The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

[RPs] Mikhail Bjergsen

Ir em baixo

[RPs] Mikhail Bjergsen Empty [RPs] Mikhail Bjergsen

Mensagem por Mikhail Bjergsen em Seg Jun 03, 2019 10:26 pm



Hell



Missão: encontro com o coelho, inscrição
Horário: 01h30
Local de início: Acampamento Meio-Sangue

O gole desceu fervendo garganta adentro, arrepiando-me dos pés à cabeça. Fiz uma careta e franzi o nariz, segurando a ânsia de vômito ante o gosto forte. Quando o filho de Hermes dissera que aquela vodca era ruim, ele estava falando sério. Mas não era como se eu tivesse muitas opções. A segunda golada foi mais fácil, e na terceira eu nem sentia mais. As pontas dos meus dedos já formigavam, minha mente começava a ficar anuviada.

As maravilhas do álcool, meus amigos.

Coloquei a garrafa de vidro ao meu lado e recostei as costas no tronco da árvore. Estava no limite entre o acampamento e a floresta, onde a grama era baixa e tinha visão ampla dos arredores. Se alguma harpia aparecesse para me punir por estar fora da cama tão tarde da noite, poderia facilmente fugir e me esconder. Tirei o maço de cigarros amassado do bolso, apanhei um, coloquei-o na boca e o acendi com um isqueiro que havia roubado de qualquer meio-irmão desatento. O velho conhecido cheiro de nicotina acalmou um pouco minha hiperatividade. Deixei a fumaça encher meus pulmões com uma paz agradável e me permiti relaxar.

A madrugada era sem dúvidas meu horário preferido. Quíron não estava me forçando a fazer tarefas que eu não queria nem havia líderes de chalé enchendo o saco. Podia apenas ficar bêbado ou treinar sozinho na arena — atividade que descobri gostar mais do que qualquer coisa. Talvez fosse herança de Ares.

Apanhei a garrafa de novo e bebi do gargalo entre um trago e outro do cigarro. Percebi que meus sentidos já ficavam desbotados quando a fumaça saiu do meu nariz mais lentamente do que o normal. Tossi um pouco, com meus pulmões se reacostumando ao tabaco. Havia meses que eu não fumava. Traguei uma última vez longamente e joguei a guimba para longe com um peteleco. Por um instante, imaginei um sátiro furioso reclamando comigo por poluir a natureza e dei uma risada divertida. Quem se importava com a natureza?

Não sei por quanto tempo mais continuei ali sentado. Pode ter sido por apenas minutos, pode ter sido por horas. O importante foi o que aconteceu para me tirar dali: um coelho esquisito. Não, eu não era retardado e nem estava tão bêbado assim — ao menos achava. Mas meus olhos viram um coelho de terno tão bem quanto veriam uma mulher nua. O bicho olhava para o relógio no pulso e veio pisando firme na minha direção, encarando-me com uma autoridade desproporcional ao seu tamanho.

— Aí, meu chapa, vem comigo.

Deixe-me explicar uma coisa. Você pode achar que isso fosse normal, afinal eu era filho de um deus grego e vivia por ora em um acampamento com centauros e sátiros. O que era um coelho falante comparado a isso? Mas eu definitivamente não estava preparado para receber ordens de uma criatura como aquela. Fiquei atônito, com uma sobrancelha levantada e os lábios entreabertos. O coelho saltitou por alguns metros, parou e olhou por cima do ombro.

— Bora, cara, não tenho a noite toda.

O que eu fiz? O que qualquer pessoa bêbada faria no meu lugar: segui o coelho de terno.

Ele se embrenhou na floresta aos saltos, e tive dificuldade de acompanhá-lo. Vez ou outra ele parou e me esperou, para então continuar seu caminho apressado. Apertei os olhos para enxergá-lo no escuro e acendi o isqueiro para iluminar minimamente o lugar. O teor alcoólico elevado não facilitava as coisas. Quando meu pé direito avançou à frente e não encontrou apoio, gritei e comecei a cair.

A queda pareceu não ter fim, mas teve. Dolorosamente teve. Caí de lado, de mau jeito, e meu ombro reclamou do impacto. Sentei-me devagar e ouvi uma voz grave e alta ribombar:

Bem-vindo à Floresta Encantada!


— Ô meu caralho… — Olhei para os lados, procurando o dono daquela voz. — O que foi que eu fiz agora?

adendos:

Armas:

• Faca de Bronze Celestial [Uma faca de lâmina curta - cerca de 10 cm - com cabo em madeira envolvido em couro para tornar o manuseio melhor. | Não produz feridas em mortais. | Bronze celestial, madeira e couro. | Sem espaço para gemas. | Alfa. | Status 100%, sem danos. | Comum. | Nível 1. | Item inicial.]

• Alabarda [É como uma lança-machado. A lâmina na ponta é muito boa para impactos, e o outro lado bom para parar investidas. A haste é feita de um tipo de madeira resistente e encantado para tal, e a lâmina e pontas são feitas de ouro imperial. Exige força e treinamento para ser utilizada com maestria. | Efeito 1: Tal arma pode passar a ter o peso nulo, durante dois turnos, caso seja utilizada em batalha, porém pode durar mais tempo caso seja usada fora de batalha. | Efeito 2: A alabarda é capaz de encolher, ficando do tamanho de um pequeno pingente, ainda conservando a sua forma, mas apenas diminuída. | Ouro Imperial e Madeira. | Sem espaço para gemas | Beta | Status: 100% sem danos | Mágico | Arsenal do acampamento]
Mikhail Bjergsen
Mikhail Bjergsen
Filhos de Ares
Filhos de Ares


Voltar ao Topo Ir em baixo

[RPs] Mikhail Bjergsen Empty Re: [RPs] Mikhail Bjergsen

Mensagem por Baco em Seg Jun 03, 2019 11:11 pm


Mikhail 

Método de Avaliação:

Valores máximos que podem ser obtidos

Recompensa máxima da missão: 500 XP e Dracmas + 1 Fragmento

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas: 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 30%

RECOMPENSAS: 500 XP e Dracmas + 1 Fragmento

comentários:
Mikhail, hm, gracinha?

Apesar de simples, acredito que sua postagem tenha sido perfeita no sentido de apresentar seu personagem e o inserir nessa grande história. Narrativas em primeira pessoa são perigosas, já que por vezes confundem sem intenção o leitor, entretanto não notei isso em seu texto. Até achei engraçado o motivo de ter seguido a lebre. Dentre tantas motivações heroicas ou de provações, estar bêbado e seguir o bicho acabou sendo algo inesperado. E olha que sou suspeito para opinar quando o assunto é embriaguez. [RPs] Mikhail Bjergsen 660370767

Parabéns e bem-vindo ao Reino de Contos de Fadas, semideus!

Atualizado por Macária.


EVOÉ, BACO
"Did someone just call me the wine dude? It’s Bacchus, please. Or Mr. Bacchus. Or Lord Bacchus. Or, sometimes, Oh-My-Gods-Please-Don’t-Kill-Me, Lord Bacchus"
Owl
Baco
Baco
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum