The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

❥ Scarlet Roses — Trama da Família García

Ir em baixo

❥ Scarlet Roses — Trama da Família García

Mensagem por Elena C. García em Seg Jun 04, 2018 1:46 pm



Scarlet Roses



Tópico destinado à trama familiar de Elena C. García e Selena C. García.

Antes de prosseguir com a leitura, é necessário saber que a família García possui uma maldição: os primogênitos estão fadados a morrerem em combate. Não se sabe a causa da maldição, mas sabe-se que uma das descendentes da família está destinada a mudar este triste destino.


Inicialmente, acreditava-se que Elena era essa descendente que poderia dar fim à maldição da família, mas então descobriu-se que havia mais uma García – Selena. A irmã mais nova foi mantida em segredo por Nyx, protegida em um orfanato onde nunca soube o que era ter uma família, até o dia em que a deusa primordial da noite decidiu que era o momento de revelá-la. Agora a família García possui duas fontes de salvação.

Mas Elena e Selena conseguirão dar fim à maldição antes que ela se manifeste?






Elena Castillo García

Filha de Afrodite ⋆ Legado de Marte ⋆ Rainha das Amazonas

Minha FPA encontra-se aqui ~
avatar
Elena C. García
rainha das amazonas
rainha das amazonas

Mensagens : 530
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ❥ Scarlet Roses — Trama da Família García

Mensagem por Selena C. García em Ter Jun 26, 2018 11:46 pm



The Salvation

Contextualização:
  • Oi, tudo bem? Eu espero que sim.
  • Bem, eu sei que você não é obrigado a saber a trama de todos os personagens existente no jogo, por isso tomei a liberdade de te explicar parte da minha:
  • Sou Selena, filha de Afrodite, legado de Marte e irmã mais nova de Elena, a rainha amazona. Até meados dos meus quatorze anos eu não sabia que era semideusa, mas graças a Nyx fui salva de um orfanato que queria me dar para adoção a um casal que tinha interesses em mim. Eles eram membros da Seita disfarçados que estavam dispostos em capturar a irmã que Elena nem sabia que tinha.
  • Nyx me guiou até o acampamento com o auxílio de uma bússola - vai saber mais dela durante a leitura -, mas ao saber dos acontecimento em Nova Roma, jurei a mim mesma que não seguiria alguém que deseja a morte de pessoas inocentes, me tornando vestal, logo em seguida, para ajudar quem fosse preciso, mas sempre do lado dos deuses olimpianos.
  • Agora que sabe sobre mim, tenha uma ótima leitura, mas não esqueça que meu objetivo é me tornar a líder do grupo que me faz permanecer viva.

Buscar abrigo no Templo do Fogo me fez aprender a meditar. Respirar fundo e purificar a alma com pensamentos honestos eram coisas que me faziam sorrir sem ter limites, principalmente quando meu corpo jazia sentado diante de uma lareira reconfortante que, não só, me revigorava, como também me orientava. Era onde eu podia sentir a presença de minha senhora.

— Selena...

— Senhora? - ainda de olhos fechados respondi. — Posso ouvi-la, mesmo que muito baixo.

— Preciso de sua ajuda mais uma vez, pois já não sei o que fazer - pausou e, com certa urgência, prosseguiu — mas terá apenas doze horas para executar essa missão.

— No que posso ajudá-la?

— Em seu quarto irá encontrar um relógio de ouro e ele levará você, por doze horas, para Portland em Oregon e precisará salvar a vida de uma família peculiar que precisa de minha misericórdia.

— Certo!

— Você não precisará ajustá-lo, porque já fiz isso. - Concluiu. — Boa Sorte!

Num sussurro ela encerrou nosso pequeno diálogo e eu, lentamente, levantei de onde estava e segui para meu quarto num ritmo não muito apressado, pois éramos proibidas de correr no templo.

Antes que pusesse o objeto no pulso, me obriguei a pôr uma roupa mais fácil de se movimentar, ao invés daquele vestido carmim delicado que usava enquanto estava junto de minhas novas irmãs. Uma calça jeans e uma camiseta foi o que resolvi usar, mas nem por isso deixei de ficar impecavelmente linda. Prendi as longas madeixas negras em um rabo de cavalo, calcei meus tênis confortáveis que me davam total liberdade de movimento e, antes de desaparecer dali, lembrei de Elena e peguei uma jaqueta jeans e, pelo destino, minha bússola esquecida estava no bolso dela.

— Não esqueça a espada! - Ri ao imitar a rainha amazona que, com certeza, me diria aquela frase.

Peguei a Rage e, aproveitando que meus anéis se encontravam em meus anelares, pus a joia dourada no pulso, viajando para longe de onde eu gostaria de estar.

• • •「♡」• • •

Meu corpo materializou-se diante de um casebre em meio a uma floresta de pinheiros cheirosos que me lembravam da época natalina. Minha jaqueta amenizava a agressividade do vento forte que soprava e fazia meus cabelos esvoaçarem sem rumo. Observei a entrada da cabana e notei que não possuía trancas e que haviam pessoas dentro dela.

O pôr do sol não podia ser visto em meio àquele arvoredo, mas os raios rosados que cortavam o céu anunciavam que a noite logo chegaria.

— Seis e quatro da tarde... - Proferi olhando para o relógio dourado que me acompanhava. — Preciso terminar isso até às seis da manhã.

Respirei fundo e me aproximei da casa com a espada sendo empunhada por ambas as mãos, mas sempre à espreita do que pudesse acontecer, algo que meu sangue semidivino me obrigava a fazer. Com meus passos delicados consegui chegar à porta sem muito esforço ou barulho, entrando no barraco antes que alguém pudesse me detectar.

Diante de minhas orbes, deparei com um grupo de três pessoas amarradas e amordaçadas. Meu instinto foi agir para desamarra-los. Usando do poder de meu anel, transformei a grande espada em uma adaga com a mesma aparência, usando-a para cortar as cordas dos três que estavam ali.

— Não nos mate, moça, eu te suplico! - Uma flecha pareceu acertar meu peito ao ouvir a mulher de cabelos repicados.

— Não farei isso, vim ajudá-los! - Disse com o melhor meio sorriso que pude — Venham comigo!

— Nós não vamos com você!

Um senhor de, aproximadamente, cinquenta anos entrou na frente dos outros dois com os braços abertos.

— Meu filho foi pego por alguém igual a você e agora ele já deve estar morto!

— Não, Erick, ele não está!

O choro da mulher indicava que ela era a mãe do rapaz sequestrado.

A criança atrás dos mais velhos me chamou bastante atenção, pois seu olhar vazio me fazia lembrar de um interno especial que o orfanato onde vivi cuidava. Aquele menino não era diferente da órfã que conheci, ele não entendia o que se passava ali e, pelo cheiro de vômito e as roupas sujas, precisaria de atendimento médico com urgência.

— Senhores - usei de meu charme para chamar atenção deles — Vou levá-los para um lugar seguro onde terão cuidados.

— Sim - respondeu o homem — Vamos com você...

— Ela é bonita... - Cochichou a mulher ao pegar a criança no colo.

— Ela é... - Concordou o marido.

Saímos da casa com cuidado e invadimos os pinheirais que rodeavam-na. Meus pensamentos não fugiram muito do lugar, mas me permiti lembrar de uma única palavra dita pela deusa que me protegia: Peculiar. Por que Héstia usara um termo desse para se referir àquela criança? Confesso que fiquei com certo incômodo, mas me atentei completamente ao chão que pisava.

— Cuidado onde pisam! - Falei enquanto minha mão esquerda buscava o bolso da jaqueta.

— Tudo bem, menina bonita. - Respondeu a dama enfeitiçada pelo charme.

Sem ter noção de que estava comigo, encontrei o pesadelo que recebera da deusa primordial da noite, mas não pude ficar sem usá-la. Tirei a bússola do bolso e abri com certo receio.

— Centro de Portland!

O mapa girou um pouco e apontou para o leste, o rumo que tomamos logo após ouvir um grunhido horrendo o bastante para arrepiar os pêlos e me fazer perder o controle do charme, algo que não estava mais tão acostumada a usar após ter me tornado uma donzela de Héstia.

— O que está acontecendo? - Disse o senhor grisalho.

— Precisamos continuar, ou seremos mortos.

— Nos deixe em paz, aberração! - Ele gritou.

— Fale baixo! - minha voz estava um pouco mais agressiva. — Ele vai nos matar!

— Você ainda não percebeu? - Ironizou ela. — Já estamos mortos.

Antes que eu pudesse perceber, uma risada ecoou na floresta e, junto dela, senti um frio percorrer minha espinha. Com instinto de heroína, coloquei-me à frente de todos e ergui Rage, em forma de adaga, com a destra, a mantendo na altura do peito. Meus olhos não estavam muito acostumado com a noite, por isso me mantive atenta a qualquer coisa que me chamasse atenção.

Um vulto foi visto e eu rapidamente girei o corpo na direção dele. Um garoto de aproximadamente um metro e oitenta mantinha um outro ajoelhado com uma espada em seu pescoço. A família gritou, mas o brado de medo foi trocado por uma histeria da mulher, me deixando a par de que aquele era o seu filho.

— Você é cheirosa... - Comentou o rapaz. — E você tem algo que me pertence!

— Vem pegar! - Retruquei ao perceber que ele se referia à família.

— A família ou você? - Gargalhou.

Trinquei os dentes. Odiava ser tratada como um objeto fútil. Apertei mais o cabo da adaga enquanto mirava atentamente o porte físico do garoto, percebendo assim minha primeira desvantagem.

— Quem é você?

— Não interessa quem eu sou, mas vejo que estamos do mesmo lado...

Meu coração palpitou e um nó se fez em minha garganta. Que diabos ele estava falando?

— Não estamos! - Em sã consciência eu nunca mataria alguém sem motivo e com um sorriso na face. — Com certeza não estamos.

— Seu mapa é a prova de que estamos.

Ele voltou a gargalhar e eu não pude evitar de olhar para a folha de metal que se encontrava na canhota. Pisquei algumas vezes e lembrei de tudo o que havia passado nos meus poucos anos de vida, deixando aglomerar lágrimas nos olhos. Nunca desejei a morte de ninguém e Nyx parecia ser tão boa...

— Ela é maravilhosa, não é? - Engraçou-se. — Nyx é vida!

— NÃO!

— O que quer dizer com isso?

— Ela não é vida - Meus olhos já não possuíam as lágrimas, mas havia vestígios delas nas maçãs do meu rosto — e não estamos do mesmo lado!

O mapa voltou a ser uma bússola negra com pedrarias coloridas que lembravam estrelas.

— Não tem mais volta! - Disse, puxando mais os cabelos castanhos do homem. — A bússola é o elo que as ligam.

— Não seja por isso...

Larguei o objeto maldito no chão e pisei com força o bastante para amassar completamente o material frágil que tornara-se aquele item.

— Maluca! - Riu. — Você destruiu a única chance de sobreviver neste mundo!

Percebendo que ele estava prestes a degolar a vítima, estalei os dedos da mão esquerda e fiz com que a camiseta larga da Kiss virasse uma blusa extremamente apertada, uns cinco números menos que o que ele realmente usava, deixando-o apertado. A gola da roupa era o que mais apertava, pois eu pude perceber que ele respirava com dificuldade.

— Vadia! - Gritou.

Ao invés de cortar a garganta alheia, ele usou a espada para cortar a vestimenta, deixando o abdômen cheio de gominhos e o tórax nus. O ajoelhado tombou, mas era vistoso o movimento de suas costas indicando que ele respirava. Outro estalar de dedos foi dado pela canhota, mas desta vez uma chama foi criada em minha palma e rapidamente a lancei em direção ao peitoral sem pêlos do jovem.

Ele mergulhou para a direita no momento exato, afastando-se do corpo quase morto. Meu anel expeliu chamas escarlates que caíram perfeitamente na lâmina de minha adaga, tornando-a uma arma mais perigosa.

O pai do esfarrapado rapidamente agiu e correu para socorrer o filho. Pegou, como conseguiu, e o carregou para trás de mim, algo que me fez perceber certa confiança em minhas atitudes.

— Tola! - Ele adorava gritar. — Você não sabe o que está fazendo! Esse maldito faz parte da Seita e você está o defendendo!

Senti um nó na garganta e um formigamento se fez em meu peito. Héstia não usara aquele termo para o pobre garotinho, mas sim por conta do homem. Era uma família peculiar em relação a nós semideuses, pois eles eram completamente humanos e, por um infortúnio, o moribundo era um soldado que foi treinado para nos matar.

Se eu não a conhecesse, diria que a deusa da lareira estava rindo de minha cara.

Sem minha percepção, o vilão tornou-se uma espécie de monstro, deixando a derme como couro reptiliano e, antes de me acertar um soco na face, grunhiu feito um bicho, o mesmo que outrora havíamos escutado.

— Idiota! - Cuspi a mistura de saliva e sangue que o corte em minha boca gotejava.

Ele riu.

— Você vai me dar mais trabalho, mas não vai se safar de receber o que merece pela traição, Selena!

Arregalei os olhos ao descobrir que ele sabia quem eu era, mas isso não tirou minha atenção do que acontecia ali, por isso ergui novamente a arma que me protegia.

— Elena preferiu Guitti do que um verdadeiro homem, por isso está destinada a não ter ninguém!

O pouco tempo que convivi com minha irmã não foi o bastante para saber de quem se tratava o tal Guitti, mas eu imaginava que fosse o garoto asiático que vi em um dos meus sonhos induzidos por Nyx.

— Ainda bem que ela preferiu ele, imagina o mau gosto que ela teria se tivesse te escolhido...

Eu poderia ser bastante venenosa quando desejava, talvez fosse herança genética de Afrodite.

— Vai se arrepender disso, garota, você e sua irmã.

Ele ergueu a espada e avançou com um corte rápido com a espada na vertical. Minha adaga serviu como escudo no momento certo e, usando minha perna dominante, consegui girar e atacar mirando sua panturrilha esquerda. Errando por pouco, pois ele era rápido com os pés, me obrigando a ser mais rápida.

— Selena - disse a familiar do soldado — vamos voltar para a cabana, tenho um kit de primeiros socorros na bolsa e Edward está precisando.

— Pode ter mais deles lá - comentei — fiquem por perto!

— Só tem ess... - Disse Ed com dor.

— Certo, voltem, mas tomem cuidado! - Voltei-me ao demônio.

Ele não pareceu gostar de ver a família fugindo dali, por isso atacou com mais raiva. Todavia, deixei que uma segunda chama fosse expelida pelo anel, me deixando rodeada de uma aura esverdeada que, mesmo que fosse fogo, não me machucava. Senti que agora nossa velocidade estava igualada.

Usei a adaga para me defender, mas percebia que a espada dele poderia ser um problema. Com meu Arsenal, fiz Rage voltar para sua forma verdadeira, assim minha segunda desvantagem tornava-se nula.

Sem conhecer meu adversário, acabei por subestima-lo, deixando minha guarda baixa para que ele pudesse sumir no ar e reaparecer próximo o bastante para me acertar um chute na boca do estômago e me deixar de joelhos quase sem ar.

— Ridícula! - Sua voz voltava ao normal, assim como sua aparência. — Eu tenho objetivos maiores do que matar traidores!

Com essa frase, ele enterrou a espada em minha coxa, rasgando a calça e me fazendo urrar de dor num grito agudo que nem mesma eu pude aguentar ouvir. Ele ejetou a lâmina e olhou-me com desdém.

— Você é fraca, talvez seja mal de família. - Sua gargalhada fria cortou o ar até chegar aos meus ouvidos. — Vou matar aquela gentinha escrota e volto logo para cuidar de você.

Ele, com certeza, não sabia com quem estava lidando. Meu o sangue romano de Marte ainda corria em minhas veias, mesmo que Héstia me tivesse me acolhido com sua bondade e seu altruísmo. O demônio deu alguns passos para distanciar-se de mim.

— Você. Não Vai. A lugar. Nenhum! - A dor falava por mim, assim como a raiva.

Vendo meu sangue escorrer, só tive a ideia de criar algo que me proporcionaria cura, mas não seria usado para este fim. Larguei a espada ao meu lado e, usando minha energia vital, fiz nascer roseiras ao redor dele, onde elas foram avançando até atingirem sua cintura, usando seus espinhos para perfurar e arranhar qualquer membro que estivesse no alcance deles.

— Vagabunda! - Xingou. — Você está querendo morrer?

Não respondi, mas fiz com que o fogo tomasse conta das minhas mãos, usando-o para colocar no local machucado, fazendo o corte cicatrizar mais rápido que o normal, porém, não ficou da melhor forma. Respirei fundo e debochei com uma expressão que arqueava a sobrancelha e sorria enquanto levantava com dificuldade.

— Héstia é a deusa da família e o seu erro foi ter insultado a minha - proferi. — A deusa é pacífica, mas seu símbolo é a lareira, algo usado para atear o fogo que acolhe - minhas mãos foram tomadas por chamas mais nervosas do que as anteriores. — mas que queima qualquer um que tente tocá-lo!

Sem ter muita dó, lancei as chamas sobre as roseiras que prendiam o demônio, fazendo com que ele fosse feito de bruxa nos tempos antigos. Seus gritos não foram o suficiente para que minha bondade o tirassem dali, por isso peguei minha espada e transformei em um cajado, assim eu poderia me apoiar até chegar no casebre onde a família se encontrava.

• • •「♡」• • •

— Quem está aí? - Era Edward quem pronunciava.

Forcei a porta para abrir e ouvi um engatilhar de uma arma.

— Sou eu, Selena.

Abriram a porta para que eu pudesse entrar, mas pude sentir a mira de um rifle apontada para minha testa. Meu coração acelerou, muito mais do que antes. Semideuses eram instáveis, mas humanos eram mais ainda e podiam ser mais perigosos que qualquer um de nós.

— O que está fazendo? - perguntei tentando parecer destemida.

— Me precavendo. - Respondeu o soldado sem baixar a guarda.

— Aquilo que eu fiz na mata se chama te salvar. - Falei mantendo o contato visual.

— Eu não sei mais em quem acreditar.

— Você não vai me machucar!

— Não tenta fazer isso, bruxa! - Ele apontou para a porta e disparou contra ela.

Me assustei, de fato, mas precisava me manter calma, mesmo que meu coração quase saísse pela boca. Meus olhos não mudavam de direção, assim como os dele que me acertavam, assim como o laser vermelho da mira da arma.

— Meu filho - iniciou a morena — ela salvou nossas vidas, não me parece igual ao outro.

— Eles são traiçoeiros, mãe.

— Selena atacou ele, eu vi com meus próprios olhos. - Retrucou o pai

O soldado respirou fundo e baixou a arma. Erick, o grisalho, tirou o rifle das mãos do filho e colocou-o sentado, novamente, próximo de um fogão a lenha aceso. Olhei o relógio e notei que cinco horas haviam se passado e eu não percebera.

— Você está bem?

Suzana era um mulher bastante diferente e me fez lembrar das cuidadoras do orfanato. De cabelos repicados pelos ombros, ela não aparentava a idade que tinha, tendo uma fisionomia jovem, diferente do marido.

— Sou enfermeira, deixe-me ver essa ferida.

Ajudou-me a sentar no chão e tratou do machucado com cuidado e atenção que eu nunca tivera. Me lembrou de Luna, fazendo com que eu soltasse um sorriso. Pegou uma gaze e passou água oxigenada para limpar ao redor do corte, após isso, usou um pequeno frasco de soro para limpar o local afetado pela lâmina. E, com um apósito, concluiu o curativo com uma pomada que ajudava a acelerar a cicatrização, algo que não ficara em seu melhor estado com o poder que usara para me curar.

— Segure aqui! - Indicou com a mão para a compressa de algodão. — Vou pegar algo para amarrar.

Levantou com calma e, de uma pequena bolsa branca, tirou uma faixa para amarrar o curativo, fazendo isso com tamanha maestria

— Precisa de descanso, mocinha. - Ela sorriu e me serviu uma tigela de caldo de alguma coisa saborosa. — Sua mãe deve ter orgulho da filha que tem...

Meu sorriso bobo deu lugar a algumas lágrimas que não conseguia identificar se eram de alegria ou de tristeza. Afrodite nunca entrara em contato comigo, diferente de Nyx. A primordial havia me dado a vida e, agora, um de seus seguidores tentara me matar. E Héstia, a deusa que me acolheu e me ensinou o que pôde, me tornando uma de suas sacerdotisas. Eu era honrada por tudo o que a olimpiana fizera por mim e estava disposta em lutar contra a primordial sem medo do que pudesse me acontecer.

O que me preocupava era Elena e a maldição de nossa família.

[...]

— Papai?

A voz fina e delicada do molequinho ecoou pelo casebre e, de repente, ele apareceu ao lado do pai: O soldado.

— Sonhei com a mamãe novamente e ela estava linda.

Me surpreendi ao ouvir a voz dele, pois imaginava que não falasse.

— Ela é bonita igual a mamãe - cochichou baixinho, mas todos puderam ouvir.

Só consegui sorrir do jeito mais simpático que conseguia, terminando de comer o caldo logo após. Suzana era ótima na cozinha, mesmo que os ingredientes fossem escassos ali.

— Você quer ver uma coisa? - Chamei o pequeno.

— O que? - Ele respondeu com sua voz doce.

Esfreguei as mãos algumas vezes e fiz surgir pequenas chamas brotarem em minhas palmas. A criança arregalou os olhos e sorriu, deixando os olhos cheios de lágrimas.

— Me ensina a fazer?

— Te ensino, mas precisa dormir mais um pouco.

— Ta bom, tia!

Meus olhos marejaram, mas evitei que as lágrimas caíssem. Desfiz as chamas e vi o Edward levar a criança para um colchonete próximo ao fogão, junto de Erick e sua esposa.

Poucas horas se passaram e apenas Edward e eu continuávamos acordados. Receio um do outro? Provavelmente. Porém, alguma coisa fez com que ele voltasse sua atenção para mim.

— O que te fez aparecer aqui?

Ele ainda estava com o rosto machucado e isso contava com o lábio inchado e o nariz quebrado. Era um jovem bastante atraente, mas era possível notar a tristeza em seus olhos.

— Vim em missão - falei — Os deuses vêem tudo e a sua família, de alguma forma, estava no radar de uma.

— E isso é bom?

— Sua família está viva, eu diria que sim.

Um silêncio de extremo incômodo pairou por ali e o som seria nulo senão fosse pelo crepitar que vinha do fogo que mantinha o lugar aquecido. Sem aguentar mais, me obriguei a perguntar o que me incomodava:

— O que aconteceu com sua esposa?

Talvez eu devesse aprender a ficar quieta ou aguentar a curiosidade, mas trabalhar no Fofocalizando me tornou uma verdadeira fofoqueira, me fazendo querer saber de tudo.

— Ela morreu.

A angústia era notória em seus olhos, mas ele não se deixava abalar. A Seita agira bem em suas emoções, tornaram-no frio.

— Naquela maldita noite que o mundo descobriu vocês...

— Entendo, mas não presenciei esses acontecimentos - respirei fundo — ainda era apenas uma órfã.

— Pois é, seus amigos já matavam pessoas...

— Edward, nem todos nós somos assassinos.

— Você me provou isso, apesar de ainda ter minhas dúvidas.

— Assim não dá, eu prefiro ficar do lado de fora, ao invés de estar na presença de alguém que não confia em mim.

Levantei de onde estava sentada e senti meu ferimento arder, mas mantive minha postura e abri a porta, observando atentamente o buraco feito pelo atirador. Ele ergueu-se com rapidez, colocando-se entre a saída e eu.

— Desculpe, ainda não sei o que pensar.

— Tudo bem, mas eu preciso de ar puro.

Passei ao seu lado, quase encostando meu corpo no dele e senti seu toque menos caloroso acertar minha destra. Se não fosse loucura, eu diria que ouvi o som de violinos tocando ao fundo de tudo, principalmente quando ele inclinou-se para tentar me beijar, coisa que não conseguiu, pois desviei o corpo e fui encarar a noite por algum tempo.

• • •「♡」• • •

Estava frio, ainda bem que a jaquetinha fina me protegia dos ventos gélidos que ardiam diante daquela grande floresta. O ar estava pesado, mas não me fazia desconfiar de nada. Era possível ouvir os passos inquietos de Edward acertando a madeira do assoalho velho que rangia.

— PAAAAAI, SOCORRO!

O grito de Mattew foi agudo e o medo era notório. Corri sem delongar muito e empurrei a porta com força. Encontrei o soldado de arma e punho apontando para o quarto vazio.

— FILHO DA PUTA! - Gritou — EU VOU TE MATAR!

— O que houve?

Antes que alguém respondesse, um grunhido vindo do lado de fora soou e atingiram meus ouvidos:

— Selena, sua desgraçada! - Sua voz era num tom demoníaco. — Eu troco a vida dele pela sua!

O pai da criança saiu correndo e mirou no demônio, mas o segundo era mais rápido e mais sabido, fazendo o soldado, com um sopro de vento, voar mata adentro com arma e tudo.

Mattew voltou a gritar, mas foi interrompido pela mão suja do vilão.

— Solta ele!

— Você disse matar ele?

— Ele é só uma criança!

— Não, ele é um mini-assassino!

— Cala a boca!

— Ele vai ser treinado para nos matar - riu. — Agora saia da minha frente e me deixe matar essa gente imunda!

— Cala a boca! - Minha raiva era aparente, mas me mantive de pé em frente ao aliado de Nyx. — Você deveria ter morrido...

— Nyx é vida, como disse antes. - Gargalhou — Nada morre se ela não quiser!

— Então ela te largou, idiota!

A voz do soldado foi tão rápida quanto seu movimento, que pegou o rifle e acertou a cabeça do maldito ser das trevas, fazendo-o jogar a criança para longe, desaparecendo numa fenda após isso.

— Mattew! - Chamou. — Você está bem?

Antes que pudesses nos preparar, um pequeno tufão tomou conta do meu corpo e jogou o soldado e a criança para longe.

— Você está pedindo para morrer, garota inútil!

Rodopiei algumas vezes no ar e fui jogada contra um pinheiro, algo que me deixou atordoada pela pancada. Sem eu poder me recuperar, senti cinco dedos apertarem meu pescoço. Abri os olhos com dificuldade e vislumbrei o rosto humano do garoto que planejara a morte daquela família.

— Direi para sua irmã que você deixou lembranças...

Um sorriso brotou em seus lábios, mas não melhorou a aparência que estava. Me senti esquisita ao ver o que fizera com aquela criatura no momento em que ateei fogo às roseiras. Uma filha de Afrodite extinguindo a beleza de alguém... Mas ele mereceu!

— Adeus, Selena!

Ele apertou mais meu pescoço e o ar tornou-se nulo em meus pulmões.

— Minha senhora, perdoe minha falha - pensei enquanto meus olhos marejaram — Elena, me perdoe por não ajudar muito com a maldição de nossa família - as lágrimas rolaram sem minhas ordens — pai, me desculpe por não ser forte igual minha irmã...

Ouvi um tiro, mas isso não foi o bastante para me despertar. Desmaiei antes de saber o que acontecia por ali.

• • •「♡」• • •
— narração em terceira pessoa para melhor explicação da situação —

García jazia desacordada quando Edward, com seu rifle em mãos, se aproximava e mirava sua arma na direção da cabeça do aliado de Nyx. A vestal não viu nada, mas o soldado apertou o gatilho e em pouquíssimos segundos o projétil metálico acertou a têmpora direita do demônio, jogando-o por alguns metros pelo impacto causado.

Suzana gritou de medo, mas ao chegar na porta notou que o inimigo caído estava próximo ao corpo da menina, e isso fez com que corresse com a caixa de primeiro socorros até esta. Notou a ausência da respiração alheia, pô-se a fazer uma respiração boca a boca seguida de uma massagem torácica.

O filho da enfermeira correu até a semideusa e auxiliou a mãe. Erick foi rápido ao pegar Mattew nos braços e levar para dentro do casebre.

— Mãe, salva ela - ele estava nervoso, mas não era por conta do demônio que acabara de matar — por favor!

Mattew apareceu na porta, mas ninguém notou sua presença, do mesmo jeito que ninguém - exceto a criança - percebeu a aura que o corpo do soldado emanava. Uma luz fraca num tom amarelado brilhante rodopiou ao redor dos três envolvidos e voltou para o corpo de Edward.

Selena, num susto, voltou a si e impulsionou o corpo para frente, ofegante, conseguir respirar, tendo um pouco de dificuldade para tragar o ar de volta pelos seus brônquios. A mais velha jogou o corpo no chão e sentou-se diante dos outros dois.

— TIAAAA! - O grito do moleque fez a donzela se arrepiar da cabeça aos pés. — Você salvou ela, papai!

— Não, meu filho, foi a vovó...

— Mas eu vi...

A filha da beleza não deixou que a criança terminasse de falar e abraçou fortemente ele, tendo certeza de que ele estava vivo.

— Selena, o seu relógio...

O soldado chamou sua atenção para o objeto que carregava no pulso, fazendo-a notar que faltava menos de um minuto para que o efeito dele ocorresse e tirasse ela dali.

— Vocês sabem como sair daqui?

— Por que da perg...

— Respondam rápido!

— Sim! - Disse a enfermeira.

— Onde encontro vocês?

— Décima avenida de Portland em Oregon! - Suzana foi rápida na resposta, como se soubesse que a vestal precisava ganhar tempo.

— Obrigada! - Proferiu a moçoila enquanto sorria para ela.

Um cricrilar pôde ser ouvido seguido de um segundo e um terceiro.

— Até logo! - Voltou-se para Edward. — Nos vemos em brev...

Antes que ela pudesse terminar sua fala, o relógio cricrilou outras duas vezes e fez com que ela desaparecesse num lampejo vermelho alaranjado, deixando todos ali aquecidos, não só pelo calor, mas com a proteção da deusa da família.

A última coisa que ela viu ali, foram os olhos apaixonados de Edward.

Observações Finais:
  • Pelo que deve ter visto, deixei algumas lacunas em relação aos personagens, mas no fim deste spoiler vai ter a descrição de cada personagem, assim fica mais fácil de entender a postagem. Pretendo usar essas lacunas que deixei em aberto para completar numa próxima postagem (ccfy).

Personagens:
Selena C. García - Filha de Afrodite, legado de Marte e vestal de Héstia.
Héstia - Deusa da lareira, também é conhecida por Vesta pelos romanos
Edward - É um NPC interessante e que terá sua história revelado numa próxima ccfy, mas já lhe adianto que ele é um semideus que desconhece este fato, por isso da aura luminosa ajudando na cura da personagem principal do texto.
Suzana - Uma enfermeira de meia idade com cabelo repicados pelos ombros. É mãe de Edward e possui segredos que todos desconhecem, exceto um deus grego.
Erick - Um homem de, aproximadamente, cinquenta anos que é patriarca de uma família bem sucedida. Acredita ser pai de Edward, mas não faz ideia do que vem pela frente no decorrer de seu futuro.
Mattew - Um molequinho de seis anos com um leve grau de demência, onde, em crise de aflição, não consegue se comunicar. Tem momentos que seu olhar torna-se vazio e sua aparência lembra a de um boneco sem consciência. É filho de Edward com uma moça mortal que veio a falecer em meio ao evento que revelou a existência dos semideuses.
Demônio - Um filho de Éolo que fez um pacto com Nyx e, agora, usufrui dos poderes dos demônios. Conheceu Guitti e tem inveja deste por ele ter sido escolhido para ser o líder dos demônios na época e por ter sido, também, escolhido por Elena.
Itens:
♡ Velociraptor linha Luxo [ Nessa linha não é apenas o conforto que predomina, mas também o poder, apesar de aparentar ser um tênis comum, esse foi fabricado para auxiliar e estimular o semideus a melhorar seus movimentos em combate, o tornando mais forte e mais rápido | Efeito 1: O calçado muda de acordo com o dono e suas preferências, o tênis será alterado magicamente para o modelo que mais o agrada. Efeito 2: Promove +40% de velocidade ao portador. Efeito 3: Quando estiver com o tênis nos pés, golpes relacionados as pernas, como chutes ou saltos ganham 30% a mais de força | Material mágico especial |Sem espaço para gemas | Alfa | Status: 100% sem danos | Mágico | Comprado na Ferreli & García - Mode et style]

♡ Anel da Lareira [Um anel de aparência comum, feito de Bronze celestial e que se encaixa em qualquer dedo de preferência da vestal, sendo que ao ser utilizado por outra pessoa o anel irá diminuir ou aumentar. | O anel, ao ser ativado possui três tipos de fogo, porém eles só poderão – cada um – ser utilizados uma vez por missão, mvp, pvp ou evento. O primeiro irá liberar um fogo avermelhado, que pode ser posto em armas, provocando +30 de dano. O segundo é um fogo azul, que irá curar em 10% os aliados próximos (até cinco metros de distância) e, por último, há um esverdeado, que aumenta a velocidade a vestal em 15%. | Bronze Celestial. | Não possui espaço para gemas. | Resistência beta. | 100%, sem danos. | Nível 3. | Lendária. | Presente de Reclamação do grupo Vestais de Héstia/Vesta.]

♡ Rage [Espada longa, com cerca de um metro de comprimento e largura consideravelmente grande. É tão afiada que um mero toque é capaz de causar ferimentos, possuindo setenta centímetros da ponta à base. Abaixo da base, a guarda da arma é o entalhe da cabeça de um javali, feita em ferro e com dois rubis em seus olhos, aparentemente foscos e apagados. O punho é feito de madeira, e seu design permite que a espada seja segurada com uma ou duas mãos – embora a força exigida seja bem maior caso seja empunhada com apenas uma. | Madeira e bronze celestial | Quando o dono da espada entra em combate, as joias do javali começam a brilhar em um tom intenso de vermelho. Sempre que a espada causa dano em um inimigo, ela suga parte da vida retirada – 25% - e passa para o portador, caso este esteja ferido, restaurando assim parte da sua vida | Não possui espaços para gemas | Comum | Resistência: Gama | Status: 100%, sem danos | Comum | Comprado na loja ].

♡ Arsenal [Anel brilhante com uma pedra preciosa, esbranquiçada e minúscula em seu centro | Aço | . Possui o efeito de alterar uma arma, mudando assim sua forma, detalhes, e qualquer outra coisa que o portador desejar, desde que as alterações sejam apenas físicas. Ou seja, utilizando o efeito do anel, é possível transformar uma lança em uma espada ou faca, ou qualquer outro item de ataque. Um escudo circular pode ser transformado em um broquel, ou um escudo de corpo. Os materiais dos itens podem ser alterados, mas seus efeitos sempre serão os mesmos (exemplo: uma espada elétrica ainda causaria dano por eletricidade se transformada em uma lança) | Não possui espaços para gemas | Comum | Resistência: Sigma | Status: 100%, sem danos | Comum | Comprado na loja ].

♡ Guided by Nyx [Um mapa feito com uma folha de bronze celestial capaz de direcionar o dono para onde ele desejar. | Efeito 1: O item mostra todos que estiverem em seu perímetro (200 metros),inclusive o portado que sempre estará no centro. Ele identifica monstro com uma pequena bolinha vermelha e semideuses com bolinhas azuis. Não funciona com deuses.| Efeito 2: Torna-se uma bússola de cor preta com pequenas pedras coloridas que lembram estrelas. | Bronze celestial e pedras | Sem espaço para gemas | Beta | Status: 100% sem danos | Mágico | Herança de Nyx]

♡ 15's Ring [ Um anel vintage rose gold de 18 quilates, com uma pedra de diamante incrustada no centro, acompanhada de pequenas pedras na circunferência. | Efeito: Quando utilizado, aumenta a eficácia dos poderes de charme e sedução em 15%. | Ouro rosa | Comum | Status: 100%, sem danos | Presente de Afrodite ]
Vestais:
Passivos:
Nível 1
Nome do poder: Aura pacífica
Descrição: Assim como Héstia/Vesta é uma deusa tranquila e pacífica, suas seguidoras têm uma aura que emana tranquilidade e têm uma presença pacificadora.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Os adversários podem hesitar ao atacar a vestal, pois ela não emana perigo.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Perfeição Física
Descrição: Na Antiga Roma, havia diversas restrições para as meninas que fossem se tornar sacerdotisas de Vesta, uma delas era não ter nenhuma imperfeição física ou doença. Ao iniciar o sacerdócio nos dias de hoje, Héstia/Vesta abençoa suas seguidoras com a perfeição física e tornam-se saudáveis.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Se a moça tinha algum defeito físico (cicatriz, doença), a bênção recebida ao iniciar o sacerdócio a cura e ela passa a ter uma saúde perfeita.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Abnegação I
Descrição: Assim como a deusa, as vestais não são egoístas e não pensam em si mesmas, pois aprendem a abrir mão de si para ajudar os outros. Quando lutam mais preocupadas em proteger outras pessoas do que a si mesmas, Héstia/Vesta abençoa suas seguidoras dando-lhes mais assertividade em seus golpes.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de assertividade nos golpes.
Dano: O adversário atingido pela vestal perde 5 HP a cada golpe desferido nessas condições.

Nível 5
Nome do poder: Imunidade ao Fogo II
Descrição: Agora a resistência das vestais ao fogo torna-se maior, suportando mais tempo de exposição às chamas e maior intensidade do fogo. Neste nível, também são imunes ao fogo grego e chamas com magias ou encantos diferentes.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Em contato com o fogo grego ou encantado, a vestal poderá se sentir levemente atordoada e sentir o corpo arder, mas não será afetada por ele.
Dano: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Resistência I
Descrição: As vestais são abençoadas com mais resistência física, suportando períodos de tempo relativamente longos em atividade física.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +15% resistência física
Dano: Nenhum

Nível 10
Nome do poder: Corpo aquecido
Descrição: Devido à relação que as vestais possuem com o fogo, seu corpo torna-se aquecido e a temperatura natural faz parecer que estão constantemente com febre. Assim, as vestais tornam-se imunes ao frio e às baixas temperaturas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Imunidade ao frio e às baixas temperaturas.
Dano: Nenhum

Nível 12
Nome do poder: Mente Blindada I
Descrição: Devido à espiritualidade do sacerdócio das vestais e exigência de horas concentradas em suas atividades, a mente das vestais torna-se blindada a ataques. Neste nível, apenas impede que outras pessoas leiam sua mente e pequenos ataques mentais.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Não afeta personagens ou adversários mais fortes que a vestal.

Nível 13
Nome do poder: Cura através do fogo II
Descrição: Com mais experiência e tempo de sacerdócio, a vestal agora consegue se recuperar melhor em contato com o fogo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera 60hp e 60mp a cada turno em contato com o fogo.
Dano: Nenhum

Nível 15
Nome do poder: Perícia com Espadas II
Descrição: A sacerdotisa evoluiu conforme seu treinamento e agora consegue executar esquivas, atacar e defender com a arma com uma vantagem impressionante, diferente de campistas que não tem esse dom natural com a arma. Além disso, seus movimentos parecem mais elaborados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +70% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: +30% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.

Nível 16
Nome do poder: Amor Familiar
Descrição: A presença de uma vestal ao lado de seus aliados intensifica os laços de união entre eles e a disposição em batalha.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: A vestal inspira mais união entre os aliados, dando-lhes 20% a mais de assertividade em seus golpes.
Dano: Nenhum
Ativos:
Nível 10
Nome do poder: Purificar II
Descrição: A chama sagrada de Héstia/Vesta sempre teve o poder de purificar o mal das casas e cidades consagradas à deusa. Através do fogo, as vestais podem purificar envenenamentos ao tocar na parte atingida, bem como “espantar” forças malignas que sejam mais fracas que ela.
Gasto de Mp: 50 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: A pessoa envenenada (seja um aliado ou a própria vestal) recupera 35% seu HP gradativamente.
Dano: Nenhum

Nível 15
Nome do poder: Pirocinese III
Descrição: Agora as sacerdotisas de Héstia/Vesta conseguem criar fogo através de suas mãos e manipulá-lo, conforme já têm aprendido e aprimorado suas habilidades de controle pirotécnico. Ainda não envolve criação de fogo em grande quantidade, pois caso tente fazer isso, irá se sentir fraca e pode desmaiar. É diferente do já usado em “Mãos Faiscantes” ou “Golpes Flamejantes”, pois o fogo criado a partir desta habilidade pode ser controlado pela semideusa.
Gasto de Mp: 40 MP por turno ativo
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +50% de provocar queimaduras
Dano: 30 a 80 HP

Nível 16
Nome do poder: Centelhas dançantes
Descrição: Criando labaredas cintilantes nas mãos, a vestal é capaz de criar uma chama bela e distrativa aos olhos do seu adversário. Movendo as mãos com suavidade e ritmo, as chamas seguem o movimento em um ritmo que acaba por distrair seu oponente, que fica observando as chamas com certo fascínio.
Gasto de Mp: 50 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: O oponente se distrai admirando o movimento das chamas e fica impossibilitado de atacar por 1 turno. +50% de chances de provocar queimaduras caso seja atingido
Dano: 40 a 80 HP
Afrodite:
Passivos:
Nível 1
Nome do poder: Beleza Natural
Descrição: Os filhos da deusa do amor são campistas naturalmente bonitos e charmosos. A beleza supera a de qualquer outro semideus no acampamento, sendo algo beirando ao sobrenatural. É simplesmente indescritível. Isso faz com que inimigos e aliados acabem se distraindo por sua beleza perturbadora, ou encantados pela mesma.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode deixar o inimigo atordoado durante o primeiro turno, evitando atacar logo de cara, ou se atacar (poderes que exijam miras, ou armas com a mesma característica), irão errar o alvo. Não acertarão o filho de Afrodite/Vênus, pois, de primeira, o inimigo não saberá porque não nutre o desejo de ataca-lo.
Dano: Nenhum

Nível 6
Nome do poder: Passos de Cisnes
Descrição: O semideus possui uma capacidade natural de se movimentar sem fazer barulho. Seus passos são leves, graciosos e charmosos, o que permite ao semideus se mover com facilidade sem ser detectado pela audição normal (audição aguçada ainda poderá captar o semideus se ele provocar ruídos através de folhas e galhos por exemplo).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Não será detectado por inimigos que não possuam audição elevada.
Dano: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Eterna Boa Forma
Descrição: A boa forma que você possui não confere apenas belas curvas, no caso das meninas, ou músculos definidos, no caso dos meninos, mas também confere certa agilidade e destreza para se esquivar de alguns ataques. Isso permite que você ganhe certa facilidade em se esquivar, ou defender em ataques diretos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de defesa, esquiva e agilidade.
Dano: Nenhum

Nível 10
Nome do poder: Equilíbrio Emocional
Descrição: Você consegue controlar seus próprios sentimentos e emoções. Deixando-os equilibrados, o que em batalha, pode ser um trunfo bastante vantajoso, pois, não se deixará levar por truques referentes a sentimentos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Poderes relacionados a paixão, amor, sentimentos, e sedução. Ou qualquer arte semelhança, tem um dano 30% menor sobre o seu personagem.
Dano: Nenhum

Nível 13
Nome do poder: Elasticidade Natural I
Descrição: Uma habilidade relacionada à eterna boa forma dos filhos de Afrodite/Vênus, que agora é capaz de executar e realizar movimentos que exigem muita elasticidade corporal sua e uma excelente condição física. Podem dar saltos maiores, e consegue fazer movimentos únicos, semelhantes aos ginastas e bailarinas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: + 20% em esquiva e flexibilidade
Dano: Nenhum

Nível 14
Nome do poder: Pericia com Adagas II
Descrição: O semideus evoluiu e aprendeu com seus treinos, descobriu suas falhas e conseguiu se desenvolver muito bem. Com a arma em mãos, o filho de Afrodite/Vênus, consegue atacar pontos mais precisos, e recuar se defendendo se for preciso, mas ainda comete alguns erros, deixando sua guarda baixa demais ou alta demais.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +40% de assertividade no manejo de Adagas.
Dano: +15% de dano se a arma do semideus acertar o oponente.

Nível 15
Nome do poder: Perfeccionista
Descrição: Não é apenas beleza, mas também perfeição. Você tende a ser perfeccionista, mas não apenas com você e sua aparência, mas em tudo o que faz. Isso significa que sempre será exigente consigo mesmo, se esforçando para sempre melhorar. Isso será recompensado em seus golpes, que serão praticamente perfeitos com a arma que você adotar, e o dano será consideravelmente maior para seu inimigo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Ataques com uma arma de sua escolha ganham um bônus de força de +20% durante 3 turnos.
Dano: +10% de dano se o oponente for atingido pela arma do semideus.

Nível 16
Nome do poder: Voz Melodiosa
Descrição: Sua voz tem uma melodia que agrada aos ouvidos das outras pessoas. Nem todos escutam a sua voz com o mesmo timbre, será de acordo com aquilo que mais agrada ao ouvinte. Isso facilitará persuasão com pessoas do sexo oposto drasticamente, e com do mesmo sexo influenciará um pouco.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: O poder ativo “charme” do filho de Afrodite/Vênus, ao ser combinado com essa passiva ganha um bônus de força de 20%, podendo causar um estrago ainda maior.
Dano: Nenhum
Ativos:
Nível 6
Nome do poder: Controle das Rosas II
Descrição: O seu poder ficou mais forte, e agora já consegue fazer brotar uma quantidade razoável de roseiras, elas podem prender o inimigo até a cintura, e os espinhos das rosas ficaram maiores, cinco rosas florescem nas roseiras criadas, e elas expelem um perfume enjoativo, que deixa o usuário tonto. Pode fazer crescer apenas para expelir o perfume, ou usa-las para prender inimigos.
Gasto de Mp: 40 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 30 HP.
Extra: O perfume deixa o usuário tonto e enjoado durante um turno

Nível 12
Nome do poder: Charme II
Descrição: A sua voz começa a ser mais persuasiva, fazendo a pessoa fazer coisas um pouco grandiosas por você. Como: Fazer seus deveres, entrar em uma pequena briga. O efeito só dura dois turnos, depois disso a pessoa fica confusa e para de te obedecer, ao menos que você consiga convencer a pessoa mais uma vez.
Gasto de Mp: 30 MP por turno ativo
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Só consegue confundir e persuadir pessoas com nível inferior ou equivalente ao seu.


Selena
Castillo
García
— Eu salvarei a minha família. ❥
avatar
Selena C. García
Lider das Vestais
Lider das Vestais

Mensagens : 149
Idade : 15

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ❥ Scarlet Roses — Trama da Família García

Mensagem por Hélio em Sex Jun 29, 2018 4:19 pm


Selena C. Garcia



Método de Avaliação:

Valores máximos que podem ser obtidos
Enredo e coerência de batalha: 50%
Gramática e ortografia: 20%
Criatividade: 30%
Total de XP que pode ser obtido: 4.000

Enredo e coerência de batalha: 45%
Gramática e ortografia: 15%
Criatividade: 30%

RECOMPENSAS: 3.600 XP e dracmas

Comentários:
Selena, como pode ter notado você conquistou o cargo que tanto pretendia. Entretanto, preciso comentar alguns pontos em que deixou a desejar e que por pouco não te custaram a liderança. Primeiro, alguns erros de digitação e concordância me fizeram descontar alguns pontos nesse quesito. Não foi nada grave, porém, considerando a avaliação mais rígida, resultou na perda considerável de pontos. Além disso, no primeiro quesito, duas coisas foram notadas: a cena onde Edward é empurrado para longe com um vento em um parágrafo e, alguns diálogos abaixo, já aparece de novo na cena sem a descrição de seu retorno. Essa parte foi de difícil compreensão pois faltou a descrição de como ele ressurgiu no momento, o que foi substituído por uma simples fala do personagem; houve também a questão do tempo perdido na casa durante a noite, sendo que sua personagem tinha, bem ou mal, um prazo de doze horas a cumprir.

Peço que preste mais atenção nesses detalhes narrativos no futuro, porque tirando isso você fez uma excelente missão. Ressalto a maneira como todos os personagens da história ficaram em destaque devido suas personalidades (divergentes em alguns pontos, o que ajudou a tornar ainda mais real e profundo). Poucos conseguem distinguir e dar vida a mais de um participante de narrativa ao mesmo tempo. O modo como lidou com o inimigo também foi muito interessante e inteligente. Mas, no fim, o que mais me agradou foi a maneira como mostrou todo o significado de Héstia e o simbolismo do fogo (tanto em seu aspecto positivo e acolhedor quanto no cruel e nocivo). Meus sinceros parabéns, vestal.

Liderança da Vestais conquistada






"He shines upon men and deathless gods, and piercingly he gazes with his eyes from his golden helmet"
☀️
avatar
Hélio
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 41

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ❥ Scarlet Roses — Trama da Família García

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum