The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

[RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Ir em baixo

[RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Emmanuelle S. Henz em Seg Jan 15, 2018 10:23 pm


Ano Novo

Fixas e batalhas realizadas por Emmanuelle serão destinadas a esse tópico.



Emmanuelle Sophie Henz
I'M A QUEEN OF DARKNESS!!!
avatar
Emmanuelle S. Henz
Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon

Mensagens : 992
Idade : 22
Localização : Seguindo em frente..

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Emmanuelle S. Henz em Seg Jan 15, 2018 10:24 pm




Pequeno Ataque
Acho que nada acontece por acaso, sabe?Que no fundo as coisas têm seu plano secreto, embora nós não entendamos.

A corneta de caça soou no acampamento das caçadoras no exato momento em que uma criatura peculiar invadiu a barrada da tenente. Manu estava provando a armadura e se surpreendeu ao dar de cara com um demônio lhe fitando pelo espelho, assim, mal teve tempo de reagir antes de ser atacada.

A criatura a pegou pela cintura e a colou contra o corpo, a fazendo sentir algo afiado ser pressionado contra a armadura em suas costas, sem perfurar devido a proteção. — E pensar que me disseram que seria difícil — Garras afiadas arranharam a barriga da caçadora, fazendo filetes de sangue escorregarem pingando pelo chão.

— E pensar que não estou acostumada com alguém invadindo minha tenda para me observar trocando de roupa... — Rebateu, posicionando uma mão por cima do braço seco da criatura antes de agir sem pensar.

Manu jogou o cotovelo para trás e bateu com esse na barriga iluminada do monstro, que grunhiu e abaixou dando chance a ela de capturar seu braço e curvar para frente, o puxando junto a si e o derrubando no chão. Em seguida afundou sua bota na cara da criatura espinhosa e puxou o colar do pescoço, fazendo a lamina da espada invisível crescer por entre seus dedos, emitindo um brilho que fez o demônio se contorcer para tentar escapar.

— Pensar que seria fácil foi seu primeiro erro — Manu segurou o cabo da lamina com ambas as mãos para firma-la da maneira que queria, então desceu a lamina com força de encontro ao corpo da criatura, afundando-a em sua barriga uma única vez enquanto seu pé esmagava o rosto do demônio.

Sangue negro esguichou pelo chão da barraca, fazendo o monstro gritar e morder a bota da caçadora, soltando uma saraivada de espinhos em sua direção. Sua bochecha foi cortada de leve e seu ombro atingido por uma das flechas, arrancando parte de sua armadura a força e a obrigando a recuar. Manu grunhiu baixinho ao ver o monstro de pé novamente, mas antes que fosse capaz de avançar uma segunda vez foi atingida. Algo se enroscou entre suas pernas e a derrubou de cara no chão sem soltar a lamina. Irritada tentou puxar o pé e se levantar, mas novamente não teve o comando respondido e quando olhou para baixo entendeu o porquê.

As sombras estavam se enroscando em seu corpo, crescendo gradativamente para lhe apertar as pernas e a cintura de forma a mantê-la no chão. — Merda — Rosnou baixinho antes de gritar. — Molly! — Salva pelo gongo. O lobo adentrou a barrada em disparada e pulou de encontro ao corpo do monstro, nesse momento um segundo demônio – que provavelmente tinha seguido o lobo lunar – também invadiu a tenda, tornando a batalha ainda mais intensa para aquelas duas.

Por um curto momento as sombras se desenroscaram do corpo de Emmanuelle, afinal o demônio que as controlava tinha sido atingido e agora não podia machuca-la mais. Com isso, Manu teve tempo de reagir e rolar para o lado sem ser atingida por uma segunda rodada de espinhos voando em sua direção. Espinhos esses que deixaram belos buracos no tecido de sua barraca. — Eu os troquei faz uma semana! — Resmungou, pegando a lamina e a fazendo se chocar contra as garras do monstro ao tentar atingi-lo em muito sucesso.

A garota girou o corpo e deslizou a espada para o lado, então tentou uma segunda estocada lateral, algo que também foi prontamente bloqueado pelas pinças da criatura do inferno, que tinha garras longas e fortes o bastante para lhe deter a espada. Contudo, Manu podia perceber que cada vez que fazia também se encolhia de dor. A espada era condutora do elemento luz e tendia a se fortalecer diante a presença das trevas, com aquele demônio não era muito diferente.

Manu se aproveitou dessa brecha para esquivar o corpo uma terceira vez e afundar a lamina de encontro a perna direita da criatura, a fazendo gritar e cair de joelhos no chão. Com isso Manu encontrou a brecha que precisava para atacar o monstro sem ser atingida de volta e desceu a lamina de encontro ao corpo do demônio. Para seu azar as sombras aliadas deste mais uma vez se tornaram presentes.

Seus braços foram agarrados e puxados para trás com força, a fazendo cair de bunda no chão. O demônio aproveitou-se disso para lançar uma espécie de veneno contra a semideusa, algo que prontamente não lhe atingiu devido a armadura que cobria seu corpo. Contudo, foi uma questão de sorte e isso deu a chance que o demônio precisava para se recuperar e se colocar outra vez de pé. Nesse exato momento, Molly apareceu.

A loba lunar estava com o pelo todo sujo de uma gosma negra e mesmo assim avançava com uma ferocidade impressionante. Saltou sobre o demônio com graciosidade, fazendo suas patas se chocarem de encontro ao peito da criatura para derruba-la no chão. Seus dentes se cravaram contra o pescoço do monstro e as sombras que prendiam Manu mais uma vez sumiram. Nisso, Molly foi atirada para o lado e Manu recuperou a espada, para em seguida – sem dar chance do demônio se recuperar – afundar a lamina de encontro a barriga do demônio e puxar para baixo, o rasgando ao meio e o transformando em pó.

— Onde está o outro? — Perguntou ofegante a loba caída.

“Já dei um jeito nele, você estava lenta demais” — Lhe respondeu presunçosa.

— Idiota — Resmungou a morena, fazendo o lobo uivar anunciando a vitória da caçadora.

Passivas:

Nome do poder: Perícia com Oricalcio
Descrição: Armas feitas desse metal divino ganham uma bonificação nas mãos de um filho de Poseidon/Netuno. Isso ocorre por esse material ser encontrado e criado apenas nos oceanos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de assertividade ao usar uma arma feita de oricalcio
Dano: +10% de dano ao usar uma arma feita de oricalcio

Nível 42
Nome do poder: Pericia com Espadas III
Descrição: Você se tornou um mestre com essa lamina e agora pode usa-la para atacar se defender, também consegue desarmar inimigos com mais facilidade e dificilmente deixa que tirem a lamina de suas mãos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +100% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: + 45% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.


Nível 2
Nome do poder: Habilidade de Caça
Descrição: Ao se tornarem seguidoras da Deusa da Lua as semideusas desenvolvem habilidades de caça, como observação e paciência. Podendo seguir rastros de presas estudando o ambiente e localizando pegadas, sangue etc.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 15% de percepção.
Dano: Nenhum.

Nível 3
Nome do poder: Sobrevivência
Descrição: Desde o momento que se juntaram a caçada, tais semideusas se tornam habituadas a vida em meio a florestas, passando a identificar plantas e frutas.  Podendo avaliar aspectos de grama, árvores, vegetais e ambientes que podem dar uma localização exata de onde a semideusa poderia estar.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 7
Nome do poder: Comunicação Animal
Descrição: Comumente aves como falcões, lobos e cães são utilizados em caçadas. De forma que, as caçadoras poderão compreender tais animais e estabelecer comunicação com os mesmos.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 8
Nome do poder: Frieza em Batalha
Descrição: Ao entrarem em batalha, as caçadoras adquirem uma espécie de foco e de frieza. Podendo lutar até ser a última a tombar no campo de guerra sem se abalar por possíveis mortes de companheiras e aliados. No entanto, isso não significa que, após a batalha, a caçadora não seja atingida pela dor da perda de companheiros.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 12
Nome do poder: Conhecimento Bélico
Descrição: As caçadoras naturalmente acabam adquirindo um grande conhecimento sobre armas, sejam brancas ou de fogo.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 13
Nome do poder: Força
Descrição: Ao lutarem em um ambiente natural, como florestas, a força da semideusa se torna maior, pois estão no local que as fortalece. Sendo mais difícil derrota-las.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 30% de força ao lutarem em florestas.
Dano: Nenhum.

Nível 17
Nome do poder: Instintos
Descrição: Habituadas a vida longe de grandes cidades, as caçadoras desenvolvem ao máximo os seus instintos – que são uteis em batalhas e caçadas –, passando a pressentir quando o perigo se aproxima.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 27
Nome do poder: Resistência
Descrição: Como imortais e habituadas a movimentação extrema as caçadoras passam a desenvolver uma resistência acima da média, podendo passar mais tempo em corridas e em batalhas, sendo difícil cansa-las.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 30% em resistência.
Dano: Nenhum.

Nível 30
Nome do poder: Habilidade em batalha
Descrição: Tais semideuses tornam-se habilidosas em batalhas, conhecendo pontos fracos de monstros, assim como seus movimentos passam a ser limpos e rápidos, tanto utilizando arcos como facas/adagas. Sendo extremamente evasivas no combate corporal, assim como assertivas.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 50% de velocidade em combates corporais.
Dano: Nenhum.
Armas:

Wyvern [Uma armadura negra e completa com um elmo de traços alados, braçadeiras que cobrem todo o antebraço, tornozeleiras e botas, ombreiras também com traços de asas. O peitoral feminino protege toda a região das costas e do tórax mas, por conta do design e do peso, é isento de metal por boa parte da barriga para não atrapalhar os movimentos da semideusa, tornando-a uma armadura leve. Ao comando da portadora, dois cortes laterais surgem nas costas para deixar uma abertura propicia para o nascimento de suas asas. A calça dessa armadura é feita de tecido negro derretido e encantando em um tecido feito de couro elástico, que gruda perfeitamente, deixando suas curvas mais evidentes. As mesmas propriedades da armadura estão presentes nesse tecido. Dessa forma, a movimentação da semideusa não é prejudicada.  Tal armadura emite um brilho arroxeado discreto. | Efeito 1: Bloqueia 50% de golpes provenientes a qualquer fonte, seja física, mental, elemental ou de outro plano. |Efeito 2: Graças a junção com as asas de Wyvern, essa armadura concede um bônus natural de +20% de velocidade a semideusa. Sendo que, ao desejo dessa essa velocidade poderá ser ampliada em +70% sobre o valor atual de 20%, desde que essa sacrifique 60 MP por turno que a habilidade permanecer ativa. | Material divino| Espaço para uma gema | Alfa Prime | Status: 100% sem danos | Lendária | Evento cavaleiros do zodíaco]

• Durendal [Uma espada de 90 cm de cumprimento, tendo 75cm de lâmina. É uma arma que pode ser usada com duas mãos ou apenas uma, possuindo os dois gumes bastante afiados. Graças a poção de luz, a lâmina irradia um brilho sutil e delicado, porém passa a maior parte do tempo invisível, graças a gema Vex. Apenas a portadora da arma poderá vê-la de fato. | Efeito mecânico: a espada se transforma em um pingente no formato de meia-lua | Efeito 1: graças a poção de luz, a espada provoca 30% de dano a mais contra criaturas das sombras/trevas. | Efeito 2: a espada absorveu a poção de vento, ganhando 50% de imunidade ao elemento e possuindo pequenas chances de repelir o elemento durante a defesa. Também deixou o item levemente invisível, o vento ao redor impede que a lâmina seja detectada por completo, ou seja, fica difícil dizer que arma ela realmente é | Bônus de forja:+15% de dano | Bônus lendário: + 30% de dano crítico.| Oricalcio | Alfa | Gema: Rubi Imperial (+40 de dano); Caos: Joia que é uma pedra negra, usada em itens bélicos para potencializar a arma. Quando acoplada, ela permite que até o dobro do dano base seja retirado; Vex: Adiciona propriedade de vento a arma (torna a arma invisível, pois fica com uma camada fina de vento ao redor, que deixa a lamina praticamente invisível, logo, defender um ataque se torna mais difícil. Ela também fica mais afiada, mais leve, e seus cortes ficam mais profundos e mortais. Adiciona +20 de dano a arma |Status 100%, sem danos | Lendário | Forjado e encantado por Nikolaev]
Kyra



Emmanuelle Sophie Henz
I'M A QUEEN OF DARKNESS!!!
avatar
Emmanuelle S. Henz
Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon

Mensagens : 992
Idade : 22
Localização : Seguindo em frente..

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Emmanuelle S. Henz em Seg Jan 15, 2018 11:04 pm




Fixa de Ano Novo
Acho que nada acontece por acaso, sabe?Que no fundo as coisas têm seu plano secreto, embora nós não entendamos.

— Vai mesmo fazer aquela entrega? Você não parte em missão a meses e ainda tem aquilo — Hanna gesticulou com as mãos, fazendo Manu revirar os olhos enquanto prendia a aljava nas costas e pegava o arco nas mãos.

— Cada passo que dou para mais longe é um passo mais perto que fico de descobrir á verdade — Refletiu divertida, saindo para fora da barraca e assoviando para chamar Sandy, que não demorou nada para pousar ao seu lado. — Cuide de tudo até eu voltar, não vou demorar nada — Manu sorriu, montando no cavalo mágico e partindo em direção ao acampamento.

A garota tinha recebido um chamado especifico para realizar a escolta de uma semideusa mais nova, a novata só tinha realizado poucas missões e ainda não estava cem por cento preparada para enfrentar uma jornada como aquela. Essas foram as palavras de Quiron no bilhete que enviara a caçadora na calada da noite, junto a um pedido anexado do deus Hermes pedindo ajuda. Manu sabia por experiência própria que não se negava um pedido de um deus, as consequências tendem a ser bastante desastrosas.

— Pouse ali — Instruiu o pegado, que delicadamente deixou-a na varanda da casa grande e a aguardou do lado de fora enquanto ela invadia a velha mansão e se juntava ao trio inusitado de deus, centauro e semideusa. — Boa noite — Saudou, fazendo uma breve reverencia a Hermes antes de se juntar a filha de Zeus no sofá.

Diferente do que esperava a menina não lhe parecia forte, mas sim bastante sagaz e inteligente, seus olhos brilhavam com uma compostura familiar de desconfiança que Manu poderia reconhecer em qualquer lugar, afinal seus olhos já tinham ficado daquela mesma maneira. Sorriu de canto enquanto ouvia as instruções do pacote, especificações a respeito da missão e a ordem implícita para que não abrissem o embrulho, independente da circunstância.

Ao fim de tudo o deus lhe entregou um pacote, então partiu a deixando sozinha com o centauro e a garota. Manu trocou um olhar firme e breve com o velho centauro, sabendo o que ele queria dizer, mas que ela não queria e nem estava pronta para ouvir. — Tem medo de altura? — Decidiu ignorar o antigo treinador e se virar para a filha de Zeus, que negou com a cabeça antes de também se levantar.

— Emmanuelle, não se esqueça das aulas de arquearia na quinta feira — Manu assentiu, sabendo que conversariam mais tarde antes de sair porta a fora junto com a nova garota.

Sandy as aguardava do lado de fora e assim que as viu prontamente se colocou em posição para que a dona subisse em suas costas, algo que Manu fez de bom grado antes de estender a mão para a outra menina e ajudá-la a montar. — Segure firme está bem? Não vai ser uma viagem muito longa — Explicou baixinho, puxando de leve as rédeas da Pégaso que prontamente se colocou a correr, abriu as asas e tomou o céu para si.

A viagem que deveria ser tranquila se transformou completamente quando o arrepio familiar desceu pela coluna da semideusa, a deixando totalmente em alerta. Manu poderia ter ignorado aquele simples aviso, não fosse o fato de que a menor em suas costas também vira alguma coisa e tratara de comunicar a ela. — Harpia... — Sussurrou em resposta, praguejando antes de entregar as rédeas e colocar o corpo parcialmente de lado, com um pouco de dificuldade tinha que admitir. — Sabe guiar? — Perguntou, mas não esperou para ouvir a resposta. — Sandy cuide dela — Manu saltou de cima do cavalo e caiu rapidamente, abrindo as asas antes de puxar o cordão com a espada invisível e inclinar para frente, pegando velocidade enquanto disparava pelo céu em direção aos pássaros. Sim estava sendo imprudente, mas tinha a tira colo uma semideusa, um cavalo mágico e um pacote para ser entregue, perder tempo era tudo que não podia fazer.

A garota acreditava estar com tudo sobre controle e por isso não calculou a rota correta. Ela alcançou o monstro e estava pronta para enfrenta-lo quando percebeu que esse não estava sozinho, outros duas Harpias acompanhavam a primeira em uma pequena emboscada e enquanto a primeira segurava Manu, as outras seguiam em direção ao seu pequeno Pégaso. — Maldição — Rosnou, desviando de um ataque de um jeito atrapalhado antes de empunhar a espada e cortar fora a garra direita do monstro, que raivoso avançou uma segunda vez em direção a ela, atacando com as garras do pé. Manu teria sido atingida em cheio no peito se não tivesse fechado as asas bem a tempo para poder cair mais para baixo. Com isso acabou ganhando apenas um arranhão na bochecha.

A jovem abriu as asas uma segunda vez e avançou com a espada para cima, então fincou a lamina entre as garras do que deveria ser o pé da Harpia e a transformou em pó. Ao terminar com essa virou-se em direção as outras duas, tendo um breve vislumbre da situação em que Eun se encontrava. Uma das Harpias tentava atacar Sandy, mas a Pégaso estava levando a melhor na situação, dando coices no monstro que tentava arranha-la. Já a prole de Zeus puxava a embalagem de Hermes contra o peito enquanto tentava fritar o monstro que a atacava e puxava tentava surrupiar a encomenda. A cena seria divertida se não fosse tão trágica.

Manu avançou para cortar distancia entre ela, as criaturas e suas aliadas, foi aí que viu ambas serem lançadas para longe e para evitar uma nova tragédia ajudou a piorar a situação das duas. A garota manipulou a água do ar e congelou boa parte das asas dos monstros para impedia-las de voar, a queda faria o restante sem necessidade de interferência. Satisfeita com esse resultado a jovem se aproximou de Sandy e Eun, apenas para garantir que ambas estavam bem. — A parte boa de sermos atacadas? — Perguntou risonha. — É que chegamos a cidade sem perceber — Ela apontou para o lado indicando o topo do Empire acima das nuvens, agora bastava que encontrassem o endereço correto e entregassem o pacote de Hermes em segurança. Parte da missão tinha sido cumprida.

...

As ruas da cidade das luzes estavam repletas de pedestres em suas comemorações de fim de ano. Famílias se reuniam em bares e restaurantes e motoristas manobravam carros de cá para lá. O bairro em que se encontravam era próximo a periferia da cidade, contudo só abrigava pessoas e lojas de classe média que ficavam abertas até tarde da noite. Manu se surpreendeu ao perceber que o endereço do pacote de Hermes era destinado a uma dessas lojas, mas não se surpreendeu com a decoração cafona de um dos personagens da Disney.

New York assim como varias outras cidades tendia a promover aqueles personagens para chamar atenção de crianças e adultos, e conseguia isso facilmente. As garotas atravessaram a rua com facilidade, um jovem lhe entregou um panfleto e ambas adentraram a lanchonete nomeada como “bolinho do monstro”. Logo na entrada Eun pediu informações a respeito do dono e facilmente conseguiu que o atendente lhe indicasse o caminho, algo que deixou Emmanuelle em alerta e totalmente desconfiada. A situação por si só não lhe agradava muito, mas a fazia refletir em silencio enquanto seguia a mais nova para os fundos da loja. Arrepios contínuos perpassavam sua pele a fazendo estremecer enquanto tudo naquele lugar gritava “perigo”.

Ela não teria se metido naquela enrascada se tivesse escutado aquele aviso... mas seu corpo traiçoeiro jamais a enganou, sua mente é que a fez parecer uma completa boba.

Três batidas na porta do escritório foram o suficiente para que essa fosse escancarada e as garotas adentrassem o pequeno cômodo. Nisso, Eun estendeu o pacote ao dono da loja e com breves palavras explicou o que significava. Manu levou a mão a correntinha e focou o olhar no dele, o cheiro do escritório a incomodava e os arrepios continuavam subindo por sua pele. Contudo, foi só quando seus olhos se fixaram no rosto do monstro que ela entendeu o porquê.

— Ciclope — Murmurou alto, puxando a corrente e ativando a espada mais uma vez. — Eun, corra! — Gritou, avançando contra o monstro pronta para lhe atacar quando um ruído alto lhe chamou a atenção.

A porta tinha sido fechada com força e por ela outros dois ciclopes tinham entrado. Pela segunda vez no dia as duas jovens tinham sido encurraladas por não notar o obvio. Bolinho monstro? Igual loja de monstro.

— Não tão rápido jantar — Manu grunhiu perante a fala do ciclope, que fez a raiva entorpecer todos os seus sentidos e se mesclar ao ataque da prima, que impetuosa como era não pensou duas vezes antes de lançar uma bola de energia de encontro ao ciclope a sua esquerda. Com isso, os outros dois reagiram e acabou que a situação pirou três vezes mais.

Manu vislumbrou o exato momento em que a mesa de madeira voou de encontro ao seu corpo, a obrigando a se atirar por cima dela para poder se safar daquele ataque. A mesa passou voando por baixo de seu corpo e atingiu o ciclope atrás de si, dando chance de Manu correr em direção a criatura a sua frente.

A garota se abaixou para escapar de um soco do monstro e afundou a lamina em sua coxa, em seguida, girou com uma maestria impressionante e executou uma segunda estocada lateral perto do quadril do monstro, que crescera gradativamente com a falta da nevoa. Ele era apenas um filhote, devia ter cerca de dois metros e meio – o que para um padrão de ciclope é considerado pequeno – além de ser bastante resistente. A lamina de Manu tinha causado apenas arranhões superficiais no corpo da criatura, que urrou alto antes de pega-la pelo pescoço e prensa-la de encontro a estante de livros do escritório logo atrás de si. A força do impacto a deixou totalmente mole e a falta de ar a fez parar de pensar por um curto momento. Contudo, parte de si ainda processava que ela não estava sozinha e que Eun precisava da ajuda dela para sobreviver aquela batalha.

Manu se recusava a perder mais alguém.

A jovem chutou o meio entre as pernas do ciclope com certa força, o obrigando a solta-la de maneira rude. Caiu no chão em seguida, ofegando em busca de ar antes de ter chance de recuperar a espada, e afunda-la na barriga do ciclope ainda caído no chão com as mãos entre as pernas. O monstro não teve nem chance de reagir perante o ato cruel da caçadora, que novamente puxou a espada e a afundou sobre sua carne, perfurando seu coração.

Pó dourado manchou o tapete no exato momento em que uma segunda sombra se fez presente e a esmurrou nas costas, a fazendo cair de joelhos no chão. Manu segurou a espada com firmeza e jogou-se para o lado antes de quase ser atingida uma segunda vez, em seguida colocou-se de pé em um pulo e cortou fora a mão do ciclope, que urrou e tentou lhe atingir com um novo soco. A jovem se abaixou bem a tempo, girou a espada em mãos e cortou o tronco da criatura de baixo para cima antes de perfurar seu coração – exatamente como fizera com o primeiro – transformando-o em pó.

O olhar de Manu se ergueu para vislumbrar a outra garota, e foi assim que a encontrou deitada em uma pilha de pó dourado. Correu em direção a ela e tentou fazê-la reagir, contudo não obteve sucesso em sua empreitada. — Mas que merda! — Hermes era um deus idiota. Esse era o pensamento que a consumia no momento, tinha levado duas semideusas direto para uma emboscada e quase as feito de jantar e pior! O pacote sobre a mesa estava completamente vazio. Manu rosnou frustrada e sem pensar muito pegou a loirinha nos braços. Ela era pesada sim, mas não o suficiente para impedir Manu de leva-la consigo. Relataria o ocorrido a Quiron, mas primeiro devolveria Eun ao acampamento em segurança, a noite já tinha sido estranha demais afinal.

Passivas:

Nome do poder: Perícia com Oricalcio
Descrição: Armas feitas desse metal divino ganham uma bonificação nas mãos de um filho de Poseidon/Netuno. Isso ocorre por esse material ser encontrado e criado apenas nos oceanos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de assertividade ao usar uma arma feita de oricalcio
Dano: +10% de dano ao usar uma arma feita de oricalcio

Nível 42
Nome do poder: Pericia com Espadas III
Descrição: Você se tornou um mestre com essa lamina e agora pode usa-la para atacar se defender, também consegue desarmar inimigos com mais facilidade e dificilmente deixa que tirem a lamina de suas mãos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +100% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: + 45% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.


Nível 2
Nome do poder: Habilidade de Caça
Descrição: Ao se tornarem seguidoras da Deusa da Lua as semideusas desenvolvem habilidades de caça, como observação e paciência. Podendo seguir rastros de presas estudando o ambiente e localizando pegadas, sangue etc.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 15% de percepção.
Dano: Nenhum.

Nível 3
Nome do poder: Sobrevivência
Descrição: Desde o momento que se juntaram a caçada, tais semideusas se tornam habituadas a vida em meio a florestas, passando a identificar plantas e frutas. Podendo avaliar aspectos de grama, árvores, vegetais e ambientes que podem dar uma localização exata de onde a semideusa poderia estar.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 7
Nome do poder: Comunicação Animal
Descrição: Comumente aves como falcões, lobos e cães são utilizados em caçadas. De forma que, as caçadoras poderão compreender tais animais e estabelecer comunicação com os mesmos.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 8
Nome do poder: Frieza em Batalha
Descrição: Ao entrarem em batalha, as caçadoras adquirem uma espécie de foco e de frieza. Podendo lutar até ser a última a tombar no campo de guerra sem se abalar por possíveis mortes de companheiras e aliados. No entanto, isso não significa que, após a batalha, a caçadora não seja atingida pela dor da perda de companheiros.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 12
Nome do poder: Conhecimento Bélico
Descrição: As caçadoras naturalmente acabam adquirindo um grande conhecimento sobre armas, sejam brancas ou de fogo.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 13
Nome do poder: Força
Descrição: Ao lutarem em um ambiente natural, como florestas, a força da semideusa se torna maior, pois estão no local que as fortalece. Sendo mais difícil derrota-las.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 30% de força ao lutarem em florestas.
Dano: Nenhum.

Nível 17
Nome do poder: Instintos
Descrição: Habituadas a vida longe de grandes cidades, as caçadoras desenvolvem ao máximo os seus instintos – que são uteis em batalhas e caçadas –, passando a pressentir quando o perigo se aproxima.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 27
Nome do poder: Resistência
Descrição: Como imortais e habituadas a movimentação extrema as caçadoras passam a desenvolver uma resistência acima da média, podendo passar mais tempo em corridas e em batalhas, sendo difícil cansa-las.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 30% em resistência.
Dano: Nenhum.

Nível 30
Nome do poder: Habilidade em batalha
Descrição: Tais semideuses tornam-se habilidosas em batalhas, conhecendo pontos fracos de monstros, assim como seus movimentos passam a ser limpos e rápidos, tanto utilizando arcos como facas/adagas. Sendo extremamente evasivas no combate corporal, assim como assertivas.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: + 50% de velocidade em combates corporais.
Dano: Nenhum.
Armas:

• Durendal [Uma espada de 90 cm de cumprimento, tendo 75cm de lâmina. É uma arma que pode ser usada com duas mãos ou apenas uma, possuindo os dois gumes bastante afiados. Graças a poção de luz, a lâmina irradia um brilho sutil e delicado, porém passa a maior parte do tempo invisível, graças a gema Vex. Apenas a portadora da arma poderá vê-la de fato. | Efeito mecânico: a espada se transforma em um pingente no formato de meia-lua | Efeito 1: graças a poção de luz, a espada provoca 30% de dano a mais contra criaturas das sombras/trevas. | Efeito 2: a espada absorveu a poção de vento, ganhando 50% de imunidade ao elemento e possuindo pequenas chances de repelir o elemento durante a defesa. Também deixou o item levemente invisível, o vento ao redor impede que a lâmina seja detectada por completo, ou seja, fica difícil dizer que arma ela realmente é | Bônus de forja:+15% de dano | Bônus lendário: + 30% de dano crítico.| Oricalcio | Alfa | Gema: Rubi Imperial (+40 de dano); Caos: Joia que é uma pedra negra, usada em itens bélicos para potencializar a arma. Quando acoplada, ela permite que até o dobro do dano base seja retirado; Vex: Adiciona propriedade de vento a arma (torna a arma invisível, pois fica com uma camada fina de vento ao redor, que deixa a lamina praticamente invisível, logo, defender um ataque se torna mais difícil. Ela também fica mais afiada, mais leve, e seus cortes ficam mais profundos e mortais. Adiciona +20 de dano a arma |Status 100%, sem danos | Lendário | Forjado e encantado por Nikolaev]
Asas:

O poder do anjo branco: A caçadora de Artemis não se importou em momento algum em morrer por sua irmã se colocando em risco ao enfrentar um titã ou jogar-se em frente de uma arma mortal para salvar a vida de uma deusa, ela provou sua lealdade a sua família e aos deuses do olimpo, sua bravura também despertou a lealdade de uma das pedras, a tornando a terceira dos quatro guardiões de delfos. Suas asas porem são brancas, como as de um verdadeiro anjo, emitem um brilho azulado quando são libertadas, fazendo os inimigos temerem seu poder, são longas e afiadas, podendo resistir a tudo ao seu redor, porem o poder não poderá ser usado por mais de 24 horas se assim ele abusar do poder as asas desaparecerão falhando para com ela, são muito poderosas.
Kyra



Emmanuelle Sophie Henz
I'M A QUEEN OF DARKNESS!!!
avatar
Emmanuelle S. Henz
Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon

Mensagens : 992
Idade : 22
Localização : Seguindo em frente..

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Eun Deokhye em Seg Jan 15, 2018 11:11 pm

“The sparks are gone, replaced by fierce, ugly tears that track down my face. Thunder rumbles somewhere far off and the air is warm. But the humid temperature is gone. The heat has broken and summer will soon be over. Time is passing.”
Ao decorrer da sua breve existência Eun Deokhye tentou socializar com diversos indivíduos – falhando em todas as tentativas – ao ponto que passou a atribuir a culpa aos demais indivíduos, que a rejeitavam pela evidente estranheza que Eun significava. Ao ponto que a própria desistiu, convencendo-se da própria suficiência até que Lola Kim adentrassem em sua vida. Durante a infância nem mesmo o constante tratamento psicológico e psiquiátrico a ajudam e Deokhye via-se obrigada a inventar histórias sobre possíveis amizades e contato realizado com excelência, para que se visse livra da ‘tarefa de casa’. Simplesmente sabia que as pessoas em estranhas a ela e o mesmo era correspondido. Entretanto com o decorrer dos anos e estando inserida dentro do universo mitológico, a Eun passou a perceber que existia determinada maldade intrínseca a existência humana e divina. Mesmo nos indivíduos que se classificavam como bons. De maneira que Deokhye não sentia-se exatamente compelida a confraternizar com indivíduos desconhecidos.

O que ocorria em dado momento. Estava ocupando uma sala privativa pertencente a uma divindade – Hermes em especifico – acompanhada de uma semideusa de aparência intimidadora e silencio tão denso quanto o próprio. O Deus em questão revelou-se como dono do atual estabelecimento, indicando que deveriam realizar uma entrega de uma encomenda misteriosa até que o dia atual se findasse. O problema? Bem, o conflito concentrava-se no fato de precisarem ir para outro estado além do trabalho em equipe que, ao menos aparentemente, nenhuma parecia exatamente colaborativa. Munida da faca e do chicote que em dado momento ainda não era capaz de controlar, Deokhye ergueu-se ao passo que a divindade fazia o objeto surgir como um passe de magia. Tratando-se de um pequeno embrulho que cabia perfeitamente em qualquer bolso ou mochila. A Eun não se importou que Emmanuelle fosse a responsável por portar o objeto, sendo cortês e educada com a mesma, porém calorosa era uma característica impossível de reproduzir naquele momento.

Hermes despediu-se, indicando que deveriam retirar-se para a realização da tarefa atribuída até então. A movimentação até a saída foi rápida e de modo objetivo a Eun viu-se montada em um Pégaso juntamente a veterana, confiando a mesma a condução rumo ao destino final da entrega. Confiante diante da movimentação aérea a qual tomavam em dado instante, apenas mantendo as pernas tensionadas afim que não caísse do ser mágico as mãos formigando para que movesse os braços e os abrisse para aproveitar o voo que raramente via-se capaz de aproveitar diante de ausência de permissão para que pudesse montar tais seres – que inconsciente Deokhye respeitava e zelava, nutrindo relação deveras proveitosa com criaturas do que seres humanos –. A concentração superficial na sensação do vento em contato com o rosto e cabelos, assim como a visão arrebatadora da cidade se dissolveu a medida que uma compreensão fina rastejou até si. Sem compreender de início. Ouvia como sussurros disformes que possuíam apenas um significado, ausente de palavras da forma como conhecia.

A figura materna que possuía tratava-se de uma doutora em história, de forma que o conhecimento sobre tais formas de linguagem em nada lhe eram uma surpresa. Conhecendo sobretudo que a linguagem evoluiu de uma forma rudimentar até o que se tinha na atualidade e... tal linguagem lhe soou familiar, como se fossem algo ao alcance de sua compreensão mas que ocultava-se em dado instante, diante da insuficiência do seu cérebro para recordar-se do que de fato era. Resolveu verbalizar os receios, optando por confiar no julgamento da veterana. Em contrapartida se algo saísse dos conformes a culpa, em grande parte, poderia ser atribuída a prima, Eun sabia do fato. “Existe algo de errado!” comentou alterando o tom de voz para que as palavras chegassem aos ouvidos da outra. E no segundo seguinte a realização e conhecimento rastejaram até o cérebro altivo de Deokhye, ao avistar pássaros realizando voos em proximidade. Compreendendo com perfeição o que pronunciavam.

Tais criaturas assustavam-se diante de uma ave de tamanho avantajado e de aparência anormal, que os engolia em determinados momentos, emitindo alertas de fuga. E de algum modo igualmente anormal tais alertas chegaram a Eun. “Os pássaros estão assustados com alguma outra ave, eles a chamam de gigante e isso pode ser algum monstro.” O próprio alerta verbal e humano deu-se ao passo que a mão esquerda segurou o ombro da caçadora em um apoio para que retirasse o chicote enrolado e preso a própria cintura do suporte que o mantinha fixo em tal local, porém não o desenrolou de imediato preparando o próprio corpo para alguma manobra estupida para que impedisse o pégaso de ser atingido pela própria arma diante da ausência de habilidades notáveis. Estava pronta.

Entretanto Emmanuelle possuía planos distintos, indicando que Eun deveria conduzir Sandy – como ouviu a mesma proferir – saltando de imediato, deixando um grito de horror congelado na garganta de Deokhye que tinha serias duvidas que a própria poderia sobreviver caso caísse de tal altura, confiando no próprio poder de manipulação aérea para manter-se segura. Porém tratava-se de uma filha de Poseidon e as chances de sobrevivência seriam mínimas. O desespero de vislumbrar uma morte quase a atingiu ao passo que asas brotaram das costas alheias e um voo foi efetuado rumo a harpia. Sem perder o tempo que não sabia que possuía Deokhye tornou a amarrar o chicote no suporte utilizando apenas a mão direita para tal, segurando a rédea com a mão livre e mantendo os olhos atentos a movimentação de Emmanuelle e do monstro. Sem controlar o ritmo cardíaco com precisão. De algum modo era capaz de compreender com precisão o que a harpia pronunciava, porém não conseguia dizer o mesmo dos seus pensamentos. Não vendo necessidade de traduzir a imitação fajuta do próprio idioma e que mesclava xingamentos e ameaças mortais.

Traçando uma inclinação lateral Eun alcançou a faca que mantinha presa dentro do all-star, vislumbrando um plano que lhe soava estupido. “Sandy... Você consegue voar em círculos?” A mascote pareceu concordar e Deokhye prosseguiu. “Por favor voo em círculos ao monstro e a Emmanuelle, isso vai impedir que a harpia tenha uma maior área para voar ou para chamar mais monstros” A proximidade permitiu que a pégaso se movesse para realizar o necessário de imediato. Entretanto a revelação de duas harpias fora um bônus não muito bem recebido por Deokhye. Obviamente a pégaso compartilhava de uma opinião similar já que não hesitou em deferir um chute em cheio no rosto de uma das harpias, enviando-a uns bons metros para baixo. Mas o mesmo não poderia ser dito da outra. Que a focava, precisamente o pacote posicionado perto do próprio coração e entregue por Emmanuelle ao realizar o salto suicida.

De algum modo Eun sentiu a própria faca emitir faíscas, assim como as unhas se alongarem de modo anormal, temendo por alguns instantes que estivesse transformando-se em harpia. O que ofereceu uma abertura para que o monstro agarrasse o pacote. Porém Deokhye não o soltou. Deslizando a faca por toda superfície que monstro que encontrava, não muito satisfeita com a situação presente e deferindo gritos de pura raiva. Ganhando arranhões nada agradáveis pelos braços a mãos.

Em um golpe de sorte uma espécie de bola de energia pareceu fluir da ponta de seus dedos, enviando-o diretamente para as narinas dilatadas da harpia que gritou, jogando o corpo para trás e recebendo um coice nada agradável de Sandy. Caindo em um espiral para baixo. “Oh por favor que esses monstros tenham morrido.” Desejou a semideusa deslizando a faca superficialmente pela própria pele, absorvendo a eletricidade ali contida em um ato quase inconsciente ao notar que ainda se encontrava em posse do pacote. Quando se acalmou o suficiente a Eun vasculhou o ar, encontrando Emmanuelle parada ao seu lado, voando e sem nenhum sinal dos monstros enfrentados anteriormente. Proporcionando ondas de alivio imediato para Deokhye que respirou aliviada, volvendo os olhos para analisar a cidade que encontrava-se embaixo de ambas. A condução para o pouso foi efetuado em completa tranquilidade e ela monitorava através das aves a existência de monstros, mas tal poder era falho ao passo que lhe permitia unicamente saber o que era pronunciado por seres alados.

De imediato ambas passaram a percorrer o perímetro da cidade, rumo ao endereço indicado no pacote com uma caligrafia bonita e elegante. Uma letra quase impossível de pertencer a um semideus. Ao atingirem o centro da cidade localizaram a loja de bolinhos nomeado de forma ridícula como Bolinho do monstro, obtendo uma decoração típica de monstros S.A possuindo até um rapaz fantasiado de Sullivan – que não aparentava estar exatamente feliz – na entrada, entregando panfletos aos indivíduos que transitavam pela rua. Deokhye não hesitou em atravessar a rua e adentrar no local que era preenchido por crianças e adolescentes que comiam bolinhos, cookies e outros doces, encarando o rapaz que atendia e que parecia ter uns bons dois metros de altura. “Nós temos uma entrega para o dono, é urgente.” Deokhye indicou, quase intimidando o rapaz que apontou timidamente para uma porta localizada na lateral e longe dos banheiros.

A entrada e murmúrio a respeito da encomenda foram feitos de forma automática pela adolescente de cabelos loiríssimos, sem abandonar a carranca que a acompanhava desde os dez anos. A presença de Emmanuelle demonstrava uma tensão incompreendida por parte de Eun que em dado momento analisava o escritório, sentindo a eletricidade fluir como um ponto de conforto. Prestava nenhuma atenção no que era pronunciado pelo dono até o momento. Aproximando-se da tomada localizada no canto esquerdo incapaz de permanecer quieta por muito tempo. Entretanto em tal movimentação baixa e dada a falta de atenção fez com que a atmosfera parecesse completamente distinta da encontrada anteriormente quando a caçadora pronunciou seu nome em desespero evidente. Ao erguer os olhos vislumbrou três ciclopes de aparência definida facilmente como horrenda. Eun registrou o pedido de Emmanuelle – que não era exatamente uma solicitação – para que corresse. Mas de forma alguma estaria deixando-a para trás.

Em uma posição que a favorecia graças aos dons provenientes do genitor divino Deokhye abaixou-se rente à tomada e da ponta dos dedos surgiram bolas de energia que ela tratou de atingir o ciclope localizado perto da prima, consciente que os danos provocados seriam mínimos, entretanto a distração seria o suficiente. Um dos monstros a vislumbrou com um brilho assassino em seu único olho, não aparentando felicidade. E logo Eun deslizou para baixo da mesa do suposto dono do estabelecimento, retirando o chicote inútil até então do objeto que o mantinha preso a sua cintura e o desenrolando, tendo o seu cumprimento estendido por um metro e meio, o suficiente para não provocar ferimentos na aliada. Entretanto Deokhye permaneceu tempo demais “escondida”, não tendo tempo de reação ao ter a perna agarrada por um dos ciclopes, gritando em um susto evidente e debatendo-se com uma maestria que causaria invejas severas a um magikarp.

De algum modo o chicote passou a adquirir uma coloração quente como fogo e aquilo parecia realmente machucar já que o aperto realizado em seu calcanhar aumentava proporcionalmente aos golpes deferidos contra as pernas do monstro. Talvez um desses golpes tenha sido o de sorte, já que Eun fora largada em determinado ponto, fazendo o corpo chocar-se contra o chão de forma violenta, notando que a mesa não estava mais no local em que se encontrava no momento em que fora capturada e que... Emmanuelle estava em apuros. O Ciclope que a capturara anteriormente parecia pular devido a dor e outro avançava rumo a caçadora. Mas a prima aparentava parecer lidar com a situação e não era o foco imediato da preocupação de Eun. Forçando-se a se pôr de pé a Eun notou que seu tornozelo latejava mais do que deveria, fazendo seu equilíbrio tornar-se negativo assim como a concentração. A solução foi flutuar a alguns centímetros do chão manipulando o ar.

Deokhye pensou que mover-se para a tomada seria uma opção boa, entretanto uma mão de tamanho médio a segurou pelos cabelos e a ergueu, fechando o outro punho e possivelmente preparando-se para soca-la em algum ponto no estomago. Talvez o erro do monstro fora acreditar na passividade e que ela permaneceria estática mesmo com os braços e pernas livres, mesmo machucada e com as costas doendo. De imediato Deokhye lançou o chicote flamejante em torno do pescoço monstruoso, segurando a arma quente com a outra mão – mesmo que isso significasse contrair feridas de queimadura na palma – emitindo ondas de eletricidade que o atingiram em potencial. Fazendo com que o corpo desintegrasse de acordo com o aperto efetuado com uma violência primitiva.

A última lembrança antes de escorregar para a inconsciente fora a de observar montanhas de pó dourado se propagarem pelo ambiente mergulhado em um caos intrínseco a própria existência.

Adendos Importantes.:
Armas:
• Faca de Bronze Celestial [ Uma faca de lâmina curta - cerca de 10 cm - com cabo em madeira envolvido em couro para tornar o manuseio melhor. | Não produz feridas em mortais. | Bronze celestial, madeira e couro. | Sem espaço para gemas. | Alfa. | Status 100%, sem danos. | Comum. | Nível 1. | Item inicial. ]

• Chicote de Nero [Um chicote laminado, que possui no máximo 5 metros e que pode facilmente machucar tanto você quanto seus aliados caso seja utilizado de maneira incorreta, possui uma coloração vermelho-sangue e inicialmente possui um metro de comprimento. Quando segurado por seu legitimo dono os efeitos do chicote são liberados para o uso. | Efeito 1: O chicote pode aumentar, ficando com no máximo 5 metros, assim como qualquer metragem intermediaria entre 1 metro e 5 metros. Efeito 2: O chicote pode ficar quente como fogo, ao longo da sua extensão, podendo provocar danos e queimaduras, entretanto tal efeito irá durar apenas dois turnos e só pode ser ativado uma vez por missão, evento e/ou mvp. | Ouro imperial. | Sem espaço para gemas. | Beta. | Status 100%, sem danos. | Mágica. | Arsenal do acampamento]
Poderes Utilizados:
Passivos.:
Nome do poder: Respiração
Descrição: Os filhos de Zeus/Júpiter não são afetados por grandes altitudes, e assim como os filhos de Poseidon respiram embaixo da água, eles respiram sobre o ar – literalmente – podendo chegar a altitudes elevadas sem ser prejudicado pela pressão do ar, ter sua respiração afetada. Eles respiram naturalmente.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Consegue respirar normal em grandes altitudes
Dano: Nenhum

Nome do poder: Seguido
Descrição: Naturalmente a prole de Zeus/Júpiter possui uma aura de líder que faz com que os campistas e demais semideuses aliados os sigam naturalmente, esperando ordens e afins. No entanto, vale ressaltar que, dificilmente campistas de nível superior ou com grande força mental sejam afetados.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Comunicação
Descrição: O filho de Zeus/Júpiter tem capacidade de se comunicar com aves, e águias, podendo conseguir informações com elas com mais facilidade. Essa habilidade também lhe permite falar com espíritos dos ventos mentalmente, e ao entende-los, você também consegue extrair as coisas deles, favores, e informações com uma facilidade tremenda.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode conseguir informações com aves e espíritos dos ventos.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Proteção
Descrição: Ao entrarem nos domínios dos céus a prole de Zeus/Júpiter será protegida, diminuindo as chances de que algum acidente aéreo ocorra, assim como monstros terão mais receio em atacar tal semideus em pleno ar.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Tal poder funciona apenas quando o semideus está viajando pelo ar, seja em aviões, pégasos ou outro meio de transporte..
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Queda
Descrição: Mesmo se o semideus despencar de grandes altitudes a respiração do mesmo não será alterada, assim como os impactos gerados pelo ar não irão incomoda-lo, entretanto tal poder não irá servir para livra-lo do impacto com o solo/água.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Respeito
Descrição: Por onde quer que vá o filho de Zeus/Júpiter será respeitado, seu pai é o senhor do Olimpo, o que o torna quase um príncipe na terra. Isso faz com que de certa forma o semideus empunha respeito, podendo chegar a ser temido pelos demais campistas, ou invejado. Entretanto tal poder dificilmente irá funcionar com individuos de nível elevado ou força mental forte.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Pode fazer um inimigo hesitar durante o primeiro turno, evitando atacar diretamente.
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Lider I
Descrição: Assim como os filhos de Afrodite são capazes de persuadir pela sedução, os filhos de Zeus/Júpiter tem a capacidade de convencer as mentes mais fracas a segui-los e "acatar" suas ordens graças ao talento em liderar. É, claro que há um limite, alguém certa imunidade aos controles mentais - por exemplo - não será facilmente persuadido. Sendo que dificilmente irá funcionar em um filho de Athena calmo e pleno. Entretanto poderá ter efeito caso estejam em meio a uma batalha ou sofrendo de emoções fortes.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.
Ativos.:

Nome do poder: Bolas de Energia
Descrição: O semideus consegue acumular sobre a ponta dos dedos, cinco esferas de energia pequena, e atira-las contra o inimigo como se fossem balas – só que mais rápidas – que ao baterem contra o corpo do inimigo, deixando a sensação de dormência no local atingido, e o membro ou parte do corpo formigando de uma forma irritante, o deixando mais lento, e atordoado durante um turno inteiro.
Gasto de Mp: 5 MP por esfera de energia
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 7 HP por esfera que atingir o corpo, totalizando 35 HP
Extra: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Extração
Descrição: O semideus, em tal nível, poderá extrair eletricidade de objetos ou casas, no entanto não irá absorver tal eletricidade. Apenas poderá extrair e manipula-la. Sendo que a mesma irá se dissipar em poucos segundos.
Gasto de Mp: 5 de MP.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.
Extra: Nenhum

Nível 9
Nome do poder: Descarga Inicial
Descrição: A prole de Zeus/Júpiter em tal nível poderá manipular a eletricidade, fazendo com que a mesma seja disparada contra um alvo, por exemplo, antes que a mesma seja dissipada. No entanto, é preciso que exista alguma fonte de eletricidade no local.
Gasto de Mp: -15 de MP
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: - 25 de HP, no entanto se o alvo estiver molhado ou com a pele rompida o dano poderá duplicar ou triplicar.
Extra: Nenhum.

Nível 10
Nome do poder: Eletric Aiser
Descrição: Esse poder permite ao semideus filho de Zeus/Júpiter, descarregar uma ponta de energia sobre sua arma, deixando-a eletrizada durante dois turnos. Enquanto a arma do semideus estiver carregada com a potência de raio, faíscas saltarão da lamina, e sua força no impacto terá um efeito maior.
Gasto de Mp: 30 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: A arma fica eletrizada por dois turnos inteiros, e o dano no impacto aumenta.
Dano: 35 HP
Extra: Nenhum

Nome do poder: Parentesco I
Descrição: Assim como águias, as unhas do semideus tornam-se quase impossíveis de quebrar, afiadas e grandes (até 5 cm), podendo arranhar e ferir semideuses, mesmo que superficialmente.
Gasto de Mp: - 5 de MP por turno que estiver ativa.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: - 25 de HP.
Extra: Nenhum.

Nome do poder: Intimidação
Descrição: A prole de Zeus/Júpiter possui um olhar penetrante e, quando enfurecido, os olhos da prole tornam-se – aparentemente – elétricos avisando a inimigos que um golpe logo irá ocorrer. E, quando isso ocorre, o próximo golpe do semideus causa +10 de dano.
Gasto de Mp: -10 de MP
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: +10 de dano.
Dano: Nenhum.
Extra: Nenhum.

Nome do poder: Voo II
Descrição: O semideus aprendeu a controlar a gravidade ao redor do corpo, e ao compreender o que o mantem preso na superfície, também é capaz de solta-la e molda-la da maneira que quiser. Agora já consegue ficar mais tempo, voar mais rapidamente e se erguer em altitudes mais elevadas. Podendo permanecer por mais tempo no céu. Seu controle também melhorou.
Gasto de Mp: 10 MP por turno ativo
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Já pode se erguer até 2 metros do chão.
◦◦◦


It's our nature. We destroy. It's the constant of our kind. No matter the color of blood, man will always fall.
avatar
Eun Deokhye
Sem grupo
Sem grupo

Mensagens : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Nox em Qua Jan 17, 2018 9:27 pm


Entregas atrasadas

Recompensa máxima da missão:  7.000 XP + 7.000 Dracmas + 10 Estrelas.  

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Emmanuelle S. Henz

Realidade de postagem + Ações realizadas: 40%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 15%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 20%

Recompensas finais: 5.250 xp  + 5.250 dracmas + 10 estrelas

Comentário:
Caçadora, você lanchou alguns acentos e algum momento o seu corretor trocou pégasos por pegado e eu fiquei um tempão perdida. Apesar de ter rido disso, uma revisão seria o bastante para os erros bobos que encontrei.

A batalha vai sofrer um desconto maior porque eu acho que não fixaram bem o tamanho que tem um ciclope, mesmo eu considerando que os três eram filhotes de 2,5. Embora encontrar só "filhotes" seja muita sorte e 2,5 é bem pouco... se usarmos imagens de ilustração mitológica, eram criaturas que chegavam facilmente a 10m. Um chute na altura da cabeça para frente tem um impacto pequeno, seria preciso bastante força para nocautear o pobre coitado, ainda mais sendo ele tão resistente. E atingir a coxa de um ciclope adulto precisaria de uma escalada. Mas considerando o tamanho representado, eu estou bem com isso.

Houve alguns trechos um pouco confusos, mas eu gostei do enredo, exceto a parte dos 3 ciclopes pequenos.

Eun Deokhye

Realidade de postagem + Ações realizadas: 40%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 25%

Recompensas finais: 5.950 xp  + 5.950 dracmas + 10 estrelas

Comentários:
Mesmo desconto de enredo que eu dei para a Manu em função do tamanho desses ciclopes, mesmo sendo semideusas poderosas, 3 ciclopes é bastante para se enfrentar no braço. Mesmo que tenham sido definidos como "pequenos", o desconto foi pouco porque com existência do Tyson, eu entendo a lógica de vocês.

Seu desconto foi um pouco menor, porque as suas ações em si não dependiam tanto do tamanho dos pobres. E o fato dele ter te puxado pela perna, levando uma altura considerável denota que não eram tão miúdos assim.


Atualizado por Macária







        Here's the night...






avatar
Nox
deuses primordiais
deuses primordiais

Mensagens : 158

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Macária em Qui Jan 18, 2018 4:44 pm

Demônios Shax


Método de Avaliação:
Valores máximos que podem ser obtidos
12.000 XP - 12.000 dracmas - 24 estrelas



Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas: 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 30%


RECOMPENSAS: 12.000 XP - 12.000 dracmas - 24 estrelas


Comentários:

O texto foi impecável, sendo que notei apenas um erro: "barrada" onde deveria ser "barraca", possivelmente.




this a good death
NOBODY SEEMS TO RECOGNIZE ME IN THE CROWD

avatar
Macária
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 252
Localização : Em qualquer lugar

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Emmanuelle S. Henz - Ano novo.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum