The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Página 10 de 11 Anterior  1, 2, 3 ... , 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Shin Tae Hoon em Sex Dez 23, 2016 3:52 pm





I'm falling...
O garoto não se arrependera em nenhum momento de não ter participado das últimas duas etapas para salvar o Noel, estava considerando seriamente em deixa o velho morrer. Não era tão difícil fazer o papel dele. Ficar gordo, deixar a barba crescer, se vestir com uma roupa ridícula e chamativa, viajar o mundo todo e aparentemente deixar semideuses enlouquecidos. Fácil. Mas voltando para as mini missões, a última etapa parecia ser a mais ridícula e sem noção de todas. Por que diabos aquele duende se diverte vendo essas coisas? A pergunta do século. Com um suspiro demorado e uma força de vontade quase nula, a prole de Quione fora caminhando até o local do primeiro passo, um lago totalmente congelado com um tipo de buraco para pescadores, e o fato de haver peixes naquele lago deixava Shin um pouco preocupado com suas nádegas. Fitou o redor do local para saber se estava sozinho e finalmente agachou com as calças arriadas em direção do buraco, molhando a bunda rapidamente, sentindo a água um tanto quanto morna para a pele gelada do asiático. Uma piranha tentou saltar para morder uma das nádegas do garoto, mas o mesmo fora rápido o suficiente para fazer um picolé de peixe e manter um pouco da sua dignidade.
 
  O próximo passo seria mais simples, pelo menos na teoria, pois já esperava de tudo naquela terrível busca. Não precisou utilizar de nenhum equipamento para deslizar sobre o gelo grosso o suficiente para aguentar alguns semideuses. O fato de ser cria da neve dava alguma vantagem para Shin que finalmente pôde usar suas habilidades inúteis de patinação no gelo. Seus pés deslizaram calmamente sobre o gelo, escolhendo os melhores lugares para não cair de cara no chão ou simplesmente cair no lago, mas não poderia ser tão fácil assim, certo? O garoto se perdeu em pensamentos por alguns segundos e foi o suficiente para aparecer algumas pedrinhas gelo em sua frente, fazendo-o travar na patinação e voar com a face na camada de gelo, e como a sorte estava grande, era uma parte fina da camada, fazendo-o quebrar o gelo. Sua cabeça ficou imersa dentro da água como um avestruz, se afogando pela surpresa. Mas após alguns segundos conseguiu sair daquele lago, seguindo o último passo, provavelmente seria a hora de achar o duende. Ou talvez não.
 
   Após entrar na caverna, a prole de Quione fitou uma velho gordo segurando uma caneca de chocolate quente enquanto ria descaradamente da cara do semideus. — Por que eu ainda me surpreendo? Seu merda. — Resmungou para o Noel. A prole de Quione pareceu fechar suas pálpebras em concentração de algo, fazendo a caverna tremer brevemente, criando um tipo de avalanche em cima do velho, afundando-o sob a neve letalmente fofa. — Eu espero que você morra, de coração. Feliz natal. — Proferiu com um tom irônico e um sorriso de canto nos lábios, virando-se de costas para a caverna e indo se recuperar do trauma. 




Fuck the christmas


Shin Tae Hoon
You're my heaven. But maybe I'm your Hell
❄️
avatar
Shin Tae Hoon
Filhos de Quione
Filhos de Quione

Mensagens : 121
Data de inscrição : 19/10/2015
Idade : 19
Localização : Por ai, em algum lugar do mundo... Tomando cházinho.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Ahri Kiev Razvan em Sex Dez 23, 2016 3:57 pm

The stairs creak as you sleep, it's keeping me awake
Soon it will be over and buried with our past



Ahri contemplou o novo bilhete com atenção, antes de abri-lo e ler seu conteúdo pensou sobre que surpresas o maldito Duende havia preparado para ela e os outros semideuses. Olhou em volta, observando as pessoas ao redor, já tinha ido longe demais para desistir agora. Na verdade, estava cada vez mais motivada a continuar com aquela loucura. — Não deve ser nada pior do que comer minhocas e embrulhar fezes. — Pensou, mas no fundo não acreditava na veracidade das suas palavras, afinal, depois das últimas tarefas podia esperar tudo daquele nojentinho.

Deslizou os dígitos lentamente pelo papel, hesitando em abrir o bilhete. Como toda pessoa normal deveria simplesmente ir embora e desistir daquela loucura, mas seria demais para seu orgulho. De um por um os semideuses foram se afastando, provavelmente pelo assunto contido naquelas letrinhas miúdas. A prole de Éris suspirou, enchendo todo o peito de ar e rapidamente soltando, em seguida abriu o envelope e passou os olhos pelo mesmo. Seu semblante mudou imediatamente, um misto de surpresa com raiva, era difícil decifrar seus pensamentos naquele momento. — Filho de uma mãe mal comido! — Gritou, irritada, amassando o papel e guardando no bolso.

Tudo que está ruim, acredite, pode piorar. Se já não bastassem as tarefas anteriores, o Duende precisava fazer uma que superasse todas as outras. Razvan levantou-se da pedra de uma vez e caminhou em direção ao lago congelado, durante o percurso bravejada palavras que não devem ser ouvidas ou faladas, por esse motivo não as reproduzirei aqui. Pelo jeito ela deveria molhar as nádegas na água gelada, depois andar de patins, e por fim resgatar o maldito Papai Noel. Teoricamente a tarefa não deveria ser tão difícil, mas o fato de correr o risco da sua bunda se tornar um cubinho de gelo ou jantar de piranhas sanguinárias era realmente assustador.

O clima tornou-se frio, não que já não estivesse, mas à medida que se aproximava o ar gélido atingia ser corpo com violência. Instintivamente, Ahri levou as mãos até os membros superiores, abraçando o próprio corpo enquanto deslizava os dígitos de cima a baixo a fim de se aquecer de algum jeito. Suas tentativas não surtiram efeito, mas a capa enegrecida que havia ganhado quando se tornou necromante ajudava relativamente em sua proteção contra o frio que se alastrava.

Chegando ao lago, seus olhos percorreram o local com cautela, buscando a fissura citado pelo Duende no bilhete. No instante em que a encontrou, caminhou em sua direção com pressa, mas não havia sido uma boa ideia. No momento em que pisou na espessura congelada caiu de bunda no chão. Ótimo, a região além de congelada ficaria quebrada, teria como ficar pior? Meus caros, como eu disse a princípio, tudo sempre pode piorar. E assim, antes mesmo de conseguir erguer o corpo outra vez, a prole de Éris tombou novamente. Se com os próprios pés estava difícil caminhar no lago, imagine quando usasse os malditos patins? Não conseguiria fazer absolutamente nada!

Ahri suspirou, só precisava ter um pouquinho de equilíbrio e tudo ficaria bem. Em uma terceira tentativa, apoiou as mãos e os joelhos no chão, impulsionando o corpo até consegui ficar de pé. Esticou os braços e os deixou do lado de seu corpo e na altura do peito, talvez aquilo lhe ajudasse a não cair mais. Não foi uma tarefa fácil, mas com muita paciência e força de vontade, finalmente conseguiu alcançar o buraco presente no lago depois de muitas quedas pelo caminho, apenas detalhes que não devem ser comentados. Resguardarei a pouca dignidade existente da garota.

Crispou os lábios, observando a água e a camada de vapor em sua superfície. — Eu só posso estar maluca mesmo. — Sussurrou, olhando em volta para se certificar que não havia mais ninguém pelas redondezas. Possuindo a certeza de que estava completamente sozinha, desabotoou a calça e desceu a mesma devagar. Sentiu as maças de seu rosto arder, provavelmente estava corada. Mesmo constrangida, agachou-se e encaixou as nádegas na abertura estreita. O líquido não estava simplesmente gelado, mas sim ABSURDAMENTE, EXAGERADAMENTE, DEMASIADAMENTE frio. Entenderam a intensidade? Espero que sim. O corpo de Ahri estremeceu, seus dentes trincados devido o frio intenso. O mergulho na água durou cerca de dois segundos, ou até menos, porém, foi o suficiente para provocar tremores no corpo da mais nova. — D-droga, d-droga, droga, e-eu de-efinitivamente odeio o N-natal. — Pronunciou com dificuldade, batendo os dentes sem parar.

Afastou-se da abertura no lago antes que fosse atacada por piranhas e subiu as calças rapidamente, cobrindo o corpo com a capa que trazia consigo. Aconchegou-se no tecido fino, dobrando as pernas e abraçando as mesmas ao apoiar o queixo sobre os joelhos. Permaneceu naquela posição por algum tempo, erguendo-se apenas quando o frio lhe deu uma trégua. — Ok... — Passou as mãos geladas pelo rosto, batendo levemente nas bochechas para recuperar o foco. — Agora é... — Pensou, em seguida retirou o bolso o bilhete amassado e leu a parte dos patins. Onde encontraria aquelas coisinhas? O Duende deveria tê-los deixado em algum lugar pela região. A prole de Éris virou-se devagar, executando uma volta de trezentos e sessenta graus em torno de onde estava parada.

Em um canto um pouco mais a frente, vislumbrou um pequeno brilho, como de algum material feito de metal. Com cuidado, caminhou até o mesmo – dessa vez sem cair – e sorriu ao descobrir que eram os patins que tanto procurar. — Finalmente! — Falou animada, batendo palmas e executando alguns pulinhos. Percebendo o que acabará de fazer, tocou uma mão na fronte e meneou a cabeça para os lados. — Essas tarefas estão mexendo com os meus neurônios. — Resmungou, adotando a mesma postura séria de sempre. Sem delongas, retirou os tênis e calçou os patins, segurando seus sapatos com a destra, afinal, uma hora ou outra se livraria daquelas rodinhas e precisaria calçar os pés novamente e estava frio demais para ousar ficar descalça.

As cenas que se sucederam foram no mínimo cômicas. Ahri, assim que tentou executar o primeiro movimento, desequilibrou-se e caiu de cara no chão. Na segunda tentativa, conseguiu deslizar alguns centímetros, mas também perdeu o equilíbrio e caiu de bunda. No processo até chegar ao outro lado, bateu com a bunda no chão umas dez vezes ou mais, fora as vezes que saiu bolando mesmo. Adquiriu hematomas por todo o corpo, ambos os braços possuíam alguns ferimentos, mas nada preocupante.  Francamente, a garota nem ao menos sabia andar de bicicleta, porque diabos havia aceitando se aventurar em um patins? A resposta veio mais rápido do que o esperado: para salvar o maldito velhote que foi sequestrado por um Duende Verde maluco que não tinha o que fazer.

Razvan, ao alcançar a outra extremidade do lago, largou os patins ali mesmo e calçou os tênis. Sentia fortes dores por todo o corpo, nunca havia caído tanto durante sua vida, nem mesmo quando estava aprendendo a andar. Segundo Yver, em um dos raros momentos em que estava sóbrio, relatou que as gêmeas rapidamente aprenderam a andar, como se sempre soubessem. Lembrar-se de seu progenitor não era algo bom, primeiro porque o mesmo nunca havia sido verdadeiramente um pai, pelo contrário, estava mais para um inimigo. Segundo, Ahri e as irmãs haviam sido as causadoras de sua morte, mas isso já é outra história.

A semideusa meneou a cabeça para os lados, afastando as memórias de seu passado e voltando para a tarefa que precisava continuar. Um sorriso largo dançou em seus lábios no instante em que visualizou a caverna congelada que estava descrita no bilhete, finalmente aquilo terminaria. Caminhou para dentro da caverna, estava tão empolgada que nem ao menos prestou atenção nos detalhes de seu interior, seu único desejo era finalmente encontrar o Duende Verde e quebrar todos os ossos de seu rosto. Fechou os punhos, preparando-se para o ataque, mas a cena que encontrou a deixou totalmente... Como posso dizer, anestesiada.

Sabe o bom velhinhos que todos falam durante o Natal? De bonzinho não tem nada, pelo contrário, estava mais para um mentiroso de meia tigela. Sabem o sequestro? Historinha para fazer semideuses de bobos, infelizmente, a prole de Éris estava nesse grupo. — Que merda é essa?! — Exclamou ao se aproximar, cruzando os braços sobre o corpo magro e batendo com um pé no chão. O Papai Noel que, teoricamente, deveria ter sido sequestrado e estar sofrendo torturas ou sei lá o que, estava tranquilamente apreciando uma bela xícara de chocolate ao lado do... Adivinhem só? Isso mesmo galera, do Duende Verde. Se este narrador está indignado, imaginem como a semideusa se encontrava no momento? Ahri é naturalmente irritada, sempre está com raiva, mas aquilo ia muito mais além. Ela não sentia apenas repulsa por aquela situação, ela sentia ódio.

— Entre minha criança, sente-se e nos acompanhe! — Falou o velhote, indicando o assento livre entre ele e o duende que exibia um sorriso travesso. — Nada melhor que chocolate quente em um dia tão frio! — Ele estava de palhaçada? Depois de tudo que havia passado por causa DELE, o mesmo tinha a audácia de convida-la para acompanha-los? Mesmo depois de tudo? Era muito atrevimento para uma pessoa só. — Está brincando com a minha cara? — Ahri caminhou até o mesmo e o segurou pela gola do casaco. — Porque se for, saiba que eu não estou achando nem um pouco de graça! — Cuspiu as palavras, apertando ainda mais a vestimenta em seu pescoço. O Duende, antes tão engraçadinho, levantou-se de uma vez e tentou desferir um golpe nas costas da semideusa. A prole de Éris podia ser pequena, mas era dotada de grande força e agilidade, assim, pegou o anão de jardim pelos cabelos e fincou os dígitos nos fios. — Espera ai que também vou cuidar de você.  

Os dois ficaram em silêncio, os orbes da garota alternavam entre um e outro. Estava perplexa, zangada, não sabia ao certo o que deveria fazer. Queria mata-los, mas uma vozinha dizia para si que seria um erro. Suspirou longamente e mordeu o canto do lábio inferior, fitando com atenção o Papai Noel. — Você sabe o que passamos para encontrar você, idiota? Precisamos até mesmo comer minhocas, pegar em fezes, entendeu? FEZES! — Bravejou, empurrando o duende para o lado de forma que o mesmo caísse sobre o chão. — Está vendo isso aqui? — Ahri mostrou o corte em seu braço. — Consegui ao atravessar esse lago de patins, tudo para encontrar você tomando uma maldita xícara de chocolate? — Antes que ele respondesse, retirou a mão que estava em seu pescoço e pegou a caneca que estava em suas mãos, logo derrubando todo o seu conteúdo sobre o colo do velhote.

Razvan ignorou seus murmúrios e suas tentativas de livrar-se das roupas, aproveitou o momento para voltar-se para o Duende Verde. — Sabe qual o seu problema? Falta de dedo na bunda, seu nanico idiota! Eu deveria quebrar a sua cara por ter me feito comer aquele peru. — Pronunciou ao aproximar-se, puxando seus cabelos mais uma vez. — Você sabe quantos germes tinha naquilo? Eu poderia ter morrido! — Lembrar daquilo ainda fazia seu estômago embrulhar, como se a qualquer momento fosse colocar tudo para fora. A adolescente o soltou e suspirou, estava elétrica demais, mas precisava controlar-se ou acabaria fazendo uma besteira maior ainda. Se bem que, eles mereciam coisa muito pior. — Você é maluca! — Vociferou o duende, encolhendo-se todo em um canto ao lado do Papal Noel. — Maluca? Não. — Ahri sorriu. — Eu sou muito pior. — Completou, segurando o saco verde repleto de presentes e o jogando sobre as costas. — Feliz Natal, babacas. — Foram suas últimas palavras antes de sair do local, ainda não sabia o que faria com os brinquedos dentro do saco, mas provavelmente os jogaria no lago.







Ahri Kiev Razvan

avatar
Ahri Kiev Razvan
Necromantes de erebus
Necromantes de erebus

Mensagens : 182
Data de inscrição : 19/06/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Arya Doprav em Sex Dez 23, 2016 4:18 pm



Jingle Bells.

Então, finalmente chegamos ao último conto ridículo. Mais um pouco de risada barata para você. A ceifadora observava o círculo no lago congelado, a água de baixa temperatura não exibia movimentos, Doprav nem tentou se questionar sobre as próximas ações. Não seriam aquelas brincadeiras que a fariam desistir da recompensa. O zíper da calça negra fora arrastado e logo a vestimenta chegava até os joelhos, revelando a pele pálida da filha de Poseidon. Agachou-se com postura, sentindo o líquido gélido tocar os glúteos, a sensação não era ruim, afinal era uma prole do Mar. Os animais que viviam ali no lago não ousaram desrespeitar a jovem, por isso mantiveram distância do corpo da morena.
As botas foram substituídas por um par de patins e em poucos segundos Arya já estava deslizando sobre a água congelada. A postura perfeita não permitia desequilíbrios, o corpo deslizava de um lado para outro com elegância. Doprav recordara-se de suas origens, aquele clima lembrava a Rússia. Centenas de vezes a jovem fizera patinação. Mas, era obrigatório que houvesse quedas. A ceifadora deu de ombros, fazendo os pés se esbarrarem e logo todo o equilíbrio fora perdido. Nenhuma expressão passava pela face juvenil, ergueu-se como se nada houvesse acontecido e forjou uma segunda queda antes de caminhar rumo a caverna congelada.
Adentrou o local, percebendo o leve aumento de temperatura. Uma risada rouca ecoou pelo recinto, vinha de um senhor velho com longas barbas brancas, as mãos enrugadas envolviam uma xícara de chocolate quente. A filha de Poseidon fitou o homem por breves segundos. Todas aquelas brincadeiras não foram suficientes para tirarem Arya do sério. A ceifadora apenas girou sobre os calcanhares, retirando-se com a mesma expressão serena que adentrara.
code designed by doll from the pretty odd



Arya Doprav
Poseidon's daughter -x- Thanato's reaper
avatar
Arya Doprav
Sem grupo
Sem grupo

Mensagens : 370
Data de inscrição : 11/06/2014
Idade : 20
Localização : Atrás da sua alma.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Andrew Merlyn em Sex Dez 23, 2016 4:44 pm

Á aquela altura do campeonato, não sabia bem se realmente resgataria um bom velhinho. Ainda assim, eu não tinha muito a fazer, senão continuar seguindo as exigências do maldito Duende. Tarefas essas que já estavam ultrapassando o limite da sanidade e em verdade, sempre disseram que eu já não tinha muito.

O próximo passo era ir até o Lago Congelado e executar algumas exigências — Espero que ninguém esteja me vigiando com um binóculo. — brinquei comigo mesmo, após saber que a primeira atividade seria abaixar as calças e sentar com o bumbum em um buraco no chão. Não que me parecesse uma boa ideia, certamente aquele tipo de situação além de constrangedora também me deixaria com a retaguarda totalmente aberta, "literalmente". No fim das contas, não me restava muita escolha. Fazendo o que me era pedido, molhei as nádegas sobre a poça de água, até que me levantei em fúria, sentido uma leve mordida de um peixe. Pela textura dos dentes não deveria realmente ser muito grande, uma pequena piranha talvez, mas resolvi partir, sem prestar muita atenção ao mordedor.

Pondo as calças acintadas novamente, comecei a patinar sobre o lago congelado, tal como as instruções colocavam. Elas também colocavam que eu deveria cair ao menos duas vezes, o que não me fora difícil, já que a textura do gelo estava escorregadia e eu mal consegui manter-me em pé. Por fim, atravessando o lago, tratei de seguir em frente, até dar de cara com uma caverna. Adentrando dentro dela, percorri alguns metros até que avistei uma luz à frente. Para minha surpresa, o resultado final foi realmente contraditório.

— Ho, ho, ho, meu filho. Vejo que seguiu minhas instruções corretamente. — bradou Noel as gargalhadas, enquanto tomava um pouco de café.

Depois daquilo tudo, soube que o bom velhinho não era realmente tão bom e que fez uma pegadinha com os semideuses. Sorri sem jeito, em parte alegre por ele estar bem e em parte furioso por ele me ter feito de palhaço — Foi uma boa pegadinha, só espero que me dê um bom presente de Natal. — sorri, enquanto me aproximava do Papai Noel e puxava uma xícara de café para mim.

Itens:
* Instrumentos Divinos: Um bracelete em forma de nota musical que se transforma, à desejo do portador, em qualquer instrumento musical. A música produzida pela arma é letal aos inimigos, causando-lhes dano. Mas essa música não afeta quem o portador não quiser que seja afetado
avatar
Andrew Merlyn
Menestreis de Orfeu
Menestreis de Orfeu

Mensagens : 26
Data de inscrição : 08/12/2016
Idade : 19
Localização : Chalé VII (Acampamento Meio-Sangue)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Adam Ehlert Nordberg em Sex Dez 23, 2016 5:04 pm

date me
it's xmas
A cada segundo que se passava, a vontade de descer a mão na cara desse Duende Verde crescia. A próxima tarefa que eu devia executar era ir até o lago, e lá eu teria mais informações do que deveria ser feito a seguir. Xinguei baixinho e segui caminho em silêncio, já sentindo a preguiça tomar posse do meu corpo, eu só queria uma caneca de chocolate quente e uma cama, com cobertores quentinhos. Ou uma bela de uma bebida alcoólica.

Chegando no lago me deparei com ele totalmente congelado devido à baixa temperatura em relação ao ponto de solidificação das moléculas de h2o. Nas margens, havia um certo buraco sobre a camada de gelo, onde pescadores geralmente lançavam as varas de pesca e tentavam adquirir alimento de algum pobre peixe desavisado que via a minhoca balançando como isca presa a agulha e a abocanhava.

Nesse buraco, em suas proximidades, havia um bilhete de papel amarelo escrito em letra cursiva os próximos passos. Eu deveria abaixar a calça e molhar o popôti. Ergui as sobrancelhas e franzi a testa, tentando entender a lógica daquele bilhete, enquanto me negava mentalmente a realizar tal desafio, mas ao mesmo tempo levando ambas as mãos até a barra da ridícula calça de duende que eu estava usando.

Abaixei a calça até a altura do joelho e me curvei com as nádegas expostas entrando lentamente em contato com a água gélida, a baixa temperatura da água molhando a minha bunda me arrancou arrepios da nuca até o torso. Após um tempo que julguei necessário tomei impulso nos joelhos e me levantei num pulo, prestes para seguir a trilha, quando algo na água me chamou a atenção.

Gotas vermelhas formava uma pequena poça do que parecia ser sangue. Isso não estava lá quando eu cheguei. Por baixo da água tingida de vermelho, um borrão do que parecia ser uma piranha nadava em círculo. Ah não... não é possível. — Ué, já virei mocinha?! — Apenas para confirmar as minhas suspeitas de um possível ataque de piranha eu levei minha mão direita até uma das nádegas.

Quando a mesma voltou para meu campo de vista havia sangue sobre meus dedos. Não em grande quantidade, mas era resquícios de uma dentada rasa, sem muita profundidade na carne. A temperatura quase negativa da água foi a responsável por deixar esse fato passar despercebido, pois desligou os nervos sensoriais da minha carne e adormeceu as fibras que teciam meus músculos daquela região.

Subi as calças, o sangramento já havia parado. Puto da cara, avistei uma caverna congelada ao fim do imenso lago, o único jeito de chegar lá rápido seria patinando. Jogando uma perna de cada vez para frente eu seguia meu rumo até o destino, até que algo aconteceu e meu tornozelo vacilou, num segundo eu estava de pé, confuso, no outro eu estava no chão, dolorido. Eu tinha caído num enorme BUM.

Por sorte a grossa camada de gelo que cobria o lago nem se quer rachou. Me apoiei na palma das mãos e me levantei, mas o desequilíbrio não havia me abandonado, mais uma vez, outra queda. Droga. Hoje não é o meu dia. Se minha bunda não estivesse ainda adormecida eu sentiria todas aquelas quedas. Ponto positivo para o laguinho.

Já sem paciência, me levantei quase num estado de frenesi e continuei patinando, chegando cada vez mais próximo do objetivo. Não muito tempo depois, me vi de frente para a caverna, ela parecia ser feita basicamente toda de gelo. Estranho, não lembrava da existência dela no acampamento. Dei de ombros tentando ignorar o fato e prossegui com a caminhada, tateando as paredes com a mão.

Já em seu final, vejo uma cena que acabou completamente com o meu dia. Um velho que sofre de obesidade mórbida e péssimos hábitos de higiene do corpo estava sentado numa poltrona, bebendo uma caneca de chocolate quente e rindo muito da minha cara. A seu lado estava uma revista, a capa meus olhos não conseguiam alcançar, mas eu apostava todos os meus dracmas que era de pornografia infantil.

— SEU PEDÓFILO HIPERTENSO DO CARALHO FILHO DUMA Diva!!!!! — A raiva explodiu de dentro do meu corpo. Eu, todo inocente, estava usando os limites do meu corpo para salvar aquele cara e lá estava ele, rindo de mim, por ter me feito de idiota. — EU VOU CHAMAR A POLÍCIA FEDERAL E DENUNCIAR VOCÊ POR FICAR CHAMANDO A PORRA DAS CRIANÇAS PRA SENTAR NA CARALHA DO SEU COLO! OLHA AQUI VOCÊ ME LARGA BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES! — Eu atingi um ponto em que não controlava mais minhas palavras.

Duendes a mando do papai Noel pularam em cima de mim para me conter, provavelmente notando a minha euforia repentina e prevenindo algo que botasse em perigo a sua integridade física. — Ah vá pra Diva que pariu também, eu vou fazer é o meu BO na PF. — Xinguei baixinho em sinal de rendimento, enquanto era carregado para fora pelos duendes.



Spoiler:
vitu




agr eu n tenho mas um dia vou botar assinatura ok e serio
avatar
Adam Ehlert Nordberg
Lycans
Lycans

Mensagens : 65
Data de inscrição : 04/12/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Tessa S. Henz em Sex Dez 23, 2016 5:09 pm


Existe nesse mundo uma coisa denominada azar. Não são muitos que são seguidos por esse carinha mas quando ele resolve pegar no seu pé, meu bem você já era. E com isso eu quero dizer em todos os sentidos. Sua vida é banhada por pequenos e grandes desastres, seu destino para ter sido traçado de uma maneira na qual em um raio de mil metros, se estiver você lá e alguma ação ruim for acontecer, essa ação sera com você. Surpreso com o meu mal presságio? Não fique, com o tempo você se acostuma e passa a lidar cada dia melhor com o que te persegue por ai, ou tenta te matar de alguma maneira.

Vejamos, eu recebera aquele que diziam ser o ultimo bilhete. Certamente eu ficara feliz devido ao fim iminente daquela busca maluca. Não se engane, é obvio que meu amor pelo Natal esta aqui. Todo aquele clima de paz e amor. No entanto, o homem gorducho que dava presentes estava me dando trabalho demais. O bilhete citado anteriormente possuía o que poderíamos chamar de instruções bem precisas, portanto a primeira das coisas a seres feitas era erguer meu vestido vermelho e me sentar em uma poça de água gelada. Só tem duas coisas que você precisa compreender.

Primeiro meu pai é Poseidon, obvio que a temperatura da água não me incomodaria. Segundo, os animais marinhos não curtem muito me machucar. Mas claro que aqueles bichinhos vermelhos nojentos certamente eram o oposto de qualquer ser marinho que eu conhecera antes. Suas visões pareciam cegadas, e o machucado em minha nádega esquerda era bem real.  O segundo passo, era patinar no lago congelado. Se você tiver se dado ao trabalho de ver como me sai nas demais provas, vai poder ter a certeza de que eu não sou bem uma pessoa que segue as regras.

Portanto para encurtar meu caminho fiz o obvio, finge três tombos e segui em frente. Se o duende verde quisesse um pouco mais de emoção em suas atividades macabras ele mesmo que os fizesse. E então havia a ultima parte, aquela em que eu deveria encontrar o papai noel em uma caverna. De fato não foi difícil de encontra-la. Era a única no terreno. Pelo menos a única diante das instruções dadas. Preparando-me para desamarrar o bom velhinho assim que eu o visse, adentrei a caverna completamente alerta. Então eu o vi, o senhor de barba branca, sua roupa vermelha caraterística e um sorriso no rosto.

Isso mesmo, um sorrisinho sacana que me dava vontade de socar sua cara. Obvio que eu não o faria, você não deve bater em idosos e crianças independente do qual raivoso esteja. Mas é claro que aquela risadinha me estressara bem mais do que eu poderia imaginar. Qual é, eu havia passado por tudo aquilo, e tudo não passara de uma pegadinha? Era bom que ele me desse um presente muito descente diante das circunstancias. Eu era uma pessoa cara, meu trabalho não era um trabalho qualquer. Roubou uma das xícaras de chocolate quente e me sentei a frente do bom velhinho, que definitivamente não era tão bom assim.  


Tessa Samantha Clarissa Henz
It's no rigth, but is okay!


avatar
Tessa S. Henz
Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon

Mensagens : 285
Data de inscrição : 21/06/2013

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Gena Harden Fewan em Sex Dez 23, 2016 5:22 pm

Becka costumava dizer que você não deve fazer absolutamente nada que não deseja. Bom, isso é uma bela de uma mentira em se tratando de um semideus e suas missões suicidas para salvar pessoas ou objetos. Então não me vi assim tão contrariada com a nova missão passada pelo duende verde. De certa forma era como se ele nos visse como brinquedos e tudo aquilo com uma imensa pegadinha. De fato eu não me sentiria muito surpresa se ao findar daquela história toda, o duende verde não passasse de um pseudônimo de papai Noel. Após conviver alguns anos com os deuses, você aprende que pessoas velhas demais se entediam com facilidade.

Papai Noel era uma pessoa velha consequentemente, deveria ser extremamente entediado com sua colônia de presentes no polo norte. Pare de me julgar, a colônia sempre havia sido meu sonho de consumo. Uma criança órfão tem direito de sonhar okay? Mas pra resumir tudo isso, eu posso dizer que não reclamei do que tive de fazer. Bom, não completamente pelo menos.  Cai no lago de uma vez só sentindo a dor das picadas como se insetos imensos mordessem minha perna em seu estilo excêntrico.  Ao sair do lago, meu corpo todo tremia, não foi como se eu precisasse fazer muito esforço para cair sob o gelo.

Caí tantas vezes que os hematomas eram quase certos ao findar de toda aquela gincana em busca do senhor Noel. Quando por fim consegui sair daquele lago, sentindo espasmos de frio por todo meu corpo, procurei pela caverna. Tudo o que eu mais desejava era um local para me aconchegar e me esconder do frio. Antes que eu pegasse uma hipotermia. A avistei como um sopro de esperança. Meu passos em direção a ela eram lentos, mas cheguei da mesma forma que um corredor profissional o faria.

O senhor idoso ria sentado em sua cadeira, estendeu-me um copo de chocolate quente e me ofereceu uma manta quente. Não haviam sinais de violência em seu corpo, nem amostras de que o local havia sido utilizado como cativeiro. Sorri em meio aos tremores. A ironia daquilo tudo era que meus pensamentos estavam certos afinal. Um espirro se retirou de meus lábios, me informando do presente que eu acabara de receber. Uma bela gripe para comemorar a data natalina no maior estilo cobertor e lareira.
avatar
Gena Harden Fewan
feiticeiros de Circe
feiticeiros de Circe

Mensagens : 141
Data de inscrição : 01/07/2013

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Vênus em Sex Dez 23, 2016 6:15 pm

Postagens encerradas


Vênus, love's lady
..
diva, déesse de l'amour et de la beauté ♦️
avatar
Vênus
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Mensagens : 1327
Data de inscrição : 16/05/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Vênus em Sex Dez 23, 2016 6:19 pm





O DUENDE VERDE ESTÁ A SOLTA

FORMA DE AVALIAÇÃO
• Espirito Natalino – 500 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 3.000 xp (cada prova deixada para trás é menos 700 xp, sim é mais do que ganharia por ter feito ela, punindo a pessoa por não ter feito.) Observação, a diminuição do xp pelo cumprimento da prova também pode ter referência a tarefa, e a forma com que ela foi realizada.
• Ortografia, gramatica e concordância – 600 xp
• Carisma do personagem – 400 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 1000 xp
• Participação – 500 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 6.000 xp
• Quantidade de dracmas – 3.000 a 5.000 mil, dependendo do desempenho individual.
Item: Bolinhas de Natal mordentes: Quando lançadas contra o oponente mordem a primeira parte do corpo que encontrarem (a mordida se assemelha a mordida de uma piranha (sim o peixe), o que pode causar perfuração e sangramentos). A caixa de plástico contem 4 bolinhas, e elas sempre retornam para suas caixinhas depois de usadas.
Arma Ganha: Shuriken’s: Três laminas de mão afiadas feitas de bronze celestial. Se assemelham a uma estrela de quatro pontas e são de fácil lançamento, por serem muito afiadas quando acertam o alvo podem ter uma perfuração mais limpa, o que permite ao corte ser mais profundo.
Observação: A arma e o item, vão ser ganhos de acordo com o desempenho individual de cada um, ou seja, de acordo com a qualidade geral de suas postagens. (Se a pessoa ganhar até 3.000 xp leva as Shuriken’s, se ganhar mais de 4.000 xp ganha as bolinhas de natal mordentes também).
As avaliações serão postadas em breve



Vênus, love's lady
..
diva, déesse de l'amour et de la beauté ♦️
avatar
Vênus
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Mensagens : 1327
Data de inscrição : 16/05/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Vênus em Sab Dez 24, 2016 5:52 pm





O DUENDE VERDE ESTÁ A SOLTA

FORMA DE AVALIAÇÃO
• Espirito Natalino – 500 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 3.000 xp (cada prova deixada para trás é menos 700 xp, sim é mais do que ganharia por ter feito ela, punindo a pessoa por não ter feito.) Observação, a diminuição do xp pelo cumprimento da prova também pode ter referência a tarefa, e a forma com que ela foi realizada.
• Ortografia, gramatica e concordância – 600 xp
• Carisma do personagem – 400 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 1000 xp
• Participação – 500 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 6.000 xp
• Quantidade de dracmas – 3.000 a 5.000 mil, dependendo do desempenho individual.
Item: Bolinhas de Natal mordentes: Quando lançadas contra o oponente mordem a primeira parte do corpo que encontrarem (a mordida se assemelha a mordida de uma piranha (sim o peixe), o que pode causar perfuração e sangramentos). A caixa de plástico contem 4 bolinhas, e elas sempre retornam para suas caixinhas depois de usadas.
Arma Ganha: Shuriken’s: Três laminas de mão afiadas feitas de bronze celestial. Se assemelham a uma estrela de quatro pontas e são de fácil lançamento, por serem muito afiadas quando acertam o alvo podem ter uma perfuração mais limpa, o que permite ao corte ser mais profundo.
Observação: A arma e o item, vão ser ganhos de acordo com o desempenho individual de cada um, ou seja, de acordo com a qualidade geral de suas postagens. (Se a pessoa ganhar até 3.000 xp leva as Shuriken’s, se ganhar mais de 4.000 xp ganha as bolinhas de natal mordentes também).

Skylar Liech Kroessoff
• Espirito Natalino – 450 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.500 xp
• Ortografia, gramatica e concordância – 300 xp
• Carisma do personagem – 350 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 700 xp
• Participação – 500 xp
• Totalizando = 4.800 xp
• Quantidade de dracmas – 4.000 dracmas

Eileen Häas Aniołkowski
• Espirito Natalino – 500 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.300 xp
• Ortografia, gramatica e concordância – 600 xp
• Carisma do personagem – 400 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 800 xp
• Participação – 400 xp
• Totalizando = 5.000 xp
• Quantidade de dracmas – 4.200

Adam Ehlert Nordberg
• Espirito Natalino – 400 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.700 xp (cada prova deixada para trás é menos 700 xp, sim é mais do que ganharia por ter feito ela, punindo a pessoa por não ter feito.) Observação, a diminuição do xp pelo cumprimento da prova também pode ter referência a tarefa, e a forma com que ela foi realizada.
• Ortografia, gramatica e concordância – 580 xp
• Carisma do personagem – 300 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 900 xp
• Participação – 500 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 5.380 xp
• Quantidade de dracmas – 4.500

Hela A. Deverich
• Espirito Natalino – 400 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.800 xp
• Ortografia, gramatica e concordância – 500 xp
• Carisma do personagem – 400 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 900 xp
• Participação – 500 xp
• Totalizando = 5.600 xp
• Quantidade de dracmas – 4.800

Chloe von Rewards
• Espirito Natalino – 100 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 1.000
• Ortografia, gramatica e concordância – 600 xp
• Carisma do personagem – 100 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 200 xp
• Participação – 400 xp
• Totalizando = 2.400 xp
• Quantidade de dracmas – 1.000

Helena Rodis Katsaros
• Espirito Natalino – 400 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.000 xp (cada prova deixada para trás é menos 700 xp, sim é mais do que ganharia por ter feito ela, punindo a pessoa por não ter feito.) Observação, a diminuição do xp pelo cumprimento da prova também pode ter referência a tarefa, e a forma com que ela foi realizada.
• Ortografia, gramatica e concordância – 550 xp
• Carisma do personagem – 300 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 700 xp
• Participação – 400 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 4.350xp
• Quantidade de dracmas – 3.000

Tessa S. Henz
• Espirito Natalino – 500 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.800 xp (cada prova deixada para trás é menos 700 xp, sim é mais do que ganharia por ter feito ela, punindo a pessoa por não ter feito.) Observação, a diminuição do xp pelo cumprimento da prova também pode ter referência a tarefa, e a forma com que ela foi realizada.
• Ortografia, gramatica e concordância – 580 xp
• Carisma do personagem – 350 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 900 xp
• Participação – 500 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 5.630 xp
• Quantidade de dracmas – 4.800

James Graig Ostegärd
• Espirito Natalino – 100 Xp
• Cumprimento de provas – 200 xp
• Ortografia, gramatica e concordância – 500 xp
• Carisma do personagem – 300 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 200 xp
• Participação – 100 xp
• Totalizando = 1.400xp
• Quantidade de dracmas – 300 dracmas

Kang Pipper
• Espirito Natalino – 500 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.900
• Ortografia, gramatica e concordância – 600 xp
• Carisma do personagem – 400 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 1000 xp
• Participação – 500 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 5.800 xp
• Quantidade de dracmas – 5.000

Blake "Sirius" Falkenrath
• Espirito Natalino – 400 Xp
• Cumprimento de provas – 5 x 600 = 2.500 xp
• Ortografia, gramatica e concordância – 500 xp
• Carisma do personagem – 250 xp
• Forma que resolveu seus problemas – 700 xp
• Participação – 500 xp (100 por prova, se deixou de fazer alguma a xp baixa)
• Totalizando = 4.750 x 2 = 9.600 xp
• Quantidade de dracmas – 4.000




Vênus, love's lady
..
diva, déesse de l'amour et de la beauté ♦️
avatar
Vênus
Deuses Olimpianos
Deuses Olimpianos

Mensagens : 1327
Data de inscrição : 16/05/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O EVENTO - O Duende verde está a solta!

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 10 de 11 Anterior  1, 2, 3 ... , 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum