The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

The Worst Dementor

Ir em baixo

The Worst Dementor

Mensagem por Kalina Blanc em Seg Jul 31, 2017 11:25 pm



THE WORST DEMENTOR
The Worst Dementor é o nome da trama pessoal da semideusa Freya Kravinoff.


  • A prole de Éris sentia-se insignificante, sozinha no meio de um monte de gente que ela não conhecia, ela desejava a morte de várias pessoas e até mesmo desejava a sua própria morte. Seu corpo por dentro está morrendo, ela precisava se alimentar. Ela era conhecida como A Dementadora, mas porque deste nome? Dementadores se alimentam de felicidade humana, e, assim, causa, depressão e desespero para qualquer um perto deles. Freya deseja alimentar-se da felicidade humana, causando depressão e desespero para elas, apenas assim ela irá se sentir melhor.


☠☠


Última edição por Freya Johnstone em Qui Ago 10, 2017 3:33 am, editado 2 vez(es)
avatar
Kalina Blanc
Demônios de Nyx
Demônios de Nyx

Mensagens : 283
Idade : 22
Localização : Anyone knows.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Worst Dementor

Mensagem por Kalina Blanc em Ter Ago 01, 2017 3:11 am



THE WORST DEMENTOR
CAPÍTULO 01: A PIOR MELHOR AMIGA
A noite estava belíssima na colina Meio-Sangue, todos no acampamento já se preparavam para deitar, mas havia uma semideusa em especial que estava calada. Ela não tocou em nenhum momento na comida durante a janta, parecia estar em um outro mundo. Freya pensava sobre tudo o que ocorreu consigo antes de se descobrir uma semideusa, prole de Éris, a causadora da discórdia. A jovem não entendia muito bem o motivo de terem feito coisas que nem mesmo ela conseguia explicar, ela estava insatisfeita por nunca ter feito nada, nem mesmo se defender dos vândalos. Mas, tudo aconteceu a muito tempo atrás, a história que será contada aqui são fatos reais que Freya não gostaria de ficar relembrando, mas ela teria que fazer alguma coisa com este fato, precisava revirar o passado e destruí-lo no presente.

Era época de baile de primavera no colégio, todos tinham de estar acompanhados durante o evento ou não entravam no mesmo. A jovem Freya nunca tinha ligado para isso, mas recebeu uma proposta do até então seu possível primeiro namorado, Chester. De início ela estranhou, afinal ele também não se interessava muito por bailes de primavera, mas Freya decidiu que iria pensar sobre o assunto e contataria o mesmo depois.

A amiga de Freya, Luria, encanada com aquele pedido decidiu encher a sua amiga dizendo que ela deveria ir sim ao baile com Chester, eles se gostavam, então qual era o problema com a jovem Kravinoff? Mas, ainda assim como uma boa e perversa prole de Éris, mesmo não sabendo, Freya desconfiava de tudo. Ela estava com seus pensamentos desnorteados e incompreendidos.

Porém a maldita da Luria havia convencido ela a ir no tal baile da primavera com Chester, durante o dia do baile Freya arrumou-se toda e Luria viu que ela permanecia mais belíssima do que antes, a jovem Luria estava com inveja e planejava fazer algo para que toda atenção da festa fosse apenas dela. Luria estava tomada pela fúria e insidiosa com a fama de Freya.  — Esta garota vai ter o que merece, eu não vou ser deixada de lado por causa dessa maldita... precisarei fazer com que a vida dela acabe aqui, ela irá perder a sua popularidade bem rapidamente com este podre que tenho dela aqui em meu celular. — Balbuciou a melhor amiga da Kravinoff com um olhar ganancioso.

Freya estava tomando um ponche e conversava com Chester, eles eram tão lindos juntos, mas tudo estava prestes a desmoronar com o que Luria iria fazer. Poderia até ser algo clichê o que a perversa faria para detonar a sua afável amiga, mas que trouxe grandes consequências na vida de Freya. Ela nunca foi tão humilhada em sua vida como naquele fatídico dia que ela gostaria de esquecer.

Todos dançavam naquela badalada noite de primavera, bebiam de seus ponches e acompanhados de seus respectivos pares, Freya e Chester eram a alegria da festa, mas não por muito tempo. Eles nem perceberam quando um áudio suspeito começou a ser exibido no telão do ginásio escolar, todos estavam surpresos ao encontrarem Luria e Chester na cama fazendo obscenidades, era a melhor amiga e o namorado de Freya naquelas cenas chocantes. A morena estava transtornada e só queria morrer ali mesmo, como fizeram isso por suas costas? Porque Luria seria capaz de chegar onde chegou para ter o que queria? Ela não era a sua melhor amiga?

Tais atos resultaram em uma expulsão imediata para Chester e Luria, Freya nunca mais pisou na escola, perdia todas as aulas e quase não comia. Ela estava anêmica e poderia sofrer graves consequências por conta disto, seu pai não entendia sua filha, mas ele queria ajuda-la. — Você não precisa ficar assim Freya, eu sei que você irá se recuperar logo e irá passar por cima de tudo, demonstrará para todos a sua coragem e vontade de continuar vivendo, precisa alimentar tudo dentro de si e revigorar-se em uma nova Freya. — Tais palavras do pai da jovem refletiram e muito no que a jovem era hoje. Isso ajudou-a a passar por todos os problemas.

Já agora nos tempos atuais, uma lágrima escorreu das íris esverdeadas da jovem Freya, ela sentia muita falta de seu falecido pai. Era ele que a alimentava, brincava e animava-a em todos os momentos e agora só restará cinzas. A pior melhor amiga Luria teria uma surpresa durante a noite do dia de hoje. A morena intercalou sua roupa a sua espada do caos, ela estava se arrumando para uma visita indesejável.

Luria devia estar bem péssima naquele dia, afinal todo o seu passado também foi bem cruel, sem que Freya fizesse nada, ela mesmo colocou a sua boca no trombone e se ferrou sozinha. Até hoje ela tinha magoas da prole de Éris e desejava nunca mais encontrar-se com a mesma. Pobre Luria, mal sabia que ela teria uma visita desagradável naquela noite.

A prole de Éris preparava tudo o que iria fazer, cada passo incerto poderia culminar com o seu plano de vingança. Era só isso que ela conseguia pensar no momento quando Luria vinha em sua mente. — A minha velha e odiável amiga Luria, eu estou sedenta para alimentar-se de seu sofrimento, quero vê-la com depressão, você vai pagar por tudo o que me fez no passado. Infelizmente você está no final de meu caderno de quem devo azucrinar. Você foi a escolhida, prepara-se! — Vociferou para si mesma no espelho, ela estava com um semblante cruel em seu rosto. Dava para ver o seu olhar de discórdia, ela estava furiosa e iria fazer de tudo para que Luria sofresse cada migalha do que ela havia feito com Freya.

No cair da noite, a prole de Éris estava arrumada. Vestia-se com vestes negras e reluzentes, sua jaqueta de couro fazia-lhe muito bem. A jovem saia sorrateiramente de seu chalé, seus meios-irmãos não viram o que ela iria fazer, algo que era ótimo. Freya viu que ninguém tinha lhe visto e logo saia do acampamento. Ela descia a colina e atravessava a proteção, quaisquer criaturas poderiam pega-la agora, mas ela estava preparada para corta-los com a espada do caos.

Freya logo pediu que um táxi viesse ao seu encontro, ela iria ir pessoalmente visitar o novo apartamento de Luria. Como ela sabia disto? Já fazia dias que a prole da deusa da discórdia estava com esta ideia em mente, ela arquitetou cada detalhe para que não houvessem erros discrepantes em seu elaborável plano. O táxi não demorava muito para avistar a morena, ela logo adentrava ao mesmo enquanto que ouvia músicas aleatórias em seu celular. A viagem foi um pouco demorada, mas ela aproveitava para analisar todas as possibilidades de acerto em seu plano diabólico.

Chegar até o Texas foi fácil, agora o que a jovem morena precisava fazer era executar cada detalhe do seu plano, primeiramente Freya descia do táxi e dirigia-se até o apartamento de Luria, ela chegaria próximo ao mesmo e bateria na porta. Uma jovem morena atendia na hora e surpreendeu-se quando Freya estava ali escancarada enquanto sua faceta mudava de um sorriso irônico para um diabólico. Luria tentou fechar bruscamente a porta, mas Freya segurou-a e derrubou ela no chão. — Você acha mesmo que depois de tudo o que me fez, ainda tem a coragem de bater à porta na cara de um convidado? Que coisa feia Lurinha, está na hora de você aprender uma aula de boas maneiras, o que acha? — Balbuciava Freya sarcástica, Luria estava irritada. Como aquela maldita tinha lhe achado? Quem deu o seu endereço? Estas e mais perguntas labutavam na mente de Luria que logo nem percebeu que Freya tinha lhe colocado sob a parede.

Freya estava com um olhar assassino enquanto prendia Luria, ela queria explicações depois de tudo aquilo que Luria fizera com ela. — Vamos, me conte tudo. Eu quero saber porque você fez aquilo? Você não dizia ser a minha melhor amiga? E me traiu pelas costas, pois isso não é atitude de amiga, mas sim de uma cobra peçonhenta e tóxica. Você tem inveja de mim, de tudo o que conquistei. E você achou que roubando o meu namorado iria me machucar? Você acertou e é por isto que estou aqui, para concertar todos estes erros. Você precisava pagar por tudo o que me fez agora, quero que lamba os meus pés. — Gesticulou a jovem da discórdia, Luria estava se sentindo desconfortável apesar de tudo. Aquelas palavras tocavam o seu coração, ela não entendia o que estava acontecendo consigo mesma. Mas, as palavras de Freya estavam fazendo efeito e ela continuou dizendo várias barbaridades para Luria, até que a traidora decidiu golpear a herdeira dos Kravinoff com um tapa no rosto.

Mas, Luria logo adotou o que Freya havia dito como a sua ideia e em seguida abaixou-se até os pés da prole de Éris e beijou seus pés com vontade. Ela não sabia o que estava fazendo, mas Freya tinha utilizado suas habilidades para brincar um pouco com a moçoila. Em seguida Freya usava as suas habilidades sombrias para segurar as pernas da jovem, sombras surgiam nas pernas da jovem e pegavam-na, ela gritava de medo, mas não podia fazer nada. Em seguida Kravinoff fez com que ela batesse a cabeça com tudo no chão ao puxa-la para a frente, como as sombras estavam presas aos seus pés, isto tornou-se possível.

A jovem estava com sangue saindo de sua cabeça, o impacto fora forte, mas foi adorável de se ver. Freya estava contente, porém mais estava por vir, ela amaldiçoava Luria, fazendo com que a mesma sinta dores em seu corpo. Ela não conseguia mover um músculo se quer, dando chances para que a jovem dementadora agisse velozmente ao criar em seus dedos vários espinhos sombrios e venenosos que foram lançados na face da ex-amiga, perfurando-a por completo. Ela estava com o seu rosto ensanguentado, seu corpo latejava de dores e ela estava sofrendo com tudo.

Mas, quem mandou ser mal levada e praticar maldades no passado? Essa era a justiça que foi prevalecida para Luria, ela iria sofrer pelo resto de sua vida. Mas, Freya não estava satisfeita com tudo isso.  Ela não estava alimentada o suficiente, ela então pegou a sua espada do caos e perfurou o coração de Luria, assassinando-a enfim. Sua alma nefasta iria ficar presa dentro da espada de Freya para sempre e ela poderia utiliza-la para atormentar outras pessoas de sua lista. Sua vingança apenas começava, ela estava ansiosa por mais. Queria fazer mais do que fora feito com Luria, suas próximas vítimas iriam sofrer em dobro.

Freya chutou o rosto de Luria já falecida para verificar se aquele corpo não ressuscitasse do nada, mas nada ocorreu. Ela estava oficialmente morta e pronta para ser enterrada, vadias mentirosas precisavam ser enterradas e Freya deixou aquele corpo apodrecendo ali, saindo em seguida divinamente daquele recinto. Para finalizar tudo, a jovem ainda passava no melhor bar do Texas e pediu a pior bebida que eles podiam proporcionar a uma bela morena como ela. Ela bebericava enquanto que um sorriso lúdico aparecia em seu semblante peçonhento. — Obrigada por este vinho senhor, irei agracia-lo com as melhores brigas de bar que você já presenciou, isso atraí mídia e o seu bar poderia ficar famoso, o que acha da ideia? — balbuciou irônica, a pior dementadora estava surgindo e não pretendia ficar quietinha enquanto deixava seus inimigos por aí fazendo o que querem, eles precisavam pagar. Freya abria um documento em seu aparelho telefônico e riscava o nome de Luria, ela havia concluído seu objetivo com a primeira vítima, faltavam muito mais. Era só o começo do reinado sombrio e sangrento da Dementadora cruel.

Legenda escreveu:

  • #990033 — Falas de Freya Kravinoff;
  • #3366ff — Falas do pai de Freya;
  • #339999 — Falas de Luria;


ADENDOS:
ARMAS UTILIZADAS:
MASK CHAOS - Quando o semideus usa esta máscara, sua voz é modificada e começa a causar confusão, angústia, desespero e ansiedade nos que o ouvirem, deixando-os entorpecidos e indecisos sobre quais ações a serem tomadas . Quanto mais alto seu nível, mais forte é o efeito, todavia, o oposto também é válido, se o seu nível for menor do que os seus adversários, menos chaces tem do efeito funcionar.

PURGATORY SWORD - Essa espada é feita de ferro estígio a cada vítima que morre por sua lâmina têm sua alma presa, tornando a espada mais forte. Quando o semideus usar esta espada durante a batalha os seus adversários poderão ouvir os gritos de dor e desespero dos mortos em batalha por todos os filhos de Éris, causando medo. [Número de almas - 00].

PODERES UTILIZADOS:
PODERES PASSIVOS:
Nível 1
Nome do poder: Apreciadores da Discórdia
Descrição: Os filhos de Éris/Discórdia são parcialmente conhecidos por serem bastante impiedosos, do tipo que gostam de ver “o circo pegar fogo”, ainda mais se forem eles mesmo que causaram o “incêndio”. (Isso depende muito da pessoa, alguns de seus filhos podem ter não herdado sua maldade.)
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Energia
Descrição: Caso haja um clima de discórdia, vingança ou ira no campo de batalha, você irá se sentir mais forte e revigorado.
Gasto de MP: Nenhum.
Gasto de HP: Nenhum.
Bônus: + 5 de HP e + 5 de MP.
Dano: Nenhum

PODERES ATIVOS:
Nome do poder: Palavras torturantes I
Descrição: Fazendo uso deste poder, o filho de Éris/Discórdia pode usar-se dos maiores medos de seu oponente para deixá-los inseguros, frustrados, cansados ou irritados. É preciso que a cria de tal deusa possua impecável oratória e convicção daquilo que está dizendo pois, nesse nível, a habilidade é um tanto frágil.
Gasto de MP: 15 MP Por turno usado
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Deixa o inimigo levemente confuso, contudo, é preciso saber sobre o que está falando.

Nível 3
Nome do poder: Umbracinese I
Descrição: É a capacidade mental que permite ao usuário ter total controle das sombras, podendo manipula-la, move-la, se mover por trás dela, e utiliza-la da maneira que bem entender. Os filhos da deusa da discórdia, assim como sua mãe, herdam tal habilidade, contudo, nesse nível, é algo fraco, e eles dependem totalmente da sombra para realizar os movimentos, conseguem move-las, e faze-las prender as pernas do inimigo, mas com uma força pequena, que não lhes é muito útil.
Gasto de MP: 5 MP por turno ativo.
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Maldição da dor I
Descrição: O filho de Eris/Discordia pode amaldiçoar o inimigo para que sinta dores em diversas partes do corpo, dores musculares leves, o que pode atrapalha-lo durante a luta.
Gasto de MP: 20 MP
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 25 HP
Extra: O efeito dura apenas um turno, pode deixar o inimigo mais lento, e sentindo dores pelo corpo.

Nível 6
Nome do poder: Espinhos II
Descrição: O semideus consegue invocar espinhos medianos, feitos de energia sombria na ponta dos dedos, e lança-los em direção ao inimigo, causando um estrago maior.
Gasto de MP: 5 MP cada espinho
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 10 HP (cada espinho
Extra: Consegue criar até 3 espinhos por vez

Nível 8
Nome do poder: Palavras venenosas I
Descrição: Como filho de Éris/Discórdia você herdou a habilidade da sua mãe com as palavras e usando delas você consegue colocar ideias na mente de quem desejar, mas como no seu nível atual seu poder ainda não se desenvolveu você tem mais facilidade em fazer isso em seres de pouca inteligência ou ingênuos, como ciclopes e sátiros. Quanto maior a inteligência do ser mais dificuldade você sente em colocar ideias na mente do seu alvo. Uma vez que se torne vítima desse poder a vítima passa a adotar a ideia como sua, sem perceber que foi o filho de Éris quem a plantou. Só funciona com uma pessoa por vez durante um três e caso a ideia seja absurda o poder perde o efeito. Quanto melhor o uso das palavras mais chances de dar certo.
Gasto de MP: 20 MP por turno ativo
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: A pessoa passa a agir conforme o pensamento plantado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Olá, avaliador estarei utilizando o efeito de minha espada para guardar a primeira alma na mesma, por gentileza.

☠☠


Última edição por Freya Johnstone em Qui Ago 10, 2017 3:37 am, editado 3 vez(es)
avatar
Kalina Blanc
Demônios de Nyx
Demônios de Nyx

Mensagens : 283
Idade : 22
Localização : Anyone knows.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Worst Dementor

Mensagem por Kalina Blanc em Qua Ago 02, 2017 12:30 am



THE WORST DEMENTOR
CAPÍTULO 02: O PIOR NAMORADO
A noite estava maravilhosa, Freya bebericava de seu vinho no bar enquanto tentaria fazer com o que prometeu para o dono, mas não seria fácil realiza-lo ao modo como ela queria. Alguns homens já tragavam seus cigarros logo cedo, a jovem morena estava sendo observada de longe, mas nem percebeu tal ato. Ela continuava conversando com o dono do bar e utilizava de suas belas palavras mentirosas para tal, ela conseguia prender a atenção do mesmo como ninguém, ele não seria capaz de fazer nada com uma morena inocente como a prole de Éris.

Mesmo porque ele não tinha o direito de realizar isso, Freya era livre para fazer o que quisesse, mas quando alguém rela o dedo nela, a coisa vai ficar feia. — Você em suma é bem interessante senhor, o que acha desta minha bebida sair de graça? Afinal eu já irei deixar este seu bar um sucesso logo mais, seria injusto não fazer isso, concorda? — Balbuciou enquanto que o dono do bar gesticulava um mero sim com a boca, ele estava hipnotizado pela jovem, todas as palavras que saiam da prole de Éris surtia efeito imediato no homem.

Ela era forte como uma pedra, tóxica como um escorpião e fazia qualquer homem perder a cabeça com a sua beleza indescritível, sensata e exuberante. Freya é capaz de realizar tudo o que quer para cumprir com os seus objetivos, mas ainda assim ela estava com fome. A prole de Éris precisava se alimentar do sofrimento alheio, causar discórdia fazia ela se sentir muito bem. E ela já tinha uma pessoa em mente, este individuo foi capaz de destruir o coração mais fino e puro que existia em Freya, antes da jovem tornar-se fria e calculista. Esta pessoa era nada menos do que Chester, seu ex-namorado.

Se você acha que vai ler a mesma história anteriormente contada aqui nesta trama sobre Chester e Luria, você está enganado. Foi algo que ocorreu depois daquele fatídico momento inesquecível para todos, mas esquecível e tenebroso para a jovem Kravinoff. Isso foi tão cruel que acabou por despedaçar de vez a alma de Freya, corrompendo-a em magoa e decepção, seu coração agora era obscuro e seu desejo de vingança aumenta a cada dia. A moçoila saiu do recinto, ela prometia retornar ao mesmo após cumprir o seu objetivo. Aquela noite estava apenas começando e terminaria divinamente com a cabeça de Chester em um prato segurando uma maça com a boca, como o belo porco que ele é.

Naquela noite em que Freya fora embora do baile chateadíssima, ela foi para casa e só ficou por a chorar a noite toda. Ela não queria falar com ninguém, mas Chester era tão cara de pau que decidiu ir atrás dela e adentrar em sua janela subindo nas árvores. Ele entrou sorrateiramente no local sem que Freya percebesse a movimentação suspeita em seu quarto, ela só acordou momentos depois de captar que alguém mexia em seus cabelos ruivos, a prole de Éris abriu seus orbes azuladas e olhou para quem estava fazendo aquilo, ela surpreendia-se com Chester alisando o seu cabelo.

Ela não queria vê-lo nem pintado de ouro, porque ele era tão burro para não perceber que Freya não queria falar com ninguém naquele momento? Ele ainda tinha a coragem de parecer para ela depois de tudo o que fez. — Calma Freya eu posso explicar tudo o que houve, Luria me manipulou, eu não sabia que ela tinha gravado tudo. Me desculpe, eu não queria fazer isso. Eu gosto realmente de você, me perdoe. — Explicava Chester, a jovem morena não estava nem um pouco feliz de ver aquela mentira, ela sabia que aquilo era uma mentira do rapaz com certeza.

Ela não acreditava em nenhuma palavra imunda vinda daquela cabeça imatura como a de Chester, como ele ainda tinha a capacidade de vir até ela e continuar mentindo? — Eu não vou acreditar mais em nada que saia de sua boca, para de mentir garoto. Eu sei que você queria sim, vocês armaram para cima de mim, traíram a minha confiança e acha que eu vou perdoa-los por isso? Estão completamente enganados. — Balbuciou Freya fria, ela estava com os olhos vermelhos de tanto chorar por quem não merecia, eles machucaram-na muito.

Chester estava com raiva, ele veio até ali para nada então? Isso não podia ficar assim, ele precisava fazer alguma coisa. Ou ela desculpava-o por bem ou seria por mal e ela iria acabar sofrendo por isso, ela era idiota ou o que? Ele não veio ali atoa, ele queria realmente de coração fazer as pazes com a jovem morena, mas ela não queria, não depois daquele trágico dia que deu tudo errado. — Me deixe sozinha Chester, vai embora. Eu não quero ver ninguém, muito menos você e a aquela maldita da Luria, suma da minha frente! — Reagiu dando uma bofetada no rostinho do até então seu namorado, mas depois do que fizeram, ele poderia ser considerado como o “idiota que traiu Freya com a melhor amiga falsa”, ambos eram traiçoeiros e peçonhentos, combinavam perfeitamente um com o outro.

O rapaz estava com suas veias quase estourando e era perceptível a sua raiva sob a jovem Freya, ele não iria deixar que ela falasse daquele jeito com ele. Então por puro impulso, ele pegou-a pelo pescoço e apertou tão forte que a jovem suplicava para que ele a soltasse, mas não deu ouvidos para aquela garota tosca. Chester estava diferente, ele estava agressivo e vingativo e iria fazer de tudo para que Freya o perdoasse. — Está gostando princesa? Você merece tudo isso e muito mais, sua corna! Eu traí você sim, eu quis, gostei e transei mesmo com Luria, ela é bem melhor de cama do que você, mas podemos fazer amor se você quiser, me surpreenda, mostre-se melhor do que ela! — Balbuciava o loiro, ele estava lunático e iria fazer de tudo para que a prole de Éris fosse apenas sua durante aquela linda noite.

Sério que ele iria estuprá-la depois de tudo? Sim, ele era capaz de tais atos para que as pessoas o perdoassem, mas aquilo não teria perdão. Ele era nojento e ridículo a ponto de destruir sonhos de uma jovem apenas porque seus ideais não permitem que ele seja humilhado daquele jeito por ela. — Me solta, por favor Chester... Para com isso, eu não quero... Não insista nisto... Saia da minha casa... Por fav... — Freya não resistia e caia desmaiada, a pressão em cima fora demais. Chester sorriu com isso, ela iria ser estuprada e nem saberia disto para contar história.

A morena acordou de manhã em sua cama, tinha sangue por entre os lençóis, seu corpo estava latejando de dor. Ela olhava para si mesma com nojo, ele havia encostado as mãos nela, tinha estuprado e jogou-a fora como se fosse um lixo. Ele foi um dos piores rapazes que poderia ter pisado na vida da jovem Freya. Ela se sentia usada por Chester, mas não poderia fazer nada. Ele provavelmente já estaria muito longe dali, mas ela iria mesmo ficar calada? Não iria tentar denuncia-lo para a polícia?

Estas perguntas labutavam na metade da jovem Freya agora no presente... Ela estava na porta daquela bar pensando em tais assuntos, ela não telefonou para a polícia e nem muito menos falou sobre isso com o seu pai. Ela manteve todos estes segredos para si, deixou que Chester vivesse a sua vidinha miserável, mas agora estava na hora disto mudar. Freya precisava se alimentar novamente e Chester era a vítima perfeita para tal.

Ela ouvia em seu aparelho telefônico as últimas notícias do momento, uma jovem morena tinha sido assassinada em seu próprio apartamento. Freya mexeu seus lábios, enquanto fazia um sorriso diabólico em seu semblante. Ela havia conseguido o que queria e ninguém iria descobrir, a não ser que ela deixasse vazar. Seria divertido ver ela sendo procurada em todo o país por policiais insignificantes. — Tolos, nunca irão me achar, podem tentar à vontade procurar... — balbuciou enquanto colocava novamente a sua máscara do terror.

Ela sabia perfeitamente onde ficava a casa de Chester, ele também continuava morando no Texas e ainda morava com os pais. Que adorável, só que não. Ela logo começou a andar a passos lentos até a esquina da casa do maldito, seu olhar era de vingança, ela estava fazendo o que era certo. Ele tinha de pagar pelo que fizera a ela, a punição iria ser grandiosa, sua alma ficaria presa sob a espada do caos de Freya. Ele e Luria poderiam ficar juntinhos, duas cobras nojentas unidas. Ela poderia atormentar quem quer que fosse com a alma daqueles dois.

A prole de Éris chegava na rua da casa de Chester e logo reconhecia a casa, pois já tinha ido lá muitas vezes. Ela nem esperou para tocar a campainha e rapidamente arrombava a porta, não tinha nenhum adulto em casa e supostamente Chester estaria dormindo ou fazendo alguma besteira em seu quarto.  Isso poderia ser vantajoso para a jovem vingativa, ela iria ataca-lo por trás e fazer com que ele sofrer cada migalha de desgosto possível. — Onde estás, Chester? Apareça para brincarmos do jogo da morte. — Balbuciava enquanto andava furtivamente pela casa do maldito. Ela subia as escadas com cuidado e dirigia-se ao quarto do mesmo. Ela já estava com a espada preparada e sua máscara também, ele iria conhecer o que Freya havia sido tornado agora. Uma mulher forte e independente de homens, fria e vingativa.

A moçoila chutava a porta com tudo, fazendo-a cair no chão. Ela havia pego Chester no flagra enquanto o mesmo se masturbava com uma foto de um órgão masculino. Mas, o que estava acontecendo ali? — Quem diria... O lendário pegador de mulheres Chester se masturbando com a foto de um macho... Surpreendente, não é seu merdinha? — Ele estava assustado, ele havia sido pego no flagra e seu semblante passou de surpreso a medo quando ele reconheceu a voz e os cabelos ruivos da jovem que estava ali consigo, era Freya, a jovem que ele estuprou. — F-Freeyaaa? O que está f-fazendo aqui? — Gesticulou de medo do que a jovem poderia fazer com ele. Era visto que a jovem morena se divertia com toda a situação, ela iria faze-lo pagar muito caro.

Freya nem aguardou ele responder e logo partiu para dar-lhe um soco em sua cara. Sua face estava ensanguentada, o soco foi muito poderoso. Freya tinha de agradecer ao bravo treinamento disponibilizado no acampamento, isso ajudou muito a melhorar suas habilidades físicas. — Cadê as suas forças Chester? Não estou entendendo, você não era o fortão? Porque está se esquivando? Vamos venha, entre para o combate. Tente me acertar. — Balbuciava a morena enquanto que ela derrubava-o no chão usando os seus pés, ele estava servindo de tapete por Freya. Sendo pisado, era assim que ela se sentiu no passado e agora está apenas retribuindo o favor.

A jovem aproveitou para dar um chute nos países baixos do jovem enquanto ele gemia de dor, ela tratou de fechar a janela do quarto do jovem, assim ninguém poderia escutar absolutamente nada. Ela também trancava a porta, o seu jogo da morte iria começar. — 1...2...3...! — Gesticulava os números enquanto partia ao ataque, ela socava ainda mais o rosto do rapaz. Ele iria sentir tudo o que ela passou em sua vida toda, todo o sofrimento causado por ele e Luria, uma já estava morta e sua alma estava presa na espada de Freya, agora faltava Chester, cujo iria sofrer do mesmo destino, mas seria bem pior. Antes dela mata-lo, iria fazer questão para que ele sofra muito.

Chester tentou levantar-se para reagir contra a prole de Éris, mas a semideusa foi mais rápida e golpeou-o com vários espinhos venenosos produzidos de suas mãos. Eles perfuravam o rosto daquele jovem, se continuasse vivo estaria com vários hematomas e um rosto todo desfigurado. Freya tratou de passar cada fiapo de espinho em todo o rosto dele, deformando-o por completo. — Você já foi muito belo Chester, mas agora você não passa de um pobre coitado. — Gesticulava friamente para o rapaz loiro a sua frente.

O lado obscuro de Freya tomou posse de seu corpo, naquele exato momento ela não o controlava mais, apenas fazia as coisas ao seu modo, achando que aquilo a se fazer era o correto. Seria a punição de Chester, ele fora condenado a sofrer as consequências dos seus atos.  Freya buscou por sua espada e logo utilizava de suas sombras para segurar as pernas de Chester enquanto que ela retirava suas vestimentas, ele estava pelado. A morena não tardou em usar a sua espada na genitália do rapaz, cortando-a. Sangue fora jogado para todos os lados, o rapaz latejava de dor, literalmente. Aquela espadada fora cruel, agora aquele verme não iria encostar o dedo em nenhuma garota. Freya estava se sentindo vingada, mas queria alimentar a sua espada com a alma daquele embuste.

A cria de Éris logo pegava mais espinhos e desfigurava o corpo de Chester, ele ainda gritava de dores, mas ele não poderia fazer mais nada. Seus últimos dias de vida estavam prestes a terem um fim. — Diga suas últimas palavras, Chester! Mostre-se estar arrependido. — Balbuciou sorrindo maleável para o rapaz. Ele suplicava para que Freya parasse de fazer aquilo, ele havia aprendido a lição e nunca mais iria tocar em uma garota na vida, fato. Afinal você não tinha mais nada, Chester, não iria conseguir se reproduzir nunca mais. — Eu perdoo Chester, eu perdoo a minha inocência por nunca ter reagido na vida, como eu fui tão otária em acreditar em você, sofra no inferno, bebê! — Dissera enquanto que ela pegou a sua espada e cravou-a em seu coração, absorvendo toda a sua alma para a espada, agora ele iria juntar-se a Luria.

Freya se encontrava com aquele corpo jogado no chão, sangue espalhava-se por todos os lados do quarto do rapaz, supostamente alguns vizinhos iriam estar desesperados por conta dos gritos de Chester, mas a morena conseguia completar o seu objetivo para com aquele rapaz. Após toda a ação daquela noite, Freya aproveitava para riscar o nome de Chester de sua lista. Agora ela tinha de decidir quem iria ser morto agora, ela precisava eliminar todos os embustes que lhe fizeram mal... Quem sabe no futuro não se torne uma Ceifadora de Thanatos? Combinaria perfeitamente consigo, a Pior Dementadora ficaria contente em servir ao Deus Thanatos. — Menos um para contar história, restam... Muitos outros... Me aguardem, a noite termina por aqui, mas na noite seguinte a Dementadora está de volta para atormentar suas nefastas vidas. — Sibilou a sua frase de retorno e então dirigiu-se para fora do recinto. Ela agora iria voltar ao acampamento depois de tudo, mas iria preparar um plano para usar contra a terceira vítima.

Legenda escreveu:

  • #990033 — Falas de Freya Kravinoff;
  • #6633ff — Falas de Chester;


ADENDOS:
ARMAS UTILIZADAS:
PURGATORY SWORD - Essa espada é feita de ferro estígio a cada vítima que morre por sua lâmina têm sua alma presa, tornando a espada mais forte. Quando o semideus usar esta espada durante a batalha os seus adversários poderão ouvir os gritos de dor e desespero dos mortos em batalha por todos os filhos de Éris, causando medo. [Número de almas - 00].

PODERES UTILIZADOS:
PODERES PASSIVOS:
Nível 1
Nome do poder: Apreciadores da Discórdia
Descrição: Os filhos de Éris/Discórdia são parcialmente conhecidos por serem bastante impiedosos, do tipo que gostam de ver “o circo pegar fogo”, ainda mais se forem eles mesmo que causaram o “incêndio”. (Isso depende muito da pessoa, alguns de seus filhos podem ter não herdado sua maldade.)
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Energia
Descrição: Caso haja um clima de discórdia, vingança ou ira no campo de batalha, você irá se sentir mais forte e revigorado.
Gasto de MP: Nenhum.
Gasto de HP: Nenhum.
Bônus: + 5 de HP e + 5 de MP.
Dano: Nenhum

PODERES ATIVOS:
Nome do poder: Palavras torturantes I
Descrição: Fazendo uso deste poder, o filho de Éris/Discórdia pode usar-se dos maiores medos de seu oponente para deixá-los inseguros, frustrados, cansados ou irritados. É preciso que a cria de tal deusa possua impecável oratória e convicção daquilo que está dizendo pois, nesse nível, a habilidade é um tanto frágil.
Gasto de MP: 15 MP Por turno usado
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Deixa o inimigo levemente confuso, contudo, é preciso saber sobre o que está falando.

Nível 3
Nome do poder: Umbracinese I
Descrição: É a capacidade mental que permite ao usuário ter total controle das sombras, podendo manipula-la, move-la, se mover por trás dela, e utiliza-la da maneira que bem entender. Os filhos da deusa da discórdia, assim como sua mãe, herdam tal habilidade, contudo, nesse nível, é algo fraco, e eles dependem totalmente da sombra para realizar os movimentos, conseguem move-las, e faze-las prender as pernas do inimigo, mas com uma força pequena, que não lhes é muito útil.
Gasto de MP: 5 MP por turno ativo.
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum

Nível 5
Nome do poder: Maldição da dor I
Descrição: O filho de Eris/Discordia pode amaldiçoar o inimigo para que sinta dores em diversas partes do corpo, dores musculares leves, o que pode atrapalha-lo durante a luta.
Gasto de MP: 20 MP
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 25 HP
Extra: O efeito dura apenas um turno, pode deixar o inimigo mais lento, e sentindo dores pelo corpo.

Nível 6
Nome do poder: Espinhos II
Descrição: O semideus consegue invocar espinhos medianos, feitos de energia sombria na ponta dos dedos, e lança-los em direção ao inimigo, causando um estrago maior.
Gasto de MP: 5 MP cada espinho
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: 10 HP (cada espinho
Extra: Consegue criar até 3 espinhos por vez

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Olá, avaliador estarei utilizando o efeito de minha espada para guardar a segunda alma na mesma, por gentileza.

☠☠


Última edição por Freya Johnstone em Qui Ago 10, 2017 3:39 am, editado 1 vez(es)
avatar
Kalina Blanc
Demônios de Nyx
Demônios de Nyx

Mensagens : 283
Idade : 22
Localização : Anyone knows.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Worst Dementor

Mensagem por Hades em Qua Ago 02, 2017 9:25 pm

Avaliação.


Freya, sua escrita é limpa, clara e ausente de erros notáveis. No entanto, a sua narração é ausente de sentimentos, como se a sua personagem realmente não houvesse passado por tais situações e apenas estivesse contando a história de um terceiro. E, por isso, houveram descontos na xp total e dracmas.

Cada texto recebe o total de 1.000 de Xp e 500 dracmas. Resultando em 2.000 de XP e 1.000 dracmas. Atualizada.
avatar
Hades
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Mensagens : 1002
Localização : Importa? A morte ainda será capaz de te achar.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Worst Dementor

Mensagem por Kalina Blanc em Qui Ago 03, 2017 4:18 pm



THE WORST DEMENTOR
CAPÍTULO 03: A MORTE VEM COM UM PREÇO
Tudo estava indo tão bem na vida da semideusa, ela estava contente por eliminar duas almas que lhe causaram muita dor no passado, Luria e Chester foram uma decepção e mereciam sofrer eternamente na espada do caos da jovem Freya. A jovem estava desnorteada enquanto pensava em sua vida monótona, ela estava pensando se todas as coisas que ela estava fazendo recentemente fosse realmente necessário, afinal para que vingança? Ela estava ficando igual a todos os que lhe machucaram, mas isso na verdade não faria a jovem mudar de opinião. Ela era de fato bem controladora de si mesma e sabia das consequências de seus atos e isso não a afetava de forma alguma.

A jovem tentava entender sua mente louca e conturbada, mas seus pensamentos não estavam deixando que ela pensasse em mais nada a não ser na próxima vítima cujo seria Sirah, a sua inimiga do colegial. Aquela jovem era uma cobra e fazia bullying com Freya sempre que ela pisava os pés na academia, fazia dela de sapato velho e jogado no lixo. Ela era o divertimento da megera e de seu grupo de seguidoras idiotas. — Como será que você está hoje, Sirah? Quem sabe eu não faça uma visitinha no calar da noite... Iremos nos divertir juntas. — Proferiu a prole de Éris quase que em um sibilo irônico.

O dia estava quase chegando ao fim e a noite já começava a dar sinais vívidos, a lua estaria maravilhosa como sempre. Amém dona Selene por representar tão bem essa coisa maravilhosa chamada de lua. O fim do Sol era nítido, ele logo dava espaço para que sua companheira noturna assumisse. — A noite é tão bela e majestosa, podia ser assim sempre... — Balbuciava a jovem enquanto estava perdida em seus pensamentos. O começo da noite veio e com isso a ansiedade da jovem também, ela iria se divertir bastante naquela ausência da luz do Sol. As trevas consumiriam a alma da jovem e a corromperia a fazer as coisas quase que descontroladamente. Ela não iria ouvir ninguém enquanto estivesse neste estado assassino, parecia ser uma maldição jogada em cima de si, mas não era de fato. Freya tinha realmente aptidões assassinas e nunca tinha descoberto isto.

O semblante de Freya enrubescia intensamente de prazer em ceifar mais uma alma em sua espada. Ela meio que Gostava do modo como ela olhava para o seu gládio, ver que mais almas de pessoas iriam adentrar a mesma era realmente perfeito. A morena estava animada e logo adentrava no chuveiro, iria se divertir enquanto pensava nas melhores formas de Sirah morrer naquela noite perfeita. — Você vai sentir a minha espada atravessar seu coração, Sirah. Espero que esteja preparada para sentir tudo o que passei naquela época. — Proferiu a jovem enquanto que imagens pestilentas invadiam a sua forma de pensar e sonhar. As tragédias que Sirah e seu grupo causavam eram terríveis, ela conseguia até mesmo bajular os funcionários e mestres para que seus planos funcionassem. Ela tinha um dom esquisito que nem Freya conseguia desvendar.

Aquela garota poderia também ser uma semideusa, mesmo sem saber. Assim como a jovem Kravinoff na época, ela era capaz de controlar todos a sua volta e fazerem com que eles em um estalar de dedos a obedeçam. A barriga de Freya logo se embrulhava, talvez fosse fome. Ela não havia se alimentado já tinha algum tempo, logo a morena finalizava seu banho e se secava por completo e dirigia-se de toalha para a sua cama. Ela então começará a se trocar e depois de um tempo seguiu em direção ao refeitório, onde iria se alimentar antes de viajar para atacar uma pessoal em especial.

O cheiro de comida boa invadia as narinas da jovem, ela estava morrendo de fome e se alimentar daquela graciosa comida iria faze-la se sentir melhor e ótima para combater a maldita da Sirah durante a noite. Seus olhos azulados observavam a comida a sua frente enquanto que seus lábios trêmulos saboreavam antes que a morena colocasse o garfo com a porção na boca. Ela então comia aquela macarrona deliciosa, estava fazendo uma explosão de gosto em sua boca.  — Meu Deus que comida maravilhosa, nunca comi tão bem em minha vida. — Balbuciava e então passou a comer toda a comida no prato.

Não demorava muito para que a prole de Éris finalizasse a sua refeição e então dirigia-se para o alojamento da quinta coorte onde iria preparar as suas coisas para a viagem de volta ao Texas. Parecia ser lá a reunião de todas as coisas más que Freya iria fazer daqui para a frente, mas ela não tinha culpa, pois afinal de tudo ela viveu todas essas tragédias naquele maldito lugar infernal e poderia acabar dizimando toda a cidade se possível para se sentir revigorada e com sentimentos purificados novamente.

Passando algum tempo depois a jovem no calar da noite saia de fininho novamente de seu chalé, pegou suas tralhas e dirigiu-se para fora do acampamento. Ela iria sair novamente pela colina e não demorava muito para despistar os guardas da noite, Freya sorriu vitoriosa com isso, sua furtividade estava aumentando. A jovem então chamara um táxi que não demorava para chegar até Freya. O trajeto foi silencioso, a moçoila só conseguia pensar em amassar o crânio daquela garota com todas as forças possíveis, o sentimento de vingança aflorava em seu coração. Seu olhar se tornava furioso e ela desejava que a viagem não demorasse para chegar ao seu destino final.

Em meio a tudo isso a jovem nem percebia que o trajeto já se aproximava do Texas, ela olhava pelo retrovisor todo o trajeto. Como será que estava a família de Chester? Provavelmente devem estar o enterrando naquele exato momento, trágico. Mas, eles não precisavam ficar preocupados, afinal a alma nefasta do rapaz estava consigo e ela iria cuidar muito bem dela. Aqueles pensamentos estavam deixando a jovem um pouco psicopata. Ela estava se tornando uma outra pessoa, a Dementadora estava começando a ficar sombria e cruel.

O táxi para em seu ponto de destino, Freya paga para o motorista a quantidade da taxa e em seguida ele ia embora. O que a jovem começaria por fazer? Ir diretamente a casa de Sirah? Mas, Freya pensava em algo melhor. Iria visitar a casa da família de Chester prestar condolências falsas, que debochada esta filha de Éris. — Acho que eles irão gostar de me ver. — Balbuciava a jovem enquanto que continuou a caminhar até a casa do ex-namorado falecido. Ela tinha de mostrar estar totalmente chocada e tristonha, afinal fora ela a assassina. Ela não podia ficar debochando muito da cara do falecido.

A casa de Chester estava com várias faixas amarelas em volta, parecia que ainda não tinham descoberto pistas. Pois não havia nenhuma, a prole de Éris prontificou-se em não deixar nada seu no local. Ela estava sendo rápida e precisa com seus passos, ela queria matar? Ela queria muito, mas, não deixaria qualquer rastro seu pelo caminho. — Estou até com pena de dar minhas condolências para este casal... Mas, é a vida não é mesmo? Vamos ir lá debochar do morto acéfalo! — Sorriu maligna e então batia na porta da casa do rapaz. Ela então fora surpreendida por uma mulher já em seus cinquenta anos de idade bem chorosa.

Freya tentou fazer cara de desentendida para a mulher a sua frente. — O que foi senhora Sharon? Porque você está chorando? Aconteceu alguma coisa de ruim? — Perguntou enquanto fazia a confusa para Sharon. — O C-Chesteeer.... Ele faleceu ontem à noite.... O meu precioso garotinho.... Alguém o assassinou! — Dissera chorando enquanto veio para abraçar Freya. A jovem não podia fazer mais nada e logo abraçou a velha, ela fingia consola-la, dizendo que Sharon iria ficar bem e que ela precisava se acalmar.[/color] — Deuses, porque Freya foi se meter naquela situação? Ela agora teria que ficar como babá de gente chata e chorona.

Freya passava por uma hora naquela funesta casa, ela cheirava a gente morta. E precisava sair urgentemente dali, então logo a jovem se despedia da família de Chester e finalmente dirigia-se para a casa de Sirah. — Agora será você e eu queridinha... — Falava sozinha enquanto seguia para a rua da casa de sua inimiga de infância. Ela provavelmente estaria morando sozinha depois de herdar a fortuna de seus pais já falecidos, eles sofreram um grave acidente de carro no dia do aniversário dela de quinze anos, trágico. A morena andava a passos lentos até a casa de Sirah, ela não via a hora de ver a cara daquela menina. Ela iria sofrer tanto, basicamente Freya iria faze-la sentir todas as crueldades que ela fazia no passado para a prole de Éris, ela não seria morta, mas ganharia um aviso se continuasse a praticar o bullying com as pessoas.

A jovem logo acessava a sua espada que estava no pergaminho, assim ela poderia andar livremente com uma arma por aí sem que qualquer pessoa veja. Foi uma ideia um tanto que interessante vinda da bela belíssima Pandora. Freya tocava a campainha da casa de Sirah e logo a mesma atendia e surpreendia-se quando Freya estava em sua porta. — Olá Sirah, lembra-se de mim? Acho que sim né, já que você e seus amigos viviam fazendo bullying comigo por ser gorda e olha agora para mim, bem linda e gostosa! — Balbuciava a morena enquanto que a outra ficava sem graça... Ela parecia ter mudado, mas só a aparência mesmo. Ela estava disfarçando, ela também era uma semideusa e sabia exatamente como enganar as pessoas, mas Freya sabia muito bem lidar com mentiras por ser prole de Éris.

A loira tentava se desculpar com Freya, dizia que não era mais aquela pessoa e agora era uma crente. — Desculpe-me Freya, sério mesmo. Eu era uma pessoa completamente horrível na nossa infância, eu não sei porque eu sou assim. — Dissera e Freya arqueava a sobrancelha totalmente sem reação, ela iria continuar mentindo mesmo? Pessoas mentirosas precisavam ser enterradas.. — Faça-me o favor garota, você espera mesmo que eu acredite nesta sua baboseira? Eu sei muito bem que você continua sendo a mesma pessoa de antes. Não adianta vir dar uma de mentirosa pro meu lado não porque isso não vai colar. —Aquelas palavras eram como se fosse tapas na cara de Sirah, como Freya era tão esperta por descobrir a verdade sem nem mesmo tentar? O que tinha acontecido com aquela garota?

Sirah sorriu cínica, ela então fechou a sua porta e convidou Freya para se sentar no sofá. — Vejo que você ficou bem inteligente, conseguiu decifrar a minha mentira rapidamente, mas eu não entendo... Porque você está aqui? — Se perguntava Sirah para si mesma também, mas coisa boa não era, Freya estava planejando fazer alguma coisa com ela e isso era perceptível. Freya automaticamente levantou-se do sofá e encurralou Sirah na parede. Ela iria ameaçar aquela maldita semi-humana. — Não é óbvio? Eu estou aqui para ver você pagar por seus crimes e irei lhe dar a sua penitência por isso! — Dissera Freya com seu olhar vingativo de sempre. A jovem morena logo pegou Sirah pelo colarinho e jogou-a em cima da mesa de centro que ficava em frente ao sofá da sala. Ela estava toda ensanguentada pois só tinha vidro ali.

Freya havia começado bem sinistra e cruel, Sirah estava morrendo de medo. Aquela força era imensurável, o que aquela morena era afinal? Ter treinado no acampamento tinha lá as suas vantagens, Freya tornava-se cada vez mais poderosa. — Está gostando Sirahzinha? — Dissera ironizando para a jovem. Freya aproximou-se de sua espada e então contra-atacou nos cabelos da jovem Sirah, ela iria deixa-la careca. Sirah tentou levantar-se e conseguia deitar Freya no chão com força. Ela não sabia que era uma prole de Ares, mas era perceptível por causa de sua força.

Elas eram quase que primas por conta do parentesco familiar, mas Freya nunca iria querer alguém assim em sua família. — A boneca está nervosa, hm, vem aqui se conseguir me derrotar! — Balbuciava enquanto exibia um sorriso maléfico em seu semblante. Sirah levantou-se do chão e logo começou a socar a cara de Freya com toda a sua força ampliada. — Você me tirou do sério agora sua vagabunda, eu vou fazer com que você morra com meus socos. — Dissera enquanto que continuava a socar a face da morena. Ela estava com raiva e não iria parar até ver Freya sangrar.

A briga entre as duas semideusas estava tensa, elas não paravam de se socar até que Freya resolveu usar suas pernas para chutar Sirah de cima dela. Como ela era melhor treinada com as suas habilidades, tinha total facilidade em se retirar de casos assim. Freya irritada logo utilizava os seus poderes, ela segurava as pernas de Sirah enquanto que manipulava as suas sombras, a loira não conseguia sair de jeito nenhum do lugar. — Que lindo, pena que você nunca vai conseguir desenvolver as suas habilidades neste nível, você é fraca e sempre será Sirah. Agora você irá sofrer na minha arma, ninguém mandou se rebelar contra mim. — Balbuciava ao pegar a sua espada e então ela enfiou no coração de mais uma vítima, a mesma absorvia a alma impura de Sirah.

O corpo da loira caia no chão, já desfalecido. Freya conseguia vencer mais uma escória do passado, ela então riscava o nome de Sirah de seu telefone e seguia em direção a saída, ela já tinha feito tudo o que queria e foi até que rápido. Sirah iria viver se não tivesse reagido aos golpes da prole de Éris, ela estava cada vez mais leal a morte, parecia ser ali o início de uma possível aliança ao deus da Morte?

Passou-se alguns dias após isso. Ela estava no alojamento da quinta Coorte quando pegou no sono, estava cansada e precisava descansar após um dia conturbado. A morena tentou tirar estes pensamentos da mente e decidiu que iria dormir e acordaria no outro dia com uma solução para seus problemas.

A noite estava agradável e ela se encontrava em um sono profundo, até que a mesma começou a se sentir estranha. Seu corpo estava inerte enquanto que ela se entregava para várias criaturas diabólicas, eles iam ceifar a sua alma. Logo a frente uma mulher de cabelos grisalhos a observava com um semblante diabólico. O que estava acontecendo? Onde ela estava? Tudo o que Freya conseguia enxergar era que ela estava em uma floresta estranha deitada no chão. Seu corpo estava banhado em sangue, cortes profundos eram feitos do pescoço para baixo. Garras daquelas criaturas malditas eram vistas, ela estava sentindo-se perfurada.

Medo era uma palavra que ela definitivamente não colocaria em seu vocabulário, mas Freya tinha que adicionar a partir de agora. As coisas estavam começando a ficar preocupantes para a prole de Éris, sua mente estava conturbada com tudo aquilo acontecendo. Ela não sabia o que fazer, estava perdida e inerte de seus pensamentos, o coração parecia ter levado uma flecha com veneno, ele estava a ponto de romper do peito e sair para fora como se não houvesse amanhã.

Freya estava pagando aquilo que cometeu com aquelas pessoas que causaram o mal para ela no início, de fato eles não mereciam a morte. Ela era uma pessoa descontrola e os ceifou para o seu bel prazer. E agora a alma deles que assombra a sua espada está vingando dela naquele exato momento. Seria este o seu fim definitivo? Ela iria sobreviver a este ataque? Porque não consigo revidar? — Me soltem, eu não irei morrer hoje. Não por criaturas como vocês, eu irei sobreviver e continuar lutando. — Balbuciou enquanto eles a ignoravam. Ela não tinha voz ativa ali e estava falando sozinha enquanto morria ao mesmo tempo.

Seu coração fraco de repente não aguenta a pressão e começa a falhar, ela estava falecendo e não conseguia nem ao menos se defender destes vermes, como Freya era fraca. Ela não servia para ser uma semideusa. — Adeus amigos queridos, mas aqui jaz Freya Kravinoff, uma garota que nem ao menos conheceu a sua progenitora Éris, uma pena... — Proferiu as últimas palavras enquanto que eles finalizavam todo o processo.... Então a jovem acordava após sentir a última garra do monstro em seu coração.

Aquilo tudo era um pesadelo, mais precisamente um presságio do que iria acontecer a jovem. Ela estava estranha, porque sonhou com aquilo de repente? Olhou em volta para ver se alguém mais estava se sentindo assim, mas aparentemente nenhuma das campistas da quinta coorte estavam daquela maneira, era apenas ela. Ela sentiu o seu coração parar. Então como isto foi apenas um sonho? Freya tentava juntar as peças, mas ela não conseguia pensar em nada. Ela sentia um mal pressentimento acerca de tudo isso e era algo que a mesma teria que resolver.

Legenda escreveu:

  • #990033 — Falas de Freya Kravinoff;
  • #cc3333 — Falas de Sharon, mãe de Chester;
  • #009933 — Falas de Sirah;


ADENDOS:
ARMAS UTILIZADAS:
PURGATORY SWORD - Essa espada é feita de ferro estígio a cada vítima que morre por sua lâmina têm sua alma presa, tornando a espada mais forte. Quando o semideus usar esta espada durante a batalha os seus adversários poderão ouvir os gritos de dor e desespero dos mortos em batalha por todos os filhos de Éris, causando medo. [Número de almas - 00].

PODERES UTILIZADOS:
PODERES PASSIVOS:
Nível 1
Nome do poder: Apreciadores da Discórdia
Descrição: Os filhos de Éris/Discórdia são parcialmente conhecidos por serem bastante impiedosos, do tipo que gostam de ver “o circo pegar fogo”, ainda mais se forem eles mesmo que causaram o “incêndio”. (Isso depende muito da pessoa, alguns de seus filhos podem ter não herdado sua maldade.)
Gasto de MP: Nenhum
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum

Nível 3
Nome do poder: Energia
Descrição: Caso haja um clima de discórdia, vingança ou ira no campo de batalha, você irá se sentir mais forte e revigorado.
Gasto de MP: Nenhum.
Gasto de HP: Nenhum.
Bônus: + 5 de HP e + 5 de MP.
Dano: Nenhum

PODERES ATIVOS:
Nome do poder: Palavras torturantes I
Descrição: Fazendo uso deste poder, o filho de Éris/Discórdia pode usar-se dos maiores medos de seu oponente para deixá-los inseguros, frustrados, cansados ou irritados. É preciso que a cria de tal deusa possua impecável oratória e convicção daquilo que está dizendo pois, nesse nível, a habilidade é um tanto frágil.
Gasto de MP: 15 MP Por turno usado
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Deixa o inimigo levemente confuso, contudo, é preciso saber sobre o que está falando.

Nível 3
Nome do poder: Umbracinese I
Descrição: É a capacidade mental que permite ao usuário ter total controle das sombras, podendo manipula-la, move-la, se mover por trás dela, e utiliza-la da maneira que bem entender. Os filhos da deusa da discórdia, assim como sua mãe, herdam tal habilidade, contudo, nesse nível, é algo fraco, e eles dependem totalmente da sombra para realizar os movimentos, conseguem move-las, e faze-las prender as pernas do inimigo, mas com uma força pequena, que não lhes é muito útil.
Gasto de MP: 5 MP por turno ativo.
Gasto de HP: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum


CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Olá, apenas explicando este final, vai ser algo que será desenvolvido no próximo post da trama.

☠☠
avatar
Kalina Blanc
Demônios de Nyx
Demônios de Nyx

Mensagens : 283
Idade : 22
Localização : Anyone knows.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Worst Dementor

Mensagem por Deméter em Sex Ago 11, 2017 4:33 pm

Menina! A senhorita Freya tem claramente um quadro de psicose, My Great Goddess. Mais malvada que a Regina George, mas lendo o background da personagem ela tem várias causas para isso, chocada!

No entanto vamos no ater a avaliação, percebi que você decaiu um pouquinho na coesão textual, você acaba infiltrando um "narrador personagem" em dois pontos de seu texto um deles é no momento em que o narrador começa a indagar-se e surge um -Porque não consigo revidar?-. Percebi que você "caiu na cilada" do pleonasmo como o trexo que você escreve -sair para fora-, a gente ainda encontra esta figura viciosa em outras partes do texto como por exemplo na frase -ela estava pensando se todas as coisas que ela estava fazendo recentemente fosse realmente necessário- o "ELA ESTAVA" repete de forma redundante uma das soluções seria -ela estava pensando se todas as coisas que fizera recentemente eram realmente necessárias-

No entanto esses detalhes não interferiram em minha compreensão do teu texto, afeta apenas a estética dele. Foi mais uma dica. E não se preocupa, a gente que olha de fora está mais suscetível a perceber esses errinhos, o escritor geralmente está focado no desenvolver da trama, que por sinal achei maravilhosa.

Uma última coisa, quando incluir um semideus ou um outro NPC dotado de habilidade registrada no fórum, descreva a habilidade do mesmo em spoiler como você fez com a sua, fiquei um pouco perdida, a principio achei que a Sirah se tratava de uma filha de Afrodite devido a influencia dela sobre as pessoas.

No mais é isso, balinha de coco, qualquer dúvida, reclamação ou questão pode enviar uma MP será um prazer atende-la. Ganho de 1.000 de Xp e 450 dracmas, aguarde a atualização.

Atualizado por Belona




avatar
Deméter
Deuses Estagiários
Deuses Estagiários

Mensagens : 140
Localização : Jardim do Éden

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: The Worst Dementor

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum