The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

[Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião

Ir em baixo

[Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião Empty [Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião

Mensagem por Apolo em Qua Fev 20, 2019 6:49 pm


a tormenta é para os grandes

O dia havia amanhecido, de fato, estranho. O céu nublado escurecia gradativamente, sofrendo um processo reverso ainda no alvorecer, ignorando as propriedades mágicas que impediam mudanças bruscas nos jardins. Contudo, aquele não era o único parecer estranho e o jovem Prowler estaria conscientizado disso em seu despertar. Logo notaria que nenhum outro guardião se encontrava nos jardins ou em qualquer ambiente privado somente para os protetores. Desperto e preocupado, o legionário averiguou a situação e procurou pela presença de pelo menos um dos seus próximos, falhando na busca. O jardim, de certo, fora a sua última opção de vislumbre, encontrando - finalmente - seus companheiros alguns metros mais para frente. A visão era perturbadora, uma vez que Beau, Aislynn e Joyce se encontravam amarrados em largas toras de madeira, com lábios e boca tapados, braços e pernas incapacitadas por amarras mágicas e ao redor dos três, uma redoma de espectro dourado sinistro impedia a penetração de qualquer presença ou armamento que já não estivesse lá dentro. Antes que pudesse agir, ouviu uma voz feminina retumbar em sua mente, sem se apresentar ou pedir licença:

— Você quer salvar os seus amigos? Seja rápido, a noite passou como uma criança, e a fome e a sede poderá fazê-los sucumbir mais rápido. Um deles está sem respirar, você deve saber quem é e se for quem diz ser, o salvará primeiro. Se conseguir passar por isso, liderará os seus. A redoma dourada tira de qualquer um parcelas de sua vida e leva pouco mais de doze horas para a morte bater na porta. A noite se passou e você não percebeu, agora lhe resta quatro horas para libertá-los.
 
O que Prowler faria?

SITUAÇÃO DOS GUARDIÕES CITADOS:
Aislynn Prescott: Amarrada, com uma corda mágica rente ao pescoço dando a impressão de que estava se enforcando;
Beau G. Edmond: Amarrado, com um machucado grave no ombro e outro no estômago, com hemorragia visível;
Joyce Karin Overwhite: Amarrada, desacordada com um suposto traumatismo craniano e ar comprimindo os pulmões;

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE escreveu:No final da missão, considere que Prowler sonhou com todo o processo e que o teste seria repassado daquela forma por uma das Hespérides, que viu nele um extremo desempenho para liderar os guardiões, escolhendo a pressão psicológica como fator principal para testar a capacidade do rapaz em agir para com os seus, sabido que um líder jamais se deixaria afetar verdadeiramente numa situação parecida. Para se dar conta de que agora lidera, você vai notar que no pé da cama existe um embrulho composto por uma capa reluzente, abaixo dele encontrará um presente e uma carta, Na carta conterá a frase "Que a luz te oriente quando as trevas o encontrarem", tendo Apolo acompanhado a tormenta através do sonho do jovem.

Presente escreveu:• Delos [Uma adaga composta por uma lâmina prateada de 20cm, punhal dourado, com várias linhas entrelaçadas. A lâmina emite um brilho intenso ao desejo do semideus, que consegue manuseá-la com perfeição. Sempre volta para o portador e enquanto não é utilizada vira uma pulseira dourada. Na lâmina, está escrito a frase "Que a luz te oriente quando as trevas o encontrarem" em grego antigo. | Efeito 1: Ao ser atingido pela adaga, o inimigo sofre uma paralisação por cinco segundos. | Efeito 2: Uma vez paralisado, caso seja atingido por um segundo golpe, o inimigo ouvirá uma música hipnotizante, deixando-o ao dispor do portador da arma. (Dura 2 turnos) | Outro e Prata Celestial | Sem espaço para gemas. | Alfa. | Status: 100%, sem danos. | Mágico | Presente de Apolo.]

Instruções e Regras:

• Você precisa libertar os três guardiões citados;
• Nenhum dos guardiões citados está machucado, trata-se apenas da situação ocorrida no sonho;
• O local desta missão é o Pomar de Outro;
• Narre desde quando começou o dia até quando encontrou o ovo e retornou para a sede de seu grupo;
• Template com cores berrantes ou apagadas demais serão ignorados. Tamanho mínimo para a fonte é Arial 12;
• Dúvidas devem ser enviadas via MP;
• A recompensa será o cargo de líder e dependendo da qualidade do conteúdo, atribuirei o presente citado acima;
• Boa sorte.


Missão com prazo de postagem de 30 dias, à meia noite de 20/03 será o prazo final.



Apolo
Apolo
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos


Voltar ao Topo Ir em baixo

[Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião Empty Re: [Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião

Mensagem por Prowler em Ter Mar 12, 2019 8:49 pm


The Storm in the Sky of the Hesperides
Behold, a leader appears in the gardens, strong and precise
Um suspiro mais forte ecoou de suas narinas, antes de despertar, quase como em um salto da cama. Seu coração acelerado, contrastava com o suor a escorrer de sua testa, tal como suas mãos trêmulas, apoiando o corpo sobre o colchão. Ainda assim, Prowler não sabia o que havia sonhado, o motivo de seu corpo estar daquela maneira. Todavia ele inspirou forte algumas vezes, almejando concentrar-se e relaxar seu dorso, antes de finalmente levantar-se por completo.

Uma calça jeans, uma camiseta branca, sobreposta por uma jaqueta roxa, além de seus óculos escuros, davam a aparência padrão daquele guardião, após vestir-se. Sem esquecer-se de seus itens, não demorou para que o loiro se aprontasse, sentindo uma sensação ruim sobre o peito, ainda que sem explicação. Indagando-se mentalmente sobre o que pudera estar a acontecer, o jovem saiu de seu dormitório, à procura de seus patronas vespertinas, afim de que talvez elas o pudessem ajudá-lo. Entretanto, a visão apenas o preocupou ainda mais. Um céu negro parecia enfrentar um processo de entardecer, ainda pela manhã, o que causou espanto aos olhos da prole de Ceres.

Descendo até o solo de sua casa na árvore, o rapaz percebia que a vegetação, outrora falante e sempre disposta a ajudá-lo, agora estava totalmente muda. Nenhum outro guardião também estava à sua vista, era como se todos houvessem desaparecido totalmente. Mesmo caminhando a passos largos, em gritos e chamados, nenhuma alma parecia estar presente, nada parecia estar vivo, ao tempo que a sensação sobre o peito do legionário apenas aumentava. Prowler estava sozinho, pela primeira vez em sua vida, pois mesmo a natureza parecia tê-lo abandonado.

Entretanto, a caminhada solitária do semideus chegava ao jardim, onde viu uma enorme redoma que cobria o recinto. Tudo se tornava ainda mais perturbador, pois três dos companheiros mais próximos do guardião estavam presos. Aislynn, Beau e Joyce, todos amarrados sobre toras de madeira. O trio parecia que estava lesionado com alguns ferimentos visíveis. "Um ataque aos jardins" foi o que pensou Prowler, correndo em direção aos amigos e sendo repelido pela barreira dourada que ali estava. O desespero tornou-se ainda maior quando uma voz ecoou pelo vento e explicou em partes o que estava acontecer. Fosse quem fosse deixava claro que eles estavam perto da falência e apenas Prowler poderia salvá-los, restando o máximo de quase quatro horas para isso. Não bastasse, o ser ainda revelava que um deles estaria sem ar, o que provavelmente faria-o morrer primeiro que os demais. Naquela ocasião, o loiro precisava apressar-se e pensar em algo.

Cada um daqueles, estranhamente, possuía uma parcela da personalidade do legionário. A frieza de Joyce, o coração de Aislynn e o orgulho de Beau, elementos separados, que juntos revelavam um padrão, como quatro elementos. Os guardiões amarrados também representavam o mais próximo que Prowler teria de amigos, afinal como um vigia persistente que era, não era de se estranhar que faltava a ele uma vida social ativa. De qualquer maneira não se havia tempo para refletir sobre coisas vãs, era necessário agir, do contrário, os sequestrados morreriam rapidamente. Por isto o loiro mantinha-se focado, ajoelhado em frente a redoma de onde nada poderia entrar.

— Seja quem fez isto, me deu uma única chance de resgatá-los. Se eu demorar mais a analisar, aquele sem respirar irá padecer. — murmurou para si mesmo, ao tempo que relembrava os ensinamentos de Dalia sobre o que fazer estando em guarda. "Deve agir apenas quando tiver a certeza do perigo. Qualquer ação antes disto irá colocar em risco sua posição" eram as palavras que ele assimilava de sua antiga mentora.

Ele olhou mais de uma vez para se assegurar do que via. A impressão era de que Aislynn estava se sufocando, com uma corda ao pescoço, já Joyce estava desacordada e parecia ter levado alguma batida na cabeça. Entretanto, apesar de toda a situação, nada era mais comprovado que a hemorragia de Beau. Dentre os três era o que Prowler tinha certeza absoluta sobre o estado e não apenas supunha o que estava a acontecer. E mesmo que conhecimentos médicos não fossem especialidade da prole de Ceres, um ferimento grave no estômago, aliado à hemorragia, deveriam ser mais que suficiente para bloquear a circulação de oxigênio pelo corpo, além do sangue se estender até os pulmões, onde bloqueariam a passagem do ar. Desta maneira, o jovem apontou a palma da mão em direção a Edmond e logo, a tora que amarrava o sequestrado começou a se movimentar, como se estivesse viva, balançando e rastejando pelo solo, até finalmente levar Beau para fora da redoma.

Desamarrando seu companheiro rapidamente, Prowler logo tratou de transferir um pouco da energia natural do ambiente para tal. Embora aquilo fosse puramente paliativo, o ganho de vitalidade deveria ser suficiente para dar tempo de levá-lo posteriormente para algum curandeiro. Fora isto, a prole da agricultura também colocava um pano ao ferimento no abdômen, pressionando, afim de estancar o sangramento. Seguindo o plano de resgate, o jovem logou ergueu sua mão novamente, desta vez em direção de Aislyn, quando a voz novamente ecoou pelo recinto.

— Não. A tática não poderá ser usado uma segunda vez. Corra guardião, o tempo está se passando. — proclamou a voz ao vazio, dando a entender que deveria ter um plano B para salvá-los.

— Liberte-os, darei a minha vida em troca deles. — bradou o legionário, relembrando que seu dever em protegê-los se sobressaía em viver. Todavia nenhuma resposta se obteve.

Não restava tempo, Prowler sabia disto. Beau estava em estado crítico, Joyce e Prescott ainda amarradas, quanto mais ele demorava a pensar, menos chances de continuarem vivos eles possuíam. Sendo assim ele tratou de realizar um último movimento, esperando que fosse o suficiente para retirá-los daquele situação. De dentro da redoma, uma grande árvore se erguia do solo, semelhante a um salgueiro, porém toda articulada, tendo a capacidade de se movimentar livremente. O vegetal, assim que vivente, começava a se deteriorar, demonstrando que aquela prisão não matava apenas os humanos, mas sim qualquer criatura viva que estivesse dentro. Logo, utilizando sua comunicação vegetal, o guardião pedia para que a árvore movimentasse seus galhos e assim, lançasse as garotas para fora da redoma. Sem pestanejar com relação às ordens, o salgueiro executou, fazendo as toras de madeira saírem do chão e alçarem voo, após fortes "patadas" dos galhos. Percebendo a queda que ambas teriam, o semideus tratou de fazer florescer dois girassóis gigantes do lado de fora da redoma em questão de segundos. Ambas as flores possuíam altura e tamanho suficiente para amortecerem as quedas das meninas, além de seus botões serem projetados para serem parecidos com espumas, o que impediria futuras concussões. Os vegetais serviram para segurarem as guardiãs, impedindo delas se chocarem ao chão.

Deixando Edmond momentaneamente solo, o loiro percorreu o jardim, desamarrando as garotas e reunindo novamente os quatro guardiões. Assim que isso aconteceu, uma luz emergiu sobre o céu, tão clara e forte que fez Prowler pressionar os olhos, antes de ver tudo normal novamente. Desta vez, ele se encontrava em seu quarto, com Héspera, a senhora do entardecer, assentada sobre o batente de sua cama.

— Vejo que passou em meu teste, criança. Eu falei para as demais que você era o escolhido para este cargo. — disse a deusa, com o guardião tentando remeter o que estava acontecendo.

— Foi tudo um sonho? — indagou a cria da agricultura.

— Digamos que sim. A partir de hoje, eu, Héspera, o condecoro como primeiro guardião e líder deste grupo. — respondeu a rainha Hespéride.

— Minha rainha, mal sei o que falar. — declarou o semideus, ainda deitado sobre a cama.

— Teremos muito a falar, não se preocupe. Vista sua melhor roupa e me encontre no templo, junto as ninfas e demais deusas, irei oficializar seu cargo e poderemos discutir sobre isto. — finalizou, partindo dali transformando-se em flores e sumindo ao vento.

Embaixo da cama, assim que levantou-se, um presente escondido afirmava as coisas que se havia dito. Prowler havia sido escolhido como líder dos vigias Hespérides e um bilhete deixava claro as preces de suas mentoras para ele: "Que a luz te oriente quando as trevas o encontrarem".

Poderes:
Passivos:
Comunicação Vegetal
Descrição: Por ser filho da deusa da Agricultura e plantas, você consegue conversar com as plantas, arvores, e com qualquer vegetação da floresta mentalmente, sendo muito útil em coleta de informações e coisas do tipo. Essa habilidade consiste em fazer com que o filho de Deméter possa se comunicar com espíritos arbóreos mentalmente, podendo pedir informações sobre algo que passou por ali, ou qualquer outro tipo, responderão com vontade e felicidade, pois saberá que estará ajudando o filho da deusa da natureza e agricultura.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Ativos:
Fitocinese III
Descrição: É a capacidade de manipular a vegetação ao seu redor. Não é capaz de criar a vegetação, apenas controlar a existente. O controle já se torna bastante notório, o poder de um filho de Deméter/Ceres na natureza é incrível. Agora, o semideus pode transformar uma árvore local em uma marionete, a controlando como se fosse um aliado. Também pode acelerar o crescimento das plantas e usá-las para seus propósitos.
Gasto de Mp: 20
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 40
Extra: Caso esteja controlando uma árvore ou qualquer outro ser vegetal como aliado, gastará +10MP por turno.

Cura natural
Descrição: Desde que em meio à natureza, o guardião pode transferir um pouco da vida natural para uma pessoa ou até ele mesmo. A cura é puramente de vitalidade, mas serve para fechar ferimentos muito feios ou ajudar em situações de emergência. É uma habilidade muito emergencial, como já dito, pois ele está literalmente pegando vitalidade da natureza que tanto protege. O uso indevido ou excessivo dessa habilidade acarreta em punições narrativas (que serão cobradas).
Gasto de Mp: 100
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Cura 100 de HP de uma pessoa (podendo ser o próprio guardião ou não)
Dano: Nenhum

Gênese vegetal III [3 vezes]
Descrição: Capacidade de criar plantas diferenciadas, exóticas e incomuns, até então impensáveis no mundo normal. Plantas carnívoras, com galhos e espinhos venenosas e até mesmo que cheguem a lançar ácido.
Gasto de MP: 50
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum  
Dano:  Nenhum
Extra: O semideus pode criar plantas carnívoras que não necessitem da luz solar assim germinando-as no submundo.

Observações:
- FPA
- Dentre as pesquisas que fiz, hemorragia estomacal causa perda de ar, taquicardia entre outros sintomas.
- Prowler foi enganado pelas aparências, porém dado a gravidade e visibilidade do dano de Beau, ele tinha mais certeza de sua lesão que a dos demais,
- Bem, apesar de uma estratégia simples, tentei dificultar as coisas ao máximo, como também explicar os motivos de cada ação do personagem.
- Por não ser uma missão com tantos requisitos e com um tempo curto para resgate, acredito que o tempo gasto deve ser suficiente para fazer toda a justificativa valer a pena.

Itens:
-




PROWLER • SON OF CERES
Prowler
Prowler
Lider dos Guardiões
Lider dos Guardiões

Idade : 19
Localização : Jardim das Hespérides

Voltar ao Topo Ir em baixo

[Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião Empty Re: [Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião

Mensagem por Apolo em Sex Mar 15, 2019 1:15 pm


Um novo líder!

Como de se esperar, sua narração não me decepcionou. Você absorveu bem o conteúdo da missão e apesar de parecer algo complexo e de extrema cautela para somar ao comportamento de um líder, você se saiu muito bem. Foi inteligente ao buscar pelos conhecimentos medicinais para se certificar de quem estava com a condição mais crítica. De fato, uma hemorragia pode anteceder uma frente de gravidade que pode fugir do controle muito rápido. Pelo bom desempenho, além do cargo adquirido, estarei lhe presenteando com o item citado junto com a introdução da missão.

Se atente a nova fiscalização que deve ser feita na área para líderes!



Apolo
Apolo
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos


Voltar ao Topo Ir em baixo

[Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião Empty Re: [Missão OP | Teste de Liderança II] O empoderado guardião

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum