The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

Monstros entre nós. - MIssão para Brigitte e Klaus.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Monstros entre nós. - MIssão para Brigitte e Klaus.

Mensagem por Nêmesis em Qui Out 23, 2014 11:29 pm

Era uma tarde nublada, as pessoas não mais saiam de casa e tudo por causa de um simples palhaço.
Estranho...

Elsa ia andando pelo circo totalmente inquieta com a situação em que ela estava. Ela não via nenhuma saída do buraco em que o circo estava. Em tempos modernos como aquele, onde existe TV e computador, as pessoas não mais ligavam para aberrações. Ela já havia tentado de tudo, já havia trazido novas aberrações de outros estados e até outros países, já havia até mesmo adquirido um show com canções, mas nada. As comidas que geralmente vendiam no circo, agora lhes serviam como mantimentos já que eles não podiam mais comprar comida “de verdade”. E tudo por causa do maldito palhaço. Elsa havia lhe visto uma vez durante uma noite chuvosa, a primeira noite em que os assassinatos ocorreram. O palhaço se vestia normalmente, mas suas roupas estavam completamente sujas e ele usava uma máscara, mas a sua máscara só existia do nariz pra baixo. Ele portava consigo uma simples tesourada dourada, mas completamente afiada e mortal. Ele havia tentado matar Elsa, mas por sorte ela conseguiu escapar e as suas aberrações haviam espantado o maldito palhaço. Mas agora os problemas haviam ficado piores.
-Senhora Elsa? – disse John, o menino lagosta. Elsa não sabia a quanto tempo ele estava ali, então havia se surpreendido quando o mesmo lhe chamou.
-O que foi? –Elsa diz impaciente.
-Tem duas novas aberrações... – ele diz um pouco ansioso e pega na mão de Elsa e começa a lhe puxar. Elsa protesta, mas o menino lagosta era forte demais. – essas aberrações, você não vai querer deixar ir. – ele diz cada vez mais animado. John lhe leva para fora da tenda do circo e duas garotas e um garoto lhe esperava do lado de fora. Elsa piscou alguma vezes para se acostumar com a luz repentina e ela deu um grito rouco quando percebeu.
Nãos havia duas garotas ali, na verdade haviam duas cabeças de garotas, mas apenas um corpo. Elsa já ouvira falar das irmãs que haviam lucrado milhares no Brasil com suas duas cabeças, mas pelo que ela sabia, as irmãs haviam morrido.
-Olá... – disse uma cabeça. – meu nome é Brigitte... – ela disse parecendo estar em transe. – está é... – ela disse, mas um braço se moveu e beliscou o outro braço, fazendo Brigitte gritar. – Não sou ninguém! – a outra cabeça disse.
Elsa não pode deixar de sorrir alegremente ao imaginar o publico que aquelas gêmeas atrairiam para o circo. Ela volta o olhar para o garoto que usava uma cartola em sua cabeça e seu cabelo caia pelo seu ombro.
-E você é o que? – Elsa pergunta.
-Ajoelhe-se sua vadiazinha. – a voz dele diz, mas o som não havia saído de sua boca.
-O que? – Elsa diz com um tom autoritário. Ela se aproxima e dá um tapa nele.
O garoto segura a sua mão com força, com uma cara confusa. – Por que fizestes isso? – ele diz ainda confuso.
-Vadiazinha? – ela cospe no rosto dele e então o menino lagosta lhe abraça Elsa por trás lhe afastando, falando diversas palavras para acalmar a dona do circo dos horrores. Ela tentava á todo momento atacar o garoto, mas o menino lagosta era forte demais para deixar Elsa escapar. O menino começou a acariciar o rosto de Elsa com suas mãos deformadas e aos poucos ela foi se acalmando, mas seu olhar ainda estava carregado de ódio. Havia um motivo para Elsa ter ficado tão irritada. – Qual o seu nome? – ela agora ordena.
-Meu nome é Klaus, senhora... – ele pega na mão de Elsa e beija o dorso. Elsa imediatamente recolhe sua mão e lhe olha irada.
-Muito bem...

Obs:
A partir de agora eu deixarei que vocês construam o circo de acordo como quiseres, assim como faço em todas as minhas missões.
A narração de vocês devem ser impecáveis, se não ficou claro: Brigitte é a garota de duas cabeças (Narre os movimentos da outra cabeça também, além dar um nome para a outra cabeça.) e Klaus é o garoto que irá interpretar Edward Mordrake. Quando disse que a narração de vocês devem ser impecáveis, eu não estava mentindo. Brigitte, você vê e ouve os mesmos pensamentos que sua irmã, e Klaus, você ouve também pensamentos maldosos em sua mente. Klaus, narre essas partes e no próximo post eu explico tudo direitinho. Brigitte, narre por dois.
É isso, não há prazo para postar e pesquisem bastante sobre aberrações.



Vingança, justiça
Na vingança e no amor a mulher é mais bárbara do que o homem.

CREDITS @
avatar
Nêmesis
Deuses Estagiários
Deuses Estagiários

Mensagens : 33
Data de inscrição : 17/08/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Monstros entre nós. - MIssão para Brigitte e Klaus.

Mensagem por Convidado em Sex Out 24, 2014 1:44 am

Um dia esquisito que havia começado de forma esquisita. No fundo eu me perguntava se todas as missões eram desse jeito, feitas para fazer qualquer semideus enlouquecer durante o desenrolar delas, mas não podia ser. Vários campistas gostavam, até mesmo preferiam sair em missões. Muito provavelmente eu era o garoto mais sortudo de todo o Acampamento Meio-Sangue.
Recebemos as instruções, como de praxe, na Casa Grande do Acampamento, e ainda assim eu não tinha entendido totalmente o que deveria fazer. Minha parceira era Brigitte, uma Caçadora de Ártemis, filha de Afrodite, que tinha participado do mesmo campeonato de Quione que eu estava. Isso era bom, ela parecia experiente de certa forma, o que me deixava um pouco mais tranquilo. Instruções dadas, saímos para pegar as coisas que usaríamos em nossa missão, ou seja, o essencial: Armas e equipamentos. Quando estávamos prontos na fronteira do acampamento, olhamos um ao outro, ambos com olhares de coragem, e saímos para o nosso destino.
Mas eu não contava com os horrores que aconteceriam em questão de horas.
Paramos para dormir em um pequeno hotel, perto do dito circo de aberrações, e como já era tarde precisávamos de um descanso. Até aí tudo bem, tudo correndo como planejado. Brigitte dormia no quarto enquanto eu estava encostado numa parede de frente para a porta, numa espécie de vigilância inconsciente.
"Mas do que você tem medo?" A pergunta surgiu na minha mente. "De nada. Estou pronto para qualquer monstro que possa aparecer." Respondo.
Minha nuca coçava de forma irritante, provavelmente a picada de um pernilongo estrategicamente posicionada.
"E se ele entrar pela janela?"... "Vou sentir a corrente de ar mudando repentinamente".
"E se ele já estiver dentro do quarto?"... "Não é possível, não tinha ninguém aqui quando chegamos."
Cocei a nuca insistentemente. Ela parecia doer uma dor esquisita... Já conseguia sentir um calombo ali atrás. Certamente uma picada de inseto.
"E se ele na verdade estiver com você?"
- Chega... - Sussurrei pra mim mesmo, batendo a cabeça na parede sem força, apenas para embaralhar os pensamentos. Eles pararam, mas a coceira agora se misturava com a dor e uma sonolência forte e pesada. Coceira e sono. Coçando. Sono.

Acordei no dia seguinte de forma assustada, brandindo a foice no ar enquanto respirava pesadamente, olhando para os lados. Tinha alguém ali, eu tinha certeza. Tinha ouvido uma risada maligna, fria. Brigitte ainda dormia, a porta do quarto que ela estava permanecia trancada.
Fiquei mais um tempo olhando ao redor, apertando os olhos para espantar o cansaço. Novamente uma risada, dessa vez mais clara, vindo atrás de mim. Puxei a adaga com a mão livre e fiz um movimento rápido com ela para trás, apenas para acertar o vento novamente.
- Quem está aí?! - Pergunto, respirando rapidamente, olhando para cada canto do quarto.
- Burro... Tolo...
Me viro rapidamente para trás outra vez, dessa vez assustado.
- Onde está você?
"Eu sou você." Respondeu a voz na minha cabeça, junto com uma voz que vinha... Da parte de trás de mim. Cada pelo do meu corpo fica arrepiado enquanto toco minhas costas, subindo as mãos com certo desespero enquanto escuto uma gargalhada cruel. Quando os dedos tocam a nuca, algo morde meu indicador com força, fazendo com que eu recue as mãos assustado com um berro. Corro para o banheiro, pegando a adaga novamente e posicionando ela atrás da minha cabeça, como um espelho. Quando vejo a cena, a arma cai de minha mão enquanto me olho no espelho. Minha face era de puro terror. A minha verdadeira face se olhava no vidro agora.
Mas havia outro rosto... Saía de minha nuca.
- Olá... - Um sussurro irônico saiu da minha nuca, junto com outra risada.
Eu não conseguia me mexer, muito menos responder. "Responde". "Não". "Tem medo de mim?". Jogo as costas contra a parede, fechando os olhos enquanto tentava controlar a respiração arfante. "Sai da minha mente". "Eu sou a sua mente". "Sai da minha mente!".
- Nós somos um...
- Cala a boca! - Grito, dando um soco na parede, desesperado. Escuto outro grito vindo de fora do banheiro.
"Brigitte...". "Vadia...". "Calado!". As vozes rodavam meu pensamento enquanto eu levantava, meio tonto, e abria a porta do banheiro. A porta do quarto dela ainda estava fechada. Tentei abri-la, mas estava trancada por dentro. "Deixa ela morrer lá...". Sem hesitar chuto o trinco da porta, entrando no quarto e procurando minha parceira.
- Brigitte. Cadê você?
Ouço a respiração pesada da garota vindo do canto do quarto, mas estava escuro. Estranho, eu via o que parecia ser duas cabeças... Ou era apenas aquela outra face na minha nuca pregando peças em mim. "Burro, burro, burro!". Procuro o interruptor com as mãos, até que encontro ele e acendo a luz.
Mas quando o fiz, preferi que não tivesse feito.
Brigitte estava parada no canto do quarto, as mãos cobriam o rosto dela enquanto ela arfava. E outro rosto a olhava com desdém, um sorriso um tanto quanto maligno no rosto, idêntica a garota.
- Mas o quê...
- Mata ela. Monstro.
Encosto na porta, escorregando para baixo até que eu sentasse no chão frio, passando a mão nos cabelos enquanto o rosto atrás de mim ria de forma cruel.
- O que é isso...?

Demorou um tempo para me acostumar com os pensamentos invasores em minha mente. Pensamentos escuros e cruéis. Suicídio. Morte. Traição. Aberração. Palavras repetidas insistentemente pelo rosto demoníaco em minha nuca. Brigitte não estava melhor que eu, com sua "cabeça gêmea" que se desprendia de seu corpo. Aquela cabeça não era como a garota, que vez ou outra deixava soltar um sorriso, e mantinha uma conversa agradável. Ela tinha uma cara cruel, diabólica, com um sorriso que deixava claro a vontade de matar você, torturar você. "Mata ela antes...". Balanço a cabeça rapidamente, e o rosto ri novamente.
Olho para ela, controlando o máximo que eu pudia a mim mesmo ou ao outro eu.
- Temos que seguir a missão... Isso faz parte dela... - Tento colocar o máximo de firmeza na voz, mas ela ainda assim saía tremida.
Me levanto, apenas com a adaga escondida no cós da jeans, e estendo a mão para a garota. Ela demora alguns segundos para aceitar o gesto. Quando ela toca a minha mão, um grunhido sai da minha nuca.
- Vadia suja... Não me toque...
Fecho os olhos, ajudando ela a se levantar e respirando fundo.
- O circo é logo lá na frente. Vamos andando sem olhar para os lados, vão achar que fazemos parte dele...
E assim fizemos. Saímos do pequeno hotel, eu nem olhei para os lados para acompanhar os cochichos das pessoas frente a garota de duas cabeças. Eles não viam minha face deformada na nuca, tinha coberto a mesma com uma cartola grande que tinha achado no quarto. Tentava focar na minha missão, no porquê eu estava ali. Ajudava a espantar os pensamentos ruins.
Finalmente entramos no circo. Fomos recebidos por um estranho homem lagarto, que nos olhava de queixo caído.
- Bom dia...
- Aberração, covarde... Mate ele.
- Queremos falar com Elisa. - Digo, elevando a voz para tentar abafar a outra.
Ele se vira depois de algum tempo de admiração, correndo para os fundos do circo, nos deixando sozinhos. "Mate ele, mate todos". "Cala a boca!". "Vai me matar?". O garoto volta, trazendo uma mulher pela mão, aparentemente eufórico. Ela olha para nós, aparentemente impressionada com a dupla-cabeça de Brigitte. Olho para a parceira, esperando que ela falasse algo.
- Olá... Meu nome é Brigitte... Está é... - O braço dela se mexe de repente e belisca a outra parte do corpo dela. A cabeça nova dela a olha com certa raiva.
– Não sou ninguém! - Disse, com uma voz severa.
Elisa olha para mim, me mirando como se esperasse que uma cabeça surpresa aparecesse do nada em mim. "Estupre ela, você pode". "Fique quieto!". "Vadia...".
- E você é o que?
Abro a boca para responder, mas infelizmente a face falsa foi mais rápida.
- Ajoelhe-se sua vadiazinha.
Fecho os olhos brevemente, esperando que ela não tivesse ouvido. Infelizmente ela pareceu ter ouvido com perfeição, pois ela respondeu na sequencia.
- O que?
Uma mão veio de encontro ao meu rosto, tão rapidamente que a dor só doeu alguns segundos depois. Seguro a mão dela com certa força, uma raiva que não era minha começava a se misturar com minha vontade. "Mata".
– Por que fizestes isso? - Pergunto, fingindo uma confusão.
Espero o menino lagosta acalmar a dona do lugar, acariciando a mesma enquanto respiro com calma, tentando abafar os gritos mentais.
– Qual o seu nome? - Ela pergunta novamente, dessa vez de forma ríspida.
- Meu nome é Klaus, senhora... – Pego a mão dela, dando um beijo cortês no dorso do mesmo, mas ela puxa a mão imediatamente.
- Muito bem...
Ela se afasta, conversando com o menino lagosta enquanto eu observo o circo. Ele era pintado no topo com faixas vermelhas e amarelas alternadas, cores clássicas de um circo. O lugar parecia um tanto quanto "pra baixo", como uma loja que não atende muitos clientes. Nos fundos, uma espécie de trailer estava parado, provavelmente de um dos que trabalhavam ali dentro, e ao redor do "palco" no centro do estabelecimento as arquibancadas se estendiam, altas, uns cinco ou seis metros do chão, todas pintadas de vermelho com bancos azuis. O lugar que estávamos devia ser algum tipo de "pré-show", onde as aberrações ficavam antes de se apresentarem.
- Lugar bom pra matar...
Puxo a cartola com força pra baixo, pressionando ela contra o rosto, mas a dor foi em mim, como se eu espremesse meu nariz numa porta. Soltei a cartola imediatamente, ouvindo a risada do monstro que agora estava comigo em minha mente.
avatar
Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

O autor desta mensagem foi removido do fórum - Ver a mensagem

Re: Monstros entre nós. - MIssão para Brigitte e Klaus.

Mensagem por Convidado em Sab Nov 15, 2014 7:41 pm

Peço o cancelamento dessa missão aos deuses pelo seguinte motivo:

A deusa que estava responsável por mediar a missão (Nêmesis) foi retida.
avatar
Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Monstros entre nós. - MIssão para Brigitte e Klaus.

Mensagem por Quione em Seg Nov 17, 2014 10:39 pm

MISSÃO CANCELADA
Motivos:
Pedido do Player (Klaus Maltz); Deusa responsável pela missão retida (Nêmesis).
avatar
Quione
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 470
Data de inscrição : 12/07/2013

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Monstros entre nós. - MIssão para Brigitte e Klaus.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum