também confuso. Estava muito escuro, eu tropeçava em loucos e clínicos, tentando sair. Alguns tentavam me agarrar pelas pernas, eu os coiceava, tentando seguir adiante. Hora ou outra apunhalava algum completo estranho para que me liberasse. O sangue quente fedia e era viscoso, mas também me ajudava a deslizar para fora dos agarrões seguintes.


Eu estava cansado de ser puxado, esfaquear, andar, ser puxado outra vez… quando as luzes de emergência se acenderam. Eu não ia ficar naquela merda de lugar!

Chega dessa palhaçada! - Gritei bravo.

Meu sangue fervia de uma raiva não comedida, ao fundo, o som da voz de Madison em busca de mim me dava um sinal de onde seguir.

Meus dois braços feridos e minhas pernas arranhadas incomodavam o meu monstro interior e já não havia qualquer sentimento tolo de piedade pelas almas infelizes que assim como eu tentavam escapar.

Ele! Ele nos colocou aqui e está tentando nos destruir com seus amigos… todos que usam touca branca, estão mancomunados com aquela cobra! - Bradei com força, fingindo indignação. - Eles estão tentando nos destruir, nos trancar aqui e nos transformar em monstros! Eles acham que são melhores que nós e podem nos usar!


Senti o fluxo de sentimentos mistos no ar, aos poucos eles ficavam ensandecidos, seus olhos arregalados para os enfermeiros uniformizados, mesmo os mais aéreos sentiam necessidade de atacar, a semente da discórdia estava plantada (Nível 13: Causador de Disputas).

Quando finalmente me esqueceram, pude bater um pouco da poeira e tirar a blusa imunda para usar como pano e limpar minhas mãos e meu rosto. Troquei de roupa logo em seguida, colocando um casaco escuro e calças de brim escuras.

A confusão ao meu redor parecia abrir mais espaço, enquanto se atacavam, esqueciam da minha existência e eu podia andar com mais calma na direção que Madison gritara.

Agora morram. - Proferi em Tok baixo, com um sorriso de superioridade em meu rosto para logo em seguida, invocar dos restos daquele atrito três pequenos e vermelhos filhos dos desentendimentos, três monstrinhos cujo objetivo era finalizar o que eles mesmo não conseguissem (Nível 25: Invocação de Monstros II).

A semideusa estava deslumbrante em seu visual Carry, a estranha, e parecia particularmente perigosa enquanto terminava de eletrocutar um infeliz.

Inteligente… ela achara uma saída, infelizmente uma que nos guiava de volta ao castelo.

Pense positivo, não sofremos uma lobotomia hoje. - comentei enquanto passava pela porta, deixando aquela festa toda para trás.
Daniel's informations
FPA
Poderes passivos:
Como eu já tenho acesso a todos e não usei nenhum com ênfase em particular, vou deixar o link para consultas: http://www.bloodolympus.org/t1644-poderes-e-habilidades-de-eris-discordia
Poderes:
Poderes Ativos
Nível 1
Nome do poder: Sempre na Moda
Descrição:  Você tem um pequeno controle sobre a moda. Onde o lugar é frio, consegue em um estalar de dedos se vestir apropriadamente ao clima, e se for quente também. Esse efeito de roupas para uso próprio dura quanto tempo você quiser.
Gasto de Mp: 5 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Isso permite que você mude de roupas sempre que desejar.

Nível 13
Nome do poder: Causador de Disputas
Descrição: O filho de Eris/Discordia, pode usar esse poder, e jogar um inimigo contra seus aliados, causando uma disputa em campo por um curto período de tempo. Basta plantar sobre os corações dos inimigos, uma pequena semente de discórdia, e ao se concentrar, o poder deve funcionar, lhe dando chance de fazer com que eles causem golpes um no outro, e aproveitar-se disso para escapar, ou piorar a situação ainda mais.
Gasto de Mp: 30 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: O efeito dura dois turnos, nesses dois turnos, aliados se tornam na verdade, inimigos em campo, podendo atacar um ao outro, seja com palavras ou gestos.

Nível 25
Nome do poder: Invocação de Monstros II
Descrição: Agora seus monstrinhos ficaram mais fortes, e cresceram, os bichinhos de massa e com os olhos vermelhos, estão mais espertos. Além de atacarem os inimigos, e conseguirem se curar sozinhos, também aprenderam a dividir o corpo, formando pequenos espinhos sobre os braços, e os soltando em direção ao inimigo. (Consegue invocar até 3 monstrinhos).
Gasto de Mp: 20 MP (por monstrinho invocado)
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 10 HP (por golpe, espinho, que acertarem no inimigo).
Extra: Ficam em campo por 2 turnos inteiros, cada monstrinho consegue soltar no máximo, até 3 espinhos por vez.




A.Million.dreams.are
keeping.me.awake






Daniel J. Smith
Daniel J. Smith
Filhos de Éris

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Madison Blanc-Faure em Dom Out 27, 2019 5:22 pm



Gods and monsters
Because if the mood is good, I’m Okay If I’m criticized until I crumble to dust I’m Okay What? No matter what you’re doing You know I’m okay You know I’m naughty But I’m not LALALAY If They don’t care You don’t care Are You ready? Get ready I’ll take u high high higher Don’t need to buckle up
Madison ainda estava furiosa enquanto retribuía o olhar do homem em sua frente. — Nunca mais invente de entrar na porra de um hospício. — resmungou, ignorando o comentário sobre si, seus olhos revirando-se nas órbitas com o sorriso do outro. Ele parecia grogue. Talvez porque estava grogue.

O viu caminhar de maneira estranha até o imenso armário e abrir a porta. Bom, não era mais um fodido portal para o hospício. — Certo… — concordou com a expressão desconfiada. Suspirou pesadamente e deixou que ele tropeçasse um pouco antes de sentir pena e guiá-lo até a cama. — Só… fique quieto, sim? — murmurou com a voz mais serena.

Madison percebeu que o havia sujado, mas não deu muita importância para o fato, tentando a porta de entrada do quarto. Estava trancada. — Oh, legal. Agora nós estamos presos aqui dentro, mas que… porra! — gritou a última palavra, passando a chutar a porta furiosamente, na altura da maçaneta. Apesar do rangir da madeira, a porta não dava sinais de que iria ceder tão fácil e seu pé começava a doer.  — Esse lugar é doentio.

Madison se sentou no chão e passou as mãos ensanguentadas pelo rosto. — Ah, mas que… — olhou para a cama, pensando que o outro provavelmente teria força suficiente para arrombar a porta. Mas Daniel estava cambaleando para longe. — Ei! Ei! Onde você vai? — perguntou com alguma irritação, se colocando de pé. Não podia ver o que tinha dentro do cômodo já que o corpo de Daniel bloqueava sua visão completamente. Segurou no braço do loiro, puxando-o e tossiu baixinho ao ver que ele já tinha aberto a camisa. Na verdade, ele propositalmente se livrou da peça e a olhou de calças abertas.

Soltou-o, se afastando um pouco e coçou a própria nuca totalmente sem jeito, virando-se de costas para ele. — Podemos… ah… depois que você tomar banho, dá pra abrir a porta? — perguntou um tanto… enrolada. Ótimo. Tudo que ela precisava era de um "parceiro" drogado. E pelado. — Vê se não se afoga naquela coisa…

Aproveitou-se que Daniel parecia entretido demais em tomar banho e caminhou para perto da porta, tirando as roupas sujas de sangue. Usou a parte seca para limpar os excessos de seu corpo, deixando apenas o rastro avermelhado. Pensava em como abrir a porta de um modo que não se utilizasse de força bruta. Estalou os dedos, voltando a usar uma regata e jeans escuras. Se abaixou para olhar a fechadura e puxou a maçaneta, fazendo-a soltar-se em sua mão daquela vez.

Decidida que já havia atingido sua cota de xingamentos para aquele cômodo, apenas sentou-se em frente a porta e abraçou as próprias pernas, encarando a madeira como se pudesse derrubá-la apenas com o olhar.

A água fria cortou todo seu raciocínio. — Cacete, Daniel! — gritou com o rapaz, se colocando de pé. Olhou-o, percebendo que ele ainda estava sem roupa. — Você ainda está nu. Mas que droga. — olhou-o nos olhos, sentindo a própria fúria queimar sob sua pele. Um contraste ok com a temperatura gelada da água.

Vai se vestir. E larga esse sabão, você nem sabe quem usou essa merda por último. Se tinha alguma doença. — continuou a resmungar, espalmando as mãos no peito do outro para fazê-lo voltar ao banheiro.

Madison engoliu em seco ao sentir o próprio corpo caindo sobre o do homem. Não estava esperando que Daniel estivesse bem grogue ao ponto de cair de bunda no chão e levá-la consigo. A filha de Perséfone o olhou nos olhos. E se afastou rapidamente, caminhou até o banheiro, pegando as roupas de Daniel e o ajudou a se levantar. — Vamos, eu vou te vestir. Chega.

Madison ameaçou dar um chute no homem, olhando-o com as íris vermelhas. — Me desculpa se é porque eu estou preocupada de estarmos presos na merda dessa quarto, numa merda de castelo e a única saída é um armário que leva para um sanatório ou a porra de uma porta que não abre. — gesticulou de forma enfática ao apontar a porta. Madison respirou fundo, movendo o maxilar de um lado para o outro. — O fato de você ser gostoso não diminui em nada a minha vontade de te empurrar pela janela. Só para constar.

Passou as mãos pelo rosto outra vez e o olhou com nítido sarcasmo. — A madame já terminou? Podemos tentar sair daqui?

Ela o olhou surpresa e riu baixo com a audácia daquele filho da puta. Revirou os olhos e passou a revirar o quarto, ignorando completamente a existência de Daniel e o fato de ainda estar molhada, embora a raiva não lhe permitisse sentir frio.

Ela não precisava de Daniel. Não precisava de ninguém. E o fato de ter considerado se deixar se ajudada por qualquer pessoa a enraiveceu ainda mais. A francesa olhou atentamente para os parafusos que prendiam a fechadura e usou a ponta da faca que trouxera consigo do manicômio para removê-los. Então, tirou toda a estrutura da maçaneta e passou a desparafusar as dobradiças.

Xingou baixo quando cortou um dos dedos, olhando para Daniel deitado na cama. Havia no entanto três parafusos que estavam bastante apertados, de modo que ela voltou a dar chutes na porta. Se Daniel não iria ajudá-la, também não iria dormir.

Madison se aproximou com a faca em mãos e cravou a lâmina no colchão, bem próximo do rosto de Daniel. — Abre essa merda. Por favor. — praticamente rosnou as palavras, sentando-se ao lado do outro enquanto apertava o lençol com a mão ferida. Tentando parar o sangramento.

O viu abrir os olhos, observando-o com a expressão impassível. Mas foi pega de surpresa ao ser empurrada na cama. Se ela tinha qualquer chance de reagir e se livrar dele, logo as chances foram pelo ralo. Engoliu em seco ao sentir o peso do corpo alheio sobre seu próprio, parando de se debater quando ele aproximou-se. Havia ainda aquele cheiro familiar vindo dele, mas Madison não ousou se mover. Talvez um pouco assustada com o que ele poderia fazer.

Ficou secretamente aliviada quando o viu se levantar e caminhar para a porta, sentando-se na cama. Não se moveu, apenas pegando a faca para observar o homem à distância. Mal respirava enquanto observava com desconfiança. Mordeu o inferior ao ver a porta abrir guardou a faca no cós de sua calça.

Passou por Daniel, sem realmente lhe dar as costas e se afastou dele naquele ponto, indo diretamente até a janela do outro lado do palácio. A voz de Afrodite dizendo que ela nunca devia confiar em homens ecoando por sua cabeça.

Missão relizada:
Trancafiado
Alguém acidentalmente te trancou em um quarto do castelo, você não sabe quem foi e, para piorar tudo, a maçaneta quebrou. Agora você tem que usar toda sua inteligência e sagacidade para abrir a porta. Sinceramente, não sei se você consegue.
Requisito – Mínimo nível 2.
Recompensas até: 1.500 XP – 1.500 Dracmas – 3 ossos.

Itens levados:
• Espada de Luz [Uma espada de luz com um fio reluzente de lâmina mediana que contém um diamante encustrado em sua empunhadura. Sua lâmina possui 70cm de comprimento e, ao todo, a espada possui 90cm. É uma espada em estilo medieval e possui dois fios de corte. | Efeito: Quando não está em uso, transforma-se em um fino bracelete de ouro branco. | Efeito 1: A espada é feita do elemento luz. | Mágica. | Status 100%, sem danos. | Sebo de itens.]
Poderes e habilidades:

Poderes (Afrodite):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza Natural
Descrição: Os filhos da deusa do amor são campistas naturalmente bonitos e charmosos. A beleza supera a de qualquer outro semideus no acampamento, sendo algo beirando ao sobrenatural. É simplesmente indescritível. Isso faz com que inimigos e aliados acabem se distraindo por sua beleza perturbadora, ou encantados pela mesma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode deixar o inimigo atordoado durante o primeiro turno, evitando atacar logo de cara, ou se atacar (poderes que exijam miras, ou armas com a mesma característica), irão errar o alvo. Não acertarão o filho de Afrodite/Vênus, pois, de primeira, o inimigo não saberá porque não nutre o desejo de ataca-lo.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Fluência em Frances
Descrição: Não importa se você nunca teve contato com o idioma, mas por ser a língua do amor, você pode fala-lo fluentemente, lê-lo e escrevê-lo com perfeição, como se esta fosse sua língua materna.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano:Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Comunicação com Pombas e Cisnes
Descrição: Ambos são animais regentes da deusa do amor, logo, seus filhos podem se comunicar com as mesmas, podendo pedir pequenos favores e principalmente informações. Os pássaros não te obedecem, mas têm respeito e admiração por você.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode conseguir informações através deles, e com seu charme natural, até consegue que eles te ajudem.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com Chicotes I
Descrição: O filho de Afrodite/Vênus possui um manejo elevado com chicote e, além disso, é totalmente hábil em fazer manobras incríveis e incomuns com o mesmo, podendo envolver um membro específico do corpo de seus adversários com o chicote para comprometer sua respectiva movimentação. O semideus será bom com o manejo da arma, mesmo sem nunca a ter utilizado.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no Manejo de Chicotes.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nível 4
Nome do poder: Resistência
Descrição: O filho de Afrodite/Vênus, é um sedutor nato, que conhece a magia por trás do charme, e da sedução. Isso faz com que se tornem invulneráveis a poderes envolvendo a beleza do oponente e magias com amor, essas não atingem o seu personagem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderes relacionados a enganação do coração, charme, sedução e beleza não surtem efeito na prole da deusa do amor.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Detecção.
Descrição: Como filho de Afrodite/Vênus o semideus consegue detectar os sinais de charme/poções do amor em outros indivíduos, assim como ilusões relacionadas ao amor. Lembrando que ele não terá acesso as memorias do semideus/criatura/monstro atingido, apenas saberá se o mesmo foi atingido por algum poder de tal natureza.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Pericia com Adagas I
Descrição: O semideus possui certa afinidade com as adagas, uma arma delicada, simples, que em suas mãos se torna mortal. O filho de Afrodite/Vênus costuma repelir armamentos mais pesados, por isso a adaga o atrai com mais facilidade. E mesmo que ele nunca tenha se utilizado de uma, conseguira maneja-la com certa facilidade. Nesse nível, ainda apresenta alguns poucos erros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +15% de assertividade no manejo de Adagas.
Dano: +5% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nome do poder: Símbolos
Descrição: Como prole de Afrodite/Vênus o semideus consegue identificar qualquer símbolo ligado ao amor e seus derivados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.
Ativos:

Nível 1
Nome do poder: Sempre na Moda
Descrição:  Você tem um pequeno controle sobre a moda. Onde o lugar é frio, consegue em um estalar de dedos se vestir apropriadamente ao clima, e se for quente também. Esse efeito de roupas para uso próprio dura quanto tempo você quiser.
Gasto de Mp: 5 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Isso permite que você mude de roupas sempre que desejar.
Poderes (Perséfone):

Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza incomum
Descrição: Os filhos de Perséfone possuem uma beleza bastante incomum. Belos como uma rosa, os mesmos possuem uma aura sombria que os torna bastante obscuros. Isso faz com que monstros e/ou semideuses sintam certa hesitação em avançar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Irão evitar atacar o filho da deusa das flores no primeiro turno.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Botânico
Descrição: Por sua mãe ser a deusa das flores, e da estação primaveril, o semideus consegue distinguir as diferenças entre uma flor e outra, seja pelo perfume, o formato, ou qualquer coisa. Ele sempre saber que flor é, e caso ela tenha algum efeito, veneno, gás, ou apresente perigo, também saberá identifica-los.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: 100% de conhecimento sobre flores.
Dano: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Empatia Animal
Descrição: Conseguem se comunicar com animais de pequeno e médio porte como pássaros, esquilos, raposas e etc. Eles se entendem perfeitamente e podem ajudar o semideus com informações, além de nutrirem certo respeito por ele.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguem entender e se comunicar com animais.
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Cura Noturna I
Descrição: O semideus fica mais forte durante a noite, mesmo que de dia seja tão habilidoso quanto. Sendo sua mãe a rainha do submundo, no entanto, é durante a escuridão que você consegue se curar. No mais tardar da noite, suas feridas começam a se fechar lentamente, mas nesse nível, apenas pequenos cortes conseguem se regenerar. (Só pode ser usado uma vez a cada 3 turnos).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera 20 HP e 20 MP
Dano: Nenhum

Nível 8
Nome do poder: Respiração
Descrição: Os filhos da deusa do submundo não tem dificuldade de respirar em locais com pressão baixa, e herdam essa característica de sua mãe. Assim sendo, lugares fechados, ou abaixo da terra, não o incomodam, seria o mesmo que respirar ao ar livre.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Sua respiração não se afeta em locais fechados, cavernas baixas, ou locais como o mundo inferior, muito abaixo da superfície.
Dano: Nenhum

Nível 9
Nome do poder: Olhar Facultativo
Descrição: Persefone/Proserpina é uma deusa com personalidades multiplicas, e considerada bipolar, seus filhos herdam a mesma característica da mãe, mas, expõem seus sentimentos através dos olhos. Quando com raiva, por exemplo, os olhos podem adquirir um tom avermelhado, sendo que para cada sentimento seus olhos mudarão de cor automaticamente. No restante do tempo, permanecem normais.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Essa mudança de cores pode causar confusão ou fascínio em seus inimigos.
Dano: Nenhum.

Nível 10
Nome do poder: Comunicação com Mortos
Descrição: Consegue se comunicar com espíritos e entende-los perfeitamente, assim como conseguem identifica-los em campo, mas esses, não lhe obedecem, só podem lhe dar informações se forem persuadidos a tal.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Conseguem extrair informações dos mortos desde que sejam capazes de persuadi-los.
Dano: Nenhum

Nível 12
Nome do poder: Olhar Infernal
Descrição: Os filhos da deusa do submundo não tem os olhos afetados pela noite e podem enxergar no escuro perfeitamente bem.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderão enxergar perfeitamente no escuro, desde que a escuridão não esteja envolvida pela magica de alguém.
Dano: Nenhum

Nível 13
Nome do poder: Pericia com Espadas II
Descrição: O semideus se desenvolveu conforme o esperado, ele sempre teve facilidade em lidar com espadas, mas agora, já consegue executar movimentos mais precisos, e os erros se tornaram menores.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +35% de assertividade no manuseio de espadas.
Dano: +15% de dano se o oponente for atingido pela arma do semideus.

Nível 14
Nome do poder: Pericia com Foices II
Descrição: Os filhos de Perséfone/Proserpina se sentem familiarizados com as foices e portanto ao lutarem com elas mostram-se mais habilidosos do que os demais. São capazes de executar movimentos precisos e rápidos ao lutarem com essa arma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de assertividade ao lutarem com a arma.
Dano: +15% de dano se a arma do semideus atingir.

Nível 15
Nome do poder: Teimosia no sangue
Descrição: Perséfone/Proserpina é uma deusa bastante geniosa e como tal seus filhos também o são. A teimosia dos filhos da deusa da primavera é tão grande que eles tendem a se tornarem mais determinados, lutando por aquilo que acreditam até o final.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de determinação.
Dano: Nenhum
Ativos:

Nenhum.
e


What's your color?
「R」
Madison Blanc-Faure
Madison Blanc-Faure
Filhos de Perséfone
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Daniel J. Smith em Dom Out 27, 2019 6:16 pm

O soco doeu, bem, eu acho que era para doer… ela era pequena, mas tinha uma certa habilidade em causar dor.

Mas eu confesso estar meio anestesiado. Ainda assim, estava pronto para a briga quando senti meus lábios formiga tem com o toque dos dela.

Mas eu estava meio zonzo para processar, afinal, a injeção não tinha sido tão pouca quanto eu imaginava, só demorou um pouco em fazer efeito.

Senti meus joelhos fracos e fixei meus olhos na pessoa mais estranha que eu já havia conhecido na vida.

Você tem problemas e está com gosto de sangue. - comentei com um sorriso travesso.

Então me virei para abrir novamente a porta que tinha nos levado para o hospício. Se minha experiência estava correta - e graças aos titãs estava - seria novamente apenas um guarda-roupas. - Vamos deixar isso aberto, certo? Assim não vai virar uma passagem secreta para outro hospício.
.
Me virei para encarar a garota novamente, mas minha noção de espaço falhou e eu andei meio trôpego.

Eu estava vendo tudo duplicado, mas tentei acertar onde quer que fosse a cama. A menina me ajudou, depois foi até a porta e xingou alguma coisa.

A cama girava de forma engraçada, o quarto parecia mover-se debaixo de mim.

Mas eu percebia que havia uma segunda porta que já estava aberta e levava a um banheiro meio improvisado com um barril que provavelmente tinha água.

Eu queria tomar um banho, então deixei a Madison resmungando qualquer coisa na porta que parecia estar trancada e fui desabotoando minha camisa.

A garota veio em minha direção, fazendo perguntas e falando rápido, eu não entendi uma palavra que fosse, apenas deixei a camisa suja cair no chão e comecei a desabotoar as calças enquanto virava para ela, estreitando os olhos e tentando entender o que quer que ela dizia.

Tá bem. - concordei sem saber com o que e segui, deixando minhas calças para trás.

Procurei um balde menor e joguei a água no meu corpo, estava gelado e eu tomei um susto, praguejando o arrepio que me causou.

Eu estava limpo, mas lembrei que a Madison parecia uma galinha ao molho pardo e na minha mente drogada era uma ótima ideia dar banho nela. Por isso, enchi o balde de água e fui para o quarto devagar, ela estava distraída, sentada admirando a porta. Como alguém pode gostar tanto de portas? Ela parecia um cachorrinho esperando o dono.

Joguei o balde de água nela e já vinha com o pedaço imenso de sabão - provavelmente de lavar pratos que estava perdido no banheiro - para passar na menina.

Entenda, na minha cabeça aquilo parecia bem normal. Ela estava certa e o chão molhado, enquanto ela reclamava e andava, me fazendo retroceder de costas e drogado, o inevitável aconteceu. Escorreguei, tentando me apoiar na única coisa sólida que encontrei e isso seria a mão da garota me empurrando.

Caí com um som seco no chão, minha bunda doeu e a a Madison estava por cima de mim, provavelmente furiosa. Mas as drogas ainda faziam meu cérebro trabalhar meio confuso, embora o efeito estivesse se esvaindo aos poucos.

Você que me empurrou! - protestei me levantando, depois das reclamações da outra. Pegando a roupa que ela alcançava para mim. - Eu sei que você gosta do que está vendo!

Reclamei jogando a roupa no chão para secar o que estava molhado e logo fiz um hobby de seda preto surgir em mim, amarrando as tirinhas um pouco brabo.

Que audácia uma mulher me mandando botar a roupa!

Ela foi ficando cada vez mais irritada, qualquer homem sensato sabe que o silêncio é a melhor opção quando uma mulher está nervosa. Mas nah… sensatez para que?

É, tá bem. Finge que me jogou da janela e agora tem que abrir a fechadura sozinha.

Bati a poeira da cama e me deitei, eu precisava tirar uns 15min de sono mesmo. E estava quase dormindo quando Maddie começou a espancar a porta, tentando abrir à força, a coitada.

A porta não sou eu, pode bater com menos força, Madison.– comentei ainda deitado e com olhos fechados.

Ouvi a aproximação da garota, mas nem me movi, sequer quando enfurecida cravou a faca no colchão. E embora ela tenha me ordenado, usando a palavra por favor - cujo o contexto de uso, eu tinha plena certeza, não era aquele - ainda assim não me movi por um longo minuto. Abri um dos meus olhos preguiçosamente e me levantei de súbito, deitando-a na cama e usando a diferença de força e tamanho ao meu favor.

Quando a senti furiosa sob mim, sorri, segurando os pulsos dela com firmeza, mas sem impor força para não machucar. Pesei um pouco do corpo sobre o dela, sentindo-a através da fina seda.

Me aproximei com cuidado e inalei o perfume mortal e inebriante. Respirei profundamente, aproveitando o momento antes de sussurrar contra o ouvido dela. Já que me pede com tanta educação. Levantei e fui até a porta, analisar minhas opções.

Foi engraçado perceber que a menina já tinha feito a maior parte que precisava, havia três parafusos e desses, apenas um era um probleminha, mas o miolo já poderia sair sem mexer nele. Usei a faca para pressionar o miolo e conferir, então empurrei para o lado ao invés de tentar abrir. Consegui puxar o miolo da ferradura um pouco para o lado e voi lé!

Primeiro as damas.- Disse ao lado da porta.


Daniel's informations
FPA

Poderes:
Poderes Ativos
Nível 1
Nome do poder: Sempre na Moda
Descrição:  Você tem um pequeno controle sobre a moda. Onde o lugar é frio, consegue em um estalar de dedos se vestir apropriadamente ao clima, e se for quente também. Esse efeito de roupas para uso próprio dura quanto tempo você quiser.
Gasto de Mp: 5 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Isso permite que você mude de roupas sempre que desejar.


[/quote]


A.Million.dreams.are
keeping.me.awake






Daniel J. Smith
Daniel J. Smith
Filhos de Éris

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Héstia em Seg Out 28, 2019 12:58 am


Avaliação


Missão 1 - Cômodos Malucos
Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 4.000 XP – 4.000 dracmas – 8 ossos
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Madison
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 6.000 XP – 6.000 dracmas – 6 ossos

Daniel
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 6.000 XP – 6.000 dracmas – 6 ossos
Comentário:
Peço que os dois tomem cuidado com troca de palavras, ou falta delas. Não houveram descontos desta vez, mas da próxima ocorrerão.

Missão 2 - Trancafiados
Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 1.500 XP – 1.500 dracmas – 3 ossos
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Madison
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 1.500 XP – 1.500 dracmas – 3 ossos

Daniel
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 1.500 XP – 1.500 dracmas – 3 ossos

Dasha
Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 4.000 XP – 5.000 dracmas – 4 ossos
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 4.000 XP – 5.000 dracmas – 4 ossos
Comentário:
Dasha, quantidade nem sempre significa qualidade. Mas, um post muito pequeno como o que houve aqui, pode deixar a cura muito simplória. Tenha cuidado.

HP/MP de Madison recuperados.


Héstia...
Some peoples with brave, some peoples something good!
Héstia
Héstia
Deuses Menores
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure Empty Re: [MF] Daniel J. Smith & Madison Blanc-Faure

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum