The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

CCFY Kyvie {Promoção} - Encontro de Almas

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: CCFY Kyvie {Promoção} - Encontro de Almas

Mensagem por Kyra C. Ferreli em Qui Jun 29, 2017 11:30 pm




Encontro de Almas
Volta teu rosto sempre na direção do sol, e então, as sombras ficarão para trás.

Eu costumava dizer as pessoas que sofriam por amor que era fácil partir para outro, costumava acreditar que se um dia fosse ter um relacionamento, ele seria duradouro, e que se não fosse para ser, eu sairia bem, mais linda e viva do que nunca. Eu estava errada. O coração não escolhe quem ama, e quando é machucado a dor é intensa, é viva, ela te destrói de dentro para fora, corrói a alma, machuca o corpo, e te impede de sentir de verdade. O sentimento é tão intenso que você sente que vai sufocar, mas não sufoca, você continua respirando, mas não aprecia o ar que adentra seus pulmões, pois os cacos que vem junto te perfuram, te machucam, te destroem. É algo realmente venenoso e transborda por meio das lagrimas que inundam seu rosto, hoje seu disso mais do que ninguém.

Eu te amo...

Sufoquei o grito com um soluço, mordi o punho e acelerei a corrida, levando meu corpo a um limite desconhecido por mim. Ela estava certa em amar outra pessoa, o que eu era afinal? Eu já a tinha machucado antes, muito antes de tudo aquilo acontecer, e sim, ainda me torturava lembrar disso, descobrir que certa vez eu a tachara de traidora por um preconceito idiota. Eu não a merecia, eu não merecia Evie Farrier, mas droga! Meu coração a amava, gritava e implorava por ela, cada célula dele respirava por ela, mas eu não conseguia voltar, não agora.

Eu a tinha machucado mais de uma vez, tinha lhe afastado, negado meus sentimentos, a expulsado e enxotado da minha vida. Tropecei sobre um galho, continuei a correr, trombei contra as arvores diversas vezes, choquei-me com arbustos e arranhei meu corpo em diversos locais, mas não parei. Eu nem sabia para onde ia, não tinha me tocado em que ponto do jardim floresta tinha chegado, não sabia onde estava e não tinha ideia de como voltar.

Foi o grito conhecido que me deteve... foi meu nome dito em completo desespero, foi ela.

Eu virei rápido, o corpo de Evie se chocou contra o meu, e eu mal tive tempo de processar o que acontecia, só senti o impacto. Cai no chão de qualquer jeito, protegida pelo corpo dela, seu cheiro me atingiu em cheio, sua voz entrecortada dizia algo abafado em meu ouvido, mas minha reação era completamente patética. Meus olhos estavam arregalados, minha respiração saia aos arquejos, as lagrimas pararam de jorrar, e a surpresa foi tamanha que nem processei o que estava acontecendo.

Evie...

Evie estava ali...


Sangue manchou a camisa clara da minha namorada, eu ergui o olhar contra o dela, bem a tempo de ver seus olhos azuis, aqueles olhos que eu tanto amava, apagarem completamente. Sufoquei o grito de horror ao entender o que estava acontecendo, e sufoquei outro pior ainda ao ver a flecha cravada em suas costas. As lagrimas vieram mais fortes do que antes, e a dor foi triplicada, meu peito rasgava, meus dedos estavam trêmulos, e Evie Farrier, estava morrendo.

— Não... Não, NÃO! — Gritei sabendo que morreria junto com ela. — Por favor, por favor, eu amo você, eu faço qualquer coisa, me perdoa amor, fica comigo — Segurei seu rosto entre as mãos, sustentei seu corpo e beijei sua testa enquanto a acalentava em meus braços. Evie não se mexia, eu me desesperava, sentia minha alma deixar o mundo junto com ela, e não conseguia fazer nada para evitar. Eu era um fracasso e tinha perdido o amor da minha vida por não enxergar o que estava diante dos meus olhos.

— Shii, não fala nada, não precisa — Malditos deuses brincando conosco! Não éramos objetos que podiam ser manipulados por entidades mortais, e mesmo assim, o que faziam conosco?

Eu amo você...

Lá estavam as palavrinhas mágicas, as mesmas que outrora me torturavam por serem destinadas a outra pessoa, mas que nunca soaram mais verdadeiras. Eu vi seu sorriso... seu lindo sorriso, morrer aos poucos enquanto seu corpo desabava completamente sobre o meu, então a puxei para perto e implorei. Rezei para minha mãe, implorei a Vênus que se existisse mesmo que ouvisse meu apelo e me levasse no lugar dela, mas mamãe nunca me escutou de verdade, ela não atendeu meu pedido. Um trovão cortou os céus no momento exato que eu a apertei em meus braços, eu não ia deixa-la, não conseguia deixa-la.

— Eu te amo... não me deixa...— Minha voz saiu falha, rouca em meio as lagrimas. Pétalas de rosa dançavam ao meu redor, o perfume das flores tinha se tornado mais forte, mais intenso, era uma verdadeira tempestade harmoniosa e furiosa, que agitava meus cabelos arruivados e me fazia arfar em meio a surtos de dor. Mesmo assim foi impossível não perceber quando elas apareceram, vieram aos montes, circularam meu corpo, circularam Evie, brilharam ao meu redor tão nitidamente que até minhas lagrimas desapareceram por completo.

Apertei a filha de Nox em meus braços, como se assim pudesse protege-la das borboletas que circulavam nosso corpo, eu não permitiria que elas a tirassem de mim, não importava se morreria no processo, ninguém ia tira-la de mim! De qualquer forma eu já não encontrava um sentido para continuar com os olhos abertos, me entregar seria muito melhor do que passar a vida me sentindo culpada por ter falhado com aquela garota. Eu a amava, e ela tinha sido tirada de mim.

— Saia daí! — Uma única borboleta se atreveu a pousar sobre a flecha dourada que perfurava o corpo de Evie, e eu podia descrever cada detalhe dela. Ela brilhava em tons de azul e roxo, misturava-se e batia as asas de uma forma lenta, relaxada, mas como magia, desapareceu no ar, deixando para trás apenas um brilho sutil de estrelas. Pisquei desnorteada e sem entender o que estava acontecendo, e fiquei mais confusa ainda quando a flecha também se desmaterializou em frente aos meus olhos, sumindo assim como a borboleta. Arfei surpresa e puxei o rosto de Evie para mim, a esperança transbordava acima do medo, meu coração disparou feito louco, e a voz suave me incentivou a continuar.

Beije-a...

Era um comando que não abria brechas para discussões, direto e firme, porém suave. Meu milagre veio do além, encheu meu peito de esperança e me fez inclinar o rosto para perto do de Evie. Recostei nossas testas de maneira suave, ergui seu queixo delicadamente com uma das mãos, então fechei meus olhos e a beijei. Era apenas um roçar de lábios, algo sutil e sem qualquer malicia, era carinho, era desejo, desejo por vê-la bem, respirando. Era vontade, saudade de fitar seus olhos e ver aquele brilho vivaz de azul me encarando de maneira penetrante....

As lagrimas vieram sem permissão, mancharam meu rosto, molharam o rosto dela enquanto meus lábios se moviam devagar de encontro aos da minha namorada, mordi-o fracamente, daquele jeitinho carinhoso e provocante que ela tanto gostava, então a desejei mais profundamente. Nunca quis tanto algo na vida como quis ter Evie Farrier de volta, daria qualquer coisa por mais tempo, por mais um sorriso, por mais um olhar...

Um minuto inteiro se passou comigo esperando por qualquer reação...

Minha esperança estava por um fio...


O ar se tornou mais forte ao nosso redor, senti meus cabelos se agitarem ainda mais, e com eles, veio o cheiro das flores lilases de primavera. Abri os olhos por um momento, e então presenciei as borboletas dançando ao nosso redor, no minuto seguinte, Evie arfou em busca de ar. Soltei seus lábios e pisquei surpresa, ela me agarrou com força e me puxou contra o peito, mas não a força com que eu estava acostumada a lidar, ela tinha impregnado uma pegada brusca que me causara um leve incomodo. Mas quem disse que eu ligava?

Evie respirava!

E me apertava!


Eu a abracei de volta, afundei o rosto em seus cabelos e a puxei ainda mais para perto, se pudesse teria me fundido a ela ali mesmo.

— Sua idiota! — Bati em seu ombro, a soltando vermelha e com raiva. — Eu estava com a sua jaqueta, nada ia me machucar! — Rosnei, mais lagrimas escaparam livremente pelo meu rosto, então eu a puxei para perto. — Não me deixe... nunca mais faça isso comigo Farrier, ou eu... eu.. eu juro que mato você! — Solucei, grudando as mãos em sua camisa e a puxando para mais perto, ela me abraçou e riu contra meus cabelos.

— Eu te amo, babygirl — Aquele maldito apelido fez meu coração disparar mais uma vez, tudo ficaria bem, desde que ela estivesse comigo.

Funguei manhosa ao deitar a cabeça em seu ombro, agradecendo o milagre desconhecido mesmo sem saber de onde ele viera. Seus braços circularam minha cintura, e nós permanecemos ali, abraçadas e ajoelhadas em meio a grama verde por um bom tempo, até eu erguer o olhar. Eu fitei seus olhos com uma intensidade desconhecida, busquei qualquer indicio de que aquilo era mentira, como se não pudesse acreditar que ela estava mesmo ali, viva e respirando. Eu só conseguia sentir alivio, alegria e amor, porque milagres existiam e porque alguém me escutara sufocando, e a trouxera de volta.

— Eu não sou nada sem você Evie, eu.. eu — Olhei minhas mãos manchadas pelo sangue da garota, então voltei a erguer o olhar e solucei novamente, voltando a chorar como uma criança manhosa, deuses, quando diabos eu tinha ficado tão sensível? — Eu não sei o que teria feito se você tivesse, eu teria... eu acho que fui junto por um momento, eu — Arfei baixinho, ela me acalentou em seus braços, passou as mãos em minhas costas e beijou meus cabelos.

— Shii amor, já passou, estou aqui babygirl — Fechei os olhos e me deixei levar pelos seus carinhos, sem querer me mover ou sair dali.

Pisquei algumas vezes ao ajeitar a cabeça em seu ombro, e foi então que eu as vi novamente, as borboletas...

As borboletas!

— Eu tenho que agradecer as borboletas! — Disse surpresa ao erguer o olhar e me levantar de qualquer jeito.

— As borboletas? — Evie perguntou confusa, e como se só agora tivesse notado as criaturinhas de asas brilhantes, ergueu o olhar e fitou ao redor, tão surpresa quando eu estava.

No minuto seguinte um clarão de luz invadiu o jardim de primavera e em seu lugar surgiu uma garota. Ela era linda, de um jeito peculiar e surpreendente. Tinha cabelos cor de fogo e olhos azuis intensos, sorria de maneira gentil, mas tinha as bochechas coradas, como se estivesse com vergonha. Sua face era harmoniosa e doce, seus lábios eram carnudos e macios, seu nariz era levemente arrebitado, e ela se vestia de branco, um anjo de branco, mas sem as asas. Uma borboleta posou no nariz da garota, ela riu e a pegou com o dedo indicador, a libertando para voltar a circular ao seu redor como todas as outras. Ela sorriu de uma maneira divina em direção a onde eu estava com Evie, e nos duas nos entreolhamos em pura confusão.

— Acho que eu devo uma explicação, não é? — Ela disse de maneira gentil, e nos cumprimentou em seguida, meio atrapalhada, mas sem deixar de ser doce ou delicada. Se anjos realmente existissem, aquela garota certamente seria um.

— Quem é você? — Perguntei, dando um passo à frente levemente curiosa. Eu não conseguia evitar, a sensação de conhecimento, do saber, sempre fora mais forte do que eu.

— Eu minha querida, sou Psique — Ela piscou de uma maneira travessa, e franziu o nariz de um jeito que a deixou extremamente fofa.

— A esposa de Eros — Evie completou, eu franzi a testa, tentando me lembrar do mito.

— Sim, minha história é bastante popular no mundo dos deuses, e dos semideuses, acho que arrumei algumas confusões também — Ela me fitava de uma maneira estranha, chegava a ser curiosa. — Eu era como você, curiosa a ponto de burlar as regras, isso me custou o amor de Eros por um tempo, temos isso em comum, sabia? — Ela questionou, eu neguei, pois não lembrava do mito da deusa do amor, mas certamente o procuraria mais tarde.

— Você salvou a vida de Evie — Eu deduzi, até porque era obvio, já que a garota a minha frente na verdade era uma deusa.

— Errado, o amor entre vocês a salvou — O sorriso nos lábios da deusa cresceu ao dizer. — Quando me tornei uma deusa as borboletas se tornaram minhas aliadas, e claro, foi me dada a representação sobre as almas, mas confesso, tenho uma queda em particular pelas almas gêmeas.

— Almas gêmeas? — Evie perguntou, eu também queria saber, por isso dei um passo à frente, totalmente atenta aquela deusa.

— Sim — Psique confirmou, e se sentou sobre o gramado, deixando o lugar ainda mais belo. — É algo que faz parte da criação do homem como ele é conhecido hoje, incompleto e buscando sempre por algo. Outrora, ele possuía uma alma magnifica, mas pela sua ganância desafiou o deus dos deuses. Como castigo, ele foi divido ao meio e isso incluía sua alma. Vocês duas são uma parte separada de algo que já foi um só, destinadas a sempre tentarem se encontrar em todas as vidas. Isso é raro, são poucas as vezes que as almas gêmeas tem sucesso..

— Nós duas somos...? — Eu não terminei a frase, estava surpresa demais, meio incrédula também, ainda não tinha total conhecimento sobre o mundo dos deuses.

— Exatamente — Psique confirmou novamente, encarou a nós duas e juro que vi em seus olhos uma admiração estranha, como se ela encarasse uma pintura antiga ou um tesouro que a muito devia ser encontrado. Corei forte e desviei o olhar, sem conseguir aguentar o peso dos olhos da deusa sobre mim.

— Foi por isso que a poção não funcionou... — Evie murmurou baixinho, mas eu a ouvi. Arqueei a sobrancelha, ela deu de ombros antes de completar. — Eu te falei, você não me ouviu?! — Ela perguntou, me desafiando a dizer o contrário.

— Você estava morrendo! — Acusei, sabendo que não conseguia processar direito naquele momento, porque ela estava mesmo morrendo! E eu estava desesperada.

Psique riu, nós duas nos viramos em direção a deusa, ela tombou a cabeça para o lado e sorriu novamente, ela era tão linda e tão graciosa.

— Vocês são mesmo uma graça, mas eu tenho que ir — Ela se levantou e voltou a sorrir. — Afrodite ficara furiosa com o que aconteceu aqui, mas antes — A deusa se virou para mim. — Eu adoraria ensinar a você Kyra, nunca tive alguém que encontrou a alma gêmea como seguidora, realmente adoraria ensina-la, o que me diz? — Abri e fechei a boca diversas vezes, surpresa, espantada e encantada tudo ao mesmo tempo.

Encarei Evie em busca de ajuda, ela sorriu mais ainda e balançou a cabeça, então eu me virei para a deusa e sorri com fascínio no olhar. — Eu aceito — Psique acenou antes de desaparecer em uma iluminação azul a branca. Uma borboleta surgiu em meu pulso, uma marca, uma tatuagem do que eu tinha me tornado. Suspirei surpresa, meio com cara de idiota também. Então eu me virei para Evie e a encarei de cima abaixo, apenas para ter certeza de que estava tudo bem, quase suspirei outra vez, mas de alivio pela confirmação de que ela estava ali, e era minha.

— Vamos, temos que sair daqui — Evie concordou, pegou minha mão e me guiou pela floresta, mas parou como se lembrasse do nada no meio do caminho. — A pedra? — Ela perguntou, eu sorri.

— Eu a peguei — Respondi. Ela sorriu de volta, e voltamos a correr.

Encontramos Miranda no caminho, gritando para nos apressarmos, e dizendo algo sobre guerreiros derrotados segurando Adônis. Evie puxou o cajado e abriu o portal, e juntas, pulamos em direção a fenda e deixamos para trás a dimensão do amor.

O desfecho dessa história não é grandioso, é simples. Recuperamos a pedra da lua e ela voltou a sua portadora original, ou seja, Artémis. As caçadoras partiram sem nós, e nós duas retornamos ao acampamento. Estávamos diferente de uma maneira que ainda não compreendíamos, tendo em vista que mantínhamos uma única certeza em mente. Eu a protegeria, ela faria o mesmo comigo, e isso continuaria e continuaria pelo restante das nossas vidas, afinal, éramos almas gêmeas.
Pedido:

Se possível, gostaríamos que a benção abaixo fosse inclusa em nosso perfil. Se acharem o bônus alto aceitamos diminuir, mas consideramos que é um bônus aceitável, agora se acharem baixo, aceitamos que aumentem ele também.
 Benção das almas gêmeas: uma benção dada pela própria Psiquê, ao reconhecer Kyra e Evie como almas gêmeas, no termo mais literal e mitológico. Como parte de uma alma que foi separada, ao estarem juntas a benção se torna efetiva. Essa benção aumenta em +10% o poder das duas, tanto em dano quanto em atributos físicos. Ela também provoca uma sensação de saber quando a outra está viva ou não, como uma intuição profunda.
Meus bônus:

• Play Play – Play é a sua jogabilidade e sorte melhorada, toda postagem executada por seu personagem nos próximos 7 dias (uma semana) terá XP dobrado. (06/07/2017).

• Coin – O coin é um pequeno bichinho da sorte que pode torna-lo mais rico, toda postagem executada por você nos próximos 5 dias ganha dracmas dobrados (valido para postagens que valem dracmas, a data será acrescentada ao perfil). (Valido até: 14/06/2017) (Eu comecei a missão com ele, está no primeiro post também, só ressaltando aqui.
Kyra


DO YOU EVER WONDER IF THE STARS SHINE OUT FOR YOU?
avatar
Kyra C. Ferreli
mentalistas de psique
mentalistas de psique

Mensagens : 261
Data de inscrição : 23/03/2017
Idade : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CCFY Kyvie {Promoção} - Encontro de Almas

Mensagem por Quione em Sab Jul 01, 2017 4:13 pm


Avaliação

Aceita.

Houveram algumas vírgulas e pontos perdidos, mas para o tamanho da CCFY e para a qualidade do texto, acho inconcebível remover esses pontos, visto que a fluidez da leitura e a colocação da história e clímax me fizeram passar direto por esses erros na primeira vez que li.

Achei a história empolgante e apesar da Evie não ter solicitado nenhum item para si, ela será recompensada pela luta heróica com a pele do leão da Neméia.

Kyra ainda receberá seu item modificado.



Avaliação

Kyra

4750 x 2 = 9.500XP  - 5000 x 2 = 10.000 dracmas

• Ψ Mantle of Soul [Um manto que cobre o corpo completo do usuário. Funciona como um escudo, aparando parte dos golpes físicos, e como um manto de invisibilidade, tornando o corpo do usuário invisível. Quando desativado, vira um casaco ou jaqueta. Quando utilizado para defender golpes que visem a alma do usuário, sua defesa é dobrada.| Efeitos 1:  Redução de danos recebidos em 40% quando aparados com o manto. Efeito 2: Torna o usuário invisível, sem ocultar som, cheiro ou aura.| Material desconhecido | Resistência Beta | Status: 100% sem danos|Item mágico| Presente de ingresso em grupo secundário.]

Evie

4750 x 3 = 14.250XP- 5000 dracmas


• Pele do leão de Nemeia [É literalmente a pele do leão lendário de Nemeia, algo feito de pelo dourado e cintilante, nada pode perfurar essa pele | Efeito 1: Transformar-se em uma jaqueta de couro simples. Efeito 2: Protege o semideus contra perfurações de qualquer tipo de arma, ou seja, enquanto estiver vestindo a pele do leão de Nemeia a proteção contra perfurações será de 100% | Único e desconhecido, algo referente a aço e couro mágico | Sem espaço para gemas | Alfa Prime | Status: 100% sem danos |Lendário| Necessário nível 50 para conseguir usar o item | Conquistado no evento de aniversario, CCFY almas gêmeas]


Para ambas:

Benção das almas gêmeas: uma benção dada pela própria Psiquê, ao reconhecer Kyra e Evie como almas gêmeas, no termo mais literal e mitológico. Como parte de uma alma que foi separada, ao estarem juntas a benção se torna efetiva. Essa benção aumenta em +10% o poder das duas, tanto em dano quanto em atributos físicos. Ela também provoca uma sensação de saber quando a outra está viva ou não, como uma intuição profunda.



xιόνη
winter
is coming
avatar
Quione
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 487
Data de inscrição : 12/07/2013

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum