The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

BxB

Página 32 de 36 Anterior  1 ... 17 ... 31, 32, 33, 34, 35, 36  Seguinte

Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Narrador Principal em Qui Jul 04, 2019 10:08 pm

O membro 'Alexandra Nikolaev' realizou a seguinte ação: Lançar dados


#1 'Forja' : 1

--------------------------------

#2 'Forja' : 8
Narrador Principal
Narrador Principal
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Idade : 24
Localização : Por ai

http://www.bloodolympus.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Qui Jul 04, 2019 10:12 pm

Lançamento referente aos efeitos do item

O primeiro dado é referente a Gehena, sendo este um efeito ÉPICO
O segundo dado é referente a espada, sendo este um efeito LENDÁRIOS


Alexandra Nikolaev
Alexandra Nikolaev
IV Coorte
IV Coorte


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Narrador Principal em Qui Jul 04, 2019 10:12 pm

O membro 'Alexandra Nikolaev' realizou a seguinte ação: Lançar dados


#1 'D10' : 6

--------------------------------

#2 'D10' : 6
Narrador Principal
Narrador Principal
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Idade : 24
Localização : Por ai

http://www.bloodolympus.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Qui Jul 04, 2019 10:21 pm





GEHENA FINAL

• Gehena [Machado de 73 cm, possuindo apenas uma lâmina curvada e outra menor em seu lado oposto em espiral pontiagudo, sendo perfeita para perfuração. Por todo o seu corpo, é possível ver desenhos místicos e que brilham muito sutilmente quando algum dos efeitos mágicos está em ação. | Efeito mecânico: transforma-se em um chaveiro de sua miniatura | Efeito de ligação: retorna ao dono depois de roubado ou perdido | Efeito 1: Uma ligação maior foi feita entre Gehena e Alexandra, algo possível graças a combinação do sangue da semideusa e runas. Ao abrir a palma da mão, Nikolaev atrairá Gehena. Caso o machado esteja distante, ele será transportado em um pequeno portal, sendo invocado. Caso esteja no ambiente, será atraído rapidamente para a mão de sua dona. Para o caso do machado não esteja no mesmo ambiente, há um custo para a invocação de 70MP.; Efeito 2: Graças a poção de gelo, Gehena terá vantagem sobre a arma de seu oponente, pois sempre que tocar o item do inimigo, a do inimigo ficara congelada por um turno inteiro, além de provocar frio intenso ao portador do item congelado. +50% de resistência ao elemento primário. | Bônus de forja: 15% de dano, FPA e épico +45 de dano. | Bônus épico: + 15 de dano ao usar qualquer habilidade elemental. | Vibranium | Super Alfa | Esmeralda imperial: Aumenta o dano crítico da arma em 30%, aumentando a chance de causar um ferimento grave na mesma porcentagem. Ou seja, se a arma do semideus atingir um ponto crítico, além dos pontos de bônus ainda ganha 30% de bônus da gema.; Rubi Imperial: +40 de dano | Status 100%, sem danos | Dano base: ??? | Épico | Forjado por Nikolaev]

Bônus sorteado: 6. Dano elemental: + 15 de dano ao usar qualquer habilidade elemental.


ESPADA FINAL

• 雙劍 [São duas espadas gêmeas, porém as lâminas não são retas iguais as demais e sim são completamente curvadas, podendo ser consideradas como lâminas longas mas leves. Elas podem ser encaixadas formando uma circunferência perfeita e então assim se transformarem em um chackram grande. A parte da lâmina logo após a empunhadura possuí um desenho de dragão. | Efeito 1: Encantado com fogo, o fio afiado se torna incandescente e extremamente quente, aumentando o dano e a probabilidade de queimar o adversário. Labaredas de fogo também podem aparecer na extensão da lâmina, demonstrando que a arma é um item elemental.; Efeito 2: Ligada de maneira intensa ao seu portador, a espada pode retornar quando “chamada” por ele, sendo algo mais dinâmico e fluído, voltando principalmente depois de lançadas.; Efeito 3: xxx | Bônus lendário: + 30 de dano ao usar qualquer habilidade elemental. | Bônus de forja: 15% de dano, FPA e lendário +60 de dano | Ferro Estígio | Alfa | Espaço para 3 gemas | Status 100%, sem danos | Dano base: ???| Lendário | Forjado por Nikolaev]

Bônus sorteado: 6. Dano elemental: + 30 de dano ao usar qualquer habilidade elemental.

Valor a ser cobrado de Kalel
2 efeitos: 8.000 dracmas (com desconto por ter sido um combo entre fácil e mediano)
Material: 750 dracmas
Lendário: 10.000
Mão de obra: 9.375
Total: 28.125 dracmas >>>> 28.000 arredondo.


Para os dois itens é necessário definir o dano base, deixei o espaço com ??? em cada um dos itens.





Alexandra Nikolaev
Alexandra Nikolaev
IV Coorte
IV Coorte


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Narrador em Sex Jul 05, 2019 7:53 pm


Avaliação


Método de Avaliação:
Realidade de postagem + Ações realizadas – 40%
Escrita: Gramatica, erros, pontuação, coerência, concordância e etc – 40%
Habilidade condizente com os itens criados – 20%
TOTAL: 2.900 xp

Realidade de postagem + Ações realizadas – 40%
Escrita: Gramatica, erros, pontuação, coerência, concordância e etc – 40%
Habilidade condizente com os itens criados – 20%
TOTAL: 2.900 xp (x3 pelas 3 postagens) + 30% = 11.310

Atualizado


Narrador
Realizando sonhos e contando historias

Narrador
Narrador
Narrador
Narrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Noah Blackburn em Sab Jul 20, 2019 1:57 pm

Nome do item: Crucio
Descrição: Sou péssimo com descrições, mesmo que seja só olhar a arma e descrever, então deixo com você. Mas eu gostaria que ela fosse cumprida e que pudesse ser manuseada com uma mão.
Imagem representativa: Aqui
Efeitos: Nenhum
Gemas/Joias: Preciso só dos espaços mesmo. Razz
Material: Vibranium
O material deverá ser comprado? (X) sim
Lançamento dos dados:  (X) lendário
Extras: Como conversamos, estou fazendo o pedido agora, mas não tenho pressa. Obrigado! s2
Noah Blackburn
Noah Blackburn
Mortos
Mortos

Idade : 24
Localização : Ilha de Argos

Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Seg Set 09, 2019 10:46 pm

evento
Introdução


Desde que tinha resolvido trabalhar em projetos pessoais como uma desculpa para não estar na Griffin Enterprises, eu estava buscando por algo para realmente fazer. Esquivar, fugir, evitar. Eram os verbos que redigiam minha ação de não estar no meu local de trabalho, pois, apesar de tudo, Camila Guerrero ainda era engenheira de software e uma das melhores. Minha ex-namorada, a garota que eu pensei que passaria os próximos anos de minha vida e tinha ousado mostrar um pedaço de meu mundo místico. Talvez, tenha mostrado o suficiente para assustá-la.

Jogada sobre uma grande almofada macia e confortável, eu tinha em meu olho esquerdo uma tela de plasma sendo exibida. Em meu colo, a cabeça de Lunafreya, minha mascote, repousava sonolenta enquanto recebia carícias suaves em sua pelugem macia. Buscava no cemitério de armas algo que me inspirasse, que provocasse minha mente o suficiente para ocupar minhas mãos por horas ou dias. O bloqueio criativo nunca tinha sido um problema para mim, ao menos, não até o momento em que meu coração tinha sido partido.

— Talvez eu devesse apenas desistir? — Murmurei para mim mesma, fechando os olhos por breves segundos. Mas ao abri-los novamente, uma imagem flutuou pela tela mística, fazendo-me perder a respiração. — É ISSO!

O grito repentino fizera com que Lunafreya erguesse a cabeça rapidamente. Meu coração estava aos pulos, minha mente fervilhando com possibilidades apenas de vislumbrar o meu projeto. Corri para o lado de fora da forja, pois eu tinha certeza de que aquilo não caberia dentro da construção. Ao estar ao ar livre, respirei fundo e concentrei, sabendo que não seria uma tarefa fácil trazer o item para a minha realidade.

O cemitério de armas era um espaço dimensional praticamente pertencente ao meu pai, Vulcano. Era ali onde ele despejava projetos ou itens enferrujados, coisas que ele já perdera interesse. Eu nunca tinha puxado algo tão grande antes, com proporções que poderia ser considerada gigantescas. Estiquei minhas mãos para frente, fingindo agarrar algo. Gestos e movimentos influenciavam apenas na formação da ideia e na concentração. Em minha mente, eu estava literalmente puxando o item, trazendo para essa realidade ao ponto de fazer o ar vibrar a minha frente. Mas era mais resistente, mais pesado do que uma simples espada ou uma parte de um construto. Precisei fazer literalmente força, minha mente dando pontadas enquanto forçava a entrada daquilo em nossa dimensão. Foi com um grande estrondo que o item finalmente rompera a lógica do universo, sendo materializado bem ali ao lado de minha forja.

Lunafreya estava ao meu lado, rosnando desconfiada e protetora, olhando para aquilo ofensivamente. Sorri acariciando a cabeça de minha cadela-leoa, esperando o restante da poeira abaixar para finalmente ter um vislumbre completo do que eu tinha trazido ao meu mundo. Era um construto humanoide enorme, por estar sentado deveria ter um pouco mais de dois metros e meio. Mas em pé eu poderia apostar alcançar mais de quatro metros de altura!

— Lunafreya, vislumbre o início do projeto Bumblebee! — Falei empolgada, vendo alguns patrulheiros romanos se aproximando. — Está tudo bem, é apenas um novo projeto!

Eles me encararam desconfiados, mas nada puderam fazer já que como uma das principais filhas de Vulcano, eu conseguia algumas regalias por minhas loucas ideias. Aproximei do construto, observando como ele estava enferrujado.

— Deuses, o que aconteceu com você? — Questionei analisando o construto criticamente. — Incrivelmente, boa parte de sua estrutura é feita de vibranium e ainda assim você conseguiu ser ferido dessa forma. Vamos ver onde estar a sua programação.

Eu praticamente tive de escalar boa parte de seu peito para descobrir como abri-lo. Existia uma mecânica simples ali dentro como fonte de energia, sendo espalhado por todo o corpo por uma precária caixa retangular. Provavelmente quem o construiu pensou que o peito de vibranium seria forte o suficiente para proteger a fonte de energia. Doce engano, já que a caixa interna parecia danificada por uma lâmina. Eu teria de reconstruir uma fonte de energia, mas nada que fosse realmente preocupante ou demasiadamente complicado. A programação estava na cabeça que lembrava vagamente a de um humano por apenas ser circular e ter algo próximo a de dois olhos. Queimada o suficiente para que eu não soubesse nem do que se tratava o robô, mas que evidentemente ele estivera em batalhas.

— Ok, primeiro vou construir parte por parte! Assim farei um diagnóstico apurado de cada membro. Vamos começar com o mais fácil.

Falava comigo mesma, sabendo que poderia soar louco, mas precisava dar vasão a tempestade de ideias que vinha a minha mente. Primeiro, voltei correndo para a forja, trazendo comigo o meu cinto de ferramentas e materiais de limpeza. Deixaria aquele construto descente o suficiente, aproveitando para aprender sobre sua anatomia enquanto o limpava. Depois, seria o momento de lidar com a organização de ideias.

Algo que eu só pude fazer no dia seguinte, já que limpar as partes do autômato levou mais tempo do que eu tinha imaginado. Ainda mais quando fazia longas pausas para ponderar sobre o que estava vendo, notando cada detalhe evidente de defeito e mal funcionamento. Por isso, logo cedo eu estava na forja depois de deixar Lunafreya na área para os mascotes, pois logo ela estaria entediada ao me ver trabalhar por longas horas seguidas.

Com o computador ligado e meu bracelete personal funcionando, comecei a fazer anotações sobre o estado atual do autômato: principal programação tinha sido arruinada, assim como a fonte de energia; partes do corpo precisavam de reparos e até mesmo reconstrução; não seria impossível acrescentar partes de um carro para a ideia original do Bumblebee como um robô-automóvel.

Nas longas horas seguintes, trabalhei com programas e aplicativos, analisando e realizando desenhos técnicos para que não ocorressem erros. Era um projeto grande, complexo e que não precisava de pressa para a sua confecção. Porém, não diminuía a minha excitação, a vontade de fazer, permitindo que eu passasse horas ali dentro sem nem ao menos sentir fome. O cansaço vindo apenas quando notei que estava anoitecendo e uma ligação de Alice fazendo meu bolso vibrar.

— Estou viva. — Falei ao colocar o aparelho no viva-voz.

— Acho bom, Nikolaev. — Alice riu do outro lado. — Conseguiu o projeto pessoal que usou como desculpas para evitar a ex-namorada?

Revirei os olhos, sentindo meu coração apertar ao lembrar que Camila já não era mais minha. Mordisquei o lábio inferior, encarando o nada enquanto pensava no que ela estaria fazendo, ou se estaria seguindo com a vida e...

— Alex, você precisa superá-la, pois eu tenho certeza de que ela já começou a fazer isso. — Alice disse em tom cuidadoso.

— O que quer dizer com isso? — Fiquei tensa e escutei apenas silêncio, sabendo que minha melhor amiga estava hesitante. — Fale de uma vez, eu não morrerei por causa disso. Quanto antes souber, mais tempo terei de superar.

— Aparentemente ela está saindo com Rodrigo, um rapaz do RH. — Alice respondeu de uma vez.

Fechei os olhos com força, colocando instintivamente a mão sobre o peito. Como poderia doer tanto?! Nem mesmo as balas, ou o medo provocado pelo filho de Phobos, nada parecia se comparar com o que estava sentindo agora. Camila, depois de apenas algumas semanas, já estava encontrando-se com outra pessoa! Deuses, o que eu tinha feito de errado? Talvez ela estivesse apenas esperando uma desculpa perfeita para terminar comigo?

— Ok. — Disse levemente ofegante, respirando fundo tentando não fungar com a vontade de chorar. — Não estou bem, mas vou ficar Ali.

— Você sabe que há muitas outras garotas nesse mundo, não é? Tanto no humano quanto no místico. Alguém aparecerá um dia Alex, e dará tudo o que você merece ter e muito mais.

— Ok...

Naquele momento eu não me achava merecedora de mais nada. Enxuguei as lágrimas teimosas com um pouco de raiva e pena da situação em que me encontrava. Eu tinha saído dos Celestiais para ter uma vida com aquela mulher. Eu tinha sonhado, planejado e me aventurado a sair da segurança do acampamento apenas para enfrentar o mundo hostil. Ao lado dela!

— Me fale sobre o seu projeto. — Alice pediu.

— Bumblebee. — Respondi automaticamente, suspirando aliviada pela mudança de assunto. — Se chama projeto Bumblebee.

— Bumblebee como o carrinho amarelo daqueles filmes de robôs?

— Exatamente como o do filme.

— Espera... Você está construindo um robô gigante?!

— Basicamente estou reconstruindo um. Mas vou acrescentar as partes necessárias de um carro e possivelmente armas.

— Um robô de guerra?! Alexandra isso é...

— Com um pouco de magia, também terá sabedoria.

— Inteligência artificial? Eu pensei que você tivesse medo da revolta dos robôs!

— Inteligência mágica. É diferente! Além do mais, estará vinculado a mim e a não ser que eu queira conquistar o mundo, ele não fará nada. Meu baby Bee é um inocente!

O diálogo prosseguiu até que finalmente me dei por vencida, desligando a chamada e resolvendo finalmente ter um bom e recheado jantar. Nos próximos dias precisaria começar ter em mente uma rotina saudável para não acabar esquecendo de comer enquanto trabalhava.

Habilidade Usada:

Nome do poder: Cemitério de Armas III
Descrição: Hefesto/Vulcano, tem cemitérios de armamentos velhos, armas, e pedaços de metais espalhados pelo mundo, restos de invenções, autômatos estragados e outras coisas poderão ser vistos nesse cemitério. O filho de Hefesto/Vulcano, poderá ter acesso a esse cemitério sempre que desejar, podendo puxar para o campo (invocar), algo que deseje. Seu poder atingiu o ápice de poder, e agora, uma espécie de tela plana se abre para você, assim sendo, em seu olho esquerdo vai aparecer uma espécie de programação única, com todos os objetos disponíveis dentro do cemitério de armas do seu pai, e você poderá selecionar o que deseja trazer para o campo, podendo resgatar qualquer coisa que deseje para o campo. Lembrando que, isso é um cemitério, e as coisas jogadas nele geralmente são defeituosas, estragadas, enferrujadas, podendo inclusive estarem amaldiçoadas.
Gasto de Mp: - 60 MP
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Nenhum






Alexandra Nikolaev
Alexandra Nikolaev
IV Coorte
IV Coorte


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Qua Set 11, 2019 9:10 pm

evento
Pernas


Estava do lado de fora da forja, sentada no chão enquanto desconectava a perna do corpo principal do robô. Usava de diferentes ferramentas e, por vezes, precisando de uma certa intuição inerente a filhos de Vulcano para entender a mecânica de encaixe. Com cuidado, delicadeza e paciência para não danificar ainda mais o meu baby. Sim, eu já o considerava meu, já que eu o estava salvando e melhorando sua existência! Mas isso fez com que o simples desmontar de duas partes inferiores levassem uma hora e meia. Usando do controle sobre os metais, finalmente pude levitá-los em direção a forja.

Boa parte da manhã foi destinada a desmontar as pernas em locais opostos da forja, ou eu correria o risco de acabar misturando o material pertencente a cada uma delas. Optei por começar a trabalhar pela perna direita, analisando os itens que estavam estragados demais e os que eu poderia manter. Assim como pude planejar como encaixar itens pertencentes a um carro, já que o intuito era de que aquele construto virasse um verdadeiro Transformer.

O plano era simples: as partes de um carro que costumeiramente ficavam na traseira, seriam acrescentadas nas pernas do construto. Naquele momento eu agradeci internamente o meu encontro com Avery, a latina que vinha crescendo no trabalho nas forjas. Ela possuía um item magnifico e que tinha me permitido copiar. Um relógio que trazia para a realidade qualquer coisa que a internet tivesse acesso. Era como ter um código cheat de um jogo e conseguir as melhores peças sem pagar nada! O que tornava perfeito para aquele momento, já que bastava entrar no mercado e buscar por peças de automóveis potentes e extremamente caros.

Fora assim que adquiri todo o equipamento referente a suspenção, silenciador, tubo de escape e amortecedores do mais novo modelo do carro Camaro. Assim como as rodas que ficariam presas discretamente a lateral interna das pernas. Invocado os itens, os deixei perfeitamente alinhados e separados. Com eles tão pertos, eu acessei o meu bracelete tecnológico, revendo a logística e estrutura que tinha planejado. Resmunguei baixinho, percebendo que alguns ajustes teriam de ser feitos para encaixar tudo harmonicamente. Porém, enquanto fazia isso, colocava duas barras de vibranium na fornalha que já estava devidamente aquecida, usando caldeirões como recipientes. Afinal, estaria trabalhando com duas pernas enormes.

Com os novos planos e estratégias, construí modelos básicos usando a impressora 3D para ajustar as necessidades dos itens que precisavam ser refeitos do zero. Parte da estrutura externa das pernas tinham sido arranhadas, sendo necessário apenas necessário reparos de amassos e pequenos cortes. O problema era a parte interna mais sensível, já que as articulações estavam em estado precário e isso tornava toda o construto fácil de ser quebrado. Todos sabiam que as articulações eram a parte mais frágil do corpo. As de meu Bee seriam feitas de vibranium, um dos melhores materiais defensivos que existia no mercado semidivino! Por isso, a não ser as partes internas que exigiam boa circulação elétrica, ele seria revestido e adaptado ao vibranium. O que me rendeu inúmeros desenhos técnicos e um pequeno abuso de minha impressora 3D. Felizmente Nova Roma patrocinava o uso da eletricidade, não tendo de pagar as contas de energia no fim do mês.

Ao finalizar a parte de criação e deixar o caldeirão com o restante do vibranium em repouso, era a hora de brincar de quebra-cabeça. Com um intervalo pra o almoço, era claro! Ao retornar, fiquei literalmente sentada no chão, rodeada de pequenas peças e cabos, acessando constantemente o “mapa” de construção que tinha feito no holograma emitido em meu bracelete tecnológico. Encaixar peça por peça, descobrir erros após montar apenas para refazer tudo novamente. Usar descaradamente dos poderes de meu pai para criar ligações perfeitas entre os itens do robô e os do carro. Aquilo levou basicamente a tarde inteira, sem que eu percebesse as horas passando. Ao final, a perna direita estava pronta! Ao menos, a sua estrutura estava.

— Ok, agora vem a parte da magia! — Exclamei para mim mesma, tirando de meu cinto de ferramentas a caneta mágica.

Um dos efeitos que eu almejava que o Bumblebee tivesse era o de flutuar em superfícies. Assim, mesmo que tivesse de lutar em um local rodeado de água, ele poderia simplesmente flutuar sobre a água. Para tanto, na base do pé, comecei a desenhar signos mágicos com a caneta preenchida com meu próprio sangue.

O primeiro signo que parecia ser mais lógico para cumprir com esse propósito era o de ar. Logo Aer estava sendo confeccionado. Foi seguido da palavra mágica celta que representava a energização mais intensa, Fuinneamh. Por último, Ag Bogadh foi posta acima das outras duas, significando movimentação. Ao terminar, movi meus ombros, sentindo a musculatura tensa ao ter energizado e selado as palavras enquanto ainda as desenhava sobre o metal.

O horário do jantar tinha chegado, assim como o momento de buscar Lunafreya. Estava com minha mascote do lado, olhando para o alto hesitando com a ideia de retornar para casa. Um lugar que tinha se tornado grande demais desde que Camila tinha devolvido as chaves. Soltei um longo suspiro, tocando a cabeça felpuda de minha companheira mística.

— Acho que ficarei nas forjas, tenho tempo de concluir a outra perna e dormir por lá mesmo. Você prefere ir para a floresta?

Ela pressionou o rosto na lateral de meu corpo, o roçou e surpreendentemente seguiu o caminho em direção a forja. Sorri aliviada, sabendo que naquela noite não estaria sozinha. O processo com a perna esquerda seria basicamente o mesmo que da direita, talvez um pouco mais rápido por já ter feito antes e concertado erros que seria repetido caso não tivessem sido evidenciados a tempo. Assim, antes mesmo da meia-noite, eu estava deitada usando o corpo de Lunafreya como apoio, aquecida por sua constituição naturalmente quente.





Alexandra Nikolaev
Alexandra Nikolaev
IV Coorte
IV Coorte


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Qua Set 11, 2019 9:13 pm

evento
Braço Direito

A facilidade encontrada em fazer as pernas, apesar de ter sido trabalhoso, criou uma ilusão de que as coisas também seriam assim quando partisse para as outras partes do corpo de meu projeto. Doce engano!

Eu encarava o braço direito sobre a mesa com uma expressão quase em desespero. Era a parte mais desgastada e enferrujada. Não seria necessário criar itens, mas sim reparar quase todos os ligamentos. As mãos eram repletas de pequenos detalhes, para que os movimentos de cada articulação dos dedos fossem perfeitos e idênticos a de um humano. Ele teria de ter precisão em pegar, empurrar, sustentar e manusear uma arma. Por isso, minha principal arma naquele cenário de combate a ferrugem e pequenos danos foi a minha lapiseira constrói tudo.

Com um holograma flutuando a minha frente da estrutura que eu queria que a mão tivesse, comecei o trabalho de soldar, ajustar, recalibrar cada “nervo” e ligação. Era um trabalho que envolvia paciência e precisão, tempo e cuidado. Um erro ali e eu teria de realmente começar tudo novamente, perdendo todo o material. Assim, a todo momento, com os cabos conectados a uma energia, sempre estava testando os resultados, fazendo com que a mão movesse a cada passo. Algo que era possível apenas por ser uma filha de Vulcano, forçando um pouco a conexão mística com as máquinas para que ela me mostrasse os resultados e as possibilidades de concerto. Boa parte de minha manha tinha sido reservada àquilo. Mas, no fim, tinha valido a pena quando a mão conseguiu acenar, fazer legado e fechar em punho.

Terminado o problema com a mão, era o momento de lidar com a estrutura do braço. Para tanto, usei do relógio que conseguia invocar itens, procurando pelas peças do último e mais avançado modelo do Camaro. Naquele braço estariam o distribuidor, o freno de disco, transmissão, acelerador e embreagem. Ao trazer cada peça, as coloquei separadamente em uma mesa, verificando a qualidade e sua estrutura, para ajustar meus cálculos quando fosse necessário.

Estava para começar a montar quando uma ideia atravessou a minha mente. Não existia um momento nos filmes e qualquer referência aos Transformers que eles não tivessem armas. Bumblebee precisava de seu próprio equipamento! Joguei meu corpo contra a cadeira, cobrindo meus olhos com o braço enquanto sentia incomodo com minha própria criatividade e mania de perfeição. Afinal, tudo seria mais fácil se eu simplesmente criasse um robô. Mas não, eu queria construir um robô com independência e capacidade de se defender! Retirei o braço para olhar ao redor, chegando a uma conclusão rápida: minha forja não daria conta de uma espada proporcional ao tamanho do autômato.

Ajustei minhas coisas, pegando tudo o que achava necessário e jogando dentro de minha mochila sem fundo. Então segui para as forjas públicas, sabendo que lá era espaçoso o suficiente para que vários ferreiros trabalhassem ao mesmo tempo.

— Alexandra?! — Um garoto alto e corpulento me identificou rapidamente. Ele estava sujo de fuligem e suado, mas era uma aparência comum a um filho de Vulcano.

— A própria. — Brinquei tentando esconder a leve timidez que sentia ao falar com estranhos. — E você seria...?

— John Carter! — Ele respondeu rapidamente, aparentemente nervoso. — Veio usar as forjas? Digo, é óbvio, você está aqui mas... Eu posso ajudar em algo?

— Na verdade, pode sim. Poderia verificar quais fornalhas estão livres?

— Use a minha! Eu já terminei e está aquecida. O que irá derreter?

— Dois lingotes de vibranium.

— Irá fazer uma armadura?

— Não, uma espada. Uma espada bem grande!

O sorriso enorme dele se tornou um reflexo do meu. Filhos de Vulcano aparentemente se sentiam animados por coisas similares. Felizmente John era o único presente na forja, ajudando-me a colocar o metal precioso do vibranium em caldeirões e a ajustá-los na fornalha. Depois, preparamos um molde especial para uma lâmina grande, com a ajuda dele aquilo se tornou mais rápido e mais fluído. Ele questionava constantemente sobre as medidas, sobre o designe ou sobre quem iria conseguir portar aquela espada. As perguntas não me incomodavam, pelo contrário, evitava que os intervalos longos de espera se tornassem tediosos.

Quando o vibranium finalmente derreteu, ele me ajudou a colocar o líquido metálico no molde criado por nós dois. Era algo bonito de ver, já que ambos usávamos do nosso controle sobre o metal para fazer o caldeirão flutuar e derramar, impedindo que qualquer gota fosse desperdiçada. Eu percebia que ele estava fazendo um esforço pra se concentrar, provavelmente ainda trabalhando para aprimorar aquela habilidade tão útil. Sorri grande quando finalmente terminamos, ele ainda mais suado e aparentemente cansado pelo esforço e autocontrole.

— Você vai precisar de um grande balde de água para fazer o choque térmico e...

— Não será preciso. — Comentei tocando o molde, usando da habilidade de esquenta-esfria para o metal se solidificar. — Felizmente criei um martelo que é perfeito para a ocasião.

John uniu vários lingotes para comportar o tamanho da espada. Ele ajudou-me ao segurar o cabo para manter a espada estável enquanto eu desferia golpes com o meu martelo mágico. Uma ferramenta formidável, que me auxiliava a moldar o metal de acordo como queria. Assim, tínhamos economizado mais da metade do tempo. Foi graças a esse martelo que eu também consegui fazer a lâmina ficar retrátil. Afinal, não seria possível encaixar algo tão afiado sem prejudicar o restante da estrutura de meu robô. Eu precisava fazer com que ela retrocedesse e ficasse segura quando acoplada no braço. Era esse detalhe que me fez permanecer ali boa parte do tempo, medindo e verificando o mecanismo de retração e crescimento constantemente.

Agradeci ao meu meio-irmão pelo auxílio, prometendo que jantaríamos juntos mais tarde, podendo assim dar dicas de forja para ele. Ao retornar para a minha própria forja, terminei o procedimento, aplicando detalhes, polindo e afiando a lâmina. Só então retornei ao braço direito, modificando e ajustando o design para receber aquele último detalhe.

O quebra-cabeças foi iniciado, novamente estava ali colocando peça por peça. Ajustando, medindo, verificando duas ou três vezes. Deixando os cabos e ligações externas corretas, já que precisaria ligar alguns itens ao tronco do robô, onde estaria o motor e a fonte de energia. Após encaixar tudo, ainda poli novamente a parte externa do braço, testei os circuitos internos e procurei por possíveis erros. Satisfeita após um longo trabalho, finalmente segui para o jantar com John Carter, sabendo que precisaria de boas dosagens de néctar e Ambrósia para me recuperar do uso de poderes.






Última edição por Alexandra Nikolaev em Qua Set 11, 2019 9:15 pm, editado 1 vez(es)


Alexandra Nikolaev
Alexandra Nikolaev
IV Coorte
IV Coorte


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Alexandra Nikolaev em Qua Set 11, 2019 9:15 pm

evento
Braço esquerdo


Se o lado direito tinha dado problema por causa de sua mão, a parte canhota do membro superior mostrou como desafio o metal mais externo. Era como se ele tivesse sido atacado por algo bastante ácido e corrosivo, deteriorando o metal ao ponto de deixá-lo frágil. Mesmo que fosse de origem tão poderosa quanto o vibranium, eu precisaria fazer tudo novamente. Em compensação, a parte interna dos circuitos e engrenagem, assim como os fios de articulação, estavam bastante conservados.

Tinha reservado a manhã para fazer o novo desenho técnico do braço, acrescentando uma regalia ao meu Bee: um escudo retrátil. Seria similar a ter um bracelete que se desdobrava de maneira circular, formando o metal protetor. Sim, eu poderia ter colocado ali um canhão de luz ou uma arma automática de balas de alto calibre. Mas não tinha em mente algo tão letal e perigoso, ao menos não mais do que já era.

Antes de finalizar as dimensões do braço, peguei o relógio que reproduzida itens para buscar quais iriam ser complementaria no lado esquerdo do construto. O freio, a suspensão frontal, o alternador e as válvulas de escape seriam acrescentadas ali. Ao invocar para essa realidade, poderia completar suas dimensões e estruturas em meu desenho técnico.

Ao finalizar, voltei minha atenção para a fornalha que tinha acionado no início da manhã. A quentura provocava arrepios em minha pele, algo estranho desde que eu tinha manifestado semanas atrás uma certa afinidade com a manipulação do gelo. Coloquei um lingote de vibranium para derreter, voltando minha atenção posteriormente para a impressora 3D. Anexei o arquivo que continha o design detalhado e complexo do braço, duvidando internamente que uma impressora comum fosse capaz de produzir com tamanha perfeição. Mas aquele modelo era mágico e adaptado para as minhas necessidades e exigências.

Enquanto o vibranium sofria com o processo de liquefação, tirei um tempo para relaxar e recuperar as energias, me distraindo com e-mails do trabalho na Griffin Enterprises. Ainda era sócia da empresa e possuía responsabilidades, além de possuir inúmeros convites de palestras por toda o país. Algo que eu não pretendia atender, mesmo que algumas propostas chamarem minha atenção. Estar rodeada de humanos depois da seita ainda era um desafio. Quando finalmente em seu estado mais líquido, forneci a impressora com o metal base para criar o braço de meu bebê. A impressora teve de aumentar magicamente de tamanho para poder aderir as dimensões grandes que apenas um membro do autômato possuía.

Tendo de aguardar a criação designada pelo item tridimensional, voltei a trabalhar na parte interna do braço. Encaixei as partes do carro em seu interior, ligando e conectando as peças do próprio autômato. Chequei a funcionalidade da mão, já que a parte destra tinha dado trabalho anteriormente. Era como realmente montar um quebra-cabeça, em que um erro cometido impedia de que o todo ficasse harmônico. Quase uma hora depois a impressora finalmente deu o alarme referente ao trabalho completo. Sorrindo grande, caminhei até o dispositivo para pegar o exoesqueleto só braço e colocá-lo de maneira ruidosa sobre uma mesa.

Apesar de ter confiança no meu desenho técnico e na qualidade de minha impressora, eu ainda revisei todo o item. Com a constrói tudo a minha disposição, me livrei de pequenos erros e falhas, coisas que fariam – por exemplo – a lataria ser arranhada toda vez que o desdobramento do metal acontecesse. Pequenos detalhes foram acrescentados, estes pertencentes mais a uma parte artística do que de fato ao lado mais técnico e funcional.

No fim, precisei de mais um intervalo para comer e descansar antes de finalizar o braço esquerdo. Ao retornar, boa parte da tarde foi formada pela montagem e testes do membro superior. Algo que apesar de soar simples, precisou ser refeito nos passos finais apenas por ter esquecido algumas pequenas partes de um mecanismo, uma que impedia a articulação referente ao cotovelo mover corretamente. Afinal de contas, nem mesmo eu estava isenta do erro.






Alexandra Nikolaev
Alexandra Nikolaev
IV Coorte
IV Coorte


Voltar ao Topo Ir em baixo

BxB  - Página 32 Empty Re: BxB

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 32 de 36 Anterior  1 ... 17 ... 31, 32, 33, 34, 35, 36  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum