The Blood of Olympus
Para visualizar o forum é necessário estar cadastrado, por favor registre-se no rpg ou entre em sua conta. É necessário estar cadastrado para ver as informações contidas no forum. Lembre-se de usar nome e sobrenome, não se cadastrar usando nomes geralmente utilizados por Hacker. Exemplo: "Barum" "Hakye" e por ai vai. Bem vindos.

Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Phobos em Sex Out 14, 2016 8:16 pm


Êxodo I - Apenas o Começo

A pergunta do garoto tinha fundamento para Adam, por isso ele não pensou muito antes de responder o meio-irmão. - Não me surpreende que não saiba quem são. Quíron e Dionísio mantém isso numa espécie de segredo no Acampamento, pra evitar que a popularidade deles cresça. - Alguns segundos de silêncio separaram esta fala da continuação. - Você não pode pensar que todos os semideuses são resgatados por companheiros. Sabe, não existem tantos sátiros, nem tantos semideuses. As vezes, alguns de nós, como você e eu, damos "sorte" de sermos levados ao Acampamento... Mas outros não tem tanta sorte.

Eles finalmente entravam em Detroit, depois de andarem por tanto tempo. As ruas estavam extremamente silenciosas enquanto eles andavam, o que arrepiava a nuca de Nero com um mal pressentimento. Onde estavam os carros andando, as pessoas conversando? Famílias andando pelas ruas? Parecia uma cidade fantasma com toda aquela névoa e as ocasionais pessoas que estavam largadas na rua, junto com os carros que se amontoavam, desligados e parados.

- Dos que não são resgatados, eles tem dois finais possíveis: eles vivem sem saber de sua descendência, e acabam morrendo pra monstros sem nem saber o que está acontecendo... Ou eles lutam pra sobreviver. E é aqui que os Renegados entram. - O Ceifador começou a falar mais baixo enquanto andavam por entre prédios e lojas, olhando atentamente ao redor com os olhos que esquadrinhavam cada canto. - Eles estão basicamente no topo de tudo. São gerentes, chefes de grandes empresas, donos de multinacionais, cientistas, artistas, enfim... Fazem a vida usando de seus poderes. Na grande maioria, não fazem mal a nenhum ser humano... Eles ajudam esses semideuses que não foram resgatados, e os fazem acreditar que foram abandonados pelos deuses... E nos pintam como inimigos.

O Ceifador levantou a manga da camisa, revelando um braço ainda mais branco que seu rosto. Quase perto de seu ombro, uma cicatriz enorme descia até seu cotovelo. - Isso foi um presente de um filho de Quione, um tanto quanto revoltado de me ver entrando num bar que ele estava. Eles aprendem a lutar assim como nós, mas as técnicas deles são... Estranhas. Somos filhos de Ares, acho que você entende... É o mesmo que um lutador de rua contra um de Muay Thai, por exemplo... O lutador de rua consegue causar estrago, mas o de Thai sabe como dosar a força e coisas do gênero. A maior parte deles são filhos de deuses menores... Quione, Phobos, essas paradas assim...

Antes de continuar, eles dobraram outra esquina. - O que mais posso te falar... Ah sim, eles usam armas de ferro estígio. Todos eles. O líder deles é um filho de Hades, Connor. Foi expulso do Acampamento por Quíron, não sei porque... Ele faz armas de forma que os outros possam usá-las sem se machucar... E você sabe que ferro estígio machu... Abaixa! - Acostumado a comandos, Nero imediatamente obedeceu o outro, se jogando no chão junto com ele, embaixo de um dos carros. Ele não disse nenhuma palavra, mal respirava, apesar de se perguntar o que acontecia.

Então ele viu. Do outro lado da rua que estavam, cinco pessoas passavam, uma delas claramente uma mulher pelo salto alto. Mas o que chamou a atenção de Nero foi a arma que ele conseguia ver de um deles. Ela estava embainhada, mas o suporte não cobria a arma, provavelmente apenas a prendia no cinto, pois ele podia ver a lâmina da mesma. Parecia brilhar contra a névoa, um poder misterioso estava naquela espada. Pelo aspecto, definitivamente era uma Katana, mas o que chamou sua atenção na verdade foi os dizeres em vermelho na ponta da lâmina, em grego antigo: "Ares".

Depois que o grupo se afastou, Adam olhou para o irmão. - Você tem sorte. Encontrou os cinco grandões logo na primeira visita. - Ao perguntar sobre a estranha arma, o Ceifador pareceu ficar ainda mais sério. - Aquela é uma arma muito temida. Tamashi. Um presente de nosso próprio pai, aparentemente, para um de nossos irmãos. O cara que você viu é um filho de Phobos, Jhin. Ele matou nosso meio-irmão e pegou a arma pra ele. Eu sugiro que descansemos agora. - Ambos os semideuses se levantaram, a tempo de ver os cinco entrando num prédio alto no fim da rua. - Vamos planejar com calma como vamos entrar ali. Só vimos cinco deles, mas tenho certeza que tem mais do lado de dentro. Connor com certeza sabe o que está acontecendo, então precisamos dele vivo.

Junto com Adam, Nero entrou numa loja próxima, com vista para o prédio que os Renegados tinham entrado. O Ceifador sentou-se numa mesa, de frente para Nero. - Tá legal. Um prédio, uma entrada, cinco janelas no térreo. Três andares. Conhecendo Connor, ele deve estar no andar do meio... O último andar ele pode ser pego por cima, mas no meio ele está protegido dos dois lados. Alguma ideia?

Observações:
~> As missões que faço tem algo singular: Todo turno tem uma escolha que seu personagem precisa fazer. Essa escolha influencia em como sua missão caminha, podendo, por exemplo, solucionar um mistério, lhe proporcionar um item a mais, encontrar um aliado ou até mesmo um inimigo. Escolha com sabedoria.

~> O prazo máximo para postagem é de 2 semanas após o meu post, ou seja, até 28/10/2016, e eu terei o mesmo prazo para lhe responder. Note que, quanto mais rápido postar, mais rápido a missão irá andar.

~> Cite poderes usados, mesmo que passivos, e itens sempre em spoiler.

~> A escolha deste turno na verdade é o planejamento. Partindo das informações que Adam te deu, planeje uma forma de entrar no prédio. A forma que você definir será a usada por mim na próxima narração. Você não sabe quantos inimigos Renegados existem lá além dos cinco que viu, nem sabe sua descendência. Tenha cautela.

~> A premiação desta missão será: Tamashi (Seguindo o pedido do Player) / 2000 XP / 2000 Dracmas. Ainda existe um bônus de +200 XP caso eu julgue sua interpretação boa, durante a missão, portanto se esforce!

~> Dúvidas, me mande MP!
avatar
Phobos
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 617
Data de inscrição : 18/11/2014
Localização : Na sua mente...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Nero Khan em Sab Out 22, 2016 2:07 pm


Êxodo - Parte I



  Ouvia atentamente tudo que Adam dizia enquanto adentrava à cidade, e simultaneamente observava tudo que podia ver ao meu redor através da névoa - o que não era muito, na verdade. Em ambos os lados da rua haviam lojas e alguns prédios de pequeno porte, todos aparentemente vazios. E isto era exatamente o que mais havia de se estranhar - a cidade parecia estar vazia. Eu me lembro dessas ruas, costumavam sempre estarem cheias de carros circulando e pessoas pelas calçadas, fossem elas adultos apressados ou jovens arruaceiros. Mas agora, apesar dos carros parados e das portas das lojas abertas, não havia ninguém, ninguém além de mim e do meu estranho aliado... Se puder chamar assim.
 
  Ao virarmos outra esquina e andar mais um pouco ainda divagava sobre a estranheza de tudo aquilo, agora acrescentando as novas informações que o ceifador revelava. Nunca tinha ouvido falar daqueles "Renegados", é verdade, mas para ser sincero sempre imaginei que pessoas assim existissem. Jovens semideuses negligênciados pelos pais divinos e que nunca chegaram ao Acampamento, que tiveram que aprender a sobreviver por conta própria. Abandonados, sendo caçados por monstros e completamente perdidos, não é difícil imaginar que aceitariam a ajuda do primeiro que se mostrasse capaz de ajudá-los. Fariam qualquer coisa para se sentirem seguros, até mesmo se voltarem contra seus pais e o Olimpo - o que, sinceramente, não parecia ser tão difícil assim. Pessoas negligênciadas são perigosas, imprevisíveis, cheias de raiva e amargura. E falo por experiência própria.

  Adam continuava falando, e eu estava prestes a fazer uma pergunta quando recebi a ordem para me abaixar. Imediatamente, como se respondessem a um comando pré-programado, os músculos da minha perna me jogaram para frente e eu rolei para baixo de um carro de aparência relativamente velha.
  Com a respiração quase presa, não emitia nenhum som ou ruído. Não se passaram mais do que alguns instantes para ouvir o som de passos e logo ver o conjunto de pés passando pela rua, defronte a onde estávamos. Um parecia ser uma garota, devido ao salto, e outro carregava no cinto uma espada que lembrava uma katana. Foi a arma que mais me chamou atenção no grupo. Brilhava de uma forma como se desafiasse a névoa, e alguma coisa nela me fez sentir uma sensação estranha, como se eu já a tivesse visto antes. Sabe quando você se depara com uma imagem que te faz recordar de alguma coisa que aconteceu ou viu a anos atrás? Mas você não consegue lembrar o que era aquilo? Foi tipo isso. Apesar de ter certeza que nunca olhei para aquela katana antes, meu cérebro dizia o contrário.
  Eles passaram e o ceifador fez sinal para sairmos. Apesar da tensão do momento, não resisti a vontade de perguntar sobre a espada. O que ele disse não ajudou muito, porém.
  Seguimos para dentro de uma lanchonete e ele se sentou em uma mesa. Aparentemente, a lanchonete havia acabado de se tornar o nosso Centro de Operações Especiais. Sentei sobre o balcão e aguardei ele terminar de falar.
   - Bem - ainda não tinha me livrado daquela sensação -, acho que uma, na verdade. É uma idéia estúpida e improvável, daquelas que costumam dar certo.
  Sorri, pulando para o outro lado do balcão para usá-lo como mesa e ficar de frente para o ceifador.
   - Aqueles que vimos nas ruas, tinham o número suficiente para ser uma patrulha, mas não agiam feito uma. Talvez por não terem treinamento de soldado, ou sei lá. Provavelmente ainda não sabem que estamos aqui, ou estariam mais atentos. Viu como aqueles cães nos acharam fácil no meio da névoa? Se estivessem nos procurando, teriam usado outros.
  Peguei um frasco de mostarda e o coloquei no meio do balcão.
   - Esse aqui é o prédio onde entraram. Como você disse, só há seis entradas possíveis. Se tiverem o mínimo de senso estratégico, a mais bem vigiada é o térreo, onde fica a entrada mais provável. Não devem ter concentrado muita defesa no telhado, senão ficariam muito longe da porta. No máximo, uma vigília suficiente para detectar algum invasor aéreo. E o meio, onde disse que nosso alvo se encontra, é onde deve ficar a elite. Não conheço esse cara, mas conheço comandantes, e eles costumam ficar todos juntos quando estão parados. - Indiquei a base do frasco de mostarda. - Se atacarmos pela porta, eles cairão com tudo sobre nós. Se atacarmos pelo telhado - apontei para o topo do frasco -, os defensores do térreo vão reforçar o meio antes de chegarmos até lá.
  Fiz um único segundo de silêncio, tanto para recuperar o fôlego quanto para pôr os pensamentos em ordem.
   - Sendo assim, a única maneira de invadir esse lugar, de preferência com vida, é dividi-los.
  Olhei para ele com um sorriso no canto da boca.
   - Ouvi dizer que Ceifadores de Thanatos são muito bons no combate furtivo, acha que consegue atacá-los por cima sem chamar muita atenção? Vou atraí-los para o térreo e tentar segurar a maioria deles lá enquanto você vai atrás do nosso amigo.
  Me apoiei no balcão, olhando para o prédio por cima do ombro dele.
   - E então, o que acha?


Armas:
-
- Faca de bronze celestial

*Moeda das Armas -De ouro imperial, em um lado a imagem de uma espada e na outra de uma lança, quando uma das faces e pressionada, esta vira o item correspondente, Espada: Metade prata metade bronze, ambos vermelhos, extremamente afiadas, Lança: Longa e de ouro negro, cabo de couro preto e resistente

*Pingente de Sangue: Pingente feito do sangue dos guerreiros mais vitoriosos. Ao utilizar esse item, as almas dos guerreiros virão em seu favor e lhe proporcionarão um exército de até 4 guerreiros zumbis.

Perols: Um bracelete contendo três perolas brancas no formato de um triangulo da ao portador a possibidade de controlar uma pequena quantidade de ar. Não pode fazer um grande estrago mas se seu portador souber como usa-lo terá grandes possibilidades a sua frente

-> Escudo da Górgona - Escudo esculpido com o formato do rosto de Medusa. Além de ser extremamente potente e difícil de ser quebrado, nenhum inimigo consegue lutar de frente contra esse escudo sem ser petrificado, nem mesmo de olhos fechados ou vendados, sendo a única forma de se lutar contra esse objeto de costas ou cegando a si mesmo. Se transforma num bracelete de serpente enquanto fora de combate.

Ponto final: Nada mais nada menos que aparentemente um ponto em forma de prato, completamente negro, porém muito mais fino como papel, não pode ser rompido, é feito de material magico. Tal ponto pode se esticar e dobrar de tamanho, ou diminuir a ponto de se tornar um pequeno anel negro no dedo do semideus. Quando em uso, jogado em uma superfície plana, ele vira um tipo de passagem. O semideus, ao se atirar dentro do buraco negro é capaz de criar uma saída de sombras, que podem leva-lo a três lugares distintos. O monte Olimpo, o retorno para o acampamento meio sangue, e o parque principal de Nova York.

Habilidades:



Passivos


- Sexto sentido - Em meio a um campo de batalha, descansar não é opção e os filhos de Ares sempre estão atentos. Além de conseguirem notar com mais precisão e facilidade sinais de aproximação (sons, cheiro e etc), esses semideuses possuem uma espécie de sexto sentido, de modo que ao serem alvo de um ataque direta ou indiretamente, pressentirão o perigo, podendo se prepararem melhor para o combate e evitarem serem emboscados.

Ativos


N/A

   
O que eu fiz?:
• Minha estratégia é de invadir o prédio pelo térreo, distraindo eles, enquanto o ceifador ataca pelo telhado e tenta chegar até onde o alvo está.





"I swear , I will find you."
avatar
Nero Khan
Filhos de Ares
Filhos de Ares

Mensagens : 44
Data de inscrição : 26/01/2016
Localização : Arredores de Detroit, Michigan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Phobos em Sab Out 29, 2016 9:35 am


Êxodo I - Apenas o Começo

O plano estava feito, e após discutirem os últimos detalhes da estratégia montada por Nero, ambos se colocaram em posição. Nero foi andando cautelosamente pela calçada, movendo-se como um verdadeiro filho de Ares antes de um combate, usando os carros como proteção contra qualquer projétil que lançassem contra ele, enquanto o Ceifador, na teoria, se movia num verdadeiro "parkour" nos tetos dos prédios ao lado direito, se aproximando do objetivo.

Assim que se aproximaram o suficiente, Nero parou atrás de uma van, olhando para o prédio de roupas ao lado direito. No teto do mesmo, o garoto viu uma sombra, quase que imperceptível, olhando diretamente para ele. Adam esperava o sinal que eles tinham combinado, para tentar invadir por cima. E qual era o sinal? Um que todos os filhos de Ares sabiam fazer. Uma boa briga.

Acenando com a cabeça para deixar a adrenalina fluir pelo seu corpo, o garoto correu contra a porta. Com violência, o garoto chutou a mesma, e imediatamente sentiu um baque do outro lado. Quando a porta abriu-se por completo, ele viu que tinha atingido um dos semideuses, provavelmente guardando a entrada. De relance já viu outros três semideuses ali presentes, que olhavam surpresos o intruso. - TEMOS UM INVASOR! - O grito fora alto e claro. Nero esperava que Adam tivesse entendido o sinal.

Mas ele não tinha muito tempo pra pensar. Uma flecha veio voando na direção da sua testa, e pela precisão assustadora ele temia ser um filho de Apolo. Por pouco, ele conseguiu desviar-se para o lado, posicionando-se atrás de um balcão. As flechas voavam por cima de sua cabeça. Ele precisava de um pequeno espaço de tempo, uma brecha dos atiradores para que pudesse atacar. E encontrou a brecha com um erro hilariamente básico e besta. Por um segundo as flechas pararam, e ele ouviu ao longe: - Estou sem flechas...

Um erro fatal.

O filho de Ares partiu para o ataque, pulando o balcão e identificando os três filhos de Apolo, dois do lado direito, atrás de uma poltrona, e um na esquerda, em terreno aberto. Hora do ataque.

Depois que os três inimigos estavam derrotados, mais companhia chegou para entreter o garoto, por uma porta a sua direita. Dois garotos portando espadas, que correram pra cima dele. Atrás deles, Nero notou de relance a presença da provável garota que tinha visto na rua. Era o mesmo salto alto que vira na ocasião. Ela se vestia de preto por completo, e o cabelo da garota cobria seu rosto, deixando apenas o lado esquerdo da face visível, um olho roxo vibrante. Nero passou a combater os dois garotos. No entanto, assim que derrotou o último, e virou-se para a garota, teve uma surpresa. Ela não estava mais lá.

De repente ele sentiu uma dor penetrante, gritante, na sua costela esquerda, que o fez gritar inconscientemente. Uma voz feminina se fez ouvir por trás de si, baixa e fria, sem emoção. - Você é tolo se achou que pode nos derrotar. - A adaga foi tirada da sua costela, e o filho de Ares sentiu o sangue escorrer pela sua camisa. A dor era extrema, mas ele tentou se manter de pé. - Ajoelhe-se. Assim eu posso considerar dar-lhe uma morte rápida.

Observações:
~> As missões que faço tem algo singular: Todo turno tem uma escolha que seu personagem precisa fazer. Essa escolha influencia em como sua missão caminha, podendo, por exemplo, solucionar um mistério, lhe proporcionar um item a mais, encontrar um aliado ou até mesmo um inimigo. Escolha com sabedoria.

~> O prazo máximo para postagem é de 2 semanas após o meu post, ou seja, até 12/11/2016, e eu terei o mesmo prazo para lhe responder. Note que, quanto mais rápido postar, mais rápido a missão irá andar.

~> Cite poderes usados, mesmo que passivos, e itens sempre em spoiler.

~> Novamente, sem escolhas neste turno. Eu sublinhei alguns trechos na narração. Esses trechos são livres para você narrar, são os combates que aconteceram. No seu próximo post, faça a narração desses combates sublinhados, e então termine narrando sua ação contra a semideusa inimiga. Você ainda não sabe a posição de Adam.

~> A premiação desta missão será: Tamashi (Seguindo o pedido do Player) / 2000 XP / 2000 Dracmas. Ainda existe um bônus de +200 XP caso eu julgue sua interpretação boa, durante a missão, portanto se esforce!

~> Dúvidas, me mande MP!

Combatentes:

Nero Khan

HP ~> 220/220
MP ~> 220/220

Adam

HP ~> 215/220
MP ~> 220/220
Habilidades Usadas:

Passivos

ʡ Silenciosos – Quando os Ceifadores se mechem eles não fazem barulho os deixando menos propícios a ataques de monstros.

ʡ Hipercinese – Esta habilidade permite que o seu cérebro processar o movimento muito mais rápido do que as outras pessoas. Essa capacidade lhe permite melhores reflexos e excelente pontaria com armas de longo alcance ou com objetos atirados, bem como prever uma determinada trajetória.

ʡ Hipercinese II – Com o segundo nível desta habilidade, o cérebro do ceifador torna-se extremamente rápido e perceptivo, de modo que nenhuma tentativa de enganar o ceifador terá resultado. Sendo assim, são imunes a mentiras(sempre sabem quando alguém está mentindo próximo a ele), ilusões e qualquer outra tentativa de os enganar.

Ativos

VAZIO

Semideusa - Filha de Thanatos

HP ~> 220/220
MP ~> 220/220
Habilidades Usadas:

Passivos

O Último Sussurro -> Os gregos antigos costumavam acreditar que, quando se estava prestes a morrer, a morte sussurrava palavras calmas ao seu ouvido, tornando mais fácil o destino inevitável. Os filhos de Thanatos também conseguem "adoçar" suas palavras, ficando mais fácil convencer pessoas ou monstros a fazer o que querem.

Ativos

VAZIO
avatar
Phobos
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 617
Data de inscrição : 18/11/2014
Localização : Na sua mente...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Nero Khan em Sab Out 29, 2016 3:38 pm


Êxodo - Parte I


  O único motivo de eu estar fazendo isso é para cumprir meus próprios objetivos. Agora que eu sei do que se trata o item que eu vim buscar (Ficou bem claro que era aquela espada no instante em que a vi), a única alternativa que tinha à minha frente era auxiliar o ceifador, e assim ter mais chances de sair daquele prédio com vida. Não que isso seria uma tarefa fácil, claro.
  Eu estou adotando uma tática de guerra jihadista, e isto é, chegar destruindo tudo que vejo pelo caminho, causando caos e desestabilidade. Não é uma estratégia que eu usaria normalmente, já que prefiro as táticas espartanas que são mais disciplinadas, só que nesses casos um pouco de confusão é útil. Principalmente se o objetivo for apenas distrair o inimigo.
  Resumindo: eu sou uma isca viva. E sem Biscoitos Scooby.

  Com os últimos detalhes acertados, ambos deixamos a lanchonete e nos dividimos. Enquanto ele se dirigia ao topo dos prédios, eu avancei em direção ao Quartel General inimigo usando os carros como proteção e pela primeira vez agradecendo por toda aquela névoa.
  Por precaução, retirei minha moeda do bolso e fiz com que se transformasse na espada. Já havia deixado a mochila na lanchonete e voltaria para pegá-la depois, assim teria uma melhor mobilidade na hora da luta.
  Parei atrás de uma van do outro lado da rua, defronte ao prédio, e olhei para cima. Podia ver uma sombra parada sobre uma loja ao lado do prédio, olhando diretamente para mim. Um frio percorreu a minha espinha. Eu não sentia medo daquele cara, mas alguma coisa nele dava arrepios. Acenei com a cabeça e me voltei para a entrada, respirei fundo e corri em direção à porta. Quando já estava quase colidindo com ela, girei o corpo em cento e oitenta graus junto com a coluna e chutei a porta com força suficiente para forçar a sua abertura mesmo se estivesse trancada.
  E foi assim que o caos começou.

  Com ambas as portas escancaradas, pude ter uma boa visão de tudo lá dentro. Três semideuses se mantinham parados, congelados pela surpresa, enquanto um quarto jazia caído no chão, provavelmente atingido pelo impacto na porta.
   - Olá, foi aqui que pediram duas pizzas de peperone? - Disse em tom zombeteiro.
  Não demorou mais do que um instante, porém, para que se recuperassem do choque e dê-sem o alerta de invasão.
  Ótimo. Só espero que meu maninho tenha entrado em ação.
  Estava prestes a avançar contra o semideus mais próximo quando identifiquei uma flecha sendo lançada em minha direção. Não fossem os meus instintos naturais avançados para situações assim, sem dúvida teria tido a testa transpassada pelo projétil, mas consegui me esquivar para o lado e rolar para trás da segurança de um balcão. Agora, uma chuva de flechas vinha em minha direção, todas porém atingiam o balcão ou passavam por cima da minha cabeça. Um filho de Apolo bem treinado teria sabido como calcular o ângulo e a força para a flecha cair sobre mim, mas como Adam disse aqueles eram lutadores de rua, e não soldados treinados.
  Não tardou muito para que surgisse a brecha que eu esperava, e em mais uma demonstração de inexperiência um dos atirados denunciou que estavam sem flechas. Imediatamente, saltei sobre o balcão e localizei os atiradores: dois no lado direito, protegidos por uma poltrona, e um no lado esquerdo, totalmente exposto. Sem tempo para pensar, meu corpo fez isso por mim e me lançou para a direita. Não foi preciso mais do que alguns poucos passos para estar sobre eles, e então desferi o mesmo chute que usei contra a porta, só que dessa vez mirando na poltrona. A força do chute faria com que a poltrona imprensasse eles contra a parede, e esperava que o impacto fosse o bastante para incapacitá-los.
  Em seguida, girei a cintura em um só movimento arremessando a adaga contra o último dos arqueiros, que estava consideravelmente longe para que eu fosse na direção dele. O intuito não era matá-lo, então estava mirando contra o seu ombro esquerdo, assim tornando impossível que voltasse a usar o arco e forçando a sua retirada.
  Infelizmente, não tive tempo para comemorar, pois a porta à minha direita se abriu e mais três defensores surgiram por ela. Dois garotos portando espadas - de ferro estígio, como Adam alertou - correram na minha direção, enquanto a garota que os liderava se manteve mais atrás na retaguarda. Não houve tempo para olhar para ela mais que uma única vez, mas deu para entender que era a dona dos pés que eu vi na estrada.
  O semideus número 01 que foi o mais rápido tentou me atingir na horizontal, um golpe desajeitado que eu facilmente desviei com a lâmina da minha espada, mas antes que pudesse revidar o semideus número 02 já estava lá para tentar atravessar a espada em meu estômago, me obrigando a esquivar e recuar alguns passos.
  Mais uma vez, mostravam serem lutadores de rua, atacando como açougueiros, mas até um lutador de rua consegue ser perigoso quando está em maior número e portanto um pedaço afiado de ferro estígio de um metro.
  Dessa vez eu teria que calcular melhor o meu ataque.

   - Então, garotas - provoquei jogando a espada de uma mão para outra enquanto assumia posição de combate -, vamos dançar.
  Usar o deboche para fazer o adversário perder o controle e atacar inconsequentemente era uma ótima tática, uma que eu quase sempre uso, e dessa vez não foi diferente. O com o ego mais inflamado foi o primeiro a avançar e desferir um golpe na horizontal mirando na minha cabeça, e eu precisei apenas me abaixar e em um giro acertar uma rasteira em suas pernas o fazendo cair. Saltei por cima dele e ataquei o segundo mirando a lâmina em sua cintura, mas ele conseguiu se esquivar e contra-atacar com uma estocada. Dessa vez ao invés de recuar eu afastei sua espada com a minha e me joguei sobre ele acertando uma cotovelada em seu rosto que o arremessou no chão com o nariz esguichando sangue.
  À essa altura o outro já havia se recuperado e voltava a atacar, e por descuido não fui rápido o bastante e sua lâmina atingiu meu braço esquerdo. O corte de raspão não passou de um arranhão, mas ardeu como se estivesse em brasa. O ferimento foi o bastante para liberar uma nova onda de adrenalina que me impulsionou em sua direção, dessa vez em um combate um a um, podendo me concentrar exclusivamente nele, desferi uma série de ataques sem descanso, o forçando a recuar até encontrar o parede atrás dele. Um descuido foi o suficiente para romper a sua defesa, afastando sua espada para a esquerda e golpeando sua cabeça com o pomo do cabo da espada, o nocalteando na hora.
  Com ambos os espadachins derrotados, me virei para confrontar a garota. O problema é que ela não estava mais lá.
 
  Um grito de dor escapou da minha boca quando o inacreditável aconteceu: uma adaga penetrou em minhas costelas sem eu ter notado sua aproximação. Uma voz fria e morta sussurrou algumas palavras que eu quase não pude entender e removeu a adaga - o que piorou e muito a dor.
  Cambaleei com a mão pressionando o ferimento e tentei ficar em pé, mas uma nova onda de dor fez minha perna ceder e eu cai de lado.
  Agora eu podia ver melhor a garota que mais parecia ter saído de um filme de terror dos anos 2000, toda coberta de preto e com o cabelo ocultando metade do rosto.
   - Caramba, você é a Samara ou a Kayako? - Disse antes que ela terminasse de falar. - Não me lembro de você ter ligado pra mim.
  Foi mal, nessas horas eu não consigo evitar esses comentários.
  Antes que ela pudesse fazer qualquer outra coisa, tentei me aproveitar do fato de estar caído no chão e acertar um chute na parte de trás das suas pernas, fazendo assim com que ela perdesse o equilíbrio e também caísse. Se isso funcionasse, eu tentaria me levantar rapidamente e render ela com aponta da espada em sua garganta.
- Mas até que não me importaria se ligasse, cherry.
 

Armas:
-
- Faca de bronze celestial

*Moeda das Armas -De ouro imperial, em um lado a imagem de uma espada e na outra de uma lança, quando uma das faces e pressionada, esta vira o item correspondente, Espada: Metade prata metade bronze, ambos vermelhos, extremamente afiadas, Lança: Longa e de ouro negro, cabo de couro preto e resistente

*Pingente de Sangue: Pingente feito do sangue dos guerreiros mais vitoriosos. Ao utilizar esse item, as almas dos guerreiros virão em seu favor e lhe proporcionarão um exército de até 4 guerreiros zumbis.

Perols: Um bracelete contendo três perolas brancas no formato de um triangulo da ao portador a possibidade de controlar uma pequena quantidade de ar. Não pode fazer um grande estrago mas se seu portador souber como usa-lo terá grandes possibilidades a sua frente

-> Escudo da Górgona - Escudo esculpido com o formato do rosto de Medusa. Além de ser extremamente potente e difícil de ser quebrado, nenhum inimigo consegue lutar de frente contra esse escudo sem ser petrificado, nem mesmo de olhos fechados ou vendados, sendo a única forma de se lutar contra esse objeto de costas ou cegando a si mesmo. Se transforma num bracelete de serpente enquanto fora de combate.

Ponto final: Nada mais nada menos que aparentemente um ponto em forma de prato, completamente negro, porém muito mais fino como papel, não pode ser rompido, é feito de material magico. Tal ponto pode se esticar e dobrar de tamanho, ou diminuir a ponto de se tornar um pequeno anel negro no dedo do semideus. Quando em uso, jogado em uma superfície plana, ele vira um tipo de passagem. O semideus, ao se atirar dentro do buraco negro é capaz de criar uma saída de sombras, que podem leva-lo a três lugares distintos. O monte Olimpo, o retorno para o acampamento meio sangue, e o parque principal de Nova York.

Habilidades:



Passivos


1 - Espirito Ancestral - A violência percorre o seio da humanidade desde o seu inicio, e antes disto em todos os seres vivos. Sendo essa a mais primitiva razão da realização de guerras, como filho de Ares você possui os instintos da própria violência em seu corpo, sendo que sempre luta com objetivo de ferir seu oponente. Essa agressividade natural acaba fazendo com que todos os golpes físicos da prole do deus da guerra, causem 50% a mais de dano do que golpes elaborados por outros semideuses.

1 - Fúria Sangrenta: Os filhos de Ares possuem uma personalidade muito irritadiça e temperamental, perdendo a calma com grande facilidade e por motivos muitas vezes medíocres. Ao ser provocado o filho de Ares irá fazer de tudo para lutar contra aquele ou aquilo que o estiver incomodando, sendo que nenhum poder referente a sentimentos (charme, medo, pânico e etc) irão impedi-lo de despejar sua fúria. Apenas é efetivo quando o semideus é provocado por seus adversários ou quando algo o enfurece (a morte de um aliado, a tentativa de o atacar, barulhos muito altos e incômodos, e etc).

1 – Combate Não-Armado: Nos combates de uma guerra, muitas vezes o combatente acaba sendo desarmado, acabando sua munição ou perdendo sua arma, o obrigando a utilizar apenas seus punhos para sobreviver. Sendo peritos em combates desarmados, os filhos de Ares sabem técnicas marciais de todas as artes marciais existentes, mesmo que nunca tenha feito uma aula se quer. As técnicas podem ser utilizadas para a elaboração de movimentos complexos, como mortais, piruetas, ataques acrobáticos e golpes que requeiram uma grande elásticidade.

2 – Espírito de Guerra: Ares é o deus da guerra, profundo amante de combates e um dos principais deuses amantes da morte. Seus filhos possuem um espírito parecido com o do deus, de modo que todos os conhecimentos referentes a guerra (Como sinais de comunicação, técnicas de sobrevivência básica, manuseio de armas e tudo mais o que tiver ligação direta com guerra), surgem naturalmente na mente do semideus, mesmo que ele jamais tenha passado por alguma situação de dificuldade.

2 - Velocidade atlética: Um bom combatente sempre está preparado físicamente para os futuros combates, sendo que as proles do deus da guerra evam a sério seus treinamentos rígidos, buscando sempre serem melhores. Devido a condição física e biológica natural do semideus, e de seu empenho nos treinamentos, são quase tão rápidos e ágeis quanto filhos de Hermes, conseguindo correr longas metragens sem se cansarem. Movimentos de finta, esquiva e outros que requeiram velocidade/agilidade, sempre possuem 50% mais chances de funcionar contra inimigos mais lentos, além de perderem em uma corrida apenas para seres tão velozes quanto filhos do deus mensageiro.

2 - Mãos trocadas: Graças a natural facilidade no manuseio de armas, as proles do deus da guerra conseguem manusear com extrema perícia duas armas ao mesmo tempo, sendo ambidestros por natureza. Seus golpes são potentes independente de com qual mão esteja segurando a arma, além de conseguir utilizar armamentos pesados de duas mãos utilizando apenas uma, como espadas montantes, machados de guerra, lanças e etc.

3 - Força I: A força é sem dúvida alguma a principal arma de um guerreiro,que o faz vencer seus inimigos mesmo que precise utilizar apenas seus punhos. Independente do porte físico do filho de Ares e da sua idade, o semideus terá a força de um atleta de MMA profissional, sendo capaz de carregar até cinquenta quilos e desferir poderosos golpes desarmados capazes de causar danos internos sobre o corpo de monstros e humanos.

3 – Deboche: Guerras não são travas apenas pelo uso de força bruta, mas também utilizando estratégias para enfraquecer o psicológico dos inimigos, como aconteceu a Napoleão Bonaparte e o exército Nazista ao tentarem invadir a Rússia. Assim como o deus da guerra, os filhos do deus sabem utilizar bem de palavras sarcásticas para debochar de seus adversários, fazendo com que eles fiquem fúriosos. Oponentes vítimas de deboche, passam a lutar "ás cegas", golpeando o filho de Ares sem utilizar estratégias ou pensar, ficando mais vulneráveis e deixando seus pontos fracos desprotegidos.

4 - Arma em Punhos - As proles de Ares aprendem desde cedo a importância de suas armas, não as deixando ou arriscando perde-las, não importa o que aconteça. Nenhum golpe pode tirar uma arma das mãos de um filho de Ares durante o combate, estes vão segurar suas armas com força e elas apenas irão poder serem removidas caso o semideus não esteja as segurando, ou caso morra.

4 – Sexto sentido - Em meio a um campo de batalha, descansar não é opção e os filhos de Ares sempre estão atentos. Além de conseguirem notar com mais precisão e facilidade sinais de aproximação (sons, cheiro e etc), esses semideuses possuem uma espécie de sexto sentido, de modo que ao serem alvo de um ataque direta ou indiretamente, pressentirão o perigo, podendo se prepararem melhor para o combate e evitarem serem emboscados.

5 – Disciplina: Os campistas do chalé 5 são os mais disciplinados e focados. Com isso, sua resistência a poderes/habilidades que envolvam alterações emocionais ou na personalidade do campista é bastante forte. Poderes mentais possuem no máximo 50% de seu efeito sobre os filhos de Ares, assim como dificilmente o semideus irá deixar que distrações tirem de si o foco em sua missão.

9 - Regeneração Gradual II - Agora em um nível mais avançado, os filhos de Ares ao estarem em combate, sentem a benção natural em torno de seus corpos um pouco mais intensificada, de modo que seus ferimentos aos poucos são regenerados e sua vida recuperada. Nesse nível é recuperado apenas 5 HP por turno que o semideus estiver em combate, sendo que não é somado o efeito não é somado com seu nível anterior.

11 - Percepção estratégica: Para vencer um combate, não é preciso apenas possuir a maior força, os melhores golpes e as principais vantagens, também é necessário saber utilizar as desvantagens e fraquezas dos adversários, fazendo com que eles percam para si mesmo. Ao olharem atentamente para o corpo de um oponente, os olhos do filho de Ares conseguem notar quais são as principais fraquezas do sujeito, quais os melhores pontos a se golpear e o que pode fazer para vencê-lo. As informações são dadas pelo narrador, cabendo á prole do deus da guerra as utilizarem da melhor forma possível.

11- Ignorando a dor II: Já fortificados e com o corpo repleto de cicatrizes e demais sinais de combate, os filhos de Ares melhoram a capacidade de ignorarem a dor de ferimentos, podendo lutar normalmente mesmo se estiverem com luxação, dedos quebrado ou ferimento profundo e não mortal. Nesse nível, caso o golpe incapacite um membro do semideus, a dor poderá ser ignorada apenas durante três turnos.





Ativos


N/A

   
O que eu fiz?:
• Um monte de coisas .-.
1) Imprenssei os dois primeiros arqueiros usando a poltrona e a parede;
2) Acertei a adaga no braço do segundo o impedindo de continuar lutando;
3) Incapacitei o primeiro espadachim com uma cotovelada no rosto;
4) Nocalteei o segundo com uma coronhada com o punho da espada;
5) Tentei derrubar a garota e fazer com que se rende-se.





"I swear , I will find you."
avatar
Nero Khan
Filhos de Ares
Filhos de Ares

Mensagens : 44
Data de inscrição : 26/01/2016
Localização : Arredores de Detroit, Michigan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Phobos em Sex Nov 11, 2016 12:45 pm


Êxodo I - Apenas o Começo

O ataque de Nero fora rápido, algo que a garota certamente não esperava. Ela havia subestimado o filho de Ares, tomando-o por fraco, erro que ela com certeza não tomaria novamente. No entanto, Nero também a havia subestimado.

Assim que o chute acertou a parte de trás da perna da garota, Nero se ergueu, planejando rendê-la com a ponta da espada, mas foi surpreendido quando a garota se levantou com rapidez e graça, como se dançasse, e uma foice enorme praticamente se materializou em sua mão enquanto ela desviava a espada de Nero, se colocando de pé outra vez.
- Acha que os truques do Acampamento vão funcionar comigo, garoto? Eu vim de lá. Você não pode me deter como derrotou esses outros inúteis.

O único olho da garota de repente se tornou vermelho, e seus lábios formaram um sussurro que pareceu ecoar dentro da mente de Nero. - Tsukuyomi. - E subitamente tudo se tornou escuro a frente do filho de Ares, que se pôs em alerta. Seu instinto de guerra o dizia que ela estava prestes a atacar, e ele se preparou para o ataque dela, que veio rapidamente: 5 ataques com sua foice, rápidos, tão velozes que eram apenas borrões em meio a escuridão.

E ainda dentro da escuridão, o som de um grito logo acima fez o coração do garoto disparar;
- É um chamariz! Socor...
Silêncio. E então outro grito.
- Estamos sendo atacados!

Observações:
~> As missões que faço tem algo singular: Todo turno tem uma escolha que seu personagem precisa fazer. Essa escolha influencia em como sua missão caminha, podendo, por exemplo, solucionar um mistério, lhe proporcionar um item a mais, encontrar um aliado ou até mesmo um inimigo. Escolha com sabedoria.

~> O prazo máximo para postagem é de 2 semanas após o meu post, ou seja, até 25/11/2016, e eu terei o mesmo prazo para lhe responder. Note que, quanto mais rápido postar, mais rápido a missão irá andar.

~> Cite poderes usados, mesmo que passivos, e itens sempre em spoiler.

~> Novamente, sem escolhas neste turno. O trecho sublinhado de agora é um ataque da Filha de Thanatos. Descreva sua tentativa de defesa. Se eu achar que ela é aceitável e bem descrita, você escapará com sucesso do dano, caso contrário será atingido. Adam foi descoberto no andar de cima. Mantenha isso em mente.

~> A premiação desta missão será: Tamashi (Seguindo o pedido do Player) / 2000 XP / 2000 Dracmas. Ainda existe um bônus de +200 XP caso eu julgue sua interpretação boa, durante a missão, portanto se esforce!

~> Dúvidas, me mande MP!

Combatentes:

Nero Khan

HP ~> 210/220
MP ~> 220/220

Adam

HP ~> 215/220
MP ~> 220/220
Habilidades Usadas:

Passivos

ʡ Silenciosos – Quando os Ceifadores se mechem eles não fazem barulho os deixando menos propícios a ataques de monstros.

ʡ Hipercinese – Esta habilidade permite que o seu cérebro processar o movimento muito mais rápido do que as outras pessoas. Essa capacidade lhe permite melhores reflexos e excelente pontaria com armas de longo alcance ou com objetos atirados, bem como prever uma determinada trajetória.

ʡ Hipercinese II – Com o segundo nível desta habilidade, o cérebro do ceifador torna-se extremamente rápido e perceptivo, de modo que nenhuma tentativa de enganar o ceifador terá resultado. Sendo assim, são imunes a mentiras(sempre sabem quando alguém está mentindo próximo a ele), ilusões e qualquer outra tentativa de os enganar.

Ativos

VAZIO

Semideusa - Filha de Thanatos

HP ~> 210/220
MP ~> 190/220
Habilidades Usadas:

Passivos
A Valsa da Morte I -> Os movimentos de ataque e defesa desse semideus são rápidos e fluidos, como se fosse uma dança.

A Arma do Fim II -> Ao segurar qualquer foice, o semideus e a arma se tornam um só. Os movimentos do filho de Thanatos com a foice parecem fluir naturalmente, como se o mesmo tivesse nascido com a arma.

Ativos

Tsukuyomi I -> Pronunciando essas palavras de origem japonesa, o semideus envolve um inimigo num véu de escuridão como a noite, deixando-o perdido e sem visão dele por um tempo. (20 MP)

Combo da Morte II -> O semideus ataca com sua foice de forma implacável e rápida, dando cinco ataques em sequência. Cada ataque tira 10 de HP. (10 de MP)
avatar
Phobos
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 617
Data de inscrição : 18/11/2014
Localização : Na sua mente...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Phobos em Sab Dez 10, 2016 8:56 am

O SEMIDEUS TEM ATÉ 17/12/2016 PARA POSTAR ANTES QUE A MISSÃO SEJA CANCELADA
avatar
Phobos
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 617
Data de inscrição : 18/11/2014
Localização : Na sua mente...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão para Nero Khan - Êxodo I - Apenas o Começo

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum