The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir em baixo

VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Max Hayes em Qua Set 12, 2018 12:07 am



Introdução ao Wushu







Introdução;
O que é?



Wushu é um termo chinês que literalmente significa "arte da guerra". Também é popularmente conhecido como Kung Fu. Existem catalogados na China mais de 300 estilos diferentes de Kung Fu/Wushu/Kuoshu, e estes podem ser classificados em duas escolas: Waijia ou escola externa, e Neijia ou escola interna.

Na primeira se incluem a maior parte dos estilos de Kung Fu, alguns, originários do Templo Shaolin, outros, de outros templos. Tal escola visa prioritariamente a prática para o desenvolvimento externo, ou seja, para o desenvolvimento propriamente físico ou marcial, são estilos de Kung Fu classificados como Duros. A maioria dos estilos externos se encaixam no estilo principal: tongbeiquan, um estilo baseado no movimento de animais tais como o tigre, o louva a deus, o macaco, a serpente e a garça. Outro exemplo de estilo de Kung Fu externo é o Sanshou, ou Sanda ou boxe chinês e o Shuai Chiao, direcionado para combates. Voltando a escola interna, podemos dizer que ela visa mais a prática para o desenvolvimento interno, ou do Chi, a energia interna, são estilos classificados como Suaves.

PS: Importante saber que o conteúdo dessa aula foi devidamente pesquisado em diversos sites de combate/arte marciais.





Cenários e Personagem;
Onde quando quem


O cenário de treinamento

Ambas as arenas foram adaptadas para esse treinamento a céu aberto. O chão foi coberto por um material emborrachado que é propício a treinamento de combate, apropriado para as quedas que podem acontecer.

A instrutora

Max, como gosta de ser chamada, é uma filha de Júpiter e amazona. Apesar de ter um corpo franzino e uma aura naturalmente travessa, ela possuía força e conhecimento graças as suas filiações. Sempre de bom humor e disposta a conversar com qualquer pessoa, aprendeu com sua mãe a como misturar-se em qualquer grupo social. Portanto, poderá interagir livremente com Hayes, sabendo que ela possui sempre uma resposta divertida ou um comentário irônico para fazer.

Enredo da Aula

O Kung Fu, ou Wushu, é uma das artes marciais mais conhecidas e admiradas no mundo. Para poder ensinar os estilos das artes marciais chinesas, Maxine preparou uma aula básica da qual nenhum aluno que quisesse se especializar nesse estilo poderia deixar de faltar. Max começaria explicando um pouco sobre a modalidade de luta e então apresentaria as duas fases daquela aula.





A técnica;
Aprendendo o básico

Parte 1: As três posturas

No kung fu a postura e a disciplinas são fundamentais. Em muitos estilos há três posturas que podem ser destacadas: a do cavalo, a do arqueiro e a do gato. Essas posturas ajudam na execução dos golpes.

Postura do Cavalo / Ma Bu 马步

A postura do cavalo possui esse nome por parecer com o modo que se cavalga no cavalo. Para executar de uma forma perfeita, os joelhos nunca devem ultrapassar as pontas dos dedos do pé, coluna sempre ereta, joelhos sempre para fora e pés retos sempre para frente, nunca deixando eles abrirem para fora! Uma dica simples para melhorar esta postura é sempre imaginar que suas costas deve encostar em uma parede, assim evitando que o tronco vá para frente e prejudique sua coluna, outra dica é sempre colocar um bastão apoiado nas coxas, se o bastão rolar e cair, quer dizer que a postura ainda está alta e você deve treinar mais sua postura para se tornar ideal.


Postura do Arqueiro / Gong Bu 弓步

Postura do arqueiro, também conhecido como postura do arco e flexa. Para executar esta postura, deve-se manter o tronco reto para frente e os dois pés nas diagonal. A perna da frente fica ligeiramente flexionada mas nunca ultrapassando a ponta dos pés, a perna de trás sempre mantenha ela esticada não permitindo também que o calcanhar levante. Tome cuidado para o tronco não ir para frente na base do arqueiro, mantenha ele sempre ereto!


Postura do gato / Mao Bu猫步

A postura do gato possui este nome por se assemelhar a postura do próprio felino. Para executar esta postura, a perna da frente sempre deve estar apoiado pela ponta dos pés, enquanto a perna de traz deve estar com a sola do pé toda apoiada no chão. A perna de traz deve sempre manter o joelho flexionado, e o pé ligeiramente virado para a diagonal, e nunca para fora para não prejudicar a articulação. A perna da frente deve ter uma leve curvatura no joelho da frente para poder realizar o apoio com a ponta dos pés.

Parte 2: Tan Tui


O Tan tui é uma série de exercícios de condicionamento físico e curricular executados pela maioria dos estilos de Kung Fu. Possui pelo menos 12 katis que são utilizados dentro de diversos outros estilos como forma de fortalecimento de membros inferiores devido a sua postura extremamente baixa e forte. Cada estilo adaptou o Tan tui as suas próprias necessidades. Muitas vezes fica difícil discernir os seus movimentos em meio aos exercícios de aquecimento característicos de cada estilo.

O estilo não possui grandes acrobacias e saltos, caracteriza-se pela repetição de uma pequena sequência de movimentos, socos, chutes e rasteiras executados para ambos os lados. Os chutes fortes e baixos são a principal característica deste estilo, e por ter sido treinado/desenvolvido em regiões de rios e pântanos daí o surge seu nome: Tan Tui (Pés na Lagoa)

Como toda atividade destinada a desenvolver o físico, o Tantui deve ser praticado de forma energética. Sua prática constante possui os seguintes benefícios principais:

- melhora da postura

- aumento da concentração

- fortalecimento das pernas

- melhora da respiração

- melhor movimentação de conjunto (tronco, pernas e braços como um só).

O Tantui não é um mero exercício para as pernas, como muitos acreditam. É um exercício para todo o corpo, que deve ser feito sempre com o indivíduo concentrado e centrado, ciente de cada parte de seu corpo e movendo-se como um bloco único. Ao ser praticado dessa forma, o Tantui desenvolve não apenas o corpo, mas a mente também. E isso é o mais importante nas artes marciais chinesas.




Missão e Regras


Missão da aula

Essa é uma aula voltada para aprender o básico e fazer uma introdução necessária para os outros estilos. O Wushu envolve bastante condicionamento físico, o que exige disciplina e envolvimento da mente. Max deixaria isso claro que, apesar de bonito na mídia, esse estilo de luta exigia tanto treinamento quanto qualquer outra arte marcial.

Os alunos devem treinar todas as bases e realizar o Tantui para completar a aula de maneira satisfatória.

Regras
- Mínimo de 25 linhas
- Necessário 80% de rendimento para ganhar a habilidade da aula
- Deve conter pelo menos uma dificuldade em algum momento, seja no treinamento das posturas, seja na realização do Tan Tui.
- Treinamento aberto até 30 de setembro.
- Será proibido uso de poderes ativos.
- Bônus: +50exp por aluno que postar.

Habilidade
Nome: Introdução ao Wushu
Descrição: O semideus que possui essa habilidade iniciou o caminho das artes marciais chinesas, o Wushu. Também conhecido como Kung Fu, esse é um estilo de luta com várias ramificações e escolas. Ao participar da aula inicial, o semideus agora possui uma base sobre esse tipo de combate, adquirindo mais força, condicionamento físico e postura para aprender as próximas aulas específicas.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +20% de força, +30% de resistência física
Extra: Há uma melhora na postura corporal do aluno, tornando difícil derrubá-lo com golpes diretos quando em postura de combate.



Maxine Hayes


∆ LYL - FG


avatar
Max Hayes
Amazonas
Amazonas

Mensagens : 519

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Thomas M. Brynjolf em Qua Set 26, 2018 4:54 pm


Run for your life
This is the night of the werewolves



Mesmo fora do acampamento, eu sempre ficava sabendo das novas aulas de artes marciais por conta de amigos que me avisariam caso uma nova modalidade estivesse sendo lecionada, para que eu pudesse retornar do covil o mais rápido possível e participar. Praticar e utilizar armas corpo a corpo em combates era muito divertido, mas eu já me via cada vez mais independente delas, não necessitando do seu auxílio com tanta frequência quanto antes.

Eu caminhava na direção da arena, ajustando minhas bandagens nas mãos enquanto encarava meus punhos. A recente descoberta do meu legado de Ares havia sido uma boa explicação para minha facilidade em compreender os golpes das artes marciais aprendidas até então. Ataques simples eram praticamente naturais para mim, e as coisas mais complexas que eu já pratiquei foram executadas sem demasiado esforço.  

Retirei os meus sapatos antes de subir ao tatame. Quando soube que a modalidade da vez era kung fu, logo imaginei que acharia a aula um tédio, mas acreditava que lutas eram lutas e eu tentaria aprender mesmo assim.

Max explicava os básicos da arte marcial enquanto eu alongava meus ombros, não deixando de prestar atenção no que ela falava sobre a existência de diferentes escolas de Kung Fu, e que a modalidade daquele dia seria o pontapé inicial para o aprendizado das demais.  

Logo após nos passar o básico do conhecimento teórico relacionado à arte marcial em questão, Max prosseguiu a nos demonstrar as posturas. A primeira delas seria a do cavalo e, considerando o meu histórico, acreditei que seria a mais fácil de aplicar. Acabei soltando um riso baixo, devido ao que eu pensei.



Seguindo as instruções da amazona, apoiei as mãos na cintura e comecei a separar os meus pés, até que a semideusa nos disse para dobrar as pernas e verificar se os joelhos estavam em paralelo com os cotovelos. Correspondi ao comando da instrutora e curvei minhas pernas até que o quadril ficasse na mesma altura do joelho. Corrigi minha postura quando senti algo bater nas minhas costas, junto com a frase “costas retas”.

Abaixei meus braços, para que tocassem nas laterais do tronco, ambos os meus punhos apontavam para a frente com as palmas das mãos viradas para cima. Respirei fundo, me controlando para tremer o mínimo possível, me esforçando ao máximo para ter um bom rendimento, mesmo sabendo que deveria ficar naquela posição por um minuto inteiro. Pode parecer que todo o segredo para tal posição está nas pernas, mas o meu abdômen também estava começando a doer, e eu respirei fundo mais uma vez, franzi a testa e novamente corrigi a postura das minhas costas, olhando para minhas pernas e verificando se meu posicionamento estava correto.

Quase me joguei no chão quando Max nos liberou daquela posição, mas contive meus impulsos e simplesmente fiquei em pé, recuperando o fôlego e dando uns pulinhos para relaxar a musculatura das pernas sem perder o ritmo. Aquilo era apenas o começo do treinamento.

Era hora de experimentar a postura do arqueiro. Nunca tive paciência para usar arcos, então imaginei que fazer essa posição já seria algo um pouco tedioso. A última postura foi meio monótona por se tratar justamente disso, uma postura, algo estático demais para uma arte marcial. Mas pelo menos foi cansativa de se manter.

- Ok, Thomas... Costas retas e postura firme. - Sussurrei para mim mesmo.

Girei minha mão direita à frente do tronco, assim como foi demonstrado e acompanhei o seu ritmo para esticar a perna direita pelo mesmo lado e dobrar o joelho na mesma direção em que a perna se movimentava.

Enquanto isso, a esquerda se esticou e meu pé continuou apoiado no chão exatamente da mesma forma que estava no início do movimento. O braço que fez uma curva, estava agora apoiado contra o tronco e o punho apoiado para a frente, com a palma para cima, da mesma forma que havia sido posicionado na postura anterior. Meu braço esquerdo, por outro lado, estava completamente esticado na direção do joelho direito, que era o lado para o qual meu tronco e cabeça também estavam apontados. Ao contrário da outra mão, a esquerda estava com a palma apontada para baixo como se eu desferisse um soco.

Precisei fazer uma rápida correção no meu pé direito, pois quase me desequilibrei devido a um posicionamento ruim. Voltei a esticar minhas costas e braço esquerdo, foi nesse ponto em que Max deu início à contagem.



A terceira postura foi a do gato, e parecia ser a mais simples das três por ser a que deixa o quadril mais distante do chão. Movimentei meu pé direito para que ficasse posicionado na diagonal, com as pontas dos dedos viradas para fora, firmemente apoiado no chão porque ele logo seria o apoio do meu centro gravitacional. Meu joelho também ficou apontado para fora e flexionado.

A perna esquerda ficou na frente, apontada na direção em que eu olhava e flexionada assim como a direita. Meu calcanhar estava levantado, segundo Max, para que estivesse sempre pronto para se levantar rapidamente e contra-atacar.

As palmas das minhas duas mãos estavam apontadas para a frente, com os dedos encurvados para tomar o formato de garras que simbolizavam o gato. O braço esquerdo ficou completamente esticado para a frente, enquanto o direito ficou mais baixo e mais perto do tronco. Presumi que a razão disso, era facilitar a defesa e o contra-ataque.



Após o término das três posturas, imaginei que a aula iria acabar, mas antes que eu pudesse respirar com calma, Max avisou que teríamos um próximo passo. Que seria executar o Tan Tui. Arqueei uma sobrancelha, me perguntando se eu deveria saber o que era aquilo. A amazona prosseguiu com sua explicação, contanto a termologia do Tan Tui, falando mais sobre sua história e suas utilizações através do tempo, a existência de algumas variáveis no estilo e os benefícios da prática de tal movimento.

Fiz o meu melhor para acompanhar os movimentos da semideusa conforme ela demonstrava o Tan Tui. O Tan Tui parecia uma dança desengonçada à primeira vista, mas conforme eu tentava reproduzi-lo com o mesmo rendimento que a amazona, percebi que era algo muito mais complicado do que eu tinha impressão, e também era bem mais intrigante quando sentido na pele depois de toda aquela quantidade de exercícios.                

Respirei fundo enquanto parado numa posição natural, fechei os olhos e me concentrei apenas em mim mesmo, em olhar para dentro da minha própria existência e sentir o fluxo de energia que se espalhava por todo o meu corpo.

Na tentativa de ilustrar de maneira abstrata os exercícios que eu deveria fazer, imaginei ondas batendo contra um rochedo. As águas não se quebram até o momento da colisão, elas se mantém unidas, num ritmo constante e unido, num fluxo aparentemente interminável.

Levantei meu punho direito com a palma apontada para o peito, até que ficasse próxima ao queixo. Meu braço esquerdo saiu da sua posição e fez um movimento circular para o lado de fora do corpo, até passar pela frente do tronco e se cruzar com a outra mão, que se esticou para a lateral sendo acompanhada pelo meu rosto, que se virou para encarar a mesma direção. Em um único movimento, separei minha perna esquerda e dei um passo para o lado com ela, sem que a direita saísse do lugar e, ao mesmo tempo, meu punho esquerdo socou o ar na mesma direção em que a perna se deslocava. E o pé direito girou para que as pontas dos dedos ficassem para a minha esquerda. Meus braços estavam abertos, cada punho apontando para um lado com o joelho esquerdo flexionado, e o oposto completamente esticado.

As águas se aproximam do rochedo e uma grande onda se impacta contra a parede de pedras, se desfazendo em espuma, mas retornando à sua origem mesmo após um grande impacto.

Em um movimento rápido e sincronizado, meus dois braços mudam de posição e minhas pernas se invertem. A direita fica reta enquanto a esquerda está flexionada. O braço esquerdo faz um movimento rápido e circular pela lateral enquanto o direito faz a mesma coisa do lado oposto, mas diferente do primeiro que para no meio em 45º, o segundo é deslocado por todo o ângulo reto e ataca na frente. Mas meus pés estão apontados em direções erradas e eu acabo escorregando, sendo obrigado a quebrar a posição e colocar uma mão no tatame para não cair.

Após se recuperar do último golpe, o mar lança mais e mais ondas contra o rochedo. Não se importando com o tamanho do adversário, a água é resistente e constante em seus golpes, mesmo parecendo não ter a mínima chance contra a defesa do seu oponente.

Um novo golpe com as mãos enquanto as pernas invertem sua posição. Meu punho direito se abaixa conforme a perna esquerda ultrapassa meu centro gravitacional e ataca com um chute baixo, que serve de impulso para que o pé caia à frente e recupere o meu equilíbrio. Movimento meu antebraço direito para dentro e com um movimento rápido e preciso, retorno o punho para onde estava antes, mas dessa vez com a palma virada para cima. O braço esquerdo ataca junto com um novo passo para a frente, sempre com a postura baixa e as costas retas. E mais uma vez eu retorno a uma base estável.

Com muita determinação e força de vontade, o oceano finalmente atravessa a defesa do penhasco, que mesmo com toda a sua dureza e resistência, despenca derrotado na direção do mar, que devora os pedaços do seu oponente.

Minhas pernas se juntam e meus pés se tocam lado a lado. Desfiro um soco contra a palma da minha mão direita e faço uma reverência, concluindo a minha sequência de movimentos.

Adendos:

Passivas - Ares:

Combate não Armado
Descrição: Nos combates de uma guerra, muitas vezes o combatente acaba sendo desarmado, acabando sua munição ou perdendo sua arma, obrigando-o a utilizar apenas seus punhos para sobreviver. Sendo peritos em combates desarmados, os filhos de Ares/Marte sabem técnicas marciais de todas as artes marciais existentes, mesmo que nunca tenha feito uma aula sequer. As técnicas podem ser utilizadas para a elaboração de movimentos complexos, como mortais, piruetas, ataques acrobáticos e golpes que requeiram uma grande elasticidade.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Seus golpes desarmados dão 20 de dano base.
Habilidades Extras:

Nome: Muay Thai
Descrição: O Muay Thai é uma arte marcial de origem Tailandesa conhecida como Thai Boxe ou Boxe Tailandês e revela um método de combate corpo a corpo (full contact) muito agressivo. É conhecido mundialmente como “a arte das oito armas”, pois caracteriza-se pelo uso combinado da técnica e da força dos membros do corpo humano, nomeadamente: os dois punhos; os dois cotovelos; as duas canelas das pernas e os dois joelhos. O semideus que participou dessa aula tem conhecimento sobre o muay thai, podendo usar de suas técnicas para golpear o seu adversário, principalmente ao usar os cotovelos e os joelhos para atingir o inimigo.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +25 de dano ao usar cotovelos e joelhos no golpe; +30% força, agilidade e flexibilidade.
Extra: Nenhum

Nome: Taekwondo I
Descrição: O taekwondo é uma arte marcial milenar da Coreia. Em coreano a palavra taekwondo possui o seguinte significado: caminho dos pés e das mãos através da mente. Após assistir a aula de combate, o aluno agora possui noções básicas e sabe melhor do que ninguém aplicar chutes referentes ao taekwondo. Ainda sabe apenas o básico do taekwondo, mas logo estará preparado para os golpes mais complexos que esta modalidade permite aprender.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +25 de dano em chutes; +30% equilíbrio, agilidade e flexibilidade.
Extra: Nenhum

Nome: Taekwondo II
Descrição: O taekwondo é uma arte marcial milenar da Coreia. Em coreano a palavra taekwondo possui o seguinte significado: caminho dos pés e das mãos através da mente. Após assistir a aula de combate, o aluno agora possui noções básicas e sabe melhor do que ninguém aplicar chutes referentes ao taekwondo. Agora o semideus que possui essa habilidade conhece técnicas mais complexas de combate que envolvem chutes.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +35 de dano em chutes; +40% equilíbrio, agilidade e flexibilidade.
Extra: +70% de chance de sucesso em um salto e no pouso
Melpomephy.. Black Set
avatar
Thomas M. Brynjolf
Lycans
Lycans

Mensagens : 179
Idade : 17
Localização : Wolves' Den/CHB

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Derek C. Starles em Sab Set 29, 2018 8:54 am


The class
Recomeçando a vida

Várias aulas diferentes tinham acontecido no acampamento, e de nem uma delas eu participei, e sempre ouvia quem participava, falar não só do quão útil foi aprender aquilo, mas também foi interessante e divertido. Como filho de Hefesto, eu não via muitos motivos nessas coisas, pois com minhas habilidades para fazer máquinas diferentes e armas eu poderia usa-las sempre, então não tinha muito com o que me preocupar.  Mas mesmo assim, sempre escutava um ou outro com quem eu conversava, dizer sempre a mesma coisa. Se um dia não tiver como criar nada, o que se aprende em uma das aulas poderia ser útil, e por isso tinha decidido fazer uma de combate desarmado, levando em conta a minha força, essa opção parecia ser uma das melhores aulas.

Imaginei que por conta dos movimentos o melhor tipo de roupa seria àquelas que não prendessem meus movimentos, por isso decidi vestir uma calça larga de elástico porque assim eu teria mobilidade e não teria problemas de que a peça viesse a cair. Calcei meu par de sapatos para corrida, que eu não vinha usando diariamente, e por fim, vesti uma blusa sem mangas de cor cinza, porque convenhamos fazer qualquer treino com uma das blusas ou camisetas laranjas do acampamento era um atestado de "óbito". Assim que cheguei a arena, notei que algumas pessoas já estavam lá, e que parte do chão tinha sido recoberto por tatames, conhecia bem aquilo, na casa em que morava com minha mãe e com o meu padrasto tinha uma sala em que o chão era todo recoberto por aquelas coisas. Sabia que não poderia usar sapatos em cima deles, e assim tratei logo de tira-los e de me juntar ao grupo, não demorou para que a instrutora começasse a falar sobre a aula. Segundo o que a mesma explicava, ela iria nos iniciar nas artes do kung fu, saber disso me deixou animado, pelo motivo de que quando era mais novo, eu era muito fã de filmes que eram centrados nisso, mas só gostava dos antigos. Por não estar prestando muita atenção, quando ela nos instruiu a começar com a primeira postura, eu não só me dei conta de que era o único ali parado feito um idiota, enquanto todos já estavam praticando, quanto também não notei quando um bastão de combate, que Maxine carregava me acertou na boca do estômago.  

Quando voltei a realidade pela dor e falta de ar, que notei o meu erro, e antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, me coloquei a imitar os outros. Percebi logo de cara que aquilo não era brincadeira, por mais que minhas costas ficassem retas já que trabalhando nas forjas é necessário ter uma boa postura para não ter nem um problema na coluna, o resto do meu corpo ou no caso minhas pernas, não faziam o mesmo. O nome do que fazíamos naquele momento, se chamava de postura do cavalo, e consistia de separar as pernas uma das outras, deixando a ponta dos pés sempre para frente, os joelhos dobrados e os braços erguidos como se estivesse tentando segurar uma parede a sua frente, além de manter a coluna sempre reta. Essa última não era tão difícil de fazer, mas as outras eram. Na primeira tentativa, não deixei minhas pernas separadas o suficiente, meus joelhos eu tinha dobrado mais do que o necessário, e meus braços estavam um pouco mais altos

Notando esses erros comecei a corrigi-los, tendo como exemplo alguém que estava ao meu lado. Não demorou muito arrumar as posições, mas o que parecia uma eternidade era ficar naquela posição, era algo bem desconfortável. Assim que o tempo terminou, Max já estava demonstrando outra posição que faríamos, essa no caso se chamava postura do arqueiro. Outra complicada de se fazer, mas fazia parte da aula então eu também deveria fazer, primeira coisa que fiz ao iniciar a postura, foi deixar minha coluna reta, algo até bem simples de se fazer, em seguida posicionei minha perna direita a frente com o joelho flexionado o suficiente para servir de apoio, como se eu estivesse dando um passo maior que o costume, enquanto minha perna esquerda ficou um pouco atrás como a instrutora tinha explicado e demonstrado. Mesmo que meus músculos estivessem começando a reclamar, tentei não me importar muito, assim como a primeira essa foi um pouco difícil de fazer, mas pelo fato de ser um pouco menos simples ao meu ver, era mais fácil, o único problema era tentar manter o equilíbrio.  

Fiquei naquela posição por um minuto inteiro, e quando pudemos nos mover, alonguei rapidamente as pernas e os braços e mais uma postura em seguida a do gato. Rapidamente fiz como a jovem demonstrava, quase cai uma vez por ter que apoiar todo meu corpo quase que na ponta dos pés. Mas consegui me manter e logo ao final dessa Maxine disse que teríamos uma última coisa a fazer, eu já estava começando a ficar cansado pois de fato era complicado fazer aquilo, por sorte estava acabando.

Ela começou a explicar o que faríamos, segundo as palavras da mesma, o que faríamos era chamado de tan Tui e assim como as três posturas eram a base para o Kung fu, e só precisávamos imitar ela. Respirei fundo e assim que deu início, fui seguindo os movimentos que lembravam uma dança sem muito ritmo entre cada movimento, mas ainda sim uma dança, enquanto ia fazendo cada movimento a instrutora parecia recitar algumas palavras, mas não entendi nada se ela estivesse mesmo falando algo. Ao término dos movimentos a aula foi dada por encerrada e todos os participantes foram dispensados, respirei fundo e fui para fora da arena para recolher meu sapato e ir tomar um banho para relaxar.
Spoiler:


COM: Alguém ONDE: Aqui VESTINDO: Isso POST: 000

@Lilah


Última edição por Derek C. Starles em Dom Set 30, 2018 7:18 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Derek C. Starles
Filhos de Hefesto
Filhos de Hefesto

Mensagens : 291
Idade : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Romeo Bernocchi em Sab Set 29, 2018 4:19 pm

aula de kung fu
básico
Devido as diversas coisas que eu tinha para fazer, cheguei nos Campos de Marte com certo atraso. Envergonhado, mantive-me no fundo do grupo que ouvia Max apresentar o novo estilo de luta: o wushu, mais conhecido como kung fu.

Assim que as explicações tiveram fim, nos espalhamos pelo espaço delimitado pelo material emborrachado que cobria o chão, a fim de desenrolar os exercícios sem problemas. A primeira parte era composta pelas três posturas bases, conhecidas como a do cavalo, a do arqueiro e a do gato. Ainda que eu fosse um aluno assíduo das aulas de combate corporal, eu tinha certas dificuldades. A primeira delas apareceu logo de cara.

Flexione mais as pernas, Meo. — Max se postou diante de mim, apoiando-se em um bastão da sua altura.

Certeza? — com as pernas abertas e os joelhos flexionados e alinhados aos pés, eu estava a bons centímetros abaixo da amazona. Desse ângulo, ela ficava bastante ameaçadora. — Certeza!

Ela riu diante da cena, vendo-me abaixar um pouco mais para concluir a pose. Eu já sentia um sutil formigamento nos músculos das minhas coxas, mas permaneci estático enquanto era avaliado. A moça deixou no meu colo o bastão que tinha em mãos e sorriu ao vê-lo ficar parado, partindo para checar o quão reta estavam minhas costas.

Conte um minuto, pause por vinte segundos e faça outra duas vezes. — assenti, vendo-a se afastar pelo canto dos olhos enquanto eu os mantinha fixos em um ponto no horizonte. O esforço aplicado no exercício já fazia algumas gotículas de suor despontarem das minhas têmporas, sem contar a careta expressada.

Em um ritmo bem parecido aos demais, passei para a postura seguinte. Novamente com as mãos cerradas, voltadas para cima e rentes a cintura, analisei a instrutora para logo em seguida copiá-la. A perna esquerda foi para trás, totalmente estirada, ao passo me que a direita foi flexionada ao ser posta para sempre.

Como em todo estilo de luta, a postura, a coluna reta, é fundamental. Eu tinha consciência disso, e por isso não deixei a desejar na realização desta segunda base. Base esta que, pela demora de Maxime em sua avaliação - o que eu achei ser intencional -, somente contribuiu para o formigamento das minhas pernas e o crescimento do meu suadouro.

Miseri — comecei a falar ao findar a postura, apoiando as mãos na cintura ao agitar uma perna por vez para relaxá-las.

Oi? — Max me interrompeu, impedindo que eu resmungasse pela dor sentida. Ela logo piscou para mim, anunciando a brincadeira, e ergueu dois dedos para indicar o número de repetições a serem feitas. E então se afastou outra vez.

Minhas narinas estavam bem dilatadas enquanto eu seguia o rumo da aula, repetindo a base do arco e flecha pela última vez. Ao fim, recorri a minha garrafa de água para molhar a boca e passei no rosto e no pescoço a pequena toalha que sempre levava às aulas.

A reprodução da última postura por parte da instrutora me roubou um sorriso. Tendo apenas uma das pernas como base, a outra ficava para frente, o joelho levemente fletido e somente a ponta do pé em contato com o chão. Suas mãos estavam na altura do peito e os dedos abertos, o que imediatamente me fez pensar em uma imitação de um dinossauro.

Balancei a cabeça para manter o foco, expulsando o sorrisinho que enfeitava meu rosto. Max logo deu a ordem para fazermos a última postura, a que para mim pareceu a mais fácil de todas. Quando nela, mexi os braços em um movimento mecânico que levava minhas mãos para frente, uma seguida da outra, e depois retomava a posição do gato. Meus dedos, abertos e um pouco dobrados, simulavam as garras do animal. Será que seria este o golpe básico da base?

Muito bem, pessoal, agora vamos para a segunda parte da aula: o Tan Tui. — Max anunciou, batendo algumas palmas para conquistar a atenção de todos. — Cheguem um pouco mais perto. — e assim que a ordem foi acatada, ela encetou as explicações sobre a série de exercícios, um dos pontos - senão o ponto - mais importantes das artes marciais chinesas.

Assim que a primeira demonstração foi feita, recebemos a ordem de nos espalharmos outra vez. E, assim que a acatamos, recebemos outra demonstração. Desta vez, a instrutora a fez com mais lentidão, pontuando em alto e bom som os movimentos que descrevia.

Senti meu corpo liberar mais suor do que de costume. Eu não era bom em decorar coreografias - e, querendo ou não, o Tan Tui era um tipo de coreografia. Precisei respirar fundo e repetir algumas vezes a frase "você consegue", só então para me unir aos demais alunos e tentar acompanhar a sequência de movimentos.  

Com constante delay, progredi na sequência, percebendo que ao longo dela toda as três posturas aprendidas se faziam presentes. A movimentação - seca, rígida e bem marcada - era acompanhada pelas bases do cavalo, do arco e flecha e do gato, e aí sim eu pude entender o que a amazona dissera sobre a complexidade do wushu.

Apoiei as mãos na cintura ao fazer uma breve pausa, permanecendo com os olhos cravados na instrutora. Ela com certeza havia treinado bastante aquilo, e eu também precisaria caso quisesse aprender o estilo. Logo me vi no escritório da pretoria lendo algum relatório enquanto flexionava as pernas, girava o quadril, erguia os braços cruzados e depois os mexia como se desse banana para alguém.

Me dei conta do quão perdido estava quando Max finalizou a coreografia. Bebi outro gole de água e logo a chamei, disfarçando meu desespero com um sorriso frouxo e um tremelique no olho direito.

E o Tan Tui? — a garota perguntou, secando a nuca com uma toalhinha.

Está bem, obrigado. — falei, desviando o olhar e tomando outro gole de água.

Então me mostre, Romeo!

Meu corpo congelou, meus olhos esbugalharam. Por que ela tinha que fazer isso comigo?

Ai! — me encolhi, quase caindo no chão, e toquei a panturrilha direita, o semblante forjando dor. — Estou com cãibra, Max, estou com cãibra!

Ela desatou a rir, mas logo se posicionou ao meu lado. Claramente, além de um péssimo pegador de coreografias, eu era um péssimo ator. Portanto logo me levantei, ficando lado a lado à semideusa.

Vamos devagar, desde o começo. — e ela fez a pose inicial: o corpo ereto e as mãos cerradas coladas na cintura. Eu a imitei, respirando fundo, e me foquei somente nela. Aparentemente, os demais alunos não tinham tanto problema quanto eu, por isso Max pôde dedicar mais tempo para mim.

Avançamos lentamente a sequência, orquestrando em união a movimentação de pernas, braços e tronco. Além disso, como ela dissera, a mente precisava estar em constante trabalho e, claro, em conjunto com o corpo. Era essencial para o desenvolvimento da arte.

Logo que findamos o primeiro set, repetimos algumas vezes igualmente devagar para só então fazê-lo corretamente, com marcação e rigidez. Uma ou outra pausa ocorreu à medida que passamos para os dois outros sets, finalizando com sofrido êxito o exercício.

Yaay! — ela comemorou, mas eu só consegui sorrir.

Caminhei um pouco pelo cenário da aula, vendo os demais alunos irem embora, porque era erradíssimo simplesmente deixar o corpo parar depois de fazer tanto esforço físico. Sendo assim, somente depois de bons minutos que eu me deitei no chão emborrachado e praticamente morri.

fpa:

habilidades aprendidas:
Muay Thai
Descrição: O Muay Thai é uma arte marcial de origem Tailandesa conhecida como Thai Boxe ou Boxe Tailandês e revela um método de combate corpo a corpo (full contact) muito agressivo. É conhecido mundialmente como “a arte das oito armas”, pois caracteriza-se pelo uso combinado da técnica e da força dos membros do corpo humano, nomeadamente: os dois punhos; os dois cotovelos; as duas canelas das pernas e os dois joelhos. O semideus que participou dessa aula tem conhecimento sobre o muay thai, podendo usar de suas técnicas para golpear o seu adversário, principalmente ao usar os cotovelos e os joelhos para atingir o inimigo.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +25 de dano ao usar cotovelos e joelhos no golpe; +30% força, agilidade e flexibilidade.
Extra: Nenhum

Pranayama
Descrição: Inspire; expire; respire; aspire; não pire. Com o aprendizado sobre a prática do Pranayama, o semideus sabe a forma mais proveitosa de respirar e beneficiar o corpo com a distribuição correta do oxigênio. Isso o ajuda a controlar a sua energia vital adequadamente, ajudando-o a encontrar o equilíbrio entre seu corpo e sua mente. Com isso, consegue manter-se tranquilo diante de situações adversas e isso melhora seu controle corporal durante atividades físicas.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +30% concentração, percepção e destreza corporal.
Dano: Nenhum
Extra: O semideus tem mais chances de manter o controle emocional diante de situações adversas.

Prática de Asanas
Descrição: O corpo é tão jovem quanto flexível. Exercícios de yoga enfatizam a saúde da coluna vertebral, a sua força, equilíbrio e flexibilidade. A prática dos Asanas (exercícios de Yoga) aumenta esses três atributos do semideus.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em equilíbrio e flexibilidade.
Extra: + 10% em Força.

habilidades da universidade:
Desenvolvimento Motor
Descrição: Aprender sobre o desenvolvimento do corpo e seus movimentos é crucial para um estudante de educação física. Agora saberá os limites e possibilidades, além de ganhar uma noção maior sobre si próprio.
Gasto de Mp: Nenhum
Bônus: +30% coordenação motora

Cinesiologia
Descrição: A palavra Cinesiologia vem do grego, kinesis significa movimento, sendo assim cinesiologia é a ciência que estudo o movimento. No caso da área da saúde a cinesiologia aplicada vem para estudar os movimentos humanos. Quando falamos em movimento humano estamos falando de músculos. Através da contração muscular e das estruturas articulares que nosso corpo se movimenta. Portanto, para entender e estudar cinesiologia humana é necessário entender o funcionamento de músculos e articulações.
Gasto de Mp: 30MP por análise do movimento do corpo, totalizando 60MP.
Bônus: +10% em atributos corporais (passiva). Duas vezes por missão, poderá ativar a análise do movimento do corpo do inimigo, podendo predizer um movimento corporal do mesmo em poucos segundos.

habilidades passivas:
Nível 3
Nome do poder: Combate não Armado
Descrição: A prole da deusa Belona tem um vasto conhecimento sobre combates. Seu corpo e seu espíritos foram forjados para o combate. Assim, eles possuem a capacidade de luta corporal muito elevada, sabendo técnicas marciais mesmo que nunca tenha realizado uma aula sequer antes. As técnicas podem ser utilizadas para a elaboração de movimentos complexos, como mortais, piruetas, ataques acrobáticos e golpes que requeiram uma grande elasticidade.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 20
Nome do poder: Corpo Guerreiro II
Descrição: Seu corpo desenvolveu-se e tornou-se ainda mais pronto para a batalhas de longa duração. O metabolismo evoluiu e a fisiologia do semideus filho de Belona foi potencializada. A resistência corporal tornou-se melhor ainda, assim como a imunologia.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em resistência corporal, +40% de imunidade a infecções, venenos e doenças corriqueiras como viroses.

Nível 45
Nome do poder: Hipercinesia III
Descrição: Esse é o momento em que mente e corpo encontra-se em completa sintonia. Você não apenas pensa e age, mas como pode fazer os dois ao mesmo tempo. A leitura do ambiente torna-se perfeita, permitindo assim o combo de muitas outras habilidades ativas com a sua capacidade hipercinética. Sua mente e corpo tornam-se a sua maior e principal arma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +50% em equilíbrio, coordenação motora e reflexos
Dano: Nenhum

avatar
Romeo Bernocchi
Pretores
Pretores

Mensagens : 725
Idade : 20
Localização : Acampamento Júpiter

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Laura Andrews em Dom Set 30, 2018 4:33 pm

O piso da arena estava forrado com tatames e um grupo de variados semideuses se encontravam na área, descalços e em diversas formas de alongamento.

Andy fazia sua parte, fazendo uma série de exercícios para preparar seus músculos e juntas para o que parecia ser uma aula de grande desgaste físico. Ela ficara sabendo que haveria um treinamento básico de Kung Fu entreouvindo a conversa de dois filhos de Hermes mais cedo no dia e, curiosa e animada, rumou para lá. Sua tia Marissa já havia lhe ensinado o básico de defesa pessoal, mas sentia que quando mais estilos de luta soubesse, maiores seriam suas chances de sobrevivência.

A instrutora da lição, para imenso interesse da filha de Melinoe, não só era romana como era uma amazona. Uma amazona de verdade. Apresentou-se como Max e pela maneira que interagia com os outros alunos, parecia ser uma pessoa sociável e bem humorada. Mas, como Andy não era nenhuma dessas coisas, contentou-se em observá-la de longe enquanto aguardava a aula começar.

E uma vez que Max iniciou a introdução ao treino, a negra focou em suas palavras para entender o máximo que podia. Usou o nome Wushu, “arte da guerra” em chinês para nomear a arte marcial que ela ensinaria e explicou sobre as duas escolas que carregavam os diferentes estilos de luta: Waijia e Neijia.

Enquanto a escola Waijia visava o desenvolvimento externo do corpo — físico e marcial — e abrangia maior parte dos estilos de Kung Fu, a escola Neijia tinha como objetivo o desenvolvimento interno, ou seja, o Chi. A primeira era classificada como estilos duros e a última como estilos suaves.

E então, partiu para demonstrar as três posturas mais destacáveis nos diferentes estilos: a do cavalo, a do arqueiro e a do gato. Primeiro, ela mostrou como cada uma delas eram, permanecendo na posição por tempo o bastante para que Andy e os outros analisassem a maneira que seu corpo se impunha. Então, mandou que eles as reproduzissem.

Ignorando a vergonha que sentia em treinar em público, a negra fixou seu olhar em um ponto a sua frente e fez seu melhor para não prestar atenção nos outros alunos. Assistiu com atenção enquanto Max repetia o movimento devagar e tentou imitá-lo.

A primeira era relativamente simples, pois crescer numa fazenda lhe dava acesso à cavalos e ela era bastante boa em montá-los. Além disso, tinha uma postura reta natural adquirida após anos de desconforto em ambientes sociais.

Mantendo o tronco ereto, abaixou seus quadris, como se fosse se sentar, fazendo seu melhor para que seus joelhos não ultrapassassem a ponta de seus pés. Seus braços ficaram para trás, com os punhos fechados virados para cima encostados em sua cintura. No início, foi difícil manter o equilíbrio contra a sensação de que cairia para trás, mas com o passar dos minutos foi se acostumando com a posição.

Quando passou para a próxima posição, Andy já sentia o suor se acumular em suas costas, coxas e rosto. Respirou fundo, relaxando os membros antes de mudar de postura, notando de imediato que essa lhe traria mais dificuldades.

Colocando a perna direita na frente, com o pé levemente na diagonal, flexionou o joelho, ao mesmo tempo em que esticava sua perna esquerda para o lado. Demorou até que sua postura estivesse estável, com ambos os pés bem plantados no chão, quase caindo duas vezes, e uma vez que conseguiu parar na posição, sentiu os músculos internos laterais de sua perna praticamente vibrarem pelo esforço. Controlando sua respiração, segurou-se imóvel pela maior quantidade de tempo que podia antes de deixar a postura e sacudir as pernas doloridas.

A pior de todas, foi, sem dúvidas, a postura do gato. Nessa, o peso do corpo estaria na perna de trás, que devia estar flexionada no joelho, com a sola do pé completa no piso e ligeiramente na diagonal. A perna da frente, pelo contrário, deveria estar levemente arqueada, de forma que apenas a ponta dos pés estivesse apoiada no chão. Assim como as outras, as costas devem estar eretas.

Andy passou tanto tempo tentando acertar a postura que Max acabou parando ao passar por ela para lhe auxiliar a entrar em posição. Com ajuda da instrutora, que ia movendo os membros da filha de Melinoe até que ficassem corretos — tal ação foi tão indesejada quanto estranhamente instigante, o que confundiu bastante a semideusa —, conseguiu ficar em posição por alguns segundos, antes de quebrar a postura para se endireitar e massagear suas pernas.

Mas a aula só estava na metade. Agora, era hora de passarem pelos exercícios de Tan Tui. A instrutora contou que Tan Tui era uma série de movimentos que visavam melhorar a postura, a respiração e a concentração e fortificar os membros, caracterizada pela repetição de no mínimo 12 katis que envolviam socos, chutes e rasteiras.

Estando familiar com as posturas, fazer o Tan Tui não foi tão complicado quanto esperava, mas estava longe de uma execução exemplar ou perfeita. Já sentia os efeitos de cansaço físico e suas pernas, desacostumadas com os movimentos, doíam e vibravam se permanecesse em uma das bases por muito tempo. Agora, junto às posturas, vieram movimentos com os braços, o que acabou atrapalhando um pouco o andamento da reprodução.

Max foi fazendo os movimentos e os semideuses que assistiam à aula foram repetindo, uma posição de cada vez, e repetiram a série até que todos pudessem ter completado o conjunto com um rendimento mínimo. Quando o treino foi finalizado, Andy estava exausta, com sede e dolorida, mas sentia-se satisfeita com o aprendizado. Sem dúvida, voltaria para as próximas instruções.

Spoiler:
FPA

I’M UNSTOPPABLE, I’M A PORSCHE WITH NO BRAKES. I’M INVENCIBLE. YEAH, I WIN EVERY SINGLE GAME.





I am a wounded warrior
Looking for someone to let me in

avatar
Laura Andrews
Filhos de Melinoe
Filhos de Melinoe

Mensagens : 16
Idade : 20
Localização : Acampamento Meio-Sangue

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Alysia Nyree em Dom Set 30, 2018 7:58 pm




Wushu — Kung Fu

Combate Corporal



Estava a caminho da arena de treinamento para, havia escutado que Max ia ensinar uma nova modalidade de artes marciais, o famoso Kung Fu. Como apenas havia escutado falar, me deu curiosidade de ao menos ir na primeira aula e ver como era, gostava de aprender coisas novas, principalmente se fosse para ajudar na hora da luta. Após chegar no local a Max, esperou um pouco para ter certeza que todos os interessados estariam presentes, depois começou a explicar um pouco sobre o Wushu.

Quando as explicações e instruções básicas sobre como iria ser a aula, mandou cada um se afastar mais pelo arena, dando assim espaço suficiente para quedas na espécie de tatame de borracha que haviam colocados no chão. O treinamento ia ser divido em duas partes, o primeiro era o aprendizado das posturas principais da arte marcial, já que tanto a disciplina quanto a postura são fundamentais para o Kung Fu.

Após uma breve demonstração feita pela Max das posturas, era nossa vez de tentar fazer, a primeira seria a do Cavalo ou Ma Bu. Primeiro fechei a mão em punho e virei para cima a colocando na altura do quadril, depois aos poucos ia afastando os pés uns dos outros até formar uma espécie de A. E como se estivesse empurrando algo para baixo com os punhos, sem mexer eles, flexionar os joelhos como fosse sentar.

Max parou ao meu lado falando que tinha que descer um pouco mais e juro, que havia pensando que já tinha chegado no limite. Mas mesmo assim tentei descer mais, porém, me desconcentrei com meus pensamentos e perdi o equilíbrio me fazendo cair sentada. Com isso, ela mandou eu voltar a tentar outra vez, refiz todo o processo e sentia a mão dela, no meu ombro empurrando cada vez mais para baixo, senti as mãos da Max na minha costa me forçando ficar mais reta.

Max estava indo de um em um com um bastão para pôr em cima das nossas coxas e assim poder saber se estávamos fazendo a posição corretamente. Nas primeiras vezes, ele sempre rolava e caia no chão, depois das tentativas frustradas por que eu ainda estava muito alta e precisava descer mais ou estava muito para frente e tinha que manter a postura reta. Não sei por que me foi tão complicado de realizar, mesmo que eu tenha um pouco de prática com posturas por causa da Yoga, essas eram diferentes com as quais estava acostumada a fazer, até por que eram simples.

Repetimos a postura umas três vezes, na terceira eu consegui fazer sem problemas, afinal, depois de tantas tentativas, uma hora tinha que conseguir. Meu rosto estava quente por causa do esforço físico, tentava manter a respiração controlada e a mente concentrada no horizonte para não perder o equilíbrio.

A segunda postura era a do Arqueiro, ou do Gong Bu, era uma postura que me lembrava um pouco uma de Yoga, só que bem diferente. Primeiro tínhamos que repetir a posição do cavalo para poder fazer a transição para a do arqueiro. Tínhamos que virar para o lado direito, enquanto mantinha a perna direita flexionada e a esquerda esticada, sem que o calcanhar levantasse. Em geral, parecia simples de fazer, mas ao realizar essa mudança de posturas, se não tivéssemos equilíbrio acabaria “balançando” um pouco para os lados.

O nosso torso tinha que está virado para o lado e não para frente, não tive muita dificuldade na transição, um pouco de desequilíbrio, mas nada que um pouco de tentativas não resolvesse. Refiz todos os processos para chegar na postura, mais três vezes, sendo que duas para o outro lado. Apenas, escutando a Max falar algo, não necessariamente diretamente para mim, que nós não podíamos deixar o troco ir demais para frente, tínhamos que manter reto. O que me fazia endireitar a costa ou verificar se estava na posição certa.

A terceira postura, a Mao Bu ou a do gato, era uma postura que não entendi o por que ser relacionado ao gato, mesmo após fazer. Como as três posturas tinha que fazer em sequência, já que era tipo uma vai com a outra, era melhor começar da primeira para seguir para terceira. Na postura do arqueiro ir para a do gato, tínhamos que fazer um pouco de força com a perna flexionada, para podermos ficarmos retos. Quase como se estivéssemos se movendo para trás, arrastando o pé direito até deixar ele apoiando na ponta do pé, enquanto a perna esquerda totalmente apoiado no chão.

O difícil era manter o tempo todo a mão na altura do quadril e não abrir os braços para tentar se equilibrar. Sem abaixar o pé direito, mantendo ele apoiado apenas com a ponta e levemente virado na diagonal, tínhamos que descer um pouco, o suficiente para flexionar a curvatura do joelho da perna esquerda.

E como senti os músculos nessa posição, poderia parecer simples, mas sustentar seu peso, mesmo de forma leve em uma perna, era algo desafiante. Repetimos todos os processos, umas duas vezes, para ter certeza que havíamos aprendido corretamente, tanto para o lado direito quanto para esquerda. E já podíamos ir para a segunda parte do treinamento, após uma rápida descansada. Tomei um pouco de água, limpei o suor e me preparei para a próxima parte, mais posturas e movimentos de acordo com a Max.

Iriamos aprender agora uma série de exercícios que ajudaria no fortalecimento dos membros inferiores devido às posturas delas. O que me atraia a aprender artes marciais, principalmente aqueles que usavam mais a pernas, como uso adagas de armas, gostaria de “exercitar” mais as pernas. Para quando for preciso, tipo chutes ou até mesmo mais equilíbrio e resistência na hora da luta. Vendo Max mostrar quais eram as posturas e explicação de como seria o Tan Tui, eram como se fosse treinar “pequenos” chutes e socos, mas sem realmente executá-los. Porém, fazer em sequência era quase como se fosse uma dança e não seria muito difícil lembrar eles, mesmo que fosse uma boa quantidade.

Max ia mostrando de cinco em cinco movimentos e pedindo que nós tentasse, enquanto ficava andando entre os alunos para auxiliar aqueles que estava precisando. Quando havíamos feito todos, tínhamos que fazer toda a sequência, do primeiro ao último, sem errar a ordem ou posição. No começo foi igual brincar do jogo da memória, ao tentar lembrar qual posição vinha após, mas depois de um tempo, treinando e repetindo, no final conseguia fazer a sequência sem faltar nenhum.

Tempo todo mantendo a concentração, o equilíbrio e a respiração estável para poder me ajudar a fazer o ciclo de exercício. No final, sentia minhas pernas cansadas, coxa dolorida, mas estava bem. Havia aprendido coisas novas e que poderiam ser úteis, não sei se irei voltar para as próximas aulas, talvez eu me arrisque um pouco mais nas aventuras durante o aprendizado do Kung Fu.


Habilidades Aprendidas:

Nome: Prática de Asanas
Descrição: O corpo é tão jovem quanto flexível. Exercícios de yoga enfatizam a saúde da coluna vertebral, a sua força, equilíbrio e flexibilidade. A prática dos Asanas (exercícios de Yoga) aumenta esses três atributos do semideus.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% em equilíbrio e flexibilidade
Extra: + 10% em força

Nome: Pranayama
Descrição: Inspire; expire; respire; aspire; não pire. Com o aprendizado sobre a prática do Pranayama, o semideus sabe a forma mais proveitosa de respirar e beneficiar o corpo com a distribuição correta do oxigênio. Isso o ajuda a controlar a sua energia vital adequadamente, ajudando-o a encontrar o equilíbrio entre seu corpo e sua mente. Com isso, consegue manter-se tranquilo diante de situações adversas e isso melhora seu controle corporal durante atividades físicas.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +30% concentração, percepção e destreza corporal.
Dano: Nenhum
Extra: O semideus tem mais chances de manter o controle emocional diante de situações adversas.
FPA:
Com: Todos na Aula + Onde: Arena de Treinamento + Vestindo: Roupa de Ginastica + Palavras: 1146




Última edição por Alysia Nyree em Dom Set 30, 2018 11:11 pm, editado 1 vez(es)



FPA

avatar
Alysia Nyree
Filhos de Nyx/Nox
Filhos de Nyx/Nox

Mensagens : 75
Idade : 17
Localização : Wherever you go becomes a part of you somehow.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Dom Set 30, 2018 10:24 pm

Aula
Wushu
Aula
Era algo inusitado estar ali, nos Campos de Marte, em uma aula física. Eu sempre evitei esse tipo de coisa enquanto estive tanto em meu início como legionária, quanto eu estive na ilha de Circe. Eu era uma nerd raiz, que preferia estudar, pesquisar, inventar. Meu maior exercício era mental, tendo como desafios coisas do tipo: quem poderia levantar o martelo de Thor e o porquê. Mas isso está se tornando cada vez mais uma fraqueza minha. Se eu tivesse um melhor condicionamento físico, talvez os resultados de minhas últimas aventuras tivessem sido melhores e menos dolorosas. Estava sempre preparada para dar o suporte, mas quando precisava entrar em ação, sentia cada vez mais que fazia do improviso a minha melhor estratégia. Um dia, isso poderia custar minha vida, ou pior, a vida de alguém.

Por isso quando soube da aula de Max, eu fiz um esforço para estar ali. Batman não ficou bom em combate de um dia para outro ou comprou os seus atributos físicos. Nem mesmo Max, Evie ou Elena ficaram paradas, confiando apenas nos seus instintos guerreiros. Eu precisava ficar melhor, ser melhor.

A aula era sobre Wushu, um nome até bonito para o famoso Kung Fu. Em minha mente, sempre via a imagem do panda lutador quando pensava nesse estilo de luta. As instruções de Max vieram um pouco depois, claras o suficiente para alguém leigo como eu pudesse entender. Então a parte prática finalmente começou.

Dispersados pela arena de treino, os legionários começavam a treinar as posições. Eu já estava para começar a posição do cavalo quando uma mão tocou o meu ombro. Max estava ali, sorrindo divertida amenizando o quase susto que eu levei.

— Nada disso, você precisa alongar primeiro. São posições que exigem de sua musculatura, se não relaxar o corpo antes, vai sentir uma dor que pode ser evitada. Vamos lá, copie meus movimentos.

Lembrei vagamente das aulas de educação física que fiz no período da escola, das quais eu odiava profundamente. Não apenas por causa do esforço que precisava fazer, mas por ser apenas Alex durante o dia e não me dar bem com contato humano. Estiquei os braços e as pernas quando necessário, espelhando meus movimentos com os da amazona. Até mesmo um pouco mais relaxada, Max pediu para que eu fizesse a primeira posição. Abaixei o corpo, imaginando como seria ficar sentada na sela de um cavalo. Ou um hipogrifo. Era uma semideusa, eu podia me permitir imaginar essas coisas sem parecer uma fã fanática de Harry Potter.

Com a postura feita, ergui meu olhar para Max e depois de cinco segundos eu já queria pedir por misericórdia. Era algo que aplicava mais força em determinados músculos, o que me fazia sentir dores localizadas em pouco tempo. Maldito sedentarismo!

— Vou ajustar a sua postura ok? — Max avisou antes de começar a arrumar o meu corpo de acordo como a posição exigia. — Os joelhos nunca devem ultrapassar as pontas dos dedos do pé, mantenha a coluna sempre reta! Tente imaginar que tem um bastão sobre suas pernas, ele não poderia rolar e cair. Sustente a postura até quando aguentar, então pare por trinta segundos e repita mais três vezes.

Choraminguei sem medo de parecer uma criança sedentária. Eu me sentia assim! Mas não desisti. Fiz o que a instrutora amazona pediu, atentando para como meu corpo estava posicionado e como tendia a pender para o lado depois de algum tempo. Me desafiei em vários momentos, já que meu primeiro instinto era o de sair da posição.

A segunda postura era a do arqueiro. Pedi para que Max a exibisse novamente, para pegar as dicas de como realizar o posicionamento do corpo. Sabendo de antemão sobre a importância da postura, comecei a ajeitar a posição calmamente. Pés na diagonal, perna destra para frente ligeiramente flexionada sem que o joelho ultrapasse a ponta dos pés. A perna esquerda esticada, tronco o mais ereto possível, tomando o cuidado para que ele não fosse para frente.

— Quase! Mantenha o calcanhar no chão!

Max pontuou o único erro na posição e quando eu o ajustei, arfei. Era uma questão de equilíbrio que eu mal conseguia superar. Consegui ficar apenas um minuto na minha primeira tentativa, quase caindo ao tentar sair da posição para poder relaxar. Mas depois, a cada novo posicionamento, eu conseguia me acostumar com os músculos que eram exigidos e tensionados.

A última pose foi a do gato. Foi a mais fácil e a mais dolorosa. A facilidade veio por já conhecer os erros que tinha cometido nas duas anteriores, mas a dor de ter praticado as duas posturas anteriores acabou prejudicando a minha resistência. No entanto, era teimosa o suficiente para prosseguir. Odiava a ideia de que estava perdendo, o que era ruim pois ser uma sedentária competitiva poderia me fazer vivenciar paradoxos como o de agora.

Era a mais complexa também. Fui fazendo aos poucos, me atentando as dicas e modificando os erros sem precisar da ajuda da amazona. Pé da frente inclinado com apenas a pontinha tocando o chão. Pé de trás todo no chão e na diagonal. Coluna sempre ereta. Então era só manter a postura e tentar equilibrar. Apesar de ser uma aula relativamente parada, eu estava suando e cansada no fim daquela primeira parte.

(•••)

A segunda veio com uma demonstração de um katar. Eu entendi porque começamos com as bases de pois de assistir a instrutora demonstrando a execução da sequência de movimentos. Compreendendo como o corpo se posicionava no Wushu, pelo menos com o básico, não parecia tão complicado realizar o katar naquele momento. Max insistiu para que um alongamento nas pernas fosse feito, já que o Tan Tui exibia muita força nas pernas. Segundo a amazona, aquilo ajudaria na postura, na concentração e no fortalecimento dos membros inferiores. Sabendo como ela lutava, eu tendia a acreditar nessas informações.

O problema veio não na execução, mas na lembrança da sequência. O primeiro set era o mais tranquilo, pois era quando a memória ainda estava fresca. Braço esticado para o lado, abertura das pernas e o esticar do outro braço. Depois... Então era quando a memória começava a falhar. Tentei uma, duas, três vezes, mas a sequência sempre parecia confusa na minha mente ao ponto de pedir ajuda a instrutora.

— Ok, acho que sei como te ajudar. Pense em uma música que você gosta e que essa é a coreografia. É um ritmo que tem de ser seguido e uma sequência de movimentos, na maior parte do tempo lutar é muito similar a dançar.

Concordei com a mente e pensei em uma música eletrônica. Max ficou ao meu lado realizando a sequência pelo menos duas vezes, permitindo que eu associasse trechos da música aos dos movimentos. Incrivelmente isso deu certo. Logo eu estava executando a sequência sem tantos erros. Apenas quando os movimentos se tornavam um pouco complicados na mudança de uma pose para outra. Depois de quase trinta minutos praticando, eu finalmente tinha conseguido executar o katar.





Alex Nikolaev
☾★I'd prefer machines rather than humans! ★☽
avatar
Alexandra Nikolaev
Líder dos Celestiais
Líder dos Celestiais

Mensagens : 453

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Koda Smith em Dom Set 30, 2018 11:46 pm



Wushu: First lession
Be water, my friend


Acreditar que eu havia conseguido escapar de um monstro que era uma cruza bizarra de várias espécies ainda era difícil. Não precisava ser nenhum gênio para saber que aquilo fora pura sorte, então desde que eu havia me estabelecido no acampamento, e no Chalé VI, decidi que iria treinar mais minhas habilidades de batalha.

Durante dias treinei com várias armas diferentes. Conseguia entender o básico do básico que os instrutores passavam, mas passar esse conhecimento para a parte teórica era outra história. Meu corpo ainda não possuía a habilidade nem o equilíbrio necessários para utilizar tais armas. Me sentia frustrado por isso, pois aparentemente utilizar armas era algo fácil para mim antes da perda de memória.

Depois de conversar com um instrutor sobre parte desse problema, ele me recomendou que eu fizesse um treino de Wushu, oferecida por uma Amazona, que estaria de passagem pelo acampamento, ministrando a aula.

Ao chegar à Arena, o lugar foi todo preparado para aquela aula. O chão estava cobertos por tatames, onde já havia alguns semideuses, se aquecendo para a aula. Tirei meu tênis, deixei-o em um canto e fui até o tatame, para me alongar e me preparar para a aula. Depois de algum tempo, a instrutora chegou.

Tenho certeza de que vários inimigos a subestimaram por causa de seu porte físico franzino. Porém, no acampamento aprendi a não subestimar ninguém, por qualquer motivo que fosse. Sentei-me ao chão, juntamente com os outros, enquanto Max, a instrutora, começava a explicar como seria a aula.

No início, Max explicou as origens do Wushu, ou Kung Fu. Seu conhecimento teórico sobre a arte marcial me deixou impressionado. Era muito interessante saber mais sobre uma prática que sobreviveu a milênios, permanecendo viva até hoje. Após explicar sobre o estilo de luta, a instrutora nos explicou os dois passos da aula: Prática de posturas e depois algo chamado Tan Tui.

A primeira postura apresentada foi a do cavalo. Max fez uma demonstração para os alunos. Era uma postura que parecia simples, onde a pessoa ficava em uma posição que lembrava a de alguém montado em um cavalo, mas ainda assim demandaria um condicionamento físico que eu não tinha certeza se possuía. Respirando fundo, separei minhas pernas uma da outra e comecei a me abaixar, procurando alcançar a forma apresentada.

No instante em que consegui uma postura parecida com a de Max, meu corpo começou a tremer. Minhas pernas pareciam que não aguentariam meu peso dividido daquela maneira. Por fim, meu corpo não aguentou, e eu caí de cara no chão. Ouvi algumas risadas ao meu redor, mas nada que me preocupasse muito, afinal não era apenas eu que estava tendo problemas.

Levantei e respirei fundo. Lentamente, fui me abaixando mais uma vez, até alcançar a posição correta. Deixei minha coluna ereta e minhas pernas dobradas em um ângulo quase reto. Meu corpo começou a tremer, mas dessa vez já esperava isso, então comecei a trabalhar a respiração, assim fazendo com que meu corpo conseguisse se estabilizar. Após isso, manter a postura foi mais fácil. Depois de um tempo, Max pediu para que nós saíssemos da postura do cavalo e nos apresentou a próxima postura, a do arqueiro.

A postura do arqueiro consistia na pessoa estender uma perna para trás, enquanto a outra perna ficava dobrada, igual à postura do cavalo. Nessa postura, o tronco também ficava ereto. Com essa postura não tive muita dificuldade. Sua execução foi fácil para mim. Fiquei parado nessa postura até que Max nos pedisse para sair da posição e nos preparar para a próxima: a postura do gato.

A posição das pernas era diferente das posturas anteriores. Uma perna tinha que ficar a frente, sendo apoiada apenas pela ponta do pé, enquanto a outra perna se encarregaria de aguentar quase todo o peso do corpo, estando fixa ao chão. Como a postura do arqueiro, pensei que a postura do gato também seria fácil de dominar, mas estava muito enganado.

Os primeiros dez segundos na postura foram tranquilos. Após isso, permanecer naquela posição foi quase uma tortura, pois minha perna traseira não parava de tremer. Foi preciso todo o meu autocontrole para que não caísse de joelhos ali mesmo. Foi um alívio quando Max nos disse para sair da posição.

A instrutora nos deixou livres por alguns segundos, para tomar água e respirar por um momento, antes de voltar para a segunda parte da aula, o Tan tui. As posturas haviam sido difíceis, mas nada que não pudesse ser feito com perfeição, depois de um bom tempo de treinamento. Após me refrescar e repor o fôlego, voltei ao tatame, para realizar o resto da aula.

Max começou a explicar o que era o Tan tui. Uma série de movimentos que poderiam ser convertidos em verdadeiros golpes. A instrutora disse que o Tan tui que iria apresentar não seria uma série de pulos e acrobacias elaboradas, como nos filmes. Seus movimentos incluiriam mais socos e chutes contidos, embora com sua própria identidade e força. Lentamente, para que pudéssemos ver cada movimento, Max executou o Tan tui que queria nos ensinar. Naquele momento vi que, sem ter aprendido as três posturas antes, seria quase impossível realizar o Tan tui como nos era mostrado.

Max disse que para praticar o Tan tui com perfeição, era preciso que a mente do praticante estivesse limpa e concentrada apenas no exercício. Achei que seria fácil, afinal a concentração deveria ser algo fácil para mim. Infelizmente, achei completamente errado.

Os primeiros dois movimentos foram fáceis de realizar. Meu corpo não protestou com os movimentos, mas minha mente não estava em concentração total. Flashes de memória estavam voltando, naquele instante. O pior possível para isso. Minha visão começou a girar, então caí ajoelhado no tatame.

— Hey, está tudo bem com você? — Ouvi uma voz acima de mim, e quando olhei, Max estava parada ao meu lado.

— Tudo sim, eu acho. Só me desconcentrei. — Levantei e respirei fundo, tentando afastar as memórias que insistiam em vir até minha mente. — Vou tentar novamente. Acho que agora vou conseguir me concentrar.

— Boa sorte. — Max começou a se afastar, mas antes olhou para mim novamente, com um olhar indecifrável. — Lembre-se: nem sempre você conseguirá se concentrar totalmente em uma batalha. Use sua confusão de modo que possa te ajudar. — Com um aceno de cabeça, a instrutora voltou a seu lugar.

Fechei os olhos por um momento e deixei que as memórias invadissem minha mente. A cada flash novo, meu corpo fazia um movimento. Um flash, um movimento, um flash, um movimento. Quando percebi, conseguia fazer todos os movimentos, exatamente como Max havia ensinado.

Continuei repetindo os movimentos, até que Max anunciasse que a aula havia acabado. Todos fizeram uma saudação à instrutora, e então começaram a sair do local. Segui o exemplo deles, mas antes olhei para Max, que retribuiu o olhar, e disse um Obrigado sem emitir nenhum som. Um meio sorriso da instrutora me disse que ela havia recebido a mensagem. Então peguei minhas coisas e voltei para meu chalé, repassando toda a aula em minha mente, buscando formas de me aperfeiçoar cada vez mais.



PODERES UTILIZADOS:
PSIQUE:
Passivos:

Nível 4
Nome do poder: Corpo equilibrado I
Descrição: O seguidor de Psiquê tem tanto mente quanto corpo alinhados. Isso acaba por potencializar o equilíbrio corporal. Nesse nível o mentalista ainda começa a aprender noções de seu corpo, tendo um ótimo equilíbrio que um humano treinado teria.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +30% de equilíbrio
Dano: Nenhum


avatar
Koda Smith
mentalistas de psique
mentalistas de psique

Mensagens : 70
Idade : 21

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Max Hayes em Seg Out 01, 2018 8:33 pm

Aula encerrada


Maxine Hayes


∆ LYL - FG


avatar
Max Hayes
Amazonas
Amazonas

Mensagens : 519

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Max Hayes em Dom Out 07, 2018 8:04 pm

Tag: Avaliação
WUSHU


Comentário geral: Mais uma vez eu estou bastante satisfeita com o empenho de vocês! Alguns cometeram um erro ou outro de gramática, mas nada que valesse um desconto, em meu ponto de vista. Eu gostaria apenas de dar uma bonificação ao Thomas, pois ele descreveu com louvor o Tan Tui, mesmo sendo algo tão técnico e que poderia ter sido feito de maneira mais geral.

Habilidade
Nome: Introdução ao Wushu
Descrição: O semideus que possui essa habilidade iniciou o caminho das artes marciais chinesas, o Wushu. Também conhecido como Kung Fu, esse é um estilo de luta com várias ramificações e escolas. Ao participar da aula inicial, o semideus agora possui uma base sobre esse tipo de combate, adquirindo mais força, condicionamento físico e postura para aprender as próximas aulas específicas.
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: +20% de força, +30% de resistência física
Extra: Há uma melhora na postura corporal do aluno, tornando difícil derrubá-lo com golpes diretos quando em postura de combate.

Thomas FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
• 350 exp de bônus por aluno
Total: 650 exp + Habilidade

Derek FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
total: 300 exp + Habilidade

Romeo FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
total: 300 exp + Habilidade

Laura FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
total: 300 exp + Habilidade

Alysia FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
total: 300 exp + Habilidade

Alexandra FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
total: 300 exp + Habilidade

Koda FPA
• 150 exp da aula
• 150 exp de bônus de postagem
total: 300 exp + Habilidade


(C) Ross


Maxine Hayes


∆ LYL - FG


avatar
Max Hayes
Amazonas
Amazonas

Mensagens : 519

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: VII Aula de Combate Corporal -//- Básico de Wushu

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum