The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

[in]different

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Hélio em Sex Fev 02, 2018 7:54 pm


Lola Kim


Método de Avaliação:

Valores máximos que podem ser obtidos

Máximo de XP da missão: 5.000 XP

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas: 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 30%

RECOMPENSAS: 5.000 XP + 5.000 Dracmas

Comentários:
Sua narrativa foi impressionante e a vingança de Perséfone ainda mais. Você soube dar o toque de drama que sempre conquista os leitores sem forçar o suficiente para afastá-los. Não me prolongarei no veredito: você foi ótima, Lola Kim. Sua maldição foi aprovada do jeito que pediu, ficando então para ti nos contar o que virá a partir dela.

Atualizado.





"He shines upon men and deathless gods, and piercingly he gazes with his eyes from his golden helmet"
☀️
Hélio
Hélio
Deuses Menores
Deuses Menores


Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Eun Deokhye em Qui Set 27, 2018 5:30 pm

“The sparks are gone, replaced by fierce, ugly tears that track down my face. Thunder rumbles somewhere far off and the air is warm. But the humid temperature is gone. The heat has broken and summer will soon be over. Time is passing.”
A luz do sol se filtrava através das copas das árvores, saudando o torso nu de Deokhye, entretanto não era uma escolha exatamente pessoal a ausência de roupas. Suas costas estavam feridas, adornada de uma vermelhidão não característica e pontos onde o sangue recente se mesclava ao sangue seco. Não muito agradável. As experiencias que possuía sobre ferimentos lhe fornecia a certeza de que não deveria deixá-los secar enquanto estivesse vestida, correndo o risco de quando fosse retirar a blusa as feridas pudessem abrir novamente. E ela estava obviamente sozinha, sentada na grama alta e ignorando a perambulação das formigas pelas suas pernas – felizmente vestidas – e o escorrer de mínimos filetes de sangue.

Deokhye concentrava-se principalmente em admirar a vista do lago que se estendia diante dela. Fazia algum tempo desde que ela se sentou perto de uma lagoa para simplesmente apreciar a vista. Era obvio que aquela situação não era exatamente o que se pode nomear como comum, mas Deokhye quase podia fingir que tudo estava indo bem – principalmente se ignorasse a dor que sentia nas próprias costas –. Alheios aos conflitos que regiam a mente da jovem, os pássaros gorjeavam nas árvores. De vez em quando, ela ouvia o bater de suas asas quando eles iam para um local diferente ou decidiam decolar para um pequeno voo antes de voltar. Ela apenas fechou os olhos, por pensar que talvez fosse o natural a ser feito, conectando-se aos sons da natureza.

Deokhye estava há uma semana vagando pelos arredores da floresta e os perigos de viver fora de um dos acampamentos mostrava-se no formato de feridas nas costas de Eun. Seus dedos ainda estavam doloridos de quando havia lutado contra o andarilho e, agora que Lola havia partido em busca do avô – apesar de ter obviamente convidado Deokhye, a semideusa sentia-se como uma intrusa caso chegasse de imediato junto a Kim –, tornando os dias de Eun bastante inúteis e adornados de lutas desgastantes. Ela estava bastante consciente que talvez isso consistisse numa estratégia dos monstros: surgir em um mesmo local e seguirem o mesmo rastro, afim de acabarem com semideuses mais rapidamente.

Pensando nisso, Eun tencionou o corpo quando ouviu o som de cascos contra a grama em algum ponto em suas costas, já sentindo os efeitos que a batalha e o risco a proporcionavam, virando o corpo em direção a provável criatura. A primeira vista assemelhava-se a um cavalo, mas... ele parecia feito de vento, não. Ele parecia feito de tempestade. Como se dentro do seu corpo as mais diversas nuvens e trovões se acumulassem. Deokhye o achou lindo, completamente fascinante, com a crina aparentemente feita de nuvens e sua coloração variando entre o cinza, laranja e azul elétrico. Era egoísmo, mas Eun não gostaria de ser a responsável por aniquilar tal criatura.

Sem pensar em prováveis consequência, Deokhye aproximou-se do cavalo de tempestade, deixando as armas na grama e oferecendo nenhum risco ao... animal. Ela poderia afirmar que seus olhos eram atentos e inteligente, a medindo como se ela representasse um risco palpável. Mas ele mal se mexeu e Deokhye não fez movimentos bruscos, estendendo a mão e deslizando sobre o torço do cavalo, bebendo da eletricidade que provinha do mesmo. “E eletricidade não me machuca, ela me deixa mais forte.” Eun comentou, sentindo o poder fluir pelo seu corpo. E o cavalo bufou, como se soubesse da informação, sacolejando a crina de um lado e outro e espalhando pequenos tufos de nuvem pelo ar. “Você é muito bonito.”

O elogio serviu para fazê-lo empinar a cabeça, batendo os cascos da frente contra o solo. Eun não demorou a conceber a personalidade orgulhosa e inteligente do cavalo, não se impedindo de sorrir, ainda com as mãos plantadas no animal em uma espécie de carinho. Demorou pouco mais de um minuto para Deokhye notar que não se sentia mais incomodada com os ferimentos – até então abertos – nas costas ou em suas mãos, obtendo a percepção que emissão de eletricidade por parte do cavalo não havia sido acidental. “Obrigada pela eletricidade...” E novamente ele sacolejou a crina de um lado a outro, caminhando para frente e mexendo nas coisas de Eun com um obvio desdém. Com o casco ele analisou as poucas armas da semideusa, a blusa laranja do acampamento – usada como toalha para que ela sentasse – e a pequena mochila cheia de roupas e água. Estava obvio que o animal achou aquilo tudo muito pobre e de baixa qualidade.

Mas Eun não sentia-se ofendida, notando que o cavalo estava apenas sendo ele mesmo. “Se está reclamando você deveria ir para outro lugar.” Ela revirou os olhos, voltando a se sentar na grama e jurando ter visto o cavalo imitar o gesto ao deitar-se ao lado de Eun. “Então, acho que posso te chamar de Yasaeng, tudo bem?”
◦◦◦


Poderes:
Passivos:
Nível 19
Nome do poder: Cura Elétrica II
Descrição: Indícios de eletricidade significam restauração e força para o filho de Zeus/Júpiter. Agora, ao entrar em contato direto com ela, o semideus consegue restaurar uma parte maior de sua energia, feridas maiores começam a se fechar e viram pequenas cicatrizes, além disso, as feridas menores desaparecem por completo, e uma parte de sua energia é restaurada. (Só pode ser usado uma vez a cada 3 turnos e a cura só ocorre se a corrente/eletricidade que entrar em contato com o semideus seja igual ou menor a 20mA).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera +50 de HP e 10 de MP
Dano: Nenhum


It's our nature. We destroy. It's the constant of our kind. No matter the color of blood, man will always fall.
Eun Deokhye
Eun Deokhye
Filhos de Zeus
Filhos de Zeus


Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Poseidon em Ter Out 02, 2018 8:22 am


Eun Deokhye


Método de Avaliação:

Valores máximos que podem ser obtidos

Máximo de XP da missão: 6.000 XP

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas: 40%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 30%

RECOMPENSAS: 5.400 XP + 5.400 Dracmas

Yasaeng recebe 120 XP + 1 nível de lealdade
Comentários :
Eun, gostei bastante da sua narrativa. Encontrei pouquíssimos erros gramaticais e achei interessante a forma como você utilizou da energia do animal encontrado para curar seus ferimentos. Infelizmente, me senti apenada por ter de descontar uma porcentagem por não ter tido uma batalha.
Poseidon
Poseidon
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos


Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Lola Kim em Qua Abr 03, 2019 7:50 pm

나비는 파리를 두려워한다.²
The butterfly is afraid of fly.²

Se você comparasse Lola Kim de dezoito anos e Lola Kim de treze anos, veria notáveis diferenças. A garota havia crescido, seu cabelo estava mais curto, embora ainda estivesse abaixo do ombros, a boca tinha sempre um batom vermelho que tentava trazer vida para sua pele pálida e seus olhos escuros continuavam igualmente escuros e com certa dose de ingenuidade, embora, olhando-os mais profundamente, fosse possível perceber o ódio e a ira que os permeava.

Ela havia sobrevivido à Guerra, o que era óbvio. Lola Kim era completamente incapaz de morrer e, ao longo dos anos, ela descobrira que não estava pronta para não se alimentar da energia vital de seres humanos e deixar que sua própria vida acabasse. Temia morrer. E temia o julgamento que seu pai faria de si. Temia os campos de punição.

Mentalmente falando, Lola não devia passar de uma criança. Sua mente era extremamente ingênua para sua idade e ela convivera com pouquíssimas e antigas coisas do mundo exterior. Não sabia muito como lidar com tudo que existia fora das fronteiras do Acampamento. Monstros, deuses, espadas, facas, escudos e alvos eram coisas comuns para a jovem garota. Mas smartphones, televisões, foguetes e computadores eram coisas que ela não compreendia muito bem e, de certo modo, temia mais do que aos seres que pertenciam ao reino de seu pai.

Ela tentava. Tentava ser uma boa menina. Tentava ser gentil e buscava pessoas que pudessem amá-la e que não estivessem tão longe assim de sua hora final. Ela tornava mais fácil e mais suportável os dias finais daqueles que existiam no Asilo da pequena cidade Texana que seu avô morava.

Lola Kim sentou-se na cama de solteiro em seu quarto naquele lugarzinho quase esquecido pelos deuses e monstros. As coisas ali, mesmo para uma filha de Hades, eram muito tranquilas. Recentemente, Lola vinha tendo sonhos estranhos com uma moça. Mais especificamente, uma moça em trabalho de parto. Então, começara a reler seu diário em busca de respostas.

Buscou ali qualquer informação sobre alguma das pessoas que ela levara. Reservava naquele caderninho um espaço para cada pessoa que lhe permitira sobreviver até o mês seguinte. Ela sempre tivera o desejo de se livrar de sua maldição, mas não sabia como poderia fazê-lo. Duvidava que seu pai pudesse ajuda-la e talvez ele até achasse que ela merecia a vida que tinha. Gostava dele, mesmo que nunca tivessem tido algum contato.

A senhora Müller estava em um sono tranquilo. Lola observou a própria mão com alguma preocupação. Estava ali a marca que indicava que era a hora de matar outra vez. Ela puxou a caneta de bico fino e começou a escrever.

“Quarta-feira, 17 de julho.

Alice Müller, 73 anos. Sofre de câncer estágio quatro nos ovários. Gosta de margaridas e amarelo. Tem três filhos, um deles falecido. Possui cinco netos. Ninguém a visita há mais de um ano. Precisei de quatro meses para que ela me chamasse pelo nome de sua filha, Madeline. Precisei de seis meses para ela dizer que poderia fazer qualquer coisa por mim. Hoje eu irei manda-la para meu pai.

Pai, se você sabe como me sinto, mostre-me uma saída. Espero que Alice tenha um bom lugar nos campos Elísios.”


E assim, ela se sentou na maca ao lado da idosa quando esta chamou por seu nome. ― A senhora teve algum sonho ruim? ― tinha um tom gentil ao questiona-la, afagando sua cabeça que estava coberta pelo lenço. Ela não tinha mais cabelo e Lola sempre dava um jeito de conseguir algum lenço novo para ela cobrir a careca.

Menina, você está doente de novo? ― ela perguntou com sua voz frágil. Todos tinham alguma admiração pela cria do submundo por ser voluntária em asilos e hospitais. Mas eles não sabiam de toda a verdade. Lola duvidava que haveria admiração se eles soubessem o que ela fazia de fato. ― Apenas tive uma noite de sono ruim.

Necessito aqui, meu amigo leitor, deixar claro que Lola ficava deploravelmente desgastada conforme sua própria energia vital ia se desgastando. Dentro de uma semana, ela sequer conseguiria sair da cama, mas naquele momento, tinha apenas marcas pretas sob os olhos. Aparentava também estar mais pálida e suas veias pareciam saltar sob a tez fina. ― Então deite aqui comigo, menina. Podemos dormir juntas, o que acha?

Mesmo sabendo que era uma má ideia, ela o fez, colocou a mão marcada na altura da costela da velha e perguntou em tom baixo. ― [color:41e8=#ffffff]Você faria mesmo qualquer coisa por mim? ― a senhora começou a acariciar os fios loiros de Lola e sorriu. ― Claro que sim, querida.

Até mesmo sua vida? ― a pergunta tinha um tom de brincadeira, mas era séria. Bastou que a senhora dissesse um “É claro” para que Lola sentisse sua energia vital fluindo para o próprio corpo. Naquele momento, quando as máquinas pararam seu “bip” para um barulho contínuo, ela sentiu as lágrimas descerem quentes pelas bochechas.

Eu sinto muito... ― foi tudo que ela sussurrou antes de, de fato, ser retirada dali pelos médicos e enfermeiras. Foi colocada para fora da sala e, enquanto declaravam o horário do óbito, ela notou a marca desaparecendo em sua mão.

Agarrou a alça da bolsa, que ela sequer se dera conta de terem lhe entregado, e correu para fora daqueles corredores estéreis. Ela estava vermelha e ofegante quando alcançou a parada de ônibus duas quadras abaixo. Sentou-se no banco sob o sol quente e continuou a chorar copiosamente. Odiava aquela parte. Odiava tanto que queria matar Perséfone por tê-la condenado àquela vida miserável.

Os olhos estavam sensíveis a luz do sol depois que ela tanto chorou. Tinha uma expressão taciturna ao entrar no ônibus e procurar um banco próximo da janela, onde se sentou sem nenhuma hesitação. Fechou os olhos e respirou fundo algumas vezes, tentando esquecer quantas vezes já havia pedido às pessoas que lhe dessem suas vidas e quantas vezes aquilo havia dado certo. Nunca falhava. Especialmente com idosos.

Desceu em frente a Igreja da cidade e caminhou até a parte da capela mortuária, onde pagou por algumas velas que acendeu para Alice. O ar na sala pareceu esfriar e ela olhou ao redor, buscando por alguma coisa que justificasse aquilo, até dar de cara com a presença de um homem asiático de cabelos escuros e feições bonitas. Alguma coisa dizia que ela deveria se comportar, manter-se no seu lugar. Mas Lola avançou um ou dois passos, observando o estranho da cabeça aos pés.

Quem você acha que é? ― a expressão no rosto dele era indecifrável, mas Lola estava triste demais, zangada demais, sem paciência alguma para joguinhos ou brincadeiras. ― Eu tenho mais o que fazer do que conversar com um babaca. ― respondeu rispidamente, pronta para se virar de costas e sair dali. Mas o homem endureceu a expressão e um estranho arrepio percorreu sua espinha, fazendo-a engolir em seco.

Você tem que tomar cuidado com as coisas que diz, Lola. Sei que herdou o meu mal gênio, mas também não estou com tempo ou paciência para lidar com suas malcriações. ― a fala dele fez as pernas de Lola fraquejarem e ela quase caiu no chão sem nem mesmo mover-se. Hades. Nunca havia visto o pai. Havia rezado para ele por tantas vezes que perdera a conta. Pedira auxílio. Misericórdia. Qualquer coisa que pudesse fazer com que ele desse um segundo de atenção para ela e a ajudasse a não sofrer. Mas ali estava ele. E ela não esperava por isso.

Subitamente, se sentiu como a criança de treze anos que havia acabado de se tornar órfã. Jogou a bolsa no chão e, em fúria cega, se aproximou do homem até estar a pouco centímetros dele. ― Eu odeio você. Eu odeio o que você fez com ela e o que deixou aquela mulher fazer conosco. Eu passei toda minha infância implorando pra que você me reconhecesse como sua e você não o fez! Você a deixou morrer. É por sua causa que eu não tenho a única pessoa que verdadeiramente se importou comigo! ― ela estava chorando novamente, queria socar o deus. Mas temia ser fulminada no processo.

Seu peito doía desesperadamente. Queria um abraço. Queria ser abraçada. ― Eu nunca fui boa o bastante para ser sua filha? Foi por isso que você esperou tanto tempo? Você me mandou lá sabendo que eu ia matá-la, não foi? ― ela tinha a voz falha, entrecortada pelo choro e muito baixa mesmo que estivesse carregada de dor. Ter Hades na sua frente era como se cada pedacinho de sua alma fodida tivesse se fragmentado ainda mais. ― Por que me deixou ir? Por que a deixou faz aquilo com ela? Você podia ter mudado as coisas.

Não podia. ― ele respondeu com aparente calma. Como se nada do que ela disse pudesse afetá-lo. ― Deuses não podem interferir no destino de seus filhos. Perséfone não podia me impedir de ficar com sua mãe. Eu não podia te impedir de ir até lá. Era o seu destino, Lola. ― ele parecia tentar explicar a ela o óbvio. A imortal sentia sua cabeça rodando e, em negativa, se afastou dele sentindo-se enjoada. Tal movimento fez com que suas pernas fracas falhassem e ela caísse no chão, ainda chorando como uma criança.

Tudo que sentia era uma imensa dor que tomava conta de cada parcela de seu corpo. Uma dor psicológica e emocional tão intensa que chegava ao seu físico. ― Eu sempre quis que você me reconhecesse. Mas você fez isso justamente quando era a última coisa de que eu precisava. ― não importava o quanto ela fosse forte, naquele momento ela se sentia reduzida a nada. Frágil como uma flor que enfrenta o inverno. ― Me desculpe, criança. Mas não há nada que eu possa fazer, há?

Como me livro disso? Estou cansada de matar. Não quero mais perder pessoas que podem mesmo se importar comigo. É como se eu a continuasse matando. Mês após mês. Hades, eu não quero mais isso. Me diga, como posso me livrar disso? ― ela o olhava através dos olhos enevoados pelas lágrimas que ainda se encontravam ali.

Não posso te ajudar. Isso seria interferência demais. Mas Lola, se lhe serve de consolo. Eu nunca a reclamei porque nunca a vi como minha. Você sempre foi de Amelia. Sempre como ela. Bondosa, doce e forte. Você sempre teve muito mais dela do que de mim até... lembre-se disso, criança. Você vai conseguir achar uma saída. ― e naquele momento, ele sumiu deixando uma garota loira pensativa caída no chão. Lola tentou entender o que ele queria que ela se lembrasse, mas não tinha a menor ideia. Levantou-se e acendeu as velas restantes antes de sair daquela igreja. Tinha mais perguntas do que respostas.

Lola Kim:
Arma Utilizada:
❈ Rosa Negra [Uma espada longa, inteiramente de ferro estígio – desde sua lâmina até seu pomo – sendo que sua lâmina possui 110 cm e seu cabo é todo trabalhado em ranhuras para que a espada tenha mais aderência nas mãos da semideusa, em seu pomo há o desenho perfeito de uma rosa e, pela cor do material, a espada foi batizada “Rosa negra”. | Efeito 1: A lâmina se transforma em uma pulseira, com o pingente de uma rosa. | Efeito 2: Sempre retorna para sua dona dois turnos depois de ela a ter perdido. | Ferro estígio. | Beta. | 100%, sem danos. | Mágica. | Sem espaço para gemas. | Presente de Amelia (Arma de Herança)]

Poderes e Habilidades:

Poderes e Habilidades de Hades:

Poderes Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Respiração subterrânea
Descrição: Respirar em locais de baixa pressão e em locais subterrâneos e fechados é o mesmo que respirar ao ar livre para os filhos de Hades/Plutão, eles não são afetados por locais assim, e chegam a se sentir tão bem quanto ao ar livre, se não melhor.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Não é afetado por locais fechados, cavernas, ou locais com pressão baixa.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Visão Noturna
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão enxergam tão bem no escuro, quanto no claro. A escuridão por magia ainda é capaz de afetar eles, mas a escuridão natural, como apagar a luz, ou entrar em uma caverna sem qualquer claridade não irá afetar o filho do deus dos mortos
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Desde que não seja escuridão magica que impeça a visão, não serão afetados.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Ferro Estígio
Descrição: Esse é o material principal usado pelo rei dos mortos, por esse motivo, os filhos de Hades/Plutão tem certa facilidade em manuseá-los, e ganharão um bônus de força em campo de batalha.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Quando o semideus lutar com armas feitas de Ferro Estígio ganha +10% de força
Dano: 5% de dano a mais se o adversário for acertado pela arma do semideus.

Nível 5
Nome do poder: Pele Fria
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão são naturalmente gelados, sua pele se assemelhava a temperatura de um cubo de gelo, e ao tocarem o inimigo – por estarem gelados – podem causar certo atordoamento.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Ao tocar o inimigo - o fazendo sentir sua temperatura - pode deixa-lo atordoado, o fazendo querer recuar. (Seria o mesmo que tocar um morto).
Dano: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Comunicação Fantasmagórica
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão conseguem ver e falar com mortos, fantasmas e espíritos. Porém não os comanda ou pode dar ordens.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode conseguir informações com fantasmas e mortos, por ser capaz de entende-los.
Dano: Nenhum

Nível 8
Nome do poder: Sentimento
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão são capazes de sentir quando alguém está prestes a morrer, mesmo antes de acontecer. Eles sentem o cheiro, e podem ver a morte se aproximando, o que também pode ser horripilante, pois, sabem que a pessoa está prestes a morrer, algo praticamente inevitável, não podem fazer nada para ajudar, mas saberão.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Funciona como uma premonição, e a pessoa precisa estar perto para sentir (raio de 500 metros), para que esse poder funcione.
Dano: Nenhum

Nível 9
Nome do poder: Domador de Criatura
Descrição: Filhos de Hades/Plutão são capazes de se comunicar mentalmente com criaturas do inferno, e por esse motivo também passam a entende-los. Quando se entende um inimigo, é capaz de saber o que dizer, ou fazer, para manipula-los. Assim sendo, os filhos de Hades/Plutão são capazes de domar criaturas como cães do inferno e esqueletos, porém não podem controla-los. Eles ainda podem escolher o que fazer, mas acabam sendo “dominados” pelo filho de Hades/Plutão.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus:  Podem evitar ser atacados, ou conseguir informações, porque as compreendem e conseguem manipula-las.
Dano: Nenhum

Nível 10
Nome do poder: Aura da Vida
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão são capazes de sentir a aura da vida de alguém. Com isso, poderá saber se uma pessoa cintila ou está com a morte à espreita, isso quer dizer que sabe se a vida da pessoa será longa, ou está com os dias contados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 11
Nome do poder: Transe da Morte
Descrição: O filho de Hades/Plutão entra em uma espécie de hibernação, chamada de o sono da morte (precisam ter as sementes de Persefone, que só podem ser comidas pelos filhos de Hades/Plutão). O Transe de Morte o induz a morrer essencialmente por um dia, o que significa que ele não consome oxigênio e não precisa de nenhum tipo de alimento (além das sementes).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: É um recurso de caso extremo que pode mante-lo vivo.
Dano: Nenhum

Nível 12
Nome do poder: Aura do Medo
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão irradiam um medo intenso de morte, como seu pai, mas em um grau de escala menor. Essa aura pode ser tão forte, que inicialmente pode fazer adversários se afastarem. Mesmo enfraquecido até semideuses mais forte acabam por sentir medo, e é tudo devido a essa aura, algo natural e que não controlam. Essa aura fica mais forte quando o semideus está com raiva.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode fazer os inimigos em batalha recuarem no 1º turno, lhe dando chance de atacar.
Dano: Nenhum

Nível 13
Nome do poder: Imunidade sísmica
Descrição: Em tal nível o semideus desenvolve uma maior resistência a abalos sísmicos e qualquer tipo de terremoto, não sendo tão afetado por eles.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 15
Nome do poder: Visão especial
Descrição: O filho do Deus do submundo consegue enxergar facilmente mesmo através de grandes quantidades de poeira e/ou poluição. Assim como possui facilidade em ver no escuro.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 17
Nome do poder: Pericia Infernal
Descrição: Filhos de Hades/Plutão são mais fortes contra criaturas do inferno, e quando em batalha com criaturas que pertençam ao reino de seu pai (como cães infernais, escorpiões das profundezas, esqueletos e zumbis), e ficam ainda mais poderosos quando lutam com elas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: ganham um bônus de força de +20% em seus poderes ativos.
Dano: Nenhum

Nível 19
Nome do poder: Pericia com Espadas II
Descrição: Filhos de Hades/Plutão são excelentes esgrimistas, e conforme evoluem seu treinamento, essa habilidade também fica mais evidente. Para eles a espada sempre foi uma arma natural, e apesar de terem tido erros, conforme aprendem, também os tornam nulos. Agora são capazes de atacar e se defender com a arma, além de conseguir desarmar um oponente com uma facilidade maior.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +70% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: + 30% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.

Nível 20
Nome do poder: Influencia.
Descrição: Por estar diretamente ligado ao senhor do inferno, os filhos de Hades/Plutão adquirem a capacidade de sentir os mortos que estão por perto, e com isso também conseguem afasta-los. Se manter seguros, ou impedi-los de atacar aliados e a si mesmo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode ordenar os mortos a não atacarem, ou se manterem quietos por até 2 turnos.
Dano: Nenhum

Nível 21
Nome do poder: Pericias com Foices II
Descrição: Conforme seu treinamento evoluiu você aprendeu a manejar a arma com uma habilidade impressionante. Você é claro, sempre teve facilidade em lidar com foices, e agora também descobriu como usa-la ao seu favor. Além de atacar com a arma, também consegue usa-la para se defender.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +70% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: + 30% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.

Nível 25
Nome do poder: Campo de Batalha
Descrição: Quando lutarem no submundo ganharão vantagem de campo sobre os inimigos, +20% de velocidade é +20% de força.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de força e velocidade
Dano: Nenhum

Nível 33
Nome do poder: Cura Sombria III
Descrição: O processo de cura se acelerou, e agora feridas que levavam um bom tempo para se fechar se tornam cicatrizes em poucos minutos. Além disso, aparentemente as sombras também recuperam parte de sua energia, e lhe fazem sentir mais rápido, mais forte.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera +75 de HP e 75 de MP
Dano: Nenhum
Poderes Ativos:

Nenhum.

Poderes e Habilidades de Legado (Perséfone):

Poderes Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza incomum I
Descrição: Os filhos de Perséfone possuem uma beleza bastante incomum. Belos como uma rosa, os mesmos possuem uma aura sombria que os torna bastante obscuros. Isso faz com que monstros e/ou semideuses sintam certa hesitação em avançar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Irão evitar atacar o filho da deusa das flores no primeiro turno.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Botânico
Descrição: Por sua mãe ser a deusa das flores, e da estação primaveril, o semideus consegue distinguir as diferenças entre uma flor e outra, seja pelo perfume, o formato, ou qualquer coisa. Ele sempre saber que flor é, e caso ela tenha algum efeito, veneno, gás, ou apresente perigo, também saberá identifica-los.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Saberá sobre as flores, e propriedades da mesma.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com Cajados I
Descrição: O semideus tem certa facilidade em lidar com cajados, tendo parte da ligação da magia de sua mãe. Contudo, não é tão bom quanto um filho de uma verdadeira feiticeira, e nesse nível, só consegue executar pequenos movimentos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade ao lutar com a arma.
Dano: 5% de dano se for acertado pela magia do semideus.

Nível 4
Nome do poder: Pericia com Espadas I
Descrição: O semideus tem certa facilidade em lidar com espadas, tanto curtas quanto longas, e mesmo sem nunca ter usado uma espada em batalha, saberá o que fazer, mesmo que cometa alguns erros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no manuseio de espadas.
Dano: +5% de dano se o oponente for atingido pela arma do semideus.

Nível 5
Nome do poder: Ligação Magica
Descrição: O semideus é ligado pela magia aos filhos de Hecate/Trivia, e portanto, quando lutam ao lado desses, também se tornam mais fortes. Suas magias ficam mais potentes, e sua destreza em campo também é aumentada.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de força e assertividade ao lutarem ao lado de um filho de Hecate/Trivia.
Dano: +10% de dano em poderes ativos, e em feitiços, se acertarem o alvo.

Poderes Ativos:


Maldição:
Maldição: Flor Imortal
Descrição: Lola foi amaldiçoada pela rainha do submundo a ser imortal, a maldição permite que a menina envelheça até a maioridade (18 anos), sem que sua aparência nunca mais mude. Isso porque a própria Perséfone era cortejada em sua juventude e uma das condições da imortalidade de Lola inclui criar uma conexão de atração (seja romântica ou não) com sua vítima.
Consequência: A imortalidade poderia ser uma bênção, se Lola não precisasse matar para manter a própria vida. Uma rosa começa a surgir na palma da mão direita da semideusa e torna-se mais escura à medida que o tempo da garota vai se esgotando. No entanto, Lola não pode matar uma pessoa qualquer, ela precisa convencer a pessoa a morrer por ela, bem como ter alguma ligação com sua vítima.
Extra: Além da imortalidade, a maldição tem um outro lado "bom", como a semideusa em questão recebeu uma partícula a mais de poder de Perséfone, a cada vez que ela mata alguém (com a condição on game de não usar os poderes de Hades para matar) um novo poder de Perséfone desabrocha, pois seria como se - com a energia vital da pessoa sacrificada - ela alimentasse os genes da deusa que residem em si.



It begins Eclipse
In the shaded shadows where you and I meet
Lola Kim
Lola Kim
Imortais
Imortais


Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Júpiter em Qui Abr 04, 2019 4:45 pm


Avaliação


Método de Avaliação:

Valores máximos que podem ser obtidos

Máximo de XP da missão: 8.000 / 2 = 4.000 XP

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas: 40%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 30%

RECOMPENSAS: 4.000 XP + 8.000 Dracmas + habilidades de nível 6 da lista de Perséfone

Comentários :
Mas menina, que história foi essa? Eu cheguei cheio de vontade de ler uma história fofinha por ler o seu nome e ver o seu avatar e, em meio a postagem, me surpreendo com a história da  Lola. Fiquei entusiasmado por acreditar que uma PP e um nome tão fofo são donos de uma trama tão "macabra". Por outro lado, quero elogiar pelo texto que li e pela postagem envolvente.
Parabéns!

Atualizada!



Que Zeus te perdoe, porque eu não vou!

Júpiter
Júpiter
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos


Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Lola Kim em Seg Maio 06, 2019 7:57 pm

나비는 파리를 두려워한다.²
The butterfly is afraid of fly.²

O olhar de desgosto no rosto de Lola ao olhar o corpo da senhora Kürster caído no chão ainda estava visível quando seu avô, desesperadamente e em vão, tentou fazer ressuscitação. Lola se odiava, se desprezava. Sentia nojo de si mesma por ser tão egoísta a ponto de achar que sua vida valia mais do que a vida de uma pobre senhora que se mudara para a vizinhança três meses antes.

Sabia que como todas as suas vítimas anteriores, aquelas que não estavam às minguas em um leito de hospital, a senhora Kürster seria identificada como vítima de morte súbita. Lola saiu de casa correndo. As lágrimas quentes desciam por suas bochechas e sentia-se perdida e atônita. “Pai, se me ouve, por favor, por favor. Me ajude.”, era uma prece silenciosa, tudo em sua mente. Caiu de quatro no chão assim que empurrou as portas da Igreja daquela cidade miserável. Todo seu corpo doía, embora nada lhe tivesse acontecido, chorava de soluçar com cada parte de seu pequeno corpo estremecendo e chacoalhando em meio ao seu choro de desespero. ― Papai, por favor. Por favor. ― ela continuou a sussurrar. Um vento frio cortou o ambiente ao que as sombras pareceram se tornar mais densas.

Achei que me odiava. ― o deus tinha uma pontada de sarcasmo na voz, mas se abaixou até estar mais ou menos na altura de sua criança. Em um impulso, Lola ergueu-se e o abraçou, chorando copiosamente. Não podia odiar Hades. Não quando ele era tudo que ela teria pela eternidade em que estivesse viva. Seu avô iria morrer, provavelmente por suas mãos. Deok também envelheceria ou, cedo ou tarde, daria a vida por si. Lola tinha medo de morrer. Era essa a grande verdade.

Hades não a fulminou, o que era bom. E parecia ter sido pego de surpresa ao ter a figura pequena, magricela e loira de Lola pendurada em seu pescoço. ― Eu a matei. Eu sempre tenho de matá-los. Todos vão morrer. ― ela ajoelhou-se no chão por um segundo antes de sentar sobre as próprias pernas, ainda fungava, mas estava minimamente mais calma embora as lágrimas de dor e chateação descessem sem serem convidadas. ― Não posso te odiar. Eu só tenho você. Goste ou não, é minha única família que vai durar.

O deus pareceu pensativo e hesitante ao observar o rosto choroso da criança em sua frente. Lola ainda lembrava em muito a menina que ele vira discretamente das sombras. Ela podia não saber, mas ele sempre a vira dormindo ao longo de sua vida. Fazia questão de visita-la. Amelia era como Perséfone e estava no exato local de sempre o ano todo. A Kim não tinha um irmão porque Amelia lhe dissera que não queria outra criança. Apenas Lola seria trabalho o suficiente.

A garota parecia se acalmar aos poucos. ― Por que não vem para o submundo? ― ele questionou ao estreitar os olhos. ― Pode ficar, ao menos enquanto sua avó não estiver. ― a garota negou com a cabeça. ― Não confio em você tanto assim, pai. Além do mais, preciso dos vivos. Dependo deles para manter essa existência miserável que sua mulher incumbiu a mim porque não sabe lidar com os problemas de vocês.

Ela percebeu a ira nos olhos dele quando ele se levantou, talvez cansado demais da gentileza que delegara a filha até aquele momento. Em partes, Lola adoraria ter sido morta. Mas também sabia que não poderia deixar Deokhye sozinha no mundo. Deveria sobreviver até que a outra partisse. ― Você tem de melhorar seus modos, Lola. ― foi tudo o que o deus disse, desaparecendo em sombras.

Lola Kim continuou estática no chão. O aroma que parecia uma misto de amadeirado com cítrico impregnava suas narinas e ela sabia que aquele cheiro vinha de Hades. Um dos cheiros que sua mãe dizia que ele tinha. Pensar em Amelia doía mais do que ela gostava de admitir depois de cinco anos da morte de sua genitora. A garota emaranhou os dedos finos e ossudos pelo cabelo revivendo em sua mente todos os segundos finais da morte de Alexandra Kürster.

[...]

A eslava levou-lhe um pedaço de bolo, notando a indisposição e palidez anormais da jovem loira, fez-lhe um cafuné e a abraçou dizendo o quanto Lola era adorável e se parecia com sua filha. A filha de Hades sentiu um nó se formar em sua garganta quando seus olhos se encheram d’água. ― A senhora daria a vida pela sua filha, senhora Kürster? ― a mulher sorriu e disse risonha. ― Claro, minha menina!

Ela tinha filhos. Netos. Bisnetos. Alguém que a amava. Tinha família. Tinha amor. Mas ainda assim se afeiçoara a Lola. A amaldiçoada Lola. Que tocou em sua face com a mão magricela e fria. ― A senhora também daria sua vida por mim? ― perguntou já com os olhos marejados. A mulher pareceu preocupada ao envolver o pulso de Lola. ― Claro que sim, meu bem! Claro que sim! Aconteceu algo? Está doente?

Mas Lola não respondeu, apenas continuou a acariciar a bochecha magra do rosto fino e bem delineado da senhora de oitenta anos. Sentia enquanto a energia vital dela passava para seu próprio corpo, alimentando cada vez mais aquela parte de si que em tudo se assemelhava com um demônio interior. Lola queria morrer. Mas era fraca demais para enfrentar seu julgamento. Fraca demais para deixar o amor vencer.

O corpo inerte de Alexandra caiu no exato momento em que seu avô entrou pela porta da cozinha, chamando-a pelo nome para que fossem jantar nos vizinhos. A expressão de desprezo por si mesma no rosto de Lola facilmente sendo confundida com desespero e dor. Não que ela não o sentisse. Mas sabia que era sua culpa. Sempre seria sua culpa. Ela era um monstro horrendo e merecia morrer. Não merecia, nunca, voltar ao Acampamento.


[...]

O padre se aproximou da garota e tocou-lhe o ombro. Tinha um sorriso doce, nariz de batata e bochechas bem coradas. Parecia com um papai Noel negro, tinha até a mesma pança. Lola limpou o rosto e levantou-se, pedindo desculpas. Disse que estava apenas em choque pela morte que recém presenciara. Como sempre, seu carisma bastava.

De aparência angelical, ninguém nunca suspeitaria o demônio que ela poderia ser. O padre seria uma de suas vítimas e não tardaria em morrer. E ela sabia disso no exato momento em que passou pelas portas da Igreja para voltar para casa com seu estômago nauseado.

Lola Kim:
Arma Utilizada:
❈ Rosa Negra [Uma espada longa, inteiramente de ferro estígio – desde sua lâmina até seu pomo – sendo que sua lâmina possui 110 cm e seu cabo é todo trabalhado em ranhuras para que a espada tenha mais aderência nas mãos da semideusa, em seu pomo há o desenho perfeito de uma rosa e, pela cor do material, a espada foi batizada “Rosa negra”. | Efeito 1: A lâmina se transforma em uma pulseira, com o pingente de uma rosa. | Efeito 2: Sempre retorna para sua dona dois turnos depois de ela a ter perdido. | Ferro estígio. | Beta. | 100%, sem danos. | Mágica. | Sem espaço para gemas. | Presente de Amelia (Arma de Herança)]

Poderes e Habilidades:

Poderes e Habilidades de Hades:

Poderes Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Respiração subterrânea
Descrição: Respirar em locais de baixa pressão e em locais subterrâneos e fechados é o mesmo que respirar ao ar livre para os filhos de Hades/Plutão, eles não são afetados por locais assim, e chegam a se sentir tão bem quanto ao ar livre, se não melhor.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Não é afetado por locais fechados, cavernas, ou locais com pressão baixa.
Dano: Nenhum

Nome do poder: Visão Noturna
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão enxergam tão bem no escuro, quanto no claro. A escuridão por magia ainda é capaz de afetar eles, mas a escuridão natural, como apagar a luz, ou entrar em uma caverna sem qualquer claridade não irá afetar o filho do deus dos mortos
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Desde que não seja escuridão magica que impeça a visão, não serão afetados.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Ferro Estígio
Descrição: Esse é o material principal usado pelo rei dos mortos, por esse motivo, os filhos de Hades/Plutão tem certa facilidade em manuseá-los, e ganharão um bônus de força em campo de batalha.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Quando o semideus lutar com armas feitas de Ferro Estígio ganha +10% de força
Dano: 5% de dano a mais se o adversário for acertado pela arma do semideus.

Nível 5
Nome do poder: Pele Fria
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão são naturalmente gelados, sua pele se assemelhava a temperatura de um cubo de gelo, e ao tocarem o inimigo – por estarem gelados – podem causar certo atordoamento.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Ao tocar o inimigo - o fazendo sentir sua temperatura - pode deixa-lo atordoado, o fazendo querer recuar. (Seria o mesmo que tocar um morto).
Dano: Nenhum

Nível 7
Nome do poder: Comunicação Fantasmagórica
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão conseguem ver e falar com mortos, fantasmas e espíritos. Porém não os comanda ou pode dar ordens.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode conseguir informações com fantasmas e mortos, por ser capaz de entende-los.
Dano: Nenhum

Nível 8
Nome do poder: Sentimento
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão são capazes de sentir quando alguém está prestes a morrer, mesmo antes de acontecer. Eles sentem o cheiro, e podem ver a morte se aproximando, o que também pode ser horripilante, pois, sabem que a pessoa está prestes a morrer, algo praticamente inevitável, não podem fazer nada para ajudar, mas saberão.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Funciona como uma premonição, e a pessoa precisa estar perto para sentir (raio de 500 metros), para que esse poder funcione.
Dano: Nenhum

Nível 9
Nome do poder: Domador de Criatura
Descrição: Filhos de Hades/Plutão são capazes de se comunicar mentalmente com criaturas do inferno, e por esse motivo também passam a entende-los. Quando se entende um inimigo, é capaz de saber o que dizer, ou fazer, para manipula-los. Assim sendo, os filhos de Hades/Plutão são capazes de domar criaturas como cães do inferno e esqueletos, porém não podem controla-los. Eles ainda podem escolher o que fazer, mas acabam sendo “dominados” pelo filho de Hades/Plutão.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus:  Podem evitar ser atacados, ou conseguir informações, porque as compreendem e conseguem manipula-las.
Dano: Nenhum

Nível 10
Nome do poder: Aura da Vida
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão são capazes de sentir a aura da vida de alguém. Com isso, poderá saber se uma pessoa cintila ou está com a morte à espreita, isso quer dizer que sabe se a vida da pessoa será longa, ou está com os dias contados.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 11
Nome do poder: Transe da Morte
Descrição: O filho de Hades/Plutão entra em uma espécie de hibernação, chamada de o sono da morte (precisam ter as sementes de Persefone, que só podem ser comidas pelos filhos de Hades/Plutão). O Transe de Morte o induz a morrer essencialmente por um dia, o que significa que ele não consome oxigênio e não precisa de nenhum tipo de alimento (além das sementes).
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: É um recurso de caso extremo que pode mante-lo vivo.
Dano: Nenhum

Nível 12
Nome do poder: Aura do Medo
Descrição: Os filhos de Hades/Plutão irradiam um medo intenso de morte, como seu pai, mas em um grau de escala menor. Essa aura pode ser tão forte, que inicialmente pode fazer adversários se afastarem. Mesmo enfraquecido até semideuses mais forte acabam por sentir medo, e é tudo devido a essa aura, algo natural e que não controlam. Essa aura fica mais forte quando o semideus está com raiva.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode fazer os inimigos em batalha recuarem no 1º turno, lhe dando chance de atacar.
Dano: Nenhum

Nível 13
Nome do poder: Imunidade sísmica
Descrição: Em tal nível o semideus desenvolve uma maior resistência a abalos sísmicos e qualquer tipo de terremoto, não sendo tão afetado por eles.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 15
Nome do poder: Visão especial
Descrição: O filho do Deus do submundo consegue enxergar facilmente mesmo através de grandes quantidades de poeira e/ou poluição. Assim como possui facilidade em ver no escuro.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Nenhum.
Dano: Nenhum.

Nível 17
Nome do poder: Pericia Infernal
Descrição: Filhos de Hades/Plutão são mais fortes contra criaturas do inferno, e quando em batalha com criaturas que pertençam ao reino de seu pai (como cães infernais, escorpiões das profundezas, esqueletos e zumbis), e ficam ainda mais poderosos quando lutam com elas.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: ganham um bônus de força de +20% em seus poderes ativos.
Dano: Nenhum

Nível 19
Nome do poder: Pericia com Espadas II
Descrição: Filhos de Hades/Plutão são excelentes esgrimistas, e conforme evoluem seu treinamento, essa habilidade também fica mais evidente. Para eles a espada sempre foi uma arma natural, e apesar de terem tido erros, conforme aprendem, também os tornam nulos. Agora são capazes de atacar e se defender com a arma, além de conseguir desarmar um oponente com uma facilidade maior.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +70% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: + 30% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.

Nível 20
Nome do poder: Influencia.
Descrição: Por estar diretamente ligado ao senhor do inferno, os filhos de Hades/Plutão adquirem a capacidade de sentir os mortos que estão por perto, e com isso também conseguem afasta-los. Se manter seguros, ou impedi-los de atacar aliados e a si mesmo.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Pode ordenar os mortos a não atacarem, ou se manterem quietos por até 2 turnos.
Dano: Nenhum

Nível 21
Nome do poder: Pericias com Foices II
Descrição: Conforme seu treinamento evoluiu você aprendeu a manejar a arma com uma habilidade impressionante. Você é claro, sempre teve facilidade em lidar com foices, e agora também descobriu como usa-la ao seu favor. Além de atacar com a arma, também consegue usa-la para se defender.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +70% de assertividade no manuseio da espada.
Dano: + 30% de dano ao ser acertado pela arma do semideus.

Nível 25
Nome do poder: Campo de Batalha
Descrição: Quando lutarem no submundo ganharão vantagem de campo sobre os inimigos, +20% de velocidade é +20% de força.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +20% de força e velocidade
Dano: Nenhum

Nível 33
Nome do poder: Cura Sombria III
Descrição: O processo de cura se acelerou, e agora feridas que levavam um bom tempo para se fechar se tornam cicatrizes em poucos minutos. Além disso, aparentemente as sombras também recuperam parte de sua energia, e lhe fazem sentir mais rápido, mais forte.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Recupera +75 de HP e 75 de MP
Dano: Nenhum
Poderes Ativos:

Nenhum.

Poderes e Habilidades de Legado (Perséfone):

Poderes Passivos:

Nível 1
Nome do poder: Beleza incomum I
Descrição: Os filhos de Perséfone possuem uma beleza bastante incomum. Belos como uma rosa, os mesmos possuem uma aura sombria que os torna bastante obscuros. Isso faz com que monstros e/ou semideuses sintam certa hesitação em avançar.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Irão evitar atacar o filho da deusa das flores no primeiro turno.
Dano: Nenhum

Nível 2
Nome do poder: Botânico
Descrição: Por sua mãe ser a deusa das flores, e da estação primaveril, o semideus consegue distinguir as diferenças entre uma flor e outra, seja pelo perfume, o formato, ou qualquer coisa. Ele sempre saber que flor é, e caso ela tenha algum efeito, veneno, gás, ou apresente perigo, também saberá identifica-los.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Saberá sobre as flores, e propriedades da mesma.
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Pericia com Cajados I
Descrição: O semideus tem certa facilidade em lidar com cajados, tendo parte da ligação da magia de sua mãe. Contudo, não é tão bom quanto um filho de uma verdadeira feiticeira, e nesse nível, só consegue executar pequenos movimentos.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade ao lutar com a arma.
Dano: 5% de dano se for acertado pela magia do semideus.

Nível 4
Nome do poder: Pericia com Espadas I
Descrição: O semideus tem certa facilidade em lidar com espadas, tanto curtas quanto longas, e mesmo sem nunca ter usado uma espada em batalha, saberá o que fazer, mesmo que cometa alguns erros.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de assertividade no manuseio de espadas.
Dano: +5% de dano se o oponente for atingido pela arma do semideus.

Nível 5
Nome do poder: Ligação Magica
Descrição: O semideus é ligado pela magia aos filhos de Hecate/Trivia, e portanto, quando lutam ao lado desses, também se tornam mais fortes. Suas magias ficam mais potentes, e sua destreza em campo também é aumentada.
Gasto de Mp: Nenhum
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: +10% de força e assertividade ao lutarem ao lado de um filho de Hecate/Trivia.
Dano: +10% de dano em poderes ativos, e em feitiços, se acertarem o alvo.

Poderes Ativos:


Maldição:
Maldição: Flor Imortal
Descrição: Lola foi amaldiçoada pela rainha do submundo a ser imortal, a maldição permite que a menina envelheça até a maioridade (18 anos), sem que sua aparência nunca mais mude. Isso porque a própria Perséfone era cortejada em sua juventude e uma das condições da imortalidade de Lola inclui criar uma conexão de atração (seja romântica ou não) com sua vítima.
Consequência: A imortalidade poderia ser uma bênção, se Lola não precisasse matar para manter a própria vida. Uma rosa começa a surgir na palma da mão direita da semideusa e torna-se mais escura à medida que o tempo da garota vai se esgotando. No entanto, Lola não pode matar uma pessoa qualquer, ela precisa convencer a pessoa a morrer por ela, bem como ter alguma ligação com sua vítima.
Extra: Além da imortalidade, a maldição tem um outro lado "bom", como a semideusa em questão recebeu uma partícula a mais de poder de Perséfone, a cada vez que ela mata alguém (com a condição on game de não usar os poderes de Hades para matar) um novo poder de Perséfone desabrocha, pois seria como se - com a energia vital da pessoa sacrificada - ela alimentasse os genes da deusa que residem em si.
Observação: Poderes de Persefone desbloqueados até o nível 6.



It begins Eclipse
In the shaded shadows where you and I meet
Lola Kim
Lola Kim
Imortais
Imortais


Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Phobos em Ter Maio 07, 2019 3:07 am


Avaliação


Método de Avaliação:

Valores máximos que podem ser obtidos

Máximo de XP da missão: 8.000 XP e dracmas

Realidade de postagem + Ações realizadas – 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc – 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência – 30%

Realidade de postagem + Ações realizadas: 50%
Escrita: Gramática, erros, pontuação, coerência, concordância, etc: 20%
Criatividade/Estratégia em combate + inteligência: 30%

RECOMPENSAS: 8.000 XP e Dracmas

Comentários :
Assim como os demais avaliadores, não me surpreendi ao me deparar com uma escrita tão bem feita e agradável como a sua, sua narração nos envolve, nos faz imaginar passo a passo das personagens descritos no texto, é excelente. Entretanto, tenho de ser sincero em relação a um ponto excencial que, infelizmente, faltou nesta CCFY.

A sua maldição requer que você assassine qualquer pessoa com quem tenha um tipo de atração ou afeto, particularmente acho isso terrivelmente esplêndido, mas foi exatamente o que deveria ter sido melhor desenvolvido: a relação com a velha Kürster. A senhorita me apresentou um ótimo desfecho, mas sem um início necessário, senti falta de compreender como Lola se afeiçoou à mulher, a impressão que tive é que foi apenas uma personagem criada para cumprir o propósito da maldição - sendo citada apenas nesta atual e última CCFY. Como a senhora se tornou tão importante para Kim? A única informação é que a mesma se mudara há 3 meses para a vizinhança, mas fora isso e sua última interação com Lola, não foi apresentado envolvimento o suficiente.

Para fins de coerência on-game, a maldição fez efeito ao assassinar Alexandra, mantendo a imortalidade de Kim intacta, mas devido ao que foi apontado acima, a evolução para o nível 7 dos poderes de Perséfone foi recusada. No mais, concedo-lhe boa sorte, flor infernal.

Atualizado por Athena

Phobos
Phobos
Deuses Estagiários
Deuses Estagiários

Localização : Na sua mente...

Voltar ao Topo Ir em baixo

[in]different - Página 2 Empty Re: [in]different

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum