The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

Quando o Passado Revive — Gwen Smethwyck-Harle

Ir em baixo

Quando o Passado Revive — Gwen Smethwyck-Harle

Mensagem por Gwen Smethwyck-Harle em Ter Maio 30, 2017 1:34 pm

i. I am going Back to Brooklyn to wear that ball and chain;

Acampamento Meio-Sangue, Tempos Atuais, 06:00 AM

As pálpebras tremularam antes que fossem abertas; por detrás delas, um par de íris em um tom amendoado exteriorizam-se, dispostas em um olhar arregalado. Em um rompante, sentou-se na cama, fitando o teto em fitando o teto em tons de roxo e preto, sendo aquele um indicativo de que estava acordada, segura em seu chalé. Era apenas um sonho, certo? Aquele devanear não caracterizava-se nos sonhos premonitórios, tidos como costumeiros para aqueles de sua classe semi-divinal, então por qual razão, sentia um temor tomar conta de seu corpo sempre que relembrava a frase que seu pai havia tido? Sentindo o retumbar apressado de seu coração, a ruiva entreabriu os lábios assim que o ar em seus pulmões tornou-se rarefeito.
Além de retornar para o mesmo sonho, o terceiro naquela semana, fora presenteada por outros sinais que remetiam ao seu progenitor: em alguns momentos, a voz dele fazia-se presente quando ela estava fazendo refeições; cartas endereçadas a si apareciam misteriosamente em seu quarto, contendo a frase que escutara no sonho, sendo escrita e assinada com a caligrafia dele. Portanto, cansada de ter sua mente atormentada pelo passado, deu-se um ultimato. Mantendo o que estava a vivenciar sob segredo, regressaria para casa.
Os dedos firmaram-se na cama, enquanto ela impulsionava-se para fora da mesma. Uma vez de pé, andou até o armário de roupas, fazendo menção de vestir as habituais vestes do Acampamento. Uma vez o feito, mudou seu rumo até o baú alojado em frente ao leito, retirando dali os armamentos presenteados através de sua mãe. Um belo arco de madeira negra, ornamentado com espinhos por toda sua extensão, tornou-se visível. Além dele, também fora retirado do baú uma aljava em formato de rosa, que salvaguardada vinte e cinco flechas. Por fim, retirara sua terceira arma dali, um par de luvas em coloração roxa, que projetava garras envenenadas, para serem usadas numa curta distância. Encaixando-as nas mãos, puxou a aljava em seguida, prendendo-a nas costas. Não obstante, pegou uma pequena bolsa, colocando dracmas e dólares de emergência na dita cuja. Finalmente pronta, fechou o baú, colocou o arco preso na aljava e saiu do quarto.

(...)

Naquele início de manhã, o Acampamento ainda estava nebulado em meio ao sono. Pouquíssimos campistas estavam acordados, contudo, a maioria destes aproveitava a aparente calmaria matutina para iniciar seus respectivos treinos na arena ou o melhoramento do uso de suas habilidades; ademais, para a sorte de Gwen, uma vez tendo o dia amanhecido, era sinal de que as harpias que detinha o controle das rondas após o toque de recolher, no período noturno, estavam dispensadas de suas atividades, por ora.
Assim, fora fácil para que ela saísse do chalé sem ser vista e, caso o fosse, provavelmente aqueles que a visse achariam que ela estava a aproveitar o período antes da primeira refeição do dia para treinar suas habilidades. Eles, porém, estavam errados afinal, tomando todo o cuidado possível, a ruiva rumava em direção ao pinheiro, para, logo então, passar pela barreira mágica e correr o mais rápido que conseguia até uma estrada mais próxima, rezando para todos os deuses que seu cheiro não atraísse monstro algum.
Felizmente, após alguns minutos, o vislumbre do que parecia ser uma rodovia apareceu em seu campo de visão, após ela atravessar a área arbórea que circundava o refúgio dos semideuses. Tomando fôlego devido à corrida de outrora, levou uma de suas mãos até a bolsinha que trazia, retirando de lá um dracma. Em seguida, jogou-o no chão da pista, concentrando-se em relembrar as palavras corretas para a invocação que estava prestes a fazer. Pigarreando, fechou os olhos e, erguendo os braços, ditou as palavras mágicas o mais alto que pôde:
– Stêthi, Ô hárma diabolês! – A priori, nada aconteceu. Gwen abrira os olhos novamente, notando que seu dracma havia sumido. Estava pronta para soltar uma exasperação, imaginando como poderia retornar para casa, quando algo aconteceu: o asfalto escureceu onde anteriormente ela havia colocando a moeda dourada; diante de seus olhos, uma poça retangular surgira, expandindo-se sob um borbulhar vermelhado, até o tamanho de uma vaga de estacionamento.
No minuto seguinte, ela constatou que aquela loucura na qual pensou havia dado certo: da poça, emergira algo semelhante à um táxi estadunidense. Sua cor, porém, não era amarelada como os veículos de transportes tradicionais, mas sim, cinza-escuro. Gwen engoliu em seco, vendo a janela do passageiro mover-se e, então, o vidro começou a descer. A ruiva arregalou os olhos, deparando-se com uma idosa, de cabelos grisalhos, que lhe perguntou, em uma voz arrastada, para onde ela desejava ir.
– Uma, para o Brooklyn. – Disse, antes da porta do veículo ser aberta para si e, após ela adentrar e o mesmo ser fechado, ser transportada pelo Táxi das Irmãs Cinzentas para o distrito destinado.

Brooklyn, Tempos Atuais, 06:30 AM

Prometera para si mesma que, nunca mais em sua vida, faria tamanha loucura. Imaginou que, devido à angustiante rapidez em que o carro corria, acabaria morrendo ali mesmo, em uma das mui curvas perigosas que as três irmãs faziam, enquanto brigaram pelo olho solitário. Graças a todos os deuses, em determinado momento, a garota estendera o pagamento pela corrida, entregando um dracmas para cada uma das irmãs, deixando-as, felizmente, contentes pelo pagamento a mais. Talvez, devido a tal fato, a que estava dirigindo perguntou, após alguns minutos, para que a semideusa especificasse o endereço de seu destino, sendo prontamente feito pela jovem.
Assim, o táxi acabou parando em uma casa residencial, a alguns metros distantes da área comercial do distrito. Assim que os olhos amendoados fitaram a construção esbranquiçada, os mesmos umedeceram. Ela, respirando fundo para tomar coragem, abriu a porta do veículo, pronta para descer; seus olhos, então, captaram um desejo de boa sorte pelo trio que agora lhe fitava, esperando que ela saísse do veículo. Assentindo com um breve meneio de rosto, Gwen sorriu para elas e virou o corpo, firmando-se na calçada em frente à casa. Nem viu quando o táxi partira atrás de si, indo para outro rumo pois, para sua surpresa, seus olhos rapidamente captaram outro alguém ali.
Ela, então, iniciou sua caminhada. Os passos eram ritmados e constantes, não coincidindo com a ansiedade que sentia a cada metro transpassado por si. Embora sua parte racional a alertasse de que, por motivos óbvios ele não estaria ali, tal cogitação fora gradativamente calada à medida que Gwen movia-se pela área externa da construção, tendo como objetivo final chegar ao pequeno jardim que ambos costumavam cultivar em frente a habitação. Os cabelos, tão arruivados quanto os seus próprios, refletiam em meio à luz matinal. Antes que pudesse verbalizar alguma frase, diante do nervosismo que sentiu, viu-o virar em direção à si, trajando seu típico macacão verde, usado quando ele estava distraindo-se com a jardinagem ali presente. Chancellor ergueu uma rosa para ela, como uma saudação. Ela, ainda em meio à falta de falácias, ouviu seu pai dizer uma única frase: ''Estava esperando por você, pequena flor.''

armamento:

❈ Garras do submundo: Uma par de luvas roxo-escuro que cria três garras negras, elas correm pelas mãos e soltam uma pequena nevoa cinza. Servem para atacar oponentes a curtas distancias e assim que atravessam a pele do inimigo injetam veneno em sua corrente sanguínea;

❈ Arco e flecha de rosas infernais: Um arco longo feito de madeira negra, que na verdade são caules de rosas negras, possui alguns espinhos espalhados por toda a sua extensão e dependendo da pericia do dono pode atirar até três flechas em direções diferentes. Vem com uma aljava com 25 flechas que tem o aspecto de uma rosa e um veneno forte nas pontas, sempre que acabam 25 novas aparecem. [Vira um colar negro com um pingente de romã];


avatar
Gwen Smethwyck-Harle
Filhos de Perséfone
Filhos de Perséfone

Mensagens : 158
Idade : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quando o Passado Revive — Gwen Smethwyck-Harle

Mensagem por Vênus em Sex Jun 02, 2017 2:55 pm


O passado se torna o presente


Método de Avaliação

Spoiler:
Essa primeira parte é bastante ligada a trama do personagem e ao clímax do encontro entre o personagem e alguém que já foi importante, de alguma forma, na vida dele e não pertence mais a esse plano. Portanto, será avaliado os seguintes quesitos:

• Escrita: Será avaliado a gramática, a concordância e a fluidez de escrita.

• Criatividade e coerência: Será avaliado aqui o modo como você fez a postagem, se há coerência entre seu personagem e a proposta do evento, se o nível condiz com o que você diz.

• Desenvolvimento da trama: Nenhuma trama pessoal é melhor do que a outra, entretanto, aqui será avaliado o enredo como um todo. Se houve riqueza de detalhes, se houve realidade de escrita, se a personalidade de seu personagem é visível, se houve coerência nas interações desenvolvidas etc

Exp: A primeira parte recebe a metade da experiência total divulgada no post sobre o evento.
Do nível 1 ao 10
- 2.500 de experiência

Dracmas: A primeira parte recebe 5 mil dracmas.
Item: Recebe apenas no final, na avaliação da segunda parte..

Avaliação

Experiência: 2.400
Dracmas: 5.000
Comentário:
Eu descontei a xp por um único detalhe, que seria a falta de descrição do cenário da casa ou do local em que você se encontra. É um jardim, uma casa, captei isso, mas o que tem ao redor, como ele é? Eu meio que senti falta disso. E bem, achei que você perdeu a chance de desenvolver uma conversa com o seu pai, do porque estar ali, como voltou, e etc. Fora isso gostei muito da sua historia, sua narrativa é fácil, nada cansativa, e sua ortografia quase não tem erros. Parabéns..

Evie recebe 200 de XP pela participação.

Segunda Parte

O chão abaixo dos pés da garota começou a tremer. Ela não teve muito tempo para conversar com seu pai, perdera tempo demais, e também perdera a chance. Quando o monstro brotou do chão criou uma cratera gigante no jardim, destruindo boa parte das flores que ali estavam. Apenas para voltar a afundar na terra, por um segundo buraco, desaparecendo das vistas da garota. Ele iria voltar, tanto Gwen quanto seu pai sabiam disso, o verme tinha ido busca-lo, e iria cumprir seu objetivo, ou morrer tentando pelas mãos daquela heroína.

Instruções e explicações

• Nyx/Nox é tida como primeira rainha do submundo, antes que os outros deuses surgissem e tomassem esse posto, teve o poder suficiente para invocar esses mortos e fazê-los entrar em contato com o semideus. Este é um verdadeiro ataque psicológico, pois, mesmo tendo retornado eles têm um prazo para retornarem para o submundo novamente.

• O dia do encontro é o prazo final e eles dizem isso ao semideus com um medo intenso, pois um monstro estaria encarregado de levar o morto de volta para o submundo, por bem ou por mal.

• Escolha a ser feita: Caso eles sejam mortos por esse monstro, eles cairiam nos campos de sofrimento eternamente. Caso eles voltem por vontade própria, eles seguiriam para o Elísio. Cabe ao semideus e seguir sua trama: deixar que o revivido morra pelas mãos do monstro e sofra por toda a eternidade; ou salvá-lo ao derrotar o monstro, permitindo que o morto retorne ao submundo em paz. Ele só consegue retornar dessa forma depois que o monstro seja derrotado.

• Caso seja a primeira opção, ele assistirá passivo a morte da pessoa ou fazer com que o revivido morra em algum momento da batalha. Porém terá de derrotar o monstro depois disso, pois não contente a fera também tentará levar o semideus para o inferno. Caso o semideus escolha a segunda opção, ele terá a chance de salvar o revivido e dar um último adeus, sabendo que a alma dele estará em um paraíso.

• O monstro é um verme purpura, ele está abaixo de vocês, na terra, se move e ataca de surpresa, portanto será um pouco difícil derrota-lo. Boa luta!

Verme Purpura


Informações sobre o monstro:
VERME PURPURA
O gigantesco monstro escavador conhecido como verme púrpura aterroriza as criaturas do Subterrâneo enquanto mastiga através da rocha sólida em perseguição de sua presa. Como uma força irracional e voraz da natureza, essa criatura considera tudo que encontra como comida.

Caçadores Famintos. Barulhos altos atraem os vermes púrpuras, que são conhecidos por interromper batalhas subterrâneas e partir cidades subterrâneas buscando presas. As civilizações subterrâneas dos drow, duergar e devoradores de mentes mantem proteções especiais em volta de suas colônias para deter esses monstros.

Apesar de serem mais comuns no Subterrâneo, vermes púrpuras são frequentemente vistos na superfície do mundo em terras rochosas e montanhosas. A bocarra do verme púrpura é grande o suficiente para engolir um cavalo inteiro e nenhuma criatura está a salvo de sua fome.

PASSIVOS
• Força – Tem uma força muito superior a maioria das criaturas, podendo inclusive mata-las esmagadas, destroçando seus ossos.
• Velocidade – É tão, ou até mais, rápido que uma cobra, desliza facilmente, ataca e dá o bote com tremenda facilidade, pegando inimigos de surpresa ou desprevenidos.

ATIVOS
• Comprimir – O verme consegue comprimir seu corpo, tornando-o mais fino, o que faz passar por buracos abaixo da terra – já existentes – com muita facilidade.
• Expandir – Capacidade que permite expandir o corpo, o alargando, tornando-o maior para os lados, mas não em questão de altura ou cumprimento.
• Ferrão na calda – O verme ataca com a calda, usando o ferrão desta para envenenar e enfraquecer suas vítimas.
• Mordida – Sua mordida perfura fundo, seus dentes são afiados, e podem engolir um humano adulto com uma facilidade tremenda em poucas mordidas.

Regras

- Prazo de postagem: 20 dias
- O revivido não irá, de forma alguma, permanecer no plano humano. Obrigatoriamente ele irá retornar para o submundo, por bem ou por mal (isso é de sua escolha)
- Irá notar que eu não descrevi nível ou barra de hp/mp da pantera, por ser One-Post, você deverá narrar o nível de dificuldade do monstro de maneira realista a sua personagem e ambiente.
- Boa sorte.


Vênus, love's lady
..
diva, déesse de l'amour et de la beauté ♦️
avatar
Vênus
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Mensagens : 1853

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quando o Passado Revive — Gwen Smethwyck-Harle

Mensagem por Selene em Sex Jan 05, 2018 1:59 pm

Maldição: Maldição do Encosto
Descrição: O personagem passa a ser perseguido por um espírito que - durante as narrativas - pode vir a lhe ajudar ou atrapalhar. Ele estará à seu lado durante todos os dias, em todos os momentos e só o amaldiçoado ou filhos de Hades podem vê-lo.
Extra: O único meio de quebrar a maldição é conseguir com que Hades o ajude, o que, é claro, não será de graça.


Selene
the moon
avatar
Selene
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 71

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quando o Passado Revive — Gwen Smethwyck-Harle

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum