The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

[MF] Charlotte M. Hwang

Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Charlotte M. Hwang em Qui Out 10, 2019 8:45 pm

Espaço para missões fixas do evento de Halloween.
Charlotte M. Hwang
Charlotte M. Hwang
Sem grupo
Sem grupo

Idade : 17
Localização : Canadá.

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty Re: [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Charlotte M. Hwang em Sex Out 11, 2019 6:01 pm



Um sátiro/fauno engraçadinho
Um sátiro/fauno resolveu que seria uma boa ideia causar tumulto na festa, por isso, começou a roubar bebidas enquanto seus donos estavam distraídos, dar em cima das semideusas e ficar balançando seu bastão no ar enquanto esbravejava. Você, cansado daquela situação toda, resolveu ir falar com o sátiro em uma tentativa de acalmar os ânimos antes que as coisas tomassem um rumo mais agressivo.
Requisito – Mínimo nível 1.
Recompensa até: 2.500XP – 3.000 dracmas – 3 Ossos

A festa que surgia a partir da névoa tornou as coisas cada vez mais interessantes. Meus olhos lacrimejantes virão uma temática de dia das bruxas mais avançada do que esperava. Abóboras, esqueletos, bruxas… Parecia mais uma cena de filme de terror do que nem sequer uma festa á fantasia. Tudo se conectava e a música trazia a nossa realidade mágica abaixo e me levava ao tempo de salém e para as bruxas na forca. Me lembrar de tudo aquilo me trouxe um frio na barriga, principalmente vendo certas fantasias horripilantes que continham naquela festa. Bem… Eu não era empática, mas poderia notar um certo medo em relação aos biscoitos de fantasma que até me observavam.

— " Acalme-se, Charlie. Tudo vai ficar bem. " — Os corredores estavam lotados de pessoas se pegando, principalmente nos cantos mais escuros. Quando via, só podia fazer cara de pateta, sorrir e continuar andando, pois a forma mais simples de evitar as coisas é sorrir e ir embora. Segui uma trilha de pequenas abóboras deixadas como aparente decoração e cruzei o pátio que ficava ao lado da festa, abrindo um grande portão de madeira que dizia: “não ultrapasse.” O engraçado era que se eles não desejavam que os participantes passassem do portão, por que deixavam-no aberto?

O mais intrigante da situação foi o lado de fora. Lá o breu dominava mesmo as lamparinas enferrujadas que se penduravam nos pilares de madeira. Um caminho demarcado levava a floresta, escura e mal iluminada pela lua que demonstrava um sorriso insano para todos que decidiam pisar sobre aquela terra. A névoa estava subindo sobre meu rosto e ofuscando tudo como se apagasse uma chama de esperança que havia em mim. Um frio vinha acompanhado de brinde com uivos de dentro dos arbustos, aqueles com quais eu começava a me preocupar. Um enorme barulho que provinha do festejo me retirou todo o resquício de medo ao me fazer correr igual uma ratazana velha com cãibra.

Voltei onde estava e procurei um local para me acalmar do pulseamento forte que sentia. Encontrei um balanço que por sorte era iluminado pela lua e lamparinas. Era seguro?

De qualquer jeito fechei meus olhos, sentando no balanço atrás da propriedade. Aquela sensação de fechar os olhos e parecer voar mais que distante daquelas correntes do brinquedo era uma sensação prazerosa. Era perceptível ouvir a música tenebrosa de fundo, ainda. Eu jamais aceitaria ter vindo se não fosse pelos doces, já que como todo mundo sabia eu só se me exilava para os livros e a universidade. Mas meu momento de relaxar não durou.

Fui cutucada por uma silhueta negra atrás de mim e virei, suspeita.

— Oi, você poderia ajudar? Tem um sátiro engraçadinho tirando toda a graça da festa. A gente já tentou de tudo para ele parar e ele não aceita de jeito nenhum! — Pausou dramaticamente, segurando minhas mãos em busca de auxílio. — Poderia tentar? — Eu jamais aceitaria nada desse nível. Se já não conseguia conversar com semideuses, quem dirá uma criatura?

Revirei os olhos e cocei a cabeça, bufando.

— Tudo bem. — afirmei. Ele nem pensou duas vezes em puxar meu braço e me levar ao centro da festa. Em cima da mesa, um sátiro quebrava bebidas e espantava todos ao seu redor. Ele era pequeno, mas estava dando um trabalho. O mais engraçado era que os participantes todos fizeram silêncio e me empurravam em cima da criatura, como se só existisse eu lá.

— O que você quer? — dizia. O monstro estava com voz de bêbado e admito: eu sabia por que era uma. — Se não tem nada a me dizer vai embora!

— Oi... Sátiro. — Pausei, gaguejando. — Você poderia sair da mesa e ser mais civilizado? — Ele riu.

— Você acha que vou escutar uma sebenta igual você? — Ele ria, debochando de mim como se eu fosse nada. Mas como me acostumava a me ver assim, sabia que ele não dizia coisa com coisa.

— Vamos, sátiro. Por favor! — Todos pareciam comentar de mim e alguns até começavam a rir da minha voz trêmula e nada confiante. Eu odiava esse meu defeito e sentia as lágrimas já inundarem meu rosto. Eu estava passando vergonha e sentia isso. Não ligando, sentei na mesa com ele e sorri. — Tudo bem. — Depois daquela fala ele ficou parado, me olhando.

— Tudo bem? Você não vai me xingar?

— Nem um pouco.

— Me xinga!

— Não.

— Me xinga!

— Não…

— ME XINGA VAGABUNDA!

— No. — Eu estava disposta a irritá-lo. Até que ele derrubou vinho em mim. Aproveitei a deixa para curtir a vida e peguei outra garrafa, virando ela em questão de segundos. Logo, não demorou para que ficássemos bêbados juntos. O que não impediu a briga de continuar acontecendo, contudo.

— POR QUE VOCÊ NÃO ME XINGA!? VAI SE FUDER! — Ele já não bebia mais e estava até sóbrio.

— Por que você não me xinga? Vai se fuder! — Imitava-o.

— CRIANÇA!

— Criança!

O sátiro então se cansou de mim. Largou a mesa e foi embora. A festa toda comemorava e eu não ouvia coisa alguma por estar no meu auge. Eu era inocente, introvertida, mas como filha de Dionísio nunca negava fica embrigada. Eles me veneravam e acabei por ir embora para os corredores, procurando auxílio para o meu enjoo contínuo. Eu tinha acabado com o sátiro ficando no mesmo patamar que ele, mesmo não me considerando heroína por estar vomitando no canto da parede. Eca!

Mas tudo passou quando ultrapassei as escadas e deitei num corredor aleatório do castelo, adormecendo. A noite seria interessante, não é?

Poderes de Dionísio:

Ativos
Nível 1
Nome do poder: Mudança de Voz
Descrição: Os filhos de Dionísio/Baco conseguem imitar a voz de qualquer criatura ou monstro, tudo isso apenas mudando os acordes da garganta, e expandindo-as para fora. É bem útil quando este deseja enganar algo ou alguém.
Gasto de Mp: 5 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum


Halloween
(C) Ross


WANNA BE LOVED
Charlotte M. Hwang
Charlotte M. Hwang
Sem grupo
Sem grupo

Idade : 17
Localização : Canadá.

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty Re: [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Anfitrite em Sab Out 12, 2019 11:41 am


Charlotte

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: 2.500XP – 2.500 dracmas – 3 ossos
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 2.500XP – 2.500 dracmas – 3 ossos

Comentário:
Método inteligente de espantar uma criatura...
Atualizado.


Anfitrite
Anfitrite
Anfitrite
Deuses Menores
Deuses Menores


Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty Re: [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Charlotte M. Hwang em Sab Out 12, 2019 1:09 pm

halloween
A HOMESICKNESS FOR A HOME TO WHICH YOU CANNOT RETURN, A HOME WHICH MAYBE NEVER WAS; THE NOSTALGIA, THE YEARNING, THE GRIEF FOR THE LOST PLACES OF YOUR PAST


A travessia
Há criaturas que não estão felizes com a própria morte e por isso acabam presas no plano terreno, sem nunca passar pelo julgamento para saber qual o destino de sua alma. Você encontrou um destes fantasmas e agora tem que argumentar com ele para que ele cruze ao reino dos mortos.
Requisito – Mínimo nível 1.
Recompensas até: 3.000 XP – 3.000 Dracmas –  3 ossos

Com certeza beber e dormir no meio de um corredor desconhecido do castelo não teria sido boa ideia. Quando levantei do chão, minha cabeça doía muito e eu estava zonza. Não sabia como andar direito muito menos tinha ciência da onde estava. Isso era um problema, realmente. Era um desafio constante me manter em pé com uma grande ressaca daquelas, mesmo sendo normal que nós filhos de Dionísio estejamos acostumados, eu naquela noite excedi o meu limite. O tempo parecia amaldiçoado a não passar quando vi no relógio que só teria avançado uma hora desde quando dormi. Pareceu uma eternidade!

— Ai minha cabeça… — afirmei, movimentando-me lentamente para fora do castelo, bem naquela entrada estranha que eu vi a floresta ser demarcada. O caminho de abóboras não gostava de ter que me ver a cada trinta minutos e os vegetais estavam começando a fazer cara feia. A lua iluminava uma estrada que ia para dentro de uma floresta obscura e eu estava interessada em cruzar aquele caminho, seguindo direto para o centro daquela imensidão negra. Eu tentava me dizer não, mas não resisti. Dando longos passos quase cheguei a portaria velha de madeira que cercava a entrada da floresta, quando infelizmente fui abordada por um homem lindo.

— Com licença… — Com calmaria eu disse, pressionando com as mãos seu corpo ao lado. O mais interessante foi notar que minha mão o atravessava, o que me causou uma face pálida por alguns segundos. — V-você é um fantasma? — gaguejei. Pude até sentir meus cabelos se levantando de medo por estar encarando um ser não vivo bem a minha frente. Crer na hipótese de que eu poderia estar bêbada ainda me acalmou um pouco.

— Sou sim. — Até sua voz era diferente. — Só estou um pouco revoltado com a vida.

— Porquê? — Notei que entraríamos numa sessão de psicologia, logo tirei uma caneta e uma agenda do bolso da saia que usava para as anotações e sentei. Como aluna do curso seria interessante praticar os métodos aprendidos em sala com um fantasma, não?

— Eles querem que eu cruze o reino dos mortos. Mas não consigo. Tenho algo que me prende aqui.

— Ah sim, entendi. Me conte, como foi sua trajetória de vida até aqui? — Me acomodei, me certificando de escrever todos os detalhes.

— Eu era um semideus filho de Melinoe. Via fantasmas direto, mas não sabia que morreria fazendo sexo. — Pausou, com vergonha.

— Me desculpe perguntar. Sei que é algo íntimo, mas… Como tudo aconteceu?

— Eu gostava muito das meninas. Não tive uma vida boa. Abusei de várias e tudo isso aconteceu por causa de um trauma na infância, causado pelo fato de minha mãe me molestar. Eu sentia que estava no controle e que assim não seria dominado novamente. Passei a entrar em depressão na época por causa disso e não sei muito bem como tudo aconteceu. Às vezes eu ficava louco de ciumes e batia nas minhas namoradas. Sou horrível. — Nunca vi fantasmas chorar. Foi a primeira vez.

— Se você não estiver confortável, tudo bem. Acalme-se. — Tinha medo de pedir para ele respirar, pois não tinha sabedoria para afirmar se fantasmas faziam isso. Pelo seu jeito nervoso e íris dilatadas eu percebia que tudo o que ele dizia era real. Seus gestos estavam confusos e sentia que ele estava nervoso se perguntando se devia dizer isso a mim ou não.

— Tudo bem. Eu consigo continuar. Bem… Depois que fiquei compulsivo por sexo, me masturbando de maneira compulsiva e não ligando para a dor que aquilo causava aos outros, morri de infarto.

— Entendi. Como você se sente agora, com isso tudo? Julga que consegue ainda sim se superar e seguir? — Ao recolher os dados que tinha, quase afirmava que ele era um sociopata. Esse distúrbio teria começado quando ele sofreu o trauma na infância. O fato é que ele buscou conforto sendo dominante e no sexo com mulheres. Isso se aprofundou e gerou brigas, abuso sexual e até abuso físico. Não desconfiava de até crer que ele matou alguém. Mas o papel do psicólogo não é dizer isso e sim orientar, por isso, sorri para ele esperando a resposta.

— Eu penso que consigo, sim. Sabe… As vezes é bom ter com quem falar quando o assunto é sua vida pessoal. Finalmente julgo que consigo cruzar o mundo dos mortos em paz. Além disso… Você já pensou em ser psicóloga? — Ele me fez sorrir. Ele não sabia que eu estava estudando para ser uma e isso tornou tudo mais irônico do que já era.

— Já pensei sim, haha. — Fechei a agenda, guardando-a.

— Muito obrigado por tudo. Nos Veremos ainda em algum dia! — Ele desapareceu. Parecia que tinha seguido o seu caminho, de fato.

E eu seguiria o meu também! Com passos largos, passei a porteira da floresta e entrei, buscando o que minha curiosidade procurava.

Observação:
As outras missões fixas não seguirão o enredo de Charlie na floresta. Esse detalhe será abordado em uma CCFY de dia das bruxas.

「R」


WANNA BE LOVED
Charlotte M. Hwang
Charlotte M. Hwang
Sem grupo
Sem grupo

Idade : 17
Localização : Canadá.

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty Re: [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Charlotte M. Hwang em Sab Out 12, 2019 1:28 pm

halloween
A HOMESICKNESS FOR A HOME TO WHICH YOU CANNOT RETURN, A HOME WHICH MAYBE NEVER WAS; THE NOSTALGIA, THE YEARNING, THE GRIEF FOR THE LOST PLACES OF YOUR PAST


Trancafiado
Alguém acidentalmente te trancou em um quarto do castelo, você não sabe quem foi e, para piorar tudo, a maçaneta quebrou. Agora você tem que usar toda sua inteligência e sagacidade para abrir a porta. Sinceramente, não sei se você consegue.
Requisito – Mínimo nível 2.
Recompensas até: 1.500 XP – 1.500 Dracmas – 3 ossos.


A noite estava só começando e as aventuras dos semideuses pareciam não ter fim. Fui atraída pela curiosidade de um quarto bem organizado do castelo e o único a não parecer assombrado, realmente. Seu interior tinha uma cama confortável, um lustre marrom mel e um armário aparentando ter mais de cinquenta anos. Estava tudo perfeito: uma cama, silêncio suficiente para dormir e uma porta com fechadura. Todo o descanso que precisava seria real e crer nisso era tão bom!

Mas não durou. Um ranger de porta me denunciou um barulho de tranca se selando. Esbugalhei meus olhos quando percebi estar trancada no quarto sem poder abri-lo na parte de dentro.

— Merda! — Algum engraçadinho provavelmente correu dali e me deixou ferrada naquele quarto que apesar de magnífico era entediante. Tudo ali parecia trancafiado: as janelas, a porta, o guarda-roupa. Eles deviam ter tido tempo para preparar aquilo e eu como a trouxa que sou fui a primeira a cair. Da janela dava para ouvir os resquícios de música que vinham de fora. As abóboras iluminadas e os esqueletos continuavam a decorar a fachada do pátio, contudo. — O que vou fazer? — Indaguei.

Na universidade de Nova Roma aprendemos como psicólogos a prestar atenção nos detalhes. Sejam esses emocionais ou no ambiente ao nosso redor. Parei para prestar a atenção em cada detalhe do ambiente, disposta a encontrar brechas que me denunciariam uma saída para fora daquele buraco. Demorou horas para que eu começasse a me ajoelhar e rezar para que meu pai em pessoa me tirasse dali.

Chorando, deitei-me ao chão e virei a cabeça.

— Uma caixa de ferramentas! E aberta! — Foi o desfrecho da minha missão. Abrindo a caixa e segurando um martelo, usei dele para quebrar o pino da dobradiça da porta e colocá-la de cabeça para baixo. — Agora vou caçar quem fez isso comigo! — adverti, com sangue nos olhos vagando pelo corredor de modo insano. Quem fez aquilo comigo, pagaria, com toda a certeza.
「R」


WANNA BE LOVED
Charlotte M. Hwang
Charlotte M. Hwang
Sem grupo
Sem grupo

Idade : 17
Localização : Canadá.

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty Re: [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Magnólia D'if em Sab Out 12, 2019 8:58 pm


Charlotte

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: Recompensas até: 3.000 XP – 3.000 Dracmas –  3 ossos
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 20%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 15%

Recompensa obtida: 1.650 XP – 1.650 Dracmas –  1 ossos

Comentário:
O seu grande problema aqui foi no desenvolvimento. Entendo sua animação com a ideia de ser uma psicóloga, porém tem a ver mais do que simplesmente fazer perguntas "prontas". Você nem ao menos argumentou com ele sobre seguir em frente. Ele contou sua história e foi. Você poderia ter explorado muito mais esse encontro pela forma que o fez. Algo que me incomodou um pouco foi o fato de você ter ouvido toda a história dele (que não é tão normal assim) e em momento nenhum abordou o que sentia a isso, apenas a animação pela pergunta sobre se tornar uma psicóloga.

Valores máximos que podem ser obtidos


Máximo de recompensa a ser obtida: Recompensas até: Recompensas até: 1.500 XP – 1.500 Dracmas – 3 ossos.
Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas – 40%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 15%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Recompensa obtida: 1.200 XP – 1.200 Dracmas – 2 ossos.

Comentário:
Algumas frases ficaram bem estranhas além de encontrar alguns erros relacionados à escrita. Sua missão se resumiu em uma frase praticamente além de ser muito superficial. Já que ficou horas a procura de alguma coisa para a tirar de lá, poderia ter ao menos ter explorado um pouco mais isso.

Atualizada.
Magnólia recebe 400 XP + 400 Dracmas + 4 Ossos pela avaliação.



Magnólia D'if
Magnólia D'if
Líder dos Celestiais
Líder dos Celestiais

Idade : 20
Localização : Palácio Celestial

Voltar ao Topo Ir em baixo

[MF] Charlotte M. Hwang Empty Re: [MF] Charlotte M. Hwang

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum